Blender com ferramenta semelhante ao Trim e Extend do AutoCAD

As ferramentas de modelagem 3d do Blender direcionadas para a criação de superfícies orgânicas já eram bem desenvolvidas, e ofereciam a maioria dos artistas 3d o que era necessário para elaborar figuras e personagens orgânicos. Mas, outra categoria de artistas 3d direcionado para o desenvolvimento de cenários e outros tipos de modelagem, como a voltada para arquitetura, ainda sentia a necessidade de opções mais específicas. Ainda no tempo do Blender 2.49 existiam projetos que tinham como objetivo adicionar opções semelhantes ao que temos em softwares de CAD, como o AutoCAD a interface do Blender. Opções simples como o Offset, Trim e Extend.

Com o advento da versão 2.50 isso acabou ficando mais fácil, com a possibilidade de criar Add-ons e integrar os mesmos a interface da ferramenta. Um usuário dos fóruns Blenderartists publicou essa semana uma ferramenta criar usando Python chamada de Slice at Intersection. Essa ferramenta funciona de maneira muito semelhante ao que o Trim e Extend do AutoCAD fazem, que é cortar arestas nos pontos em que existe uma interseção com outras arestas.

Repare na imagem abaixo, que mostra diversas arestas posicionadas sobre o mesmo plano. Essa é uma das condicionantes para que o script funcione, as arestas precisam estar no mesmo plano:

slice1.png

Na primeira opção, teremos as duas arestas inferiores selecionadas e com o Add-on funcionando, basta pressionar a tecla W e no menu specials escolher a opção Slice to Edge Intersection. Isso prolonga as arestas e une as mesmas. Exatamente como o Extend do AutoCAD.

slice2.png

O segundo exemplo mostra o efeito do script aplicado quando temos exatamente duas arestas que fazem uma interseção direta selecionadas. Como resultado a divisão dos objetos exatamente no mesmo ponto em que as duas arestas estão se tocando. Efeito muito parecido com o que temos no Trim do AutoCAD.

slice3.png

Essa ferramenta será de grande auxílio para qualquer artista que precise desenvolver e criar elementos geométricos no Blender, usando como base para criação dos seus próprios polígonos.

O mais interessante, é que a ferramenta já foi revisada duas vezes desde que foi disponibilizada, apenas com sugestões dos usuários do fórum. Para usar a mesma, basta copiar o arquivo para a pasta de Add-ons do Blender e habilitar a ferramenta no painel de preferências do usuário (User Preferences) e na aba dos Add-ons.

Evolução da interface do Blender 3D

A evolução das interface e das ferramentas do Blender 3D nos últimos anos é impressionante e mostra os avanços conseguidos pela equipe e desenvolvedores, que com muito esforço trabalharam para chegar até a última reformulação dessa interface. Depois de uma conversa com alguns colegas e alunos dos meus cursos sobre computação gráfica, percebi que muitos deles nunca tiveram a oportunidade de usar ou conhecer as interfaces passadas do Blender 3D, para perceber como tudo mudou. A primeira vez que tentei usar o Blender 3D foi na versão 2.04, em que literalmente abri o software e depois de alguns minutos desisti de entender o funcionamento do mesmo. Apenas algumas semanas depois foi que realmente pesquisei e comecei a trabalhar e estudar com mais empenho a maneira com que o Blender funciona.

Desde esse dia fui deixando gradativamente de usar o 3ds Max como minha principal ferramenta 3d, para adotar apenas o Blender 3D nos projetos. Como ainda tenho algumas dessas versões mais antigas e a própria fundação disponibiliza nesse endereço, praticamente todas as versões anteriores do Blender para consulta e download, resolvi fazer um pequeno vídeo demonstrando a evolução das interfaces.

Como fica claro pelo vídeo em questão a evolução da interface “espartana” do Blender 3D 1.60 até o que vemos no final do vídeo, com a versão 2.50 Alpha 0 é impressionante e perfaz diversas pequenas melhorias que são complementadas pelos lançamentos intermediários.

Naquela época era complicado e trabalhos realizar operações simples de modelagem 3d, como a restrição de movimentos dos objetos ao receber algum tipo de transformação como escala ou rotação. Essa era uma das funções destinadas ao botão do meio do mouse, que junto do grid funcionava para modelar com mais precisão.

Repare que os famosos modos Object, Edit e muitos outros não estavam agrupados em seletores de fácil localização na interface, mas em botões espalhados sobre uma Header montada sobre ou abaixo da 3D View ou painel de botões. Com o tempo, a interface foi ganhando mais retoques e ferramentas mais sofisticadas como os modificadores. Basta fazer uma rápida comparação com o número de modificadores disponíveis na versão 2.

O vídeo em si não tem como objetivo mostrar o funcionamento da ferramenta, apenas demonstrar o quanto já foi melhorado e aprimorado nos últimos anos, e que deve culminar com o lançamento do Blender 2.60 no final desse ano. Agora é só esperar!

Tutorial Cinema 4D: Modelagem poligonal de uma casa em 3D

A chamada modelagem poligonal é um dos tipos mais básicos de modelagem 3d e pode ser o fundamento para a criação de objetos 3d, por artistas iniciantes em praticamente todos os softwares especializados nesse tipo de conteúdo. Os softwares 3d oferecem ferramentas e opções que permitem trabalhar com a modelagem poligonal usando basicamente os mesmos princípios, que são baseados no uso de sólidos geométricos e na aplicação do famoso extrude. Sempre que começo um curso sobre modelagem 3d para pessoas que nunca trabalharam com esse processo de criação, recomendo guardar bem a palavra extrude, pois ela é uma ferramenta usada nas mais diversas aplicações.

Um excelente exemplo de como é possível fazer a modelagem 3d básica de uma casa estilizada usando o Cinema 4D e as suas ferramentas de modelagem poligonal é apresentada nos vídeos abaixo, em que podemos acompanhar a criação e manipulação de um conjunto de elementos como vértices, arestas e faces para a criação do modelo 3d.

Logo no início do vídeo podemos conferir o uso de um recurso controverso para a criação desse tipo de elemento 3d, que é um grande N-Gon que forma a base da casa. Essa base é então transformada em um objeto 3d com o comando extrude para depois receber mais modificações com diversos comandos de modelagem.

Apesar de resultar no modelo de uma casa em 3d extremamente simples, o vídeo é útil para demonstrar os procedimentos necessários para criar objetos em 3d usando técnicas de modelagem poligonal. A criação de elementos como janelas e detalhes da casa são adicionados usando opções e ferramentas de corte, disponíveis na maioria dos softwares 3d. O aprendizado das ferramentas é simples, mas como a pior parte é sempre a aplicação prática de cada uma das ferramentas, o vídeo pode passar dicas valiosas para usuários iniciantes.

Uma dessas ferramentas é a opção conhecida como Bridge, que faz a ligação entre duas arestas ou faces. Sempre que mostro a ferramenta isolada nas aulas de modelagem 3d, os alunos não conseguem contextualizar a sua aplicação prática no modelo. Com o vídeo o conceito é visto na prática e de maneira bem simples. De quebra ainda é possível aprender um pouco sobre o Cinema 4D e as suas ferramentas de modelagem poligonal.

Retopologia com o 3ds Max 2010: Ajustando cenários virtuais

A retopologia é uma técnica extremamente útil e que deveria ser conhecida por qualquer pessoa interessada em trabalhar com modelagem 3d, pois as ferramentas de retopologia podem literalmente salvar um projeto. Imagine que você acabou de encontrar um modelo 3d na internet ou então finalizou um personagem para animação, mas quando começou a trabalhar com as deformações nesse modelo 3d, a malha do personagem começou a parecer estranha. Isso é mais comum do que você imagina em projetos que envolvem grandes quantidades de modelos 3d produzidos pelos próprios artistas.

Com as ferramentas de retopologia é possível usar o mesmo modelo 3d para criar uma derivação, mas com a possibilidade de literalmente desenhar os locais em que você gostaria de posicionar as suas arestas. Isso permite controle quase total sobre a topologia do modelo 3d. Por isso, a maioria dos softwares 3d hoje apresenta esse tipo de ferramenta para ajudar na modelagem.

Um tutorial em vídeo muito interessante sobre retopologia usando o novo Graphite modeling tools do 3ds Max 2010, mostra como as opções de retopologia da nova versão do 3ds Max funcionam. O vídeo é curto e objetivo, mas mostra para os usuários interessados em aprender mais sobre o 3ds Max 2010, mais opções sobre o processo de ajuste na modelagem usando essa nova interface.

No início do tutorial o próprio autor do vídeo contextualiza a situação informando que o modelo 3d abordado no vídeo, é uma típica representação de cenários virtuais manipulados por empresas de topografia. O artista precisa lidar com faces triangulares e inúmeros problemas no modelo 3d, sendo um deles as faces sobrepostas, que podem ser identificadas de maneira muito rápida com as opções do xView no 3ds Max 2010, como é demonstrado no próprio tutorial. Para piorar, ainda é possível exibir as arestas que não estão conectadas, o que resulta na exibição de todas as arestas. Em resumo, esse modelo 3d está uma verdadeira bagunça.

Para resolver o problema desse modelo 3d, o artista aciona as opções de desenho sobre a malha 3d do Graphite modeling tools, configurando a ferramenta para gerar um novo objeto com base nessa opção. Na interface do 3ds Max a palavra retopology não está visível, mas a função desempenhada pelas ferramentas é exatamente essa.

Se você é usuário do 3ds Max, esse tipo de opção pode salvar algumas horas de trabalho em projetos envolvendo modelos 3d com topologia pobre como o apresentado no vídeo.

Download gratuito de scripts em MAXScript para 3ds Max 2009

Ontem publiquei aqui no blog, um artigo sobre a liberação de vários plugins para o 3ds Max, que podem ser copiados e usados de maneira totalmente gratuita. Parece que a semana está repleta de novidades e ferramentas gratuitas, para os usuários do 3ds Max. Agora foi lançada uma atualização para o RappaTools, que é um conjunto de vários Scripts desenvolvidos em MAXScript para usuários do 3ds Max 2009 e versões anteriores. Segundo o autor do autor do pacote de scripts, o material pode ser executado em versões de 32 e 64 bits do 3ds Max sem maiores problemas.

Nem todos os scripts existentes no pacote são de autoria da mesma pessoa, alguns deles foram coletados na internet e compilados no mesmo conjunto de ferramentas.

No web site você encontra um pequeno vídeo de demonstração que mostra algumas das ferramentas disponíveis no pacote, e como elas podem ajudar. Em que esse tipo de ferramenta pode ajudar?

A lista de recursos é bem extensa e envolve:

  • Ferramentas para ajudar na modelagem poligonal, com pintura de vértices e manipulação de arestas
  • Posicionamento de objetos na cena
  • Enquadramento de câmera
  • Gerenciamento de cores
  • Renderização
  • Criação procedural de neve
  • Ferramentas para ajudar no trabalho com o Reactor
  • Manipulação de transformações, como copiar e colar o posicionamento de objetos
  • Integração com ferramentas de configuração do V-Ray e Brazil R/S

Segundo o log de atualizações do Script, ainda foram adicionadas opções de modelagem e interação com o Script. Uma parte interessante desse conjunto de ferramentas é que o artista pode acessar a maioria das opções, usando o QuadMenu do Max. Basta clicar com o botão direito do mouse em algum lugar da tela, para que as diversas ferramentas fiquem disponíveis.

Para quem trabalha com o 3ds Max e gostaria de acrescentar algumas ferramentas ao já extenso arsenal de opções para modelagem 3d, principalmente modelagem 3d, vai encontrar muitas opções interessantes nesses scripts. Assim como já havia comentado aqui no blog, a melhor maneira de personalizar uma ferramenta 3d é com o desenvolvimento de scripts personalizados, e quem sabe o que foi útil para algum artista, pode ajudar você!

Em suma, recomendo o download!