Tutorial Maya: Simulação de fluidos com o Pond e Wake

Já mencionei aqui no blog várias vezes que um dos pontos mais interessantes para mim em relação ao Maya é a sua parte de dinâmica que é bem completa. As opções existentes para criar animações baseadas em física são muito boas e estáveis, e oferecem uma gama de opções que outros softwares só pode ser igualada com o uso de plugins externos. Uma dessas áreas que oferece uma grande gama de possibilidades para edição é a criação de fluidos, usando o que é chamado de Pond e Wake. Esses dois elementos funcionam como complementos para um animador que esteja interessado em trabalhar com a simulação de superfícies de líquidos, e precisa gerar perturbações nesse líquido.

Para mostrar como funciona essa ferramenta aos usuários interessados em se aventurar pelo Maya, gravei um tutorial em vídeo que mostra a interação entre esses dois elementos. Os nomes não são muito intuitivos, e na primeira vez que fui utilizar a ferramenta para simular fluidos, acabei ficando um pouco confuso para descobrir a relação que ambos os objetos tinham. Espero que o vídeo ajude os artistas interessados nesse tipo de animação.

O processo é bem simples e consiste na escolha do shelf Dynamics do Maya para que as opções relacionadas ao uso de fluidos fiquem disponíveis, e no menu Fluid Effects, devemos escolher as opções de criação do Pond e do Wake. O Pond é a superfície que representa o líquido e sua forma é quadrada e limitada apenas a região em que o objeto foi criado, funcionando como se fosse o domínio da simulação.

Essa superfície do Pond pode ser perturbada pelo objeto Wake que é um tipo de campo de força que está por padrão habilitado para realizar colisões com o Pond. O segredo para gerar animações usando o Wake para gerar ondulações no líquido, é adicionar os Keyframes de maneira a deslocar o Wake sobre a superfície do Pond.

O resultado é que são geradas ondulações que correspondem a velocidade e deslocamentos do Wake sobre a superfície.

Ainda é possível fazer diversos ajustes nas características do Pond para conseguir efeitos diferentes para animação, resultando em outros tipos de ondulação. Sem mencionar as diversas opções disponíveis para fazer objetos boiando sobre o Pond e muito mais! Mas, isso é assunto para outro tutorial.

Tutorial Maya: Usando o nCloth para animar tecidos

Uma das partes mais interessantes do Maya é o seu robusto conjunto de ferramentas para gerar animações baseadas em física, que permite a qualquer artista com acesso ao software trabalhar com elementos como tecidos, rigid body e outros tipos de animação. Esse artigo é sobre uma dessas opções de física do Maya, que é o nCloth para gerar animações baseadas em física de tecidos. A ferramenta é extremamente simples de usar dentro do Maya, e pode ajudar muito a criar partes de personagens ou mesmo cenários que tenham objetos representando tecidos.

No vídeo abaixo eu mostro como funciona a criação de um plano que simula esse tipo de comportamento usando o nCloth no Maya 2011:

No começo do vídeo abordo o tratamento necessário para objetos poligonais que precisem receber deformações, que é a simples adição de subdivisões nesse tipo de objeto, caso contrário os polígonos não conseguem receber deformações. Por isso, o objeto que é usado como tecido, que é um plano simples, recebe boa quantidade de subdivisões para se comportar como plano.

Depois que o objeto estiver criado e com boa quantidade de subdivisões, basta selecionar o mesmo e transformar ele em um nCloth na aba própria para isso, que é chamada de nCloth. Se a animação na cena for acionada, o plano começará imediatamente a receber influência da gravidade, e despenca no vazio da cena. Para evitar isso, é necessário adicionar obstáculos, e isso pode ser feito com outro objeto poligonal que recebe a atribuição de colisão com nCloths. Essa opção está logo ao lado do nCloth, e pode ser aplicada em praticamente qualquer objeto no Maya.

O vídeo mostra como fazer isso usando uma esfera, resultando em um obstáculo para o tecido, que agora colide com o objeto e acaba mostrando como é realista a simulação de tecidos com o Maya.

Mas, isso não é tudo, pois no vídeo ainda mostro como trabalhar com restrição de transformações em vértices do plano. Esse tipo de ferramenta acaba deixando fixos alguns pontos selecionados do plano, e gera um efeito interessante de elementos fixos no tecido.

Com esse tutorial você deve conseguir criar animações baseadas em física com tecidos no Maya de maneira rápida e quem sabe, explorar um pouco mais as opções de animação com tecidos no software.

Tutorial de modelagem com Maya: Criando arcos

A criação de alguns tipos de topologia usando polígonos pode ser um tanto quanto complicada, principalmente quando o elemento envolve o uso de partes em arcos. Em arquitetura um dos tipos mais complicados de forma em que podemos trabalhar são os arcos e elipses, sendo que todas as vezes que esse tipo de forma é usada na organização de espaços, teremos quase na certa problemas de distribuição. Com o uso de ferramentas de CAD a coisa fica um pouco mais fácil, mas ainda assim teremos algum tipo de dificuldade ou espaço sem bom aproveitamento. No caso de modelos 3d a coisa não é muito diferente, sendo que a criação de elementos com arcos plenos ou em ogiva, sempre são complicados.

Se você nunca teve a oportunidade de trabalhar com esse tipo de elemento, encontrei um tutorial muito interessante e detalhado que aborda a criação de arcos usando o Maya. O objetivo do tutorial é conseguir criar uma forma semelhante a que vemos na imagem abaixo:

tutorial-arcos-Maya.jpg

Essa mesma imagem faz parte de uma edificação que usa o esquema dos arcos em diversos níveis. A técnica pode ser usada para recriar os arcos com vários tipos de perfis, sendo útil para artistas que precisam trabalhar com cenários no Maya.

A técnica é simples e com um pouco de conhecimento por parte o artista, pode ser adaptada em praticamente qualquer tipo de software. No caso do Maya, o artista começa o tutorial usando dois perfis e depois fazendo a união dos objetos usando a ferramenta Bridge do Maya. Essa ferramenta em uma opção interessante que é o Smooth Path que permite fazer a ligação entre duas faces, usando não uma trajetória reta, mas um arco. O resultado é que temos algo muito próximo do resultado final do objetivo desse tutorial.

Mas, ainda são necessários ajustes no modelo para que o arco acabe ficando da maneira como o artista deseja, o que o faz trabalhar na deformação do arco de maneira um pouco mais detalhada com o uso de um cilindro como referência.

O processo é simples de seguir se você é usuário do Maya, e pode dar boas idéias para usuários de outros softwares para reproduzir a técnica usando modelagem poligonal. É um excelente guia de estudos.

Tutorial Maya 2011: Animação com partículas e Goals

A animação usando partículas é sempre assunto para projetos que envolvem grandes quantidades de objetos em movimento, ou então para situações em que precisamos trabalhar com simulações físicas. A escolha do software para trabalhar com esse tipo de animação é de fundamental importância para o sucesso de qualquer iniciativa, pois nesse tipo de animação a quantidade de parâmetros e opções é que determina a facilidade com que o movimento é ajustado. Como estou preparando muito material para minhas aulas com o Maya, resolvi gravar um pequeno tutorial em vídeo mostrando como trabalhar com uma ferramenta extremamente interessante das partículas no Maya.

O vídeo abaixo mostra como trabalhar com uma opção chamada de Goal, que nada mais é que determinar que as partículas precisam perseguir um determinado objeto. Esse é o vídeo:

O primeiro passo para trabalhar com esse tipo de ferramenta é, evidentemente, adicionar um sistema de partículas na viewport do Maya. Isso é feito com a seleção do Shelf Dynamics e no menu Particles escolhemos a opção Create Emitter. Isso adiciona um emissor de partículas na viewport que podemos usar para interagir com outros objetos.

Um aspecto importante da gestão de partículas no Maya, é que as partículas e os emissores são objetos completamente diferentes. No vídeo isso é bem ressaltado, mostrando que para trabalhar com interações relacionadas com partículas é necessário selecionar as partículas e não o emissor. O truque para fazer isso é avançar um pouco a timeline para conseguir clicar sobre os pontos que representam as partículas. Nesse caso não foi feita nenhuma alteração no emissor, resultando em emissão do tipo omni. As partículas são emitidas para todos os lados.

Para criar um Goal é preciso adicionar um objeto qualquer a cena a depois selecionar primeiro as partículas, e depois o objeto. No mesmo menu Particles encontramos a opção Goal, que ao ser acionada com os objetos selecionados na ordem indicada, faz com que as partículas sigam o objeto 3d. A força com que as partículas perseguem esse objeto é controlada usando o Goal Weight.

Essa é uma opção extremamente interessante para adicionar dinamismo as animações com partículas, pois os alvos das partículas podem ser animados e criar movimentos caóticos na cena.

Como simular spots de luz no Maya 2011

A representação de pontos de luz na interface de um software 3d pode ajudar muito na criação e design de iluminação para cenários ou animações. Quando os pontos de luz usados não são direcionais, é bem comum que o artista 3d acabe se perdendo um pouco na limitação dos pontos em que temos mais ou menos iluminação. Em projetos que envolvem o design para jogos ou animações interativas, pode inclusive ser necessário simular o efeito da luz sendo emitida de refletores ou spots, caso a engine 3d usada para o projeto não suporte esse tipo de efeito.

Caso você queira conhecer uma técnica simples e rápida para simular esse tipo de efeito no Maya, encontrei um tutorial em vídeo bem interessante que apresenta a técnica, ajustando os materiais.

A técnica é bem simples e envolve trabalhar com o modelo 3d do refletor de luz e um objeto posicionado exatamente na saída da iluminação. O segredo nesse caso é trabalhar com materiais associados a gradientes, que no Maya são chamados de Ramps. O procedimento envolve a configuração da cor do material com uma textura, realizado no ícone que fica ao lado do parâmetro Color do material. Ao aplicar a textura, podemos determinar que o material começa com uma cor e termina com outra, com controles de opacidade independentes. Se um lado do material é opaco e o outro é transparente, teremos o efeito da luz sendo emitida pelo refletor.

Quando esse objeto estiver na parte frontal do refletor, podemos desligar a influência de qualquer ponto de luz na janela que determina os relacionamentos entre os objetos. Para isso, devemos selecionar o ponto de luz e desmarcar o nome do objeto que representa o tubo com o feixe de luz. Essa janela fica no menu Window e na área do Relationship Editor.

Os Ramps no Maya são extremamente importantes para o desenvolvimento e configuração de objetos em 3d, tanto no que tange os materiais e texturas, como na criação e ajuste de partículas.

Como estou fazendo a atualização do meu material de aula para o Maya nesse semestre, esse tutorial fará parte da lista de referências que uso, principalmente para as aulas sobre materiais.