Curso de modelagem para arquitetura com Blender: Aula 08 disponível

O curso de modelagem para arquitetura com Blender do EAD – Allan Brito está finalmente com a sua aula 08 totalmente publicada. Foi uma espera razoável para a publicação dessa aula, pois a mesma é formada por vários vídeos de duração bem razoável. No meio do caminho ainda foi lançado o B-Mesh do Blender, o que me motivou a refazer alguns dos vídeos já gravados anteriormente para mostrar nessa aula 08 alguns dos recursos que não tinham sido abordados nas aulas anteriores.

A imagem abaixo mostra uma montagem com a edificação criada nessa aula 08, que é um tipo bem comum de edifício presente no mercado imobiliário do Brasil. É um prédio com vários pavimentos destinados a habitação residencial.

curso-modelagem-arquitetura-aula-08.jpg

Ao longo dessa aula os participantes do curso aprendem e aplicam os seguintes tópicos relacionados a modelagem para arquitetura com Blender:

  • Modelagem de paredes
  • Uso das ferramentas de precisão do Blender
  • Uso de bibliotecas externas
  • Modelagem de esquadrias
  • Ferramentas do B-Mesh como Inset, Bridge e outros
  • Planejamento da modelagem
  • Fechamento de paredes
  • Modelagem de paredes com aberturas
  • Uso de modificadores para modelagem em arquitetura

O modelo 3d resultante é do projeto está disponível para download na área da aula 08 no curso sobre modelagem para arquitetura com Blender. Isso é importante para que os participantes do curso possam comparar o resultado final do projeto com o seu próprio modelo 3d.

Para se inscrever nesse curso, visite a página de detalhes do curso sobre modelagem para arquitetura com Blender, para conhecer mais detalhes sobre o curso e também encontrar as opções de inscrição. A imagem que ilustra esse artigo foi renderizada com o Blender Cycles, sendo criada uma cena com iluminação semelhante a luz do sol.

Esse é mais um curso do EAD – Allan Brito que está agora com todas as aulas publicadas, agora o próximo passo é publicar as atualizações para os próximos cursos que são:

Os dios cursos devem receber atualizações nas suas aulas até a próxima sexta. E na próxima semana mais cursos devem ser disponibilizados no EAD – Allan Brito!

Comparação entre renderizadores para o SketchUp

Essa semana publiquei aqui no blog um artigo comentando sobre o lançamento do Maxwell for Google SketchUp como sendo uma opção a mais de renderização para o SketchUp. O artigo mencionava como era difícil encontrar uma boa opção de render para o SketchUp que aliasse o fato de ser gratuito com qualidade no render, como existe no Blender. O assunto é bem interessante para o público do blog, pois frequentemente recebo mensagens pelo formulário de contato, ou mesmo no Twitter, questionando sobre renderizadores para o SketchUp.

Comparação entre renderizadores para o SketchUp

Hoje pela manhã estava navegando por alguns sites de notícias e encontrei um artigo que pode ajudar muitos usuários interessados em renderizadores para o SketchUp. Um artista chamado Patrick Lambert fez um estudo comparativo entre vários renderizadores para o SketchUp. O que ele fez foi instalar os renderizadores e com a mesma cena, tentou gerar uma imagem com as opções padrão de cada software.

sketchup-Render-Indigo.jpg

O resultado você pode conferir no artigo que ele publicou com a comparação.

A comparação em si é válida, mas não tem caráter avaliativo que permita ajudar na escolha de alguma dessas ferramentas como base para uso em projetos. O motivo é bem simples, com pequenos ajustes nas configurações ele poderia muito bem mudar de maneira significativa o resultado do teste, inclusive com tempos de render menores do que os apresentados no estudo.

Entre os renderizadores escolhidos o de menor desempenho quando o assunto é realismo foi o SU Podium, e pela experiência que já tive com ele posso dizer que as opções do software não são realmente as mais indicadas para usuários que procuram realismo máximo! O SU Podium é a escolha ideal para quem não quer ter trabalho de ficar escolhendo valores para inúmeros parâmetros até conseguir um bom resultado no render.

A qualidade do render obtida no Indigo não me surpreendeu, pois conheço o renderizador e sei que usando os ajustes certos de material e luzes ele consegue gerar imagens extremamente realistas. O resultado do teste com o V-Ray no artigo foi muito ruim, pois esse é um dos que exige a maior quantidade de ajustes.

Se você queria uma comparação rápida entre os renderizadores, recomendo ler o artigo e avaliar as imagens com os resultados do render no SketchUp.

Modelagem 3d para arquitetura com o Blender Cycles

A adição de uma ferramenta de renderização avançada acaba fazendo com que as pessoas mudem seus hábitos de trabalho nos mais variados softwares. No caso do Blender a inclusão do renderizador Cycles deve fazer com que muitas pessoas vejam o render de maneira diferente. No meu caso mesmo o sistema foi ganhando cada vez mais importância no meu modo de trabalho, permitindo que os objetos 3d sendo modelados fossem visualizados em tempo real, enquanto o mesmo estava sendo criado. Dependendo do seu computador, o método não é muito recomendável por exigir bastante do hardware do computador, mas é excelente para ter feedback visual do modelo 3d.

Para mostrar como funciona esse método de trabalho, gravei um pequeno vídeo em formato timelapse, acelerado em duas vezes para mostrar a criação de uma fachada em 3d, que seria parte do projeto de uma edificação. É só um estudo de volumetria que ainda deve sofrer inúmeras modificações.

O Cycles permite determinar que o modo de visualização da 3D View do Blender seja do tipo Rendered, e o modelo 3d como um todo é renderizado pela GPU do seu computador. O resultado pode ser visto no vídeo, que é a atualização rápida das imagens. O modo de modelagem com o Cycles só demanda que o modelo seja constantemente visualizado no modo objeto, pois as alterações no modo de edição não são passadas para o render.

Para conseguir gerar sombras no modelo como um todo, é adicionado um plano que recebe material do tipo Emissor, para emitir energia luminosa.

A criação de objetos e modelos 3d fica muito prática usando esse procedimento, pelo feedback visual que temos dos objetos.

Ficou interessado no Cycles? Para usar essa versão do Blender é necessário visitar o graphicall.org e fazer o download de uma versão experimental do Blender com o Cycles. Como é tudo experimental, recomendo cautela ao abrir projetos importantes nessas versões.

Se você não sabe usar o Blender e quer aprendender, recomendo visitar o EAD – Allan Brito para fazer o curso de Blender 2.5 gratuito totalmente online! E a modelagem mais avançada, como a usada no vídeo pode ser aprendida no curso de modelagem poligonal com o Blender 2.5, que também está disponível no mesmo site.

Tutorial de modelagem com 3ds max: Criando um aparador

Como parte do processo de aprendizagem e aperfeiçoamento de técnicas de modelagem, é muito importante tentar conhecer ao máximo o processo de criação dos mais variados artistas 3d. No que se refere a modelagem 3d, podemos utilizar vários meios para conseguir chegar exatamente ao mesmo resultado. Isso é exatamente o que acontece com a modelagem poligonal, a mais simples em termos de ferramentas e que oferece uma gama enorme de opções para conseguir criar o mesmo objeto 3d. No vídeo abaixo que foi criado usando o 3ds max 2011, um artista realiza a modelagem de um objeto simples, que pode muito bem fazer parte de projetos de visualização para arquitetura, ou mesmo cenários de animação.

Esse objeto é um aparador, que é parte do mobiliário de muitas residências. No vídeo, o artista mostra todo o processo de ajuste e configuração necessários para criar esse objeto.

O tutorial está dividido em duas partes:

No vídeo podemos identificar todos os aspectos básicos que definem a modelagem poligonal:

  • Uso de referência fotográfica para definir a forma do aparador
  • Objetos criados com base em formas geométricas simples
  • Manipulação de elementos como faces, arestas e vértices
  • Transformação dos polígonos para se adequar as formas da referência
  • Criação de detalhes com cortes e chanfros

Essas são as características principais de qualquer projeto que faça uso de modelagem baseada em polígonos, permitindo praticamente definir um processo de construção para os objetos na modelagem 3d.

A vantagem de criar objetos usando modelagem poligonal, é que podemos pegar o mesmo procedimento usado nesse tutorial e aplicar em praticamente qualquer software 3d que apresente opções semelhantes, e nesse quesito é possível adicionar praticamente qualquer ferramenta 3d a essa lista, a não ser que o software seja especializado em outro método, como é o caso do Rhino e da modelagem com NURBS.

A criação desse mesmo objeto usando NURBS seria bem diferente, assim como se usássemos algo parecido com modelagem baseada em curvas. Nesse tipo de modelagem, precisamos criar formas de controle que definem a forma geral do objeto. Essa definição das formas acaba atrasando um pouco a modelagem.

Com o processo baseado em polígonos, a coisa é bem mais fluida!

Tutorial de iluminação para exteriores com 3dsmax e VRay 1.5

A criação de projetos de visualização para arquitetura faz uso intenso de ferramentas como o 3dsmax e VRay para gerar imagens, o que demanda dos artistas que pretendem trabalhar nesses escritórios ou estúdios que tenham algum tipo de conhecimento sobre essas ferramentas. Já tive vários alunos que tiveram que estudar especificamente o 3dsmax e VRay, apenas para conseguir colocações em estúdios que produziam imagens para arquitetura com essas ferramentas. Para os que nunca trabalharam com render no VRay, encontrei um tutorial simples e objetivo que mostra a configuração de uma cena externa para arquitetura.

O objetivo do tutorial é apenas mostrar configurar uma cena com iluminação realista proveniente do sol.

No tutorial que é basicamente um pequeno guia sobre como montar uma cena para gerar iluminação realista para maquetes eletrônicas, podemos perceber como o VRay apresenta uma quantidade razoável de parâmetros e opções, mas com os ajustes certos é possível gerar imagens realistas em pouquíssimo tempo.

No caso desse exemplo, a primeira coisa que o artista executa é a configuração de um domo que funciona como plano de fundo para todo o render. A criação desse tipo de elemento é perfeitamente válida como plano de fundo, inclusive permitindo pequenos movimentos de câmera que se adaptam perfeitamente a natureza curva do domo. Em algumas situações já vi projetos usarem muito bem grandes planos com texturas de céu aplicadas, simulando muito bem esse tipo de efeito.

Com o plano de fundo devidamente posicionado, podemos partir para o ajuste da iluminação. O processo é bem simples e consiste basicamente na criação de uma luz do VRay, seguida por alguns parâmetros básicos.

Mas, logo depois do primeiro render de teste a cena se mostra demasiadamente escura. Nesse ponto entra o ajuste dos parâmetros de render do próprio VRay. É importante entender que o ajuste desses parâmetros pode funcionar muito bem em projetos com pequenas variações, mas será necessário adequar muita coisa, principalmente se existirem diferenças na escala. O resultado final pode ser conferido no final do vídeo, com a criação de uma imagem bem iluminada e gerando um efeito que pode ser aproveitado na maioria dos projetos de renderização para arquitetura.