Tutorial de modelagem 3d com Blender 2.50: Criando uma cadeira com o modificador Solidify

A inclusão do modificador Solidify no Blender 3D 2.50 está fazendo grande sucesso entre os artistas 3d que usam o software para criar modelos 3d complexos. Depois que comentei essa novidade com alguns colegas, percebi que a utilidade desse tipo de ferramenta não é tão clara para a maioria dos artistas, pois antes era necessária uma situação bem específica para que o Solidify selection fosse necessário. Por exemplo, quanto precisávamos criar um sólido baseado no conjunto de planos curvados, o script ajudava no processo ao alinhar os recém criados planos e deixar o material já alinhado.

Depois de um bom tempo sem gravar tutoriais em vídeo, consegui gravar um exemplo da aplicação dessa ferramenta na criação de uma cadeira. Foi usada uma versão experimental do Blender 3d 2.50 que já tem o modificador funcional, mas ainda muito instável. Apenas para gravar esse tutorial, foram necessárias mais de uma hora de tentativas, pois o Blender travava de maneira constante, principalmente quando a ferramenta Spin era acionada.

É por esse motivo que sempre recomendo cautela ao adotar versões experimentais do Blender para ambientes de produção, inclusive a versão Alpha 0 do 2.50.

Esse é o vídeo:

No vídeo é possível acompanhar o processo completo de modelagem usando edge modeling, para ter uma cadeira bem simples montada no final do processo.

A modelagem em si é bem simples, envolvendo a criação das bases para o modelo 3d da cadeira apenas usando planos. Essa é a vantagem de usar o modificador Solidify, pois caso contrário o artista 3d precisaria trabalhar necessariamente usando sólidos 3d e criar extrudes usando apenas as faces dos objetos. Seria possível criar o mesmo objeto em 3d, mas no meio do processo a quantidade de objetos envolvidos na modelagem 3d aumenta significativamente.

Repare que no final do tutorial, quando a estrutura está toda montada o processo de modelagem se integra de maneira bem simples com os modificadores Mirror e Bevel. O mais interessante sobre o Solidify como modificador é a integração com outras ferramentas do Blender, permitindo fazer conjuntos de modificadores e inclusive remover ou desligar o efeito do modificador em qualquer momento.

O segredo para usar esse modificador é ajustar a direção das normais das faces para direcionar o local em que o modelo deve crescer.

Tutorial AutoCAD 2010: Criando e editando tabelas

O uso de tabelas em projetos que envolvem desenho técnico é extremamente importante e necessário para mostrar relações entre entidades de desenho, ou mesmo identificar e classificar objetos como as famosas tabelas de áreas ou esquadrias em projetos para arquitetura. Até alguns anos atrás não era possível criar tabelas de maneira automática em softwares de CAD como o AutoCAD, era necessário desenhar as linhas das tabelas e ajustar manualmente os textos e estilos das linhas e objetos que faziam parte da estrutura. Os usuários mais antigos do AutoCAD devem recordar dessa época em que qualquer alteração na quantidade de dados da tabela era recebida com desgosto, pois significava uma série de pequenas edições e ajustes nas linhas e colunas da tabela.

Hoje em dia o processo de criação de tabelas é muito simples e intuitivo para usuários do AutoCAD, com um painel dedicado a configuração e ajuste desse tipo de objeto. A criação das tabelas funciona de maneira muito semelhante ao que acontece com linhas de cota, em que é possível determinar um estilo que será usado para determinar a forma e aparência da tabela. Para usar o estilo da tabela é necessário apenas escolher um estilo e fazer com que ele seja configurado como o vigente para criação naquele momento. Para aprender a criar tabelas no AutoCAD 2010, assista ao vídeo disponível no endereço indicado que mostra o processo completo.

Qual a vantagem em criar tabelas assim? Outro vídeo muito elucidativo sobre as tabelas no AutoCAD 2010 pode ser conferido logo abaixo:

Nessa demonstração, podemos acompanhar a facilidade com que esse tipo de elemento pode ser editado e alterado no AutoCAD 2010. Por exemplo, para alterar a dimensão de uma tabela é necessário apenas acionar o Grip relacionado ao objeto, e com o mouse mesmo arrastar e ajustar o tamanho de toda a tabela. Antes era necessário fazer a aplicação de comandos como o Stretch, Move e Scale para ajustar a posição dos objetos na tela.

Além do controle sobre a escala e tamanho das linhas, ainda é possível ajustar diversos elementos da tabela, como os estilos a aparência do texto presente na tabela, como os que mostram o título da tabela e o conteúdo da mesma que são completamente diferentes.

Quatro horas de tutoriais em vídeo sobre modelagem para arquitetura no 3ds Max

Na modelagem de objetos e cenários com objetivo de representar edificações ou ambientes para arquitetura, a técnica escolhida para criar os objetos é determinante para potencializar e acelerar a conclusão do projeto. Entre as diversas técnicas existentes para a modelagem, a que mais me agrada é a chamada Edge Modeling que é uma derivação da subdivisão, em que apenas as arestas dos modelos 3d são manipuladas. Isso permite maior controle sobre os modelos como um todo e ajuda na criação de objetos com precisão. A melhor maneira de aprender esse tipo de técnica é com muita prática e quando for possível, observar outro artista criando modelos 3d com a mesma técnica para encontrar as melhores soluções para problemas comuns de modelagem.

Caso você queira aprender um pouco mais sobre esse processo de modelagem 3d e ao mesmo tempo trabalhar com criação de modelos para jogos, acabei de encontrar um excelente tutorial em vídeo com mais de quatro horas de duração. No material, o artista cria um modelo 3d para ser usado na engine CryEngine que é a mesma usada no famoso jogo Crysis. O modelo escolhido deve fazer parte do cenário do jogo, sendo um pequeno prédio que é ao mesmo tempo simples e apresenta boa quantidade de detalhes para qualquer artista interessado em praticar.

O modelo desenvolvido pode ser conferido na imagem abaixo:

tutorial-modelagem-arquitetura-3ds-max.jpg

Os vídeos estão hospedados no Vimeo e podem ser copiados de outras fontes em resoluções maiores. O material não apresenta áudio, o que facilita muito para as pessoas que não gostam da narração em inglês nos tutoriais. As instruções são passadas em pequenas mensagens de texto que aparecem em determinados momentos do vídeo. Os links para assistir ao tutorial são os seguintes:

Na descrição dos vídeos em cada página do Vimeo é possível encontrar outras opções para download.

O primeiro vídeo mostra a construção do modelo 3d como um todo, em que o artista posiciona uma imagem de referência e cria a base para toda a modelagem das paredes e aberturas do prédio. Na segunda parte o mesmo modelo já mais completo é trabalhado na parte de texturas, em que podemos acompanhar o processo de mapeamento UV no 3ds Max e ajuste das texturas no Photoshop. O último vídeo mostra a exportação do modelo 3d com poucos polígonos para a CryEngine e a visualização do projeto em tempo real.

Esse tutorial é excelente para artistas interessados tanto em maquetes eletrônicas ou modelagem para jogos, pois aborta ambos os assuntos de maneira simples e detalhada. Como a maioria das técnicas pode ser reproduzida em outros softwares, os artistas 3d podem aproveitar o conhecimento e aplicar em outras ferramentas 3d.

Tutorial de escultura digital com o Blender 3D 2.50

Desde que o módulo de escultura digital foi adicionado ao Blender 3D, muitos artistas que precisavam desse tipo de recurso, mas não tinham condições de adquirir uma licença do ZBrush ou Mudbox, acabaram experimentando o Blender 3D e gostando do que encontraram. A princípio a escolha tinha sido feita pela gratuidade do Blender, mas a flexibilidade da ferramenta e quantidade de recursos acabou impressionando os artistas. Essa é uma ferramenta fantástica para artistas plásticos ou alunos de cursos que precisam trabalhar com escultura de anatomia ou personagens virtuais.

O tutorial abaixo mostra o procedimento e flexibilidade desse módulo de escultura no Blender 3D 2.50, que ainda está em desenvolvimento e deve ter a sua versão final lançada apenas no segundo semestre de 2010.

No vídeo é possível acompanhar o procedimento completo para aplicar e trabalhar com escultura no objeto selecionado, que nesse caso é um cubo usado apenas para ilustrar os passos do módulo de escultura. Uma coisa que devemos sempre fazer antes de trabalhar com escultura, é adicionar grande quantidade de subdivisões ao modelo 3d, para que os detalhes criados pela escultura sejam visíveis na 3D View do Blender.

O uso de texturas associadas ao pincel (Brush) responsável pela escultura pode gerar formas e superfícies bem diferentes e complexas, permitindo adicionar detalhes e deformações bem pequenas aos modelos 3d. Nesse ponto o uso de modelos 3d com grande quantidade de subdivisões é extremamente importante, pois as pequenas deformações precisam dessa quantidade de divisões para aparecer.

Repare que boa parte dos parâmetros do modo de escultura agora fica disponível na esquerda da interface, usando o novo Tool Shelf que exibe as opções de pincéis disponíveis, assim como suas configurações.

Para poder aproveitar na sua plenitude e trabalhar com modelos 3d complexos, talvez seja indicado usar ainda o Blender 2.49 para projetos mais complexos, pois a versão Alpha 0 do 2.50 pode se tornar instável com modelos 3d com grande quantidade de polígonos. Nesse caso, é importante começar o projeto no 2.49 e fazer testes aos poucos com o 2.50.

Caso você queira fazer o download da versão Alpha 0 do Blender 3d 2.50, visite esse endereço e escolha a opção apropriada para seus sistema operacional.

Download gratuito de calendário 2010

Assim como acontece em todo o final de ano, as ofertas de calendários para 2010 estão aparecendo aos montes na internet e em qualquer lugar que queira distribuir brindes para seus clientes. O CG Arena organiza todos os anos um tipo de calendário próprio para artistas e entusiastas da computação gráfica e artes digitais. É uma compilação de vários trabalhos e renderizações produzidas ao longo do ano e que estão disponíveis no formado de um papel de parede, com as datas do calendário 2010 já estampadas nas imagens. Para fazer o download gratuito do calendário 2010, visite esse endereço.

Além de ser um ótimo papel de parede para começar o ano e se organizar em relação às datas de 2010, as imagens presentes no calendário podem também servir de inspiração para os interessados em começar a estudar computação gráfica ou artes digitais em 2010.

download-gratuito-calendario-2010.jpg

Uma coisa que geralmente acontece com esse tipo de recurso é que as pessoas acabam usando o papel de parede com o calendário apenas nos primeiros meses do ano, e já chegando a Março as imagens são substituídas por outro tipo de papel de parede. Isso acontece pela perda de interesse no calendário em si, e não pela falta de qualidade das imagens.

Mesmo sendo um recurso usado de maneira provisória, o calendário dá uma excelente idéia de material que pode ser distribuído por estúdios de animação ou visualização. Já pensou o produzir um calendário personalizado para seus clientes?

Esse tipo de brinde pode fazer a diferença no relacionamento entre as empresas ou profissionais que contratam os serviços de visualização, pela atenção e produção de material personalizado. Os calendários impressos apresentam custos que desaparecem com o uso do formato em papel de parede. Basta selecionar algumas imagens que você desenvolveu ao longo do ano e montar tudo com as datas escritas nas imagens e enviar para o seu contato na empresa. Se o pessoal da empresa gostar, essas imagens devem ser passadas para outros profissionais relacionados com a empresa. Com a marca d’água e contatos do seu estúdio na imagem, isso deve ajudar a divulgar o seu trabalho e prospectar mais projetos em 2010.