Curso e oficina sobre VR com Unity

A evolução da tecnologia está levando o mercado relacionado com a produção de conteúdo digital para novos dispositivos, que devem tomar de assalto as empresas e consumidores. Os dispositivos VR já aparecem na mídia com muita frequência, sendo inclusive classificados como a próxima rede social. E você muito em breve deve receber demandas relacionadas com a produção desse tipo de conteúdo.

Você sabe produzir vídeos em 360 graus ou aplicações que aproveitem os dispositivos VR como o Google Cardboard? No EAD – Allan Brito você já encontrava o curso sobre animação em VR com Blender apresentando a criação de material VR no Blender. Agora você pode também conferir a produção VR no Unity.

Com o curso e oficina sobre VR com Unity você conhece o processo necessário para criar aplicações 3D interativas em ambiente VR no Unity. O curso aproveita o SDK do Google Cardboard e ensina a trabalhar com ajustes de câmera, interatividade e até o uso de HUD para VR. No final do curso você aprende a exportar seu projeto como um aplicativo nativo para Android, usando o SDK do Android.

VR com Unity

Tudo isso é feito usando a versão gratuita do Unity, então o seu investimento em termos de software é zero. Os modelos 3d podem ser criados no Blender ou qualquer outro software de sua preferência, e depois “montados” no Unity usando os recursos do SDK do Cardboard.

Essa é uma lista com os títulos das aulas no curso:

  • Aula 01 – Entendendo VR com Unity
  • Aula 02 – Modelagem 3d de ambientes para VR
  • Aula 03 – Criando seu primeiro ambiente VR
  • Aula 04 – Adicionando um HUD em aplicativos VR
  • Aula 05 – Controles baseados na posição da cabeça
  • Aula 06 – Navegação 3d em aplicativos VR
  • Aula 07 – Exportando apps VR para Android e iOS

Se você pretende expandir seu currículo e começar a oferecer produtos digitais para essa nova tecnologia, a oportunidade é essa. O mercado ainda está aguardando pela expansão da tecnologia, mas assim que o mercado “perceber” que muitas pessoas devem ter os óculos disponíveis em casa. A demanda por conteúdo para consumir nesses dispositivos deve explodir.

O curso e oficina sobre VR com Unity é a sua oportunidade para começar a se preparar para essa nova demanda.

Aprendendo mais sobre VR com Unity

Ficou interessado em VR? Recomendo visitar os seguintes cursos do EAD – Allan Brito para complementar ainda mais seu conhecimento sobre animação e modelagem para criar conteúdo VR:

Visualização interativa para arquitetura com Unity 3D

O uso de tecnologias próprias para a criação de jogos é uma tendência forte na área de vendas em segmentos voltados para apresentação de produtos. Um dos exemplos mais evidentes do uso desse tipo de tecnologia é a visualização interativa para arquitetura, que faz uso intenso de tecnologias e ferramentas voltadas para jogos com o objetivo de potencializar as vendas de projetos que ainda não saíram do papel. Com o surgimento de tecnologias e plataformas mais acessíveis para desenvolver jogos como o Unity 3D, a coisa tomou novos rumos e a adoção da plataforma cresceu ainda mais.

Um estúdio americano chamado Arch Virtual publicou no seu blog o lançamento de uma ferramenta de visualização interativa para arquitetura criada com o Unity 3D que pode ser copiada diretamente do blog da empresa. O interessante desse projeto de visualização interativa para arquitetura é que o estúdio utiliza tecnologia de ponta na interação do usuário com a aplicação.

Visualização interativa para arquitetura

Um dos diferenciais dessa aplicação é a opção de usar um acessório criado e apresentado para o mundo recentemente chamado de Oculus Rift. Esse é um óculos de realidade virtual que surgiu como mais um projeto do site de crowdfunding Kickstarter, e logo ganhou repercussão e atraiu o interesse de vários desenvolvedores de jogos. O acessório de realidade virtual permite níveis ainda maiores de imersão dentro da visualização para arquitetura.

Visualização interativa para arquitetura

No artigo publicado no web site da empresa é possível fazer o download da simulação e também conferir um vídeo demonstrando como a visualização interativa para arquitetura funciona.

Ficou interessado no Oculus Rift? Por enquanto, apenas os kits de desenvolvimento estão sendo comercializados no web site do projeto e eles não estão prontos para entrega imediata. Como a procura está maior do que a capacidade deles de produzir, é necessário fazer o pedido e depois aguardar pelo prazo de envio. O kit custa 300 dólares e aparentemente é possível receber o óculos no Brasil.

Caso você queira investir nesse mercado, recomendo visitar o artigo e fazer o download da aplicação. É o primeiro passo para entender o que se considera uma boa aplicação e tentar fazer os seus próprios projetos.

Para aprender o Unity 3D, é possível começar com esse curso online gratuito!

Unite Nordic 2013: Palestras gratuitas de Unity 3D

A participação em palestras e eventos é uma excelente maneira de fazer contatos e principalmente conhecer novas técnicas e projetos, que provavelmente ficariam fora do seu círculo de conhecimento sem a presença física no evento. Já participei de vários tipos de eventos e congressos e de uns tempos para cá estou parado em relação a esse tipo de evento, indo participar mais como palestrante do que como conferencista. Mas, pretendo mudar isso nesse segundo semestre e ao longo dos próximos anos, participando mais de eventos. Um dos eventos que sempre tive interesse em participar é a Unite que é voltada para desenvolvedores do Unity 3D, e focada na produção de jogos digitais com a plataforma Unity.

Já faz alguns dias que a Unite Nordic 2013 foi realizada e para a alegria das pessoas que não participaram do evento, a organização da Unite compilou várias das apresentações da edição européia da conferência para desenvolvedores do Unity.

unity-unite-2013.png

O material está em inglês e sem legendas, apenas em alguns casos podemos recorrer as traduções automáticas do Youtube que fez a transcrição dos vídeos, mas a grande maioria não tem essa possibilidade. É complicado para quem não tem intimidade com a língua, mas a oportunidade de conhecer os cases e projetos desenvolvidos com o Unity 3D é imperdível, para pessoas interessadas em desenvolver jogos.

Veja alguns dos temas das apresentações, para as quais tomei a liberdade de traduzir os títulos das palestras:

  • Publicando jogos no mercado chinês
  • Apresentando desenvolvimento para crianças
  • Unity 3D para o Wii U
  • Modelos de financiamento para jogos independentes
  • Produção e venda de jogos para Windows
  • Produção do jogo Bad Piggies com Unity (Rovio)

Esses são apenas alguns dos títulos que você encontra na lista de palestras! O material é mais do que recomendado para estudantes da área de jogos ou desenvolvimento que focam nessa área.

Aprendendo a usar Unity 3D

E para as pessoas interessadas em usar o Unity 3D para criar jogos, recomendo uma visita ao EAD – Allan Brito e conhecer o curso básico gratuito de Unity 3D. No curso você aprende a usar o necessário do Unity para criar um jogo simples usando mecânica e controles clássicos de jogos tipo FPS.

Produtora de jogos Indie: História da BetaDwarf

A produção de animações e jogos digitais apresentam pontos em comum e também diferenças bem evidentes no seu processo criativo. Entre as semelhanças existentes entre os dois tipos de projetos, posso destacar que a maioria das pessoas acaba subestimando a quantidade de trabalho e dedicação que esse tipo de produto demanda. Posso dizer isso pelas experiências que já tive na produção tanto de animações e jogos, e também no contato direto com alunos de graduação que planejam criar jogos e animações 3d.

A vontade e desejo de criar esses produtos geralmente acaba sendo maior do que a percepção da quantidade de planejamento necessário para finalizar esse tipo de projeto, é por isso que existem tantos jogos e animações que iniciam como boas idéias, mas que nunca são finalizadas.

Esse semana uma história publicada no blog do Unity 3D chamou a minha atenção por mostrar a perseverança de uma pequena produtora de jogos, que nasceu dentro da universidade de Aalborg na Dinamarca. A produtora é a BetaDwarf que era formada inicialmente apenas por alunos da universidade, que chegaram por um breve período de tempo a dormir dentro das instalações da universidade. O breve período de tempo correspondeu a aproximadamente 7 meses!

A história da produtora é muito interessante e pode muito bem servir como inspiração para pessoas interessadas em começar iniciativas semelhantes. O artigo está em inglês, mas com um pouco de paciência ou ajuda do oráculo, você consegue entender o texto caso seu inglês esteja “enferrujado”.

O vídeo a seguir é uma demonstração do primeiro jogo do estúdio chamado de Forced.

Algumas das recomendações que sempre passo para os meus alunos, mas que muitos acabam não seguindo é que planejamento e preparação são o segredo para evitar surpresas nesse tipo de projeto. A idéia principal do projeto é importante, mas o estágio em que você senta na frente do computador para produzir alguma coisa deve fazer parte apenas do processo final de produção! Se for um jogo o game design deve estar totalmente concluído, e para animações o roteiro deve estar finalizado.

A quantidade de material gerado na pré-produção é inversamente proporcional ao número de problemas e prazo necessários para executar o projeto.

Quer começar um projeto de jogos 3d?

O EAD – Allan Brito tem alguns cursos que podem ajudar você na parte técnica relacionada a produção de jogos digitais. Alguns dos cursos são gratuitos e outros demandam inscrição, mas podem muito bem representar o primeiro passo na formulação do seu sistema arsenal de conhecimentos para produzir jogos.

Videocast 09 – Butterfly Effect – NPR – Freestyle

A tecnologia usada para a produção de animações e jogos está convergindo para o mesmo ponto já faz alguns anos, e o que até pouco tempo atrás era apenas restrito ao uso e aplicação em ambientes de renderização em tempo real pode muito bem ser útil na criação de animações. O uso de GPU para gerar imagens praticamente em tempo real é um grande benefício, e aplicado em animações esse tipo de tecnologia ajuda de maneira significativa na redução do tempo de produção de projetos como o Butterfly Effect.

Esse é um dos temas abordados no novo episódio do Videocast do allanbrito.com, que demorou um pouco para ser lançado, mas está retornando com mais assuntos relacionados ao mundo da computação gráfica, animação e o trabalho necessário para produzir esse tipo de material.

O vídeo ficou um pouco longo, passando dos 20 minutos, mas espero que o conteúdo compense o tempo prolongado.

Gostou do vídeo? O que acha de avaliar ou comentar? Ainda não é assinante do meu canal no Youtube? Assine aqui para receber antes que todos as atualizações.

Além da tecnologia usada para a criação da animação Butterfly Effect que é baseado no Unity 3D, você também conhece um conceito diferente em termos de renderização que é o chamado NPR. Você sabe como funciona esse tipo de renderizador? No Blender o estilo de render NPR será muito melhor aproveitado com a incorporação do Freestyle, que é um render especializado nesse tipo de imagem e que estará entre a lista de recursos da versão 2.67 que ainda não foi lançada.

Para ilustrar como o uso desse tipo de recurso pode ser benéfico para os usuários do Blender, mostro no vídeo uma animação estilo anime que usa o Freestyle com o Blender para gerar animações com a estética de célula de animação.

E para encerrar o videocast, ainda abordo o projeto Google Summer of Code que é uma iniciativa do Google para alavancar projetos de código aberto como o Blender. Isso é feito por meio do patrocínio financeiro do trabalho de estudantes! Saiba mais sobre o projeto assistindo ao vídeo.

Quer acompanhar os links comentados no vídeo? Essa é a lista com todos os recursos:

Cursos do EAD – Allan Brito: