Tutorial para criar vegetação realista com o V-Ray e 3ds Max

As técnicas necessárias para elaborar vegetação em 3d são variadas e apresentam resultados bem distintos, sendo algumas delas extremamente realistas, mas com consumo excessivo de recursos do computador, o quem em algumas situações deixa o processo inviável para animações. Outras técnicas são mais eficientes, permitindo elaborar simulações mais simples e com tempo de render bem mais rápido. Como parte da ambientação de um modelo 3d, principalmente se o objetivo da imagem for promover vendas de edificações, a criação de vegetação é fundamental. O primeiro passo para trabalhar uma boa representação de vegetação é a simulação de grama, presente em praticamente qualquer área verde de um cenário.

Basicamente é possível partir para duas soluções de criação de vegetação, baseadas em geometria ou texturas. A solução baseada em texturas, pode apresentar bons resultados se a câmera estiver distante do plano. Como não é possível trabalhar com muitos detalhes, a representação é eficaz e leve para renderizar. Nos casos em que a câmera está mais próxima, a melhor solução é trabalhar com geometria, o que significa modelar em 3d cada uma das folhas. Mas, apesar do iminente trabalho que isso possa representar, existem ferramentas que ajudam no processo, deixando tudo mais simples e rápido.

Para quem usa o 3ds Max em conjunto com o V-Ray para representar esse tipo de superfície, uma das melhores opções hoje é o V-Ray Proxy. No tutorial em duas partes, que indico nesse artigo, um artista 3d usa a ferramenta para criar a seguinte imagem:

valley

Sim, isso é uma renderização usando o V-Ray. Até poucos anos atrás, a simples menção de uma superfície como essa em 3d, faria com que pensássemos apenas em soluções de renderização em rede de alto desempenho. Com as tecnologias de instanciamento disponíveis hoje, podemos muito bem fazer isso com PC`s comuns.

Você pode conferir os tutoriais nos seguintes links:

No tutorial o autor mostra como é possível usar grama e vegetação criada com base em geometria, isso significa que todos os elementos visíveis na cena são geometria. Ele modelou apenas uma folha, para depois usar um script que distribui os elementos sobre uma superfície. O Script se chama advanced painter.

Depois que os objetos estão distribuídos sobre uma área menor, ele converte os modelos 3d para um VRay Mesh, para que os mesmo sejam reconhecidos no V-Ray Proxy. Isso não é tudo, pois no meio do tutorial o autor dá ótimas dicas para trabalhar com o V-Ray proxy e V-Ray Scatter, responsáveis pela distribuição dos modelos. Por exemplo, os modelos 3d não devem ser instancias uns dos outros, caso isso aconteça você terá problemas para manipular o material.

Na segunda parte do tutorial é possível acompanhar a configuração de detalhes como os materiais aplicados as folhas. Para quem usa o 3ds Max e tem interesse no render com o V-Ray e esse tipo de ferramenta, o tutorial é muito informativo!

Criando florestas virtuais com o finalRender e 3ds Max

Parece que a criação de instâncias para manipular milhares de faces em modelos 3d, de maneira simultânea é uma das ferramentas mais divulgadas por alguns dos mais conhecidos renderizadores. O pessoal da Chaosgroup com o V-Ray divulga e disponibiliza o V-Ray Proxy, que inclusive foi tema de um artigo aqui do Blog essa semana. Para não ficar atrás, a Cebas que desenvolve o também excelente finalRender oferece a mesma possibilidade com o renderizador. Para divulgar a possibilidade de trabalhar com instâncias de objetos, eu mesmo não conhecia, eles divulgaram um ótimo vídeo tutorial no web site oficial da Cebas.

O vídeo mostra como trabalhar com instâncias, para criar uma floresta virtual. Eles não estão brincando quando dizem que a ferramenta é poderosa, e para mostrar isso eles utilizam vegetação baseada em geometria! Se você é usuário do 3ds Max, deve saber que ele dispõe de alguns modelos de vegetação para que você use nas suas cenas. Esses modelos são demasiadamente pesados e consomem muitos recursos, mas no vídeo a Cebas mostra como criar uma cena com 500 dessas árvores e renderizar em apenas alguns minutos.

finalRender Florestas virtuais

Para assistir ao vídeo, você precisa visitar esse endereço no web site da Cebas.

O vídeo é enfático em afirmar que não é necessário alterar e converter a geometria utilizada nos modelos para outro formato. O autor inclusive repete isso mais de uma vez, seria uma alfinetada no V-Ray Proxy? Caso você não lembre, para trabalhar com instâncias no V-Ray Proxy é necessário converter o modelo 3d em V-Ray Mesh.

Apesar de ter apenas 10 minutos aproximadamente, o vídeo demonstra bem o poder do finalRender na renderização e manipulação de cenas complexas.

A primeira parte mostra a configuração da cena, com a adição dos modelos 3d e distribuição dos mesmos sobre um plano com o Scatter. No final, ele mostra como ajustar o render para conseguir o efeito da imagem que ilustra esse artigo.

Mesmo que você não seja usuário do finalRender é interessante conhecer a técnica, pois quem sabe a sua ferramenta 3d possa começar a utilizar instâncias como essas para gerenciar modelos 3d complexos.

Tutorial V-Ray Proxy: Criando a cena de um estacionamento no 3ds Max

Imagine a seguinte situação; você está criando uma cena, que consiste na visualização de um estacionamento. Nessa mesma cena, você deve inserir vários modelos 3d de carros, e como o ângulo em que a câmera está posicionada, valoriza os detalhes dos modelos 3d, será necessário usar modelos em alta resolução. Bem, se você já passou por situação parecida, em que é preciso trabalhar e manipular 40 ou mais modelos 3d em alta resolução, deve ter passado por sérios problemas de performance no computador. Qual solução para esse tipo de problema? Existem várias, sendo uma delas o uso do V-Ray Proxy, que transforma esses modelos 3d em instâncias, reduzindo drasticamente o poder de processamento necessário para manipular essas cenas.

Para ilustrar o funcionamento do V-Ray Proxy, encontrei um vídeo que mostra o processo completo de configuração e ajuste do V-Ray Proxy no 3ds Max, para criar exatamente esse tipo de cena.

O autor começa mostrando o modelo do carro utilizado no tutorial. Podemos perceber pela quantidade de detalhes que o modelo está em alta resolução. O primeiro passo é configurar o modelo 3d será convertido como um V-Ray Mesh, necessário para poder usar o V-Ray Proxy.

Depois ele seleciona as partes do modelo que devem fazer parte das instâncias. Assim que o modelo estiver fazendo parte do V-Ray Proxy, o autor do tutorial insere uma representação em baixa resolução do carro. Perceba pelo vídeo que o modelo é extremamente simplificado, inclusive a quantidade de faces exibida é apenas a necessária para que possamos identificar a forma do objeto.

Pronto! E agora? Para finalizar o tutorial, o autor começa a fazer as cópias dos objetos. São criadas duas filas de modelos 3d, que se fossem elaboradas com o modelo original, com certeza iriam prejudicar em muito a performance. As duas filas têm 50 e 10 cópias dos modelos, totalizando 500 cópias de um modelo em alta resolução.

Pela dinâmica da edição que o autor manipula o zoom da cena, o a performance do 3ds Max não ficou prejudicada em nada. Para finalizar, ele mostra a cena renderizada.

Esse é apenas um resumo do que acontece no tutorial, assista ao vídeo que tem aproximadamente 4 minutos para conferir o processo completo.

Tutorial sobre o V-Ray Proxy: Renderize objetos complexos de maneira fácil!

Você sabe o que faz o V-Ray Proxy? Bem, ele tem como função facilitar a manipulação e renderização de modelos complexos no 3ds Max, para que seja possível utilizar modelos extremamente detalhados nas suas cenas. No começo de janeiro, comentei sobre um seminário gratuito promovido pelo VizMasters, em que um dos temas era exatamente a utilização do V-Ray Proxy. Depois de um bom tempo esperando, o pessoal disponibilizou o vídeo do seminário, com todo o conteúdo do treinamento sobre V-Ray Proxy.

V-Ray Proxy

Na verdade, podemos considerar esse vídeo como sendo uma introdução a ferramenta, mesmo com mais de uma hora de vídeo, seriam necessárias mais algumas horas para abordar em detalhes o conteúdo. Um detalhe interessante em relação ao vídeo, ele está em FULL HD! Isso mesmo, esse é o primeiro tutorial em vídeo que vejo preparado para TV`s que suportem 1080p. Então, se você tem uma TV LCD Full HD, pode assistir em qualidade máxima ao tutorial.

Por outro lado, a qualidade do áudio deixa muito a desejar, parece que realmente o autor do tutorial fez a gravação remotamente via Skype ou outra tecnologia de VoIP.

No vídeo o autor demonstra no início os benefícios e a redução significativa de recursos, gerado pelo uso do V-Ray Proxy. Para exemplificar isso ele mostra a janela de desempenho do Windows, em que o consumo de memória é exibido em tempo real. Se você nunca prestou atenção a esse detalhe, pode ser interessante conhecer o que acontece quando manipulamos grandes quantidades de vértices em modelos 3D. No Blender isso não acontece, a ferramenta por só própria já ajuda com um código mais “enxuto”.

Depois de mostrar o desempenho da memória, o autor começa a trabalhar com exemplos de modelos altamente complexos, como carros detalhados e vegetação. Pelo visto, usando essa ferramenta podemos até arriscar usar geometria mesmo para vegetação e não imagens ou texturas.

Para fazer o download do vídeo, com aproximadamente 140 MB, visite esse endereço. Mas antes, devo apertar sobre duas coisas:

  • Só consegui fazer o script que habilita o download começar no Internet Explorer. No Firefox fica uma página em branco e nada acontece.
  • Para assistir ao vídeo você precisará fazer o download de um codec especial, que pode ser copiado aqui.

No final de semana vou assistir ao vídeo do outro seminário, sobre modelagem de paredes para visualização arquitetônica. Na próxima semana publico os comentários! Se você quiser se adiantar, a lista completa de vídeos do seminário pode ser encontrada aqui.