Usando técnicas de fotografia no render com o LuxRender e Blender 3D

Na semana passada publiquei no blog um artigo em que recomendava a leitura de um excelente artigo comparando parâmetros e valores de câmera real, como ISO e exposição na renderização 3D. O artigo inclusive apresentava diversas imagens e comparações entre tipos diferentes de configuração. Todo o tutorial é voltado para usuários do 3ds Max, mas como já havia comentado no próprio artigo, qualquer artista 3d pode se beneficiar desse tipo de conhecimento. Por isso, resolvi fazer um artigo semelhante, indicando o local em que podemos fazer esse tipo de ajuste usando o LuxRender e o Blender 3D. O Blender não apresenta esses parâmetros reais de câmera, mas ao usar renderizadores do tipo Unbiased como o LuxRender ou o Indigo, podemos facilmente aproveitar esse tipo de configuração para melhorar nossas imagens.

O primeiro passo para conseguir fazer isso no LuxRender é encontrar o local em que essas opções estão disponíveis na interface do render. A princípio não é tão óbvio de encontrar, pois precisamos alterar o tipo de tonemapper para termos acesso a esse tipo de configuração. Por padrão o LuxRender sempre usa como tonemapper o Reinhard/non-Linear para controlar a imagem gerada. Precisamos alterar esse tonemapper para Linear na interface do LuxRender, como mostra a imagem abaixo ou então no próprio LuxBlend.

render-camera-real--fotografia-arquitetura-luxrender-01.jpg

Depois que fazemos a alteração para o tonemapper do tipo linear, teremos a disposição três parâmetros que se assemelham as configurações reais de uma câmera que são o Sensitivity, Exposure e FStop. Vejamos o que cada um deles significa.

Sensitivity

Esse valor no LuxRender funciona como o Film ISO em outros renderizadores, sendo identificado aqui por um índice que é funciona com 1 unidade do sensitivity para 100 do ISO. Então temos para o Sensitivity de 3 a equivalência do ISO 300. Essa é realmente a sensibilidade do filme da câmera, que significa simplesmente o aumento da luminosidade com o aumento da sensibilidade, pois a câmera capta mais luz. Veja as imagens abaixo, com uma comparação entre o ISO 100 e ISO 800.

render-camera-real--fotografia-arquitetura-luxrender-02.jpg

render-camera-real--fotografia-arquitetura-luxrender-03.jpg

A imagem foi renderizada sem nenhum tipo de alteração na intensidade da luz, apenas alterando o ISO da câmera é possível fazer o ambiente “parecer” mais claro.

Exposure

Aqui temos o valor que controla o tempo de exposição da câmera durante o render em segundos. Ao usar uma máquina fotográfica profissional que tenha esse tipo de opção habilitada, podemos deixar o filme vários segundos exposto. Quando mais tempo o filme for exposto a luz, mas claro será o render. As imagens abaixo mostram como o tempo de exposição pode fazer a diferença em câmeras configuradas com ISO 400. O tempo está em segundos.

render-camera-real--fotografia-arquitetura-luxrender-04.jpg

render-camera-real--fotografia-arquitetura-luxrender-05.jpg

FStop

Por último, podemos controlar também o FStop que determina a abertura física da “lente” dessa câmera virtual. Quando maior for a abertura da câmera, mais luz entra pela lente e consequentemente teremos mais luminosidade na imagem. Quanto menor for o valor desse parâmetro, maior será a abertura do ângulo da câmera. Veja as imagens abaixo que mostram as diferenças de luminosidade entre FStop de 5 e 4. Sendo que a diferença de luminosidade nas imagens se dá pelo fato do FStop com valor 4 ter uma abertura maior, o que resulta em mais luz sendo captada pela câmera.

render-camera-real--fotografia-arquitetura-luxrender-06.jpg

render-camera-real--fotografia-arquitetura-luxrender-07.jpg

Com esses valores em mente, agora você pode começar a aplicar os seus conhecimentos de fotografia em renders criados no Blender 3D e LuxRender, ou quem sabe fazer exatamente o inverso. As pessoas com experiência em fotografia já começam com a vantagem de manipular com certa facilidade as combinações desses valores para conseguir boas imagens.

Fotografia com a técnica tilt shift para fazer objetos reais parecerem artificiais

A fotografia está diretamente relacionada com a produção de conteúdo em 3d, basta dizer que você precisa adicionar uma câmera na sua cena, com configurações como lentes, abertura, velocidade do obturador e ISO. Tudo isso faz com que conhecimentos de técnicas relacionadas com fotografia, sejam de grande valia para qualquer artista envolvido com a produção de conteúdo 3d. Existem até mesmo técnicas fotográficas que permitem transformar objetos reais, com grandes dimensões em imagens que representam aparentemente uma minúscula maquete. Essa técnica chama a atenção, pelo fato de fazer exatamente o oposto do que muita gente procura fazer com a modelagem 3d e renderização, que é o foto realismo.

Como podemos usar esse tipo de conhecimento em nosso benefício? Ao conhecer as técnicas usadas pelos fotógrafos, seja com o uso de lentes ou até mesmo as configurações no Photoshop, podemos evitar essas características para obter o foto realismo.

Antes de continuar, veja esses dois exemplos de imagens geradas com técnica do Tilt Shift, uma delas é estática e a outra um vídeo gravado nas praias de Sydney, Austrália.

mini work station


Beached from Keith Loutit on Vimeo.

Reparem que na imagem e no vídeo, a impressão que temos é de observar uma miniatura. Tudo parece minúsculo, desde os veículos até as pessoas se movimentando no vídeo, aparentemente na mesma escala das formigas.

Como eles fazem isso? Para gerar esse tipo de imagem, existem algumas regras que os fotógrafos seguem.

  • Sempre tirar as fotografias de lugares altos, para obter vistas aéreas do cenário. Isso simula perfeitamente o efeito de um fotógrafo, tirando a foto de uma maquete;
  • Como os materiais das maquetes são geralmente novos, ou passam a impressão de cores mais vivas, pois são feitos de papel, vidro e acrílico os fotógrafos acentuam a saturação das cores no Photoshop;
  • Na fotografia de maquetes e objetos pequenos, são usadas lentes especiais chamadas de Macro. Sempre que essas lentes são usadas, a imagem acaba recebendo nas suas bordas um desfocamento característico, semelhante a um efeito de Blur. No Photoshop isso pode ser obtido com filtros, para simular esse tipo de efeito. Em máquinas fotográficas reais, existem lentes próprias para simular o efeito das Macros em ambientes e cenários mais amplos.

Mesmo não tendo uma aplicação prática e direta, podemos aprender um pouco mais sobre enquadramento de imagens, que deve respeitar a altura do observador e a escolha correta das cores. Isso pode ser determinante para que a sua imagem, produzida em algum software 3d seja considerada real.

Mais um excelente exemplo de como a fotografia pode influenciar o trabalho de um artista 3d, com técnicas e ferramentas úteis, para mostrar que nem sempre o objetivo é transformar o artificial em real, mas o contrário também é possível.

Para conferir mais alguns ótimos exemplos desse tipo de fotografia, recomendo uma visita a essa galeria de imagens, com fotografias tiradas usando a técnica do tilt shift.