Render Farm gratuita baseada em Blender 3D

Esse é o tipo de notícia que pode ajudar muita gente que está com projetos complexos envolvendo 3d, mas não tem acesso a computadores velozes para trabalhar na renderização. Qualquer estúdio ou empresa com um pouco mais de recursos, monta para suas atividades uma coisa chamada de Render Farm, que em tradução direta seria algo como uma “fazenda de renderização”, o termo usado é fazenda, pois é a melhor analogia com uma verdadeira série de computadores em paralelo, lembrando em muito uma plantação.

Se você ainda não conseguiu imaginar uma Render Farm, a imagem abaixo vai deixar as coisas mais claras. Isso é uma Render Farm:

Render farm

Quer ver uma Render Farm poderosa? Segundo a descrição dessa próxima fotografia, temos uma visão de um dos complexos de renderização da Pixar:

Pixar's Render Farm 2

Como deve ter ficado claro para você, o uso de uma estrutura dessas pode estourar o orçamento de qualquer projeto de animação. Qualquer projeto que envolva renderização 3d para animação, precisa de uma estrutura como essas, caso contrário o render pode durar semanas e por mais longo que o prazo final de entrega do projeto seja, ele provavelmente não será respeitado.

Bem, estou falando sobre esse tipo de estrutura para animação, pois nessa última semana o centro de computação paralela da Universidade de Westminster no Reino Unido, liberou o acesso gratuito a sua Render Farm, com aproximadamente 250 CPUs. Sim, você pode visitar o endereço deles para se inscrever e ter acesso a vários computadores para renderizar suas animações. A facilidade é exclusiva para usuários do Blender 3D, pois o portal só aceita arquivos de animação, salvos no formato .blend.

Esse benefício não é vitalício e está sendo oferecido para fins de teste pela universidade, portanto é extremamente importante que você não o use como solução definitiva para seus projetos, ou até mesmo inicie um projeto de animação, esperando usar os computadores deles para a renderização, pois a qualquer momento, tudo pode sair do ar.

Para os que quiserem realmente testar o poder do render, sugiro montar uma pequena animação com os mais diversos efeitos, para tirar o máximo dos computadores, como o uso de Ambient Occlusion, SubSurface Scattering, Ray Tracing, Partículas, Fluidos e tudo mais que o Blender 3D possa fazer para deixar a cena complexa. Como não é o seu computador que ficará em apuros, não há porque hesitar em usar a maior quantidade de recursos possíveis.

O Blender 2.50 está começando a aparecer

Se você estava aguardando ansiosamente para ter uma idéia de como ficaria o Blender 2.50, um protótipo de como ficará a tão falada nova interface já está operacional. Como mencionei, esse é apenas um protótipo e serve apenas para fins de estudo e avaliação da equipe, portanto não será possível sequer trabalhar na 3D View com modelos 3d. Mas, o que é possível fazer com essa versão preliminar do Blender? Caso você queira fazer um teste, pode fazer o download diretamente do graphicall.org, nesse endereço para uma versão Windows.

Só para que você tenha uma boa idéia do que fazer com esse Blender 2.50, apenas navegar nos menus preliminares.

Depois de usar e testar por alguns minutos essa versão preliminar fica bem evidente, que o software ainda deve sofrer muitas modificações para chegar a uma versão alpha. Na parte direita da interface, você encontra apenas os menus, que devem originar algum tipo de sistema de navegação único, por todas as partes do Blender, como acontece com o Outline, mas mais semelhante a um gerenciador de pastas.

Para quem estava com muita curiosidade em conhecer a já lendária nova interface, esse preview mata um pouco da curiosidade. Em minha opinião, ainda acho que o Blender 2.50 deve demorar no mínimo mais 6 meses para ver a luz do dia. Nos últimos anos, o ciclo de desenvolvimento do Blender e os lançamentos de novas versões levava em média 4 meses. Isso quando o problema era apenas testar novas ferramentas, para achar possíveis problemas e providenciar correções.

Agora a coisa é muito maior, quando partes inteiras do software precisam ser reescritas, e principalmente novas e complexas partes dele, como a já também lendária Render API devem aparecer, os problemas e bugs que devem surgir, assim que os artistas 3d ao redor do mundo, comecem a fazer testes com o software, devem demandar um pouco mais de tempo.

Sem mencionar a grande quantidade de projetos envolvendo o desenvolvimento de novas ferramentas para o Blender, que ainda estão acontecendo. Por isso é que provavelmente, ainda teremos uma versão 2.49 do Blender antes de trabalhar mais com o 2.50.

Animações de papel amassado com o Cinema 4D usando Cloth

Algumas coisas no trabalho de animação 3d são bem peculiares. Por exemplo, tarefas e atividades que são extremamente simples no mundo real, podem assumir altos níveis de complexidade para fazer em 3d, sem um mínimo de ferramentas personalizadas. Por exemplo, o ato de pegar um pedaço de papel para amassar é simples, mas fazer esse tipo de operação em 3d é muito complicado. Se você tiver conhecimentos sobre scripts, como Python ou MAXScript pode elaborar uma pequena rotina para ajudar. Como esse tipo de conhecimento é demasiadamente complexo de atingir em 3d, o mais fácil mesmo é partir para artifícios que podem nos ajudar a realizar essa tarefa.

Qual seria a melhor ferramenta? Um artista que usa o Cinema 4D, teve uma ótima idéia, de usar a ferramenta Cloth do Cinema 4d para ajudar na criação desse tipo de tutorial. O resultado? Uma animação rápida e convincente de um plano sendo amassado, que pode ser até mesmo adaptada para outras ferramentas 3d.

Se você quiser aprender o procedimento, ele gentilmente gravou tudo em vídeo o publicou no Vimeo:


Paper Crumple Tutorial in Cinema 4D from Mike on Vimeo.

O procedimento no começo do vídeo é bem simples e não requer grandes conhecimentos, o artista cria dois planos, um que serve como base e outro é o papel.

Depois que os objetos estão posicionados, ele adiciona a tag Cloth do Cinema 4D no objeto que representa o papel. Bem, nesse ponto aparece um comentário muito importante, que nesse tipo de ferramenta como o Cloth é muito valioso. O autor descreve que as configurações que ele usa para esse tutorial em particular, funcionam para a cena dele, mas não quer dizer que os mesmos parâmetros funcionam com outras cenas.

O processo de investigação, com a chamada tentativa e erro, consiste em um dos mais ricos meios de encontrar novos efeitos para animação. É mais ou menos o que acontece com aqueles efeitos mirabolantes com filtros do Photoshop, em que os artistas adicionam uma seqüência interminável de filtros, para conseguir um determinado efeito.

Em 3d, esse processo pode levar o artista a encontrar novos usos, para ferramentas que a princípio simular outros processos.

Quer uma dica? Abra o seu software 3d favorito e tente reproduzir o efeito.

Composição de animação 3d com vídeo e fotografia no Maya

Muito do que fazemos em softwares 3d tem como finalidade a incorporação do conteúdo em alguma cena real, seja essa cena real uma fotografia ou um vídeo, vários artistas 3d precisam conhecer as técnicas necessárias para integrar 3d com imagens reais. Em empresas fora do Brasil, esse tipo de tarefa fica sempre sob responsabilidade de um artista especializado, mas o perfil da empresas brasileiras é contratar profissionais com formação generalista, para produzir e atuar em todas as áreas. Por isso, esse tipo de conhecimento é muito valioso!

E dependendo da ferramenta 3d usada, a tarefa de elaborar a composição com modelos 3d e animação, com conteúdo real pode ficar mais fácil! Veja o exemplo do Maya, que nos oferece uma opção para usar imagens colocadas em planos de fundo, como o chamado Background shader.

Mas, como ele funciona? Para visualizar um ótimo exemplo de como é possível usa esse shader, o vídeo abaixo mostra como é possível mesclar no Maya, inclusive com algumas dicas de Photoshop, um robô gigante em um cenário de cidade.


Tool Tip – Use Background Shader from JohnSka7 on Vimeo.

Para quem está querendo aprender mais sobre o uso do Maya, o material é muito bom!

O procedimento que o autor usa é muito semelhante que se faz em todos os softwares 3d, que é a criação de uma grande plano, posicionado de maneira estratégica na parte posterior da cena. Esse mesmo plano recebe uma textura com uma fotografia que deve funcionar como fundo do cenário. Claro que isso exige grande quantidade de cuidados, para que na hora do render a fotografia possa ser renderizada com a iluminação correta e sem nenhum tipo de distorção. A distorção é a pior parte, pois uma quantidade mínima de desvio deixa evidente na imagem que se trata de algo semelhante a um cartaz ou plano no fundo.

No tutorial, você vai aprender a realizar todas essas operações no Maya, configurando a renderização com sombreamento e ajustando a câmera, para que a mesma não se mova e dê a entender que a foto não é 3d.

E de quebra, o autor ainda mostra como é possível fazer alguns truques de composição no Photoshop. Se você quiser acompanhar em mais detalhes os menus e janelas do Maya, usados no tutorial, recomendo visitar a página do tutorial no Vimeo, pois o autor salvou o vídeo em alta definição! Todos os menus são bem visíveis!

 

Como usar o ShrinkWrap para adaptar curvas em superfícies 3D no Blender 3D?

Nas suas duas últimas grandes atualizações o Blender 3D ganhou alguns modificadores extremamente úteis, como o Bevel e o ShrinkWrap. Esse último ainda está sendo pouco divulgado, com tutoriais e documentação, mas ele é simplesmente um salvador na hora de trabalhar com adaptação de geometria em superfícies complexas. A maioria das pessoas ainda usa ele com o objetivo de ajustar planos sobre personagens 3d, mas estou vendo ótimos exemplos de artistas usando o modificador para modelar cenários e topografia no Blender 3D.

Um tutorial bem interessante pode ser conferido no vídeo abaixo, em que o autor demonstra a técnica de maneira bem rápida. No caso, ele está trabalhando na modelagem de um cenário, ao que parece é um tipo de cânion. Ele usa o modificador para adaptar algumas curvas que simulam raízes de arvores, sobre a topografia do terreno, que como é bem evidente no vídeo não é simples e apresentam várias pequenas deformações.


Shrinkwrap tutorial from adrian2608 on Vimeo.

Isso é fácil de fazer? Claro que é! Se você tem conhecimentos intermediários de modelagem com o Blender 3D pode tentar sem problemas. Veja no exemplo abaixo, que montei de maneira bem rápida, com um plano bem subdividido e uma curva sobre ele.

Para deixar o exemplo ainda melhor, use o proportional do Blender para deformar bem o plano e criar várias deformações, simulando uma topografia cheia de detalhes. Depois, uma curva com várias subdivisões foi posicionada logo acima do plano. Agora tudo que você precisa fazer é aplicar o modificador na curva, e caso essa mesma curva tenha uma quantidade razoável de subdivisões também, o resultado será a adaptação perfeita da curva a superfície.

O procedimento é bem simples e pode ajudar muito a elaborar animações ou modelos 3d complexos. Por exemplo, imagine que você precisa fazer a animação de um trem, que tem seus trilhos perfeitamente adaptados ao terreno irregular do cenário. Basta usar esse modificador para que o modelo 3d se adapte ao cenário. Já tive que fazer um cenário como esse e quem me deram se na época eu tivesse esse tipo de ferramenta para ajudar no projeto.

Depois que a curva estiver adaptada na superfície, você também pode fazer uma animação de um objeto se deslocando na malha 3d, ou até mesmo distribuir várias árvores ou modelos 3d para preencher os espaços no cenário.