GIMP 2.10 com novos recursos e interface

O GIMP é a melhor alternativa para editar e manipular imagens entre as opções de código aberto. O software possui um longo histórico de atualizações e melhorias nesses últimos anos, principalmente no que se refere à interface e também usabilidade. Essas são as duas áreas que geravam mais críticas ao GIMP.

Na nova versão do software você encontra temas para a interface com quatro opções:

  • Escura (Default)
  • Cinza
  • Light
  • Sistema

A interface recebeu melhorias estéticas também.

Agora existem conjuntos de ícones padrão que são consistentes, mesmo que você troque o tema os ícones permanecem.

Outro ponto de destate é a preparação da interface para resoluções HiDPI. O que é isso?

Quando você adquire um monitor para editar suas imagens em formatos 4K ou 5K, que provavelmente são os monitores que os leitores do allanbrito.com possuem, agora você pode ajustar o tamanho dos ícones.

Ao abrir o software nesse tipo de resolução os botões ficam minúsculos. Agora é possível alterar a sua escala.

Agora, uma das novidades mais aguardadas é o esperado novo motor gráfico GEGL image processing library. Que adiciona diversos recursos ao GIMP. Esse motor gráfico já está sendo implementado desde a versão 2.6.

Entre os benefícios estão o uso de multiprocessamento, suporte para aceleração por GPU e diversos outros recursos.

Se você é usuário do GIMP a atualização é mais do que recomendada.

Como fazer para usar essa nova versão do GIMP? Você pode visitar a página oficial do GIMP para fazer o download, que é totalmente gratuito assim como o Blender.

Aprenda a usar o GIMP

Quer aprender a usar o GIMP para editar e manipular imagens? No EAD – Allan Brito você encontra um curso básico gratuito e outro mais avançado, ensinando como aproveitar os recursos do software para trabalhar com as mais diferentes formas de imagem:

Pós-produção de imagens renderizadas no Photoshop: Efeito glare

O processo de renderização de imagens em softwares 3d na maioria das vezes reserva pequenas surpresas, como artefatos ou defeitos na imagem. Quando isso acontece o artista 3d precisa decidir entre dois caminhos para contornar o problema que envolvem o início do render novamente, ou a edição da imagem em softwares como o Gimp ou Photoshop e tentar corrigir o problema na pós-produção. Para quem quiser ter uma boa idéia de como essas correções podem ser rápidas e fácies, o tutorial que indico nesse artigo mostra o processo de criação do efeito glare, comum em ambientes iluminados por fontes de luz fortes como o sol. Nesse caso, um artista 3d mostra o procedimento para corrigir a falta do efeito glare no Photoshop, com uma imagem renderizada no 3ds Max e Mental Ray.

Apesar do Mental Ray possuir uma opção nos seus parâmetros de renderização, algumas vezes podemos esquecer ou não ficar satisfeitos com o resultado, e um editor de imagens pode ser a salvação.

A técnica usada para criar o efeito glare é bem simples e não requer conhecimentos avançados no Photoshop, para realizar a operação é necessário selecionar apenas as áreas marcadas com aberturas, isso é feito com a ferramenta Color Range do Photoshop que seleciona apenas pixels com a mesma cor na imagem. Com os pixels devidamente selecionados, próximo passo é preencher a área da seleção apenas com a cor branca, tudo isso em um novo layer.

Depois é só aplicar um filtro do tipo Gausian Blur para que o efeito glare esteja completo e aplicado. Todo o processo é rápido fácil e permite muitas variações, e o melhor de tudo é que a imagem renderizada originalmente não é afetada de maneira alguma.

Outra opção apresentada pelo autor é a configuração do glare no próprio Mental Ray, o que pode ser uma vantagem pelo controle e criação do efeito em concordância com o aspecto da imagem renderizada. Outro ponto a favor do uso desse efeito diretamente no Mental Ray é a interação do glare com objetos do cenário, como janelas e aberturas que sejam difíceis de editar no photoshop na pós-produção.

Para completar o tutorial, podemos conferir o método necessário para elaborar uma renderização do efeito em camadas, para importar o glare diretamente para uma camada no Photoshop. Assim é possível editar e ajustar o efeito vindo diretamente do 3ds Max.