Visualização interativa para arquitetura com Unity 3D

O uso de tecnologias próprias para a criação de jogos é uma tendência forte na área de vendas em segmentos voltados para apresentação de produtos. Um dos exemplos mais evidentes do uso desse tipo de tecnologia é a visualização interativa para arquitetura, que faz uso intenso de tecnologias e ferramentas voltadas para jogos com o objetivo de potencializar as vendas de projetos que ainda não saíram do papel. Com o surgimento de tecnologias e plataformas mais acessíveis para desenvolver jogos como o Unity 3D, a coisa tomou novos rumos e a adoção da plataforma cresceu ainda mais.

Um estúdio americano chamado Arch Virtual publicou no seu blog o lançamento de uma ferramenta de visualização interativa para arquitetura criada com o Unity 3D que pode ser copiada diretamente do blog da empresa. O interessante desse projeto de visualização interativa para arquitetura é que o estúdio utiliza tecnologia de ponta na interação do usuário com a aplicação.

Visualização interativa para arquitetura

Um dos diferenciais dessa aplicação é a opção de usar um acessório criado e apresentado para o mundo recentemente chamado de Oculus Rift. Esse é um óculos de realidade virtual que surgiu como mais um projeto do site de crowdfunding Kickstarter, e logo ganhou repercussão e atraiu o interesse de vários desenvolvedores de jogos. O acessório de realidade virtual permite níveis ainda maiores de imersão dentro da visualização para arquitetura.

Visualização interativa para arquitetura

No artigo publicado no web site da empresa é possível fazer o download da simulação e também conferir um vídeo demonstrando como a visualização interativa para arquitetura funciona.

Ficou interessado no Oculus Rift? Por enquanto, apenas os kits de desenvolvimento estão sendo comercializados no web site do projeto e eles não estão prontos para entrega imediata. Como a procura está maior do que a capacidade deles de produzir, é necessário fazer o pedido e depois aguardar pelo prazo de envio. O kit custa 300 dólares e aparentemente é possível receber o óculos no Brasil.

Caso você queira investir nesse mercado, recomendo visitar o artigo e fazer o download da aplicação. É o primeiro passo para entender o que se considera uma boa aplicação e tentar fazer os seus próprios projetos.

Para aprender o Unity 3D, é possível começar com esse curso online gratuito!

Produtora de jogos Indie: História da BetaDwarf

A produção de animações e jogos digitais apresentam pontos em comum e também diferenças bem evidentes no seu processo criativo. Entre as semelhanças existentes entre os dois tipos de projetos, posso destacar que a maioria das pessoas acaba subestimando a quantidade de trabalho e dedicação que esse tipo de produto demanda. Posso dizer isso pelas experiências que já tive na produção tanto de animações e jogos, e também no contato direto com alunos de graduação que planejam criar jogos e animações 3d.

A vontade e desejo de criar esses produtos geralmente acaba sendo maior do que a percepção da quantidade de planejamento necessário para finalizar esse tipo de projeto, é por isso que existem tantos jogos e animações que iniciam como boas idéias, mas que nunca são finalizadas.

Esse semana uma história publicada no blog do Unity 3D chamou a minha atenção por mostrar a perseverança de uma pequena produtora de jogos, que nasceu dentro da universidade de Aalborg na Dinamarca. A produtora é a BetaDwarf que era formada inicialmente apenas por alunos da universidade, que chegaram por um breve período de tempo a dormir dentro das instalações da universidade. O breve período de tempo correspondeu a aproximadamente 7 meses!

A história da produtora é muito interessante e pode muito bem servir como inspiração para pessoas interessadas em começar iniciativas semelhantes. O artigo está em inglês, mas com um pouco de paciência ou ajuda do oráculo, você consegue entender o texto caso seu inglês esteja “enferrujado”.

O vídeo a seguir é uma demonstração do primeiro jogo do estúdio chamado de Forced.

Algumas das recomendações que sempre passo para os meus alunos, mas que muitos acabam não seguindo é que planejamento e preparação são o segredo para evitar surpresas nesse tipo de projeto. A idéia principal do projeto é importante, mas o estágio em que você senta na frente do computador para produzir alguma coisa deve fazer parte apenas do processo final de produção! Se for um jogo o game design deve estar totalmente concluído, e para animações o roteiro deve estar finalizado.

A quantidade de material gerado na pré-produção é inversamente proporcional ao número de problemas e prazo necessários para executar o projeto.

Quer começar um projeto de jogos 3d?

O EAD – Allan Brito tem alguns cursos que podem ajudar você na parte técnica relacionada a produção de jogos digitais. Alguns dos cursos são gratuitos e outros demandam inscrição, mas podem muito bem representar o primeiro passo na formulação do seu sistema arsenal de conhecimentos para produzir jogos.

Curso sobre produção de jogos com Blender: Aula 06 disponível

O curso sobre produção de jogos com Blender recebeu mais uma atualização hoje, que deve consolidar o caminho para a produção de jogos no Blender com visual mais rico e realista. A aula 06 do curso aborda o uso de materiais e texturas dentro do ambiente de jogos do Blender, fazendo uso de recursos básicos e avançados com o modo de shading GLSL que permite utilizar recursos avançados de transparência e exibição de texturas na 3D View do Blender e também no modo de jogos.

Essa é a primeira aula depois da longa e trabalhosa aula 05 do curso que abordou a maioria dos atuadores do Blender, que são um dos grandes responsáveis pela parte interativa da produção de jogos no Blender usando os blocos de lógica.

A imagem a seguir mostra uma das telas retiradas do sexto vídeo da aula 06 que aborda exatamente o uso de texturas com canal alpha para representar vegetação em jogos.

curso-blender-jogos-texturas-aula-06.jpg

Os participantes dessa aula aprendem a trabalhar com os seguintes aspectos dos materiais no Blender dentro do contexto de jogos:

  • Uso de shaders
  • Escolha do algoritmo de shading
  • Criação de materiais
  • Aspectos dos materiais para física]
  • Controle de transparência
  • Materiais com faces visíveis dos dois lados
  • Texturas
  • Mapas UV
  • Configuração de mapas UV
  • Pintura de texturas no Photoshop
  • Criando mapas de iluminação
  • Uso de múltiplas texturas
  • Uso de múltiplos mapas UV
  • Criação de alto relevo com texturas
  • Uso de texturas com canal alpha
  • Embutir texturas dentro do arquivo do Blender
  • Criar arquivos de texturas dos mapas de baking

Todos esses aspectos são abordados ao longo dos sete vídeos que fazem parte da aula 06. Com o conhecimento adquirido nessa aula, os participantes do curso podem começar a trabalhar em jogos que possuem mais recursos visuais como é o caso das texturas.

A boa notícia é que a aula 07 já está em processo de upload, e muito provavelmente até o final do dia também deve estar disponível. Essa aula aborda o uso de animações dentro da game engine do Blender, com a apliação direta do atuador Action.

Para se inscrever no curso sobre produção de jogos com Blender, basta visitar a página de detalhes do curso. E no caso das pessoas que gostariam de se inscrever em mais de um curso, é sempre bom lembrar que ofereço descontos para inscrições múltiplas no EAD – Allan Brito.

Curso sobre produção de jogos com Blender: Aula 05 disponível

O curso sobre produção de jogos com Blender recebeu hoje os últimos vídeos da aula 05, que é até agora uma das maiores aulas em termos de quantidade de vídeos no EAD – Allan Brito. Essa aula aborda o uso dos chamados atuadores, que dentro do contexto da produção de jogos no Blender são muito importantes. É com os atuadores que conseguimos gerar ações que devem ser realizadas por objetos ou personagens dentro do contexto de jogos 3d. Como a quantidade de atuadores é bem extensa, foram necessários 13 vídeos para conseguir mostrar o principal, e mesmo assim alguns atuadores como o Action ficaram para a aula sobre animação em jogos.

Mesmo sem abordar o uso de animação dentro do ambiente da Game Engine do Blender ainda, já foi possível abordar muita coisa dentro do curso, inclusive a simulação de disparos usando o atuador Edit Object e a utilização de efeitos sonoros dentro da game engine. O vídeo abaixo mostra um dos exercícios que foram desenvolvidos na aula 05 do curso sobre produção de jogos com Blender.

O arquivo desse exemplo, assim como os efeitos sonoros utilizados estão disponíveis para download dentro da área de downloads da aula 05.

A próxima aula desse curso aborda exatamente a parte de animação dentro da game engine do Blender, permitindo criar efeitos bem interessantes em relação a dinâmica de simulações interativas para uso dentro do Blender ou mesmo em projetos de jogos.

Para conhecer mais sobre o curso e realizar a sua inscrição, você pode visitar a página de detalhes do curso sobre produção de jogos com Blender. E não custa lembrar que ao realizar a sua inscrição nesse curso, você tera a chance de concorrer ao sorteio de quatro DVDs do Instituto Blener, inclusive os DVDs do Tears of Steel. Para saber como participar do sorteio, você pode ler o anuncio na íntegra que fiz aqui no blog mesmo, ou então por meio do quarto episódio do meu videolog, em que explico em detalhes como você pode participar do sorteio.

Só adianto, que a primeira condição para participar é realizar uma inscrição em qualquer curso do EAD – Allan Brito durante o mês de Outubro!

Tutorial Blender: Usando o modificador Skin no Blender 2.64

O Blender 2.64 está em estágio beta sendo testado por vários usuários ao redor do mundo para que todos os seus possíveis “bugs” possam ser descobertos, e devidamente corrigidos antes do lançamento da versão pronta para ambientes de produção. Mas, caso você seja uma pessoa curiosa e já queira testar alguns desses recursos que devem fazer parte da lista de melhorias do Blender 2.64 que aproveita muita coisa do projeto Mango, é possível fazer o download da versão de testes nesse endereço, ou então diretamente do Blender Builder que é o lugar para copiar as últimas versões e modificações no Blender. A única ressalva que faço é que você não deve usar essas versões em ambientes de produção, sem antes ter consciência de que seus dados podem eventualmente ficar corrompidos.

Um dos novos recursos do Blender 2.64, e afirmo novamente, apenas no Blender 2.64 é o modificador Skin. Estou reforçando a versão, pois sempre aparece alguém perguntando o motivo desse modificador não estar presente no seu Blender. O que o modificador Skin faz? Ele funciona de maneira semelhante ao recurso do Blender chamado de Metaballs. Com o modificador é possível adicionar um invólucro em arestas que formam uma estrutura conectada.

Quer ver como o Skin funciona? Depois de três meses sem gravar tutoriais de Blender para o blog, retomei o hábito com um pequeno tutorial mostrando o funcionamento do Skin! Se você gostar do vídeo, aproveite o momento para avaliar o mesmo no Youtube! Isso ajuda na divulgação.

Com o Skin podemos criar modelos 3d simples para projetos de escultura ou mesmo trabalhar com volumes de objetos. Para isso é necessário apenas criar a estrutura de arestas que formam o objeto, e usando a tecla CTRL+A para escalonar os vértices para inflar partes do modelo 3d.

Mas, a melhor parte do Skin é a possibilidade de adicionar dentro dessa estrutura um objeto do tipo Armature com um esqueleto pronto e já ligado ao objeto 3d. Isso é demonstrado no vídeo e se você tiver como objetivo a criação de um personagem rápido usando apenas formas simples para animação, o Skin é uma ótima opção.

Como a ferramenta ainda está em desenvolvimento, coisas estranhas podem acontecer, sendo necessário um pouco de paciência para encontra o melhor posicionamento para os vértices e conseguir uma malha 3d limpa. Mas, a idéia do modificador é muito legal.