Apostila gratuita sobre programação em Python com Blender 2.5

O conhecimento de linguagens de programação é de fundamental importância para qualquer pessoa envolvida com a manipulação de grandes quantidades de informação, pois com o uso inteligente desse tipo de ferramenta, podemos economizar horas de trabalho repetitivo. Isso se aplica até mesmo em profissionais que trabalham com a parte mais artística da modelagem 3d e animação. Se você já trabalhou em projetos envolvendo esses tipos de conhecimento, já deve ter percebido que existe uma grande quantidade de tarefas repetitivas. Agora, o mais interessante é que em algumas situações as tarefas mudam de acordo com o projeto. Portanto, fica difícil criar ferramentas que ao mesmo tempo sejam universais e ajudem os artistas a trabalhar com praticamente tudo.

Devido a isso, podemos dispor de linguagens de script em todos os grande softwares de animação e modelagem 3d. Por exemplo, no Maya usamos MEL e no 3dsmax MAXScript. Mas, entre essas linguagens a que se mostra mais universal é o Python. Já podemos aproveitar scripts em Python no Blender, Softimage, Houdini e até mesmo no 3dsmax com o uso do módulo criado pelo Blur Studio para adaptar ferramentas criadas em Python para MAXScript.

Caso você seja usuário do Blender e queira começar a aprender a programar em Python, consultando diversos exemplos já no Blender 2.54. Existe uma apostila gratuita sobre Python com Blender que pode ser copiada nesse endereço.

blender-python-free-ebook.jpg

São 74 páginas recheadas de exemplos e dicas abrangendo os seguintes temas:

  • Edição de objetos do tipo Mesh
  • Materiais e texturas
  • Criação de objetos
  • Organizando texturas UV
  • Hierarquias para animação
  • Manipulação de câmeras
  • Renderização
  • Ajustes para curvas

Esses são apenas alguns dos assuntos disponíveis nesse material. A apostila não vai ensinar a trabalhar com Python desde o início, mas apresenta a vantagem de já mostrar exemplos de como realizar algumas tarefas simples usando o Blender 2.54, como a criação de primitivas geométricas. A exemplificação dos procedimentos é de grande ajuda, pois pode levar a adaptação dos scripts para tarefas mais complexas.

O material é recomendado a todos que usam o Blender e querem expandir um pouco mais os seus projetos, criando ferramentas personalizadas. Conhecer esse tipo de linguagem é um grande diferencial para qualquer artista.

Como criar scripts em Python compatíveis com o 3ds Max e não usar MAXScript

O uso de scripts e rotinas personalizadas é extremamente comum em ambientes de produção 3d, principalmente em estúdios que precisam organizar e criar conteúdo de maneira rápida. Tudo que pode ser automatizado usando scripts acaba sendo desenvolvido por equipes de programadores especializados naquela linguagem. O maior desafio para profissionais interessados nesse ramo é a grande diversidade de linguagens usadas para criar essas rotinas. Por exemplo, o 3ds Max usa o seu MAXScript para criar ferramentas e rotinas assim como o Maya usa MEL. Outras ferramentas 3d começam a adotar como padrão de desenvolvimento a linguagem Python, o que facilita muito a migração e criação de ferramentas que podem ser facilmente adaptadas para softwares distintos.

Entre as principais suítes 3d que suportam Python encontramos o Blender 3D, Softimage XSI e o Houdini 3D. Os artistas do estúdio Blur são usuários do Softimage XSI, mas por muito tempo adotaram o 3ds Max para criar suas animações e imagens. Isso resultou em diversas ferramentas personalizadas e rotinas prontas escritas em MAXScript, sem mencionar os projetos salvos nesse formato. O problema é que com o tempo o estúdio precisava de uma maneira de portar as ferramentas atualizadas e melhoradas com Python para projetos no 3ds Max, sendo que esse não consegue usar Python.

A solução foi criar um software interprete o Python para o 3ds Max como se fosse MAXScript. Assim nasceu o Py3dsMax que já comentei ontem mesmo no meu Twitter.

(1024) : random.

O melhor de tudo é que essas ferramentas desenvolvidas pelo estúdio Blur, sempre são disponibilizadas de maneira gratuita para qualquer pessoa usar nos seus projetos, assim como acontece com os diversos scripts desenvolvidos em MAXScript. Na página existe até um exemplo mostrando o resultado de um código escrito em Python e portado para MAXScript usando a ferramenta.

Esse tipo de ferramenta é extremamente importante para unificar e deixar a criação de rotinas personalizadas muito mais universal.

Se você tem habilidades com programação, ou interesse em desenvolver pesquisar relacionadas com aplicações para computação gráfica, essa é uma área carente de profissionais no mercado brasileiro. Todas as produções médias ou grandes, precisam de uma pequena equipe de desenvolvimento. Com esse incentivo do Py3dsMax, o Python se torna cada vez mais a melhor opção para criar rotinas para suítes 3D.

Tutorial de Python para aplicação em 3D com o Houdini

Parece que a SideFX está mesmo investindo pesado na divulgação do Houdini, com tutoriais e palestras gravadas em vídeo, praticamente toda a semana. O tutorial dessa semana, pode beneficiar vários artistas, além dos que já usam o Houdini profissionalmente. O tema é relacionado ao uso de scripts para a personalização de ferramentas, seja de modelagem ou animação, usando o Python. Essa linguagem é aproveitada por mais de um softwares 3d para personalizar funções e tarefas repetitivas. Quem usa o Blender 3D deve estar careca de saber que essa é a linguagem base do Blender, para esse tipo de tarefa e também temos o Softimage XSI que usa Python.

Portanto, as pessoas que conhecem essa linguagem e tiverem paciência para estudar a documentação relativa aos objetos específicos de cada software, basicamente pode trabalhar com a personalização de cada um deles. O processo é bem diferente com o 3ds Max e Maya, que usam MAXScript e MEL respectivamente. Uma linguagem única é ótima para ampliar o campo de trabalho para as pessoas que precisam estender um pouco mais seu software 3d.

A palestra sobre o uso de Python no Houdini foi gravada durante a Siggraph e tem como palestrante Robert Vinluan. O arquivo com a palestra, pode ser copiado nesse endereço diretamente do web site da SideFX. No total são mais de 1 hora de vídeo, em quase 200MB.

Os assuntos abordados na palestra são três:

  • Introdução ao HOM que é a sigla para os modelos de objetos usados pelo Houdini
  • Como elaborar interfaces para aplicativos personalizados no Houdini
  • Como usar os modelos de objetos do Houdini, para trabalhar com renderização em rede

Como o primeiro e o último assunto abordado são específicos do Houdini, recomendo que você assista ao menos a parte sobre a criação de interfaces gráficas para os aplicativos. O desenho de botões, caixas de texto e outros elementos da interface são uma parte crucial de qualquer aplicativo, e principalmente em softwares como o Blender, que usam objetos vetoriais esse desenho é extremamente importante.