Análise do livro SketchUp Pro aplicado ao projeto arquitetônico

O SketchUp está se tornando a ferramenta padrão para desenvolver projetos de arquitetura, devido a diversos fatores. Entre esses fatores estão a facilidade de operação do software, que realmente é um grande diferencial, e o fato de existir uma versão gratuita muito robusta e completa. Só por isso, podemos aformar que a ferramenta é muit atrativa para a maioria dos usuários. Mesmo com toda essa facilidade, ainda existem operações e ferramentas que demandam um pouco de trabalho e estudo para que possamos criar elementos mais complexos.

Por isso, algumas vezes é interessante recorrer a livros. Já escrevi resenhas sobre livros de SketchUp aqui no Blog, E hoje o artigo tem como objetivo analisar mais um desses livros. A editora Novatec lançou um titulo chamado SketchUp Pro aplicado ao projeto arquitetônico. Nos últimos dias estive lendo o livro para fazer essa analise, e anotando os pontos principais da obra.

O livro é bom? Posso afirmar que é um excelente livro. Mas, ele apresenta uma particularidade em relação as outras obras já comentadas aqui no blog. O seu foco não é em usuários iniciantes. O próprio autor já deixa esse aspecto claro no inicio do livro, recomendando para os leitores iniciantes a consulta aos videos basicos de SketchUp que o próprio autor produziu e colocou no seu web site pessoal.

SketchUp

Um ponto positivo para o livro é que ele tem uma abordagem focada em projeto, tanto que o autor utiliza o mesmo projeto desde o início do livro até o final, permitindo acompanhar o processo de desenvolvimento do projeto arquitetônico como um todo até a sua apresentação ao cliente. Além disso, a apresentação tem como foco a explicação do projeto e não a produção de material que servirá de apoio as vendas, especialidade de outras ferramentas e renderizadores que não são abordados nessa obra. Portanto, a parte de apresentação do livro é destinada a demonstrar o projeto arquitetônico para avaliação final.

O livro tem aproximadamente 210 páginas distribuídas por oito capítulos que são diretamente relacionados com o projeto para arquitetura. Essa é a lista com os títulos dos capítulos:

  1. Introdução
  2. O que esperar desse livro
  3. Desenho auxíliado por computador ou projeto auxiliado por computador?
  4. Criação e concepção
  5. Modelagem de terrenos
  6. Modelando elemtentos estruturais e arquitetônicos
  7. Apresentação do projeto
  8. Google Layout

Pode parecer pouco, mas alguns desses capítulos tem mais de 50 páginas cada um principalmente quando chegamos no final do livro, em que os assuntos são mais complexos.

Avaliação final?

O livro é um excelente companheiro para quem quiser conferir todos os passos da aplicação do SketchUp em projetos para arquitetura, tanto para quem já conhece e quem não tem experiência com o SketchUp. Ele será de grande ajuda para estudantes de arquitetura e design para interiores, pois mostra na pratica o que fazer no SketchUp para representar partes importantes do projeto no software.

Autodesk Newport: Interatividade e visualização de projetos arquitetônicos em 3D

As interfaces e a maneira com que interagimos com os sistemas estão avançando a cada dia, e como todos devem estar cientes, muito em breve as interfaces sensíveis ao toque devem ser o padrão para uso de softwares. Ainda acho que o sistema mouse e teclado sobrevivem na parte da criação, pois é direcionado para o perfil técnico das pessoas que trabalham com computação gráfica. Mas, os consumidores em breve só devem usar interfaces sensíveis ao toque. Com isso em mente, podemos nos questionar sobre os tipos de produtos e sistemas em que teremos que trabalhar para oferecer serviços e material relacionado com computação gráfica para esse tipo de interface.

Um projeto inovador, ainda em fase de desenvolvimento nos laboratórios da Autodesk, pode trazer uma luz para a resposta. O projeto se chama até agora Newport, e a sua proposta é bem interessante e mescla conceitos de desenvolvimento de jogos, com interfaces sensíveis ao toque. Isso aliado a uma boa interface e algumas ferramentas interessantes, podem realmente trazer uma experiência diferente para os possíveis clientes em empreendimentos imobiliários.

Quer ver um exemplo? O vídeo abaixo mostra a tecnologia em ação, com uma pessoa interagindo em tempo real com um projeto de edificações.

O primeiro ponto que podemos destacar é a interação da pessoa com a representação técnica do projeto, pois ela usa a planta da casa para se locomover. Ao caminhar pela planta, o display mostra de maneira síncrona a posição e visão da pessoa na edificação que ainda não existe. Isso é de grande ajuda, pois a maioria das pessoas não consegue visualizar os projetos apenas pelo desenho técnico, e as plantas são a ilustração mais usada para esse propósito.

Outro ponto interessante foi a possibilidade de fazer escolhas de materiais e revestimentos na interface. O usuário escolhe uma pequena placa correspondente ao material, para que o ambiente interativo seja atualizado em tempo real. Depois, ainda é possível posicionar uma maquete sobre a interface, para que o modelo 3d mude de perspectiva e mostre a parte externa da edificação.

O público alvo dessa tecnologia são escritórios de arquitetura e empresas especializadas em projetos, mas acredito que no futuro uma interface como essa possa ser aproveitada para outros propósitos. A junção de modelagem 3d com a tecnologia de interação para jogos não é novidade, mas o conceito em si de usar interfaces sensíveis e mais interação, fazem a diferença nesse tipo de projeto. Repare que no web site do projeto, o slogan deles diz “game engine para arquitetos”. Se fosse só por isso, acredito que o Blender 3D já faz um ótimo trabalho, oferecendo a possibilidade de criar ambientes interativos, sem o uso de códigos.

Tutorial SketchUp: Usando e configurando linhas guia

O uso de linhas guia é mais comum em softwares como o Adobe Photoshop ou InDesign, em que é útil alinhar objetos e elementos usando apenas o mouse. No caso dos softwares 3D, esse tipo de recurso já é mais raro, pois na maioria dos softwares como o 3ds Max ou Blender 3D, existem ferramentas como o grid ou transformações numéricas que suprem quase todas as necessidades dos artistas 3D. Mas, nos casos de ferramentas como o SketchUp que usam muito o desenho e modelagem a mão-livre, o uso de linhas guia é muito importante.

E o SketchUp consiste em uma dos únicos softwares 3D que apresentam essa opção de linhas guia. Essa ferramenta é chamada de Protactor, que cria essas linhas guia na área de modelagem do software. O vídeo abaixo mostra o funcionamento dessa opção que pode acelerar em muito o processo de modelagem, com precisão e interagindo com outras partes do modelo 3D.

O posicionamento de linhas guia ortogonais é extremamente simples, basta acionar a ferramenta chamada Tape (a fita métrica), selecionar um elementos como uma aresta ou plano e começar a medir. No canto inferior direito do SketchUp é possível visualizar a dimensão que está sendo marcada pela ferramenta. Por exemplo, você pode fazer a marcação para a abertura de uma porta que está a 2 metros de distância de outra parede. Para isso, basta digitar 2 no teclado enquanto a ferramenta está sendo usada, para que o próprio SketchUp adicione uma linha guia precisamente no local marcado. Esse é o procedimento necessário, para a maioria dos casos.

No caso de linhas guia inclinadas é possível usar a ferramenta chamada Protractor, que pode trabalhar com ângulos inclinados, para facilitar a criação desse tipo de linha auxiliar. Essa é a última parte do tutorial.

Apesar de ser básico, o tutorial é de grande ajuda para os artistas 3d interessados em modelagem com mais precisão.

Por isso, alguns artistas 3d especializados em modelagem 3d para arquitetura utilizam o SketchUp para criar modelos volumétricos dos seus trabalhos, para depois exportar o material para outros softwares como 3ds Max ou Blender. Nesses softwares é possível trabalhar o detalhamento dos modelos 3d, adicionando mais elementos orgânicos e cursos, um pouco difíceis de trabalhar no SketchUp. Com o surgimento de ótimas opções de renderização nativas ao SketchUp, como o V-Ray e Maxwell Render, a ferramenta gratuita do Google também é usada como a única fonte de produção para alguns escritórios de arquitetura e design de interiores também.

Já conheço algumas pessoas interessadas em abandonar os softwares 3d mais abrangentes e adotar apenas o SketchUp para seus trabalhos.