Tutorial de animação com Flash: Motion Tween e Classic Tween

Na época em que o Flash CS4 foi lançado pela Adobe, muitos artistas experientes encontraram duas maneiras nativas de criar animações por Tween que até o CS3 estava agrupado em apenas uma opção chamada de Motion Tween. Essas opções permanecem até hoje nas versões mais recentes do Flash, e mesmo com a tecnologia Flash estando em declínio para uso em material para web, o software ainda é uma das maneiras mais simples e acessíveis para começar a criar animações em 2D. Por isso, sempre acabo usando a ferramenta nas minhas aulas sobre animação tradicional 2D, pois é muito fácil trabalhar movimento com vetores no Flash. Mas, afinal quais são esses métodos de animação existentes no Flash?

Motion Tween e Classic Tween no Flash para animação

Os métodos estão divididos em Motion Tween e Classic Tween para criar movimento no palco do Flash. O mais simples de usar é o Classic Tween que como o próprio nome mesmo já identifica, é o método que foi herdado de versões anteriores do software, e consiste na criação de keyframes em pontos chave da linha do tempo, e caso exista diferença entre os keyframes o Flash faz a interpolação das propriedades para criar a animação.

No caso do Motion Tween o processo é diferente, pois podemos utilizar os menus do Flash para alterar propriedades do objeto selecionado, e nem existe a necessidade de adicionar keyframes formalmente para gerar movimento.

Para mostrar melhor as diferenças entre o Motion Tween e o Classic Tween em animação no Flash, gravei um pequeno tutorial em vídeo que explica na prática as diferenças:

A demanda por material em Flash para ambientes como o a internet está em declínio, mas é importante lembrar que esse era apenas um dos segmentos que permitiam trabalhar com a tecnologia Flash. E a ferramenta como plataforma para animação 2D ainda é muito usada por ser acessível e possuir muito material de consulta na própria internet. Por isso, existem diversos estúdios de animação pequenos e médios que ainda utilizam o Flash para montar as suas animações baseadas em vetores.

As minhas primeiras experiências com animação foram no Flash, ainda na época do já distante Flash 4! Isso já faz um bom tempo! Foi no final dos anos 90, para ser mais preciso em 99!

Tutorial Adobe Flash CS5: Criando aplicativos para iPhone e iPod

O lançamento do pacote CS5 da Adobe está previsto para Abril desse ano, mas muitas das novidades do Photoshop CS5 e do Flash CS5 já foram anunciadas extensivamente pela Adobe em congressos e outros eventos. No caso do Flash CS5 o meu interesse é focado para as minhas atividades acadêmicas, pois ministro aulas de multimídia na web que usam a tecnologia do Flash como base para levar animação 3d para web usando classes personalizadas. Por exemplo, com o uso do Papervision 3D é possível trabalhar com sistemas e interfaces totalmente 3d na web usando o Flash Player como base, o que permite distribuir o seu projeto para uma base de usuários incrível.

Entre as novidades do Flash CS5 está o suporte nativo ao desenvolvimento de aplicativos para o iPhone e iPod, permitindo que os artistas e desenvolvedores passem a distribuir seus projetos usando o iTunes da Apple. Isso é excelente para maximizar o potencial de retorno financeiro para web designers e desenvolvedores que não tinham opção senão procurar clientes e empresas, para desenvolver web sites em Flash.

Como funciona essa integração? Caso você já tenha alguma experiência com classes personalizadas do Flash ou ActionSctipt, encontrei um tutorial que mostra de maneira bem simples como funciona essa integração com o iPhone OS. O tutorial de Flash CS5 mostra como aproveitar o acelerômetro do iPhone para criar aplicativos. É um tutorial em vídeo bem curto e que deve elucidar diversas dúvidas.

tutorial-adobe-flash-cs5-aplicativos-iphone.jpg

O ponto negativo para quem quiser começar a trabalhar com esse tipo de desenvolvimento é que será necessário ao menos, adquirir um iPod ou iPhone para realizar testes. Caso contrário os aplicativos criados com o Flash CS5 não podem ser avaliados. As diferenças nos projetos envolvendo o iPhone OS são relacionadas com classes especiais e o tamanho da tela que deve seguir o padrão do dispositivo. Já estou planejando e estudando os tutoriais e guias lançados pela Adobe para adicionar esse tipo de conteúdo nas minhas aulas durante esse semestre.

Esse tipo de material deve ajudar as pessoas interessadas em começar a trabalhar com aplicativos nesse modelo. Mais novidades devem ser divulgadas até Abril quando diversos softwares da Adobe devem ser atualizados para a versão CS5.