Revista Computer Graphics World com efeitos do filme 2012

A revista Computer Graphics World acaba de ganhar mais um número que mostra assuntos relacionados a computação gráfica 3d de maneira geral, sem foco específico em apenas um software ou tecnologia. Essa é uma revista com perfil mais comercial que as outras revistas que geralmente recomendo aqui no blog. Mas, para alegria dos usuários e artistas que não tem como fazer a compra de revistas assim nas bancas, o material está disponível de maneira gratuita para leitura no web site da editora. Os artigos da revista são direcionados para produção de jogos e efeitos para cinema, com destaque para o recém lançado 2012.

O início da revista começa com artigos sobre o uso de renderização estilizada usada em ambientes de simulação interativa, como jogos e outras interações. Esse ambiente foi aproveitado em um jogo recém lançado que tem ambiente semelhante a um render NPR.

revista-computer-graphics-world-2012.jpg

Mas, o destaque mesmo da revista é a enorme matéria dedicada aos efeitos especiais realizados no filme 2012, que caso você ainda não tenha assistido, recomendo que o faça para ter uma boa idéia do que destruição mundial significa. O artigo comenta o processo de produção do filme e lista detalhes como todos os estúdios que participaram da produção, com o número de cenas com efeitos realizadas por cada um dos estúdios. Nesse quesito o estúdio campeão foi o Uncharted Territory, que trabalhou em nada menos que 422 cenas de efeitos no filme.

Assim como já tinha comentado quando falei sobre a Siggraph, boa parte das cenas de destruição relacionadas a cidades foi produzida usando uma versão especialmente desenvolvida do software Thinking Particles da Cebas. A mesma empresa que produz o Final Render e trabalhou em conjunto com a produção do filme para desenvolver os softwares necessários para os efeitos especiais. A equipe do filme financiou parte da produção de um módulo do Thinking Particles especializado na criação de rachaduras, como as que vemos nos terremotos do filme.

Outra notícia interessante que encontramos na revista está indiretamente relacionada com o Blender 3D. O software não foi usado nos efeitos do filme, mas no artigo é possível conhecer a solução usada pela Digital Domain para criar um software semelhante ao Thinking Particles, para criar as rachaduras, chamado de Drop. O Drop usa um sistema de Rigid Body Dynamics da engine 3D Bullet, a mesma usada pelo Blender 3D.

Para ler a revista completa de maneira gratuita, e conhecer mais sobre o 2012 e outras produções, visite o link indicado no início do atigo.

Novo Final Render Stage-1 R3 deve ser anunciado na Siggraph 2009

Existem alguns softwares que com o passar do tempo acabam perdendo terreno para novas tecnologias e concorrentes que conseguem oferecer recursos e tecnologias, por preços mais acessíveis ou mesmo sistemas de atualização e licenças flexíveis. Com isso essas ferramentas praticamente desaparecem de projetos importantes e tem a base de usuários bem reduzida. Esse é o caso de um renderizador chamado Final Render, que é desenvolvido e comercializado pela Cebas. O renderizador já foi bem famoso entre artistas e comunidade de usuários do 3ds Max, mas de uns tempos para cá praticamente desapareceu de projetos importantes e mesmo nos filmes em que os softwares acabam ganhando destaque em cenas e partes específicas com animações e efeitos complexos, o Final Render deixou de participar.

Se você for leitor mais antigo do blog, deve recordar que sempre publicava tutoriais e artigos relacionados ao Final Render. Mas, como esse material realmente parou de ser publicado e atualizado, consequentemente também parei de escrever sobre o mesmo. Mas, parece que ele pode começar a voltar.

Com a aproximação da Siggraph 2009, a Cebas está preparando para anunciar uma série de novidades e melhorias para o seu renderizador, que segundo a própria Cebas foi largamente utilizado como a principal ferramenta no filme 2012, que ainda vai estrear no final do ano. O anuncio oficial da Cebas pode ser conferido nesse link que descreve diversos produtos e softwares que devem ser amplamente divulgados na Siggraph.

Aqui no Brasil o filme só começa a ser exibido em novembro, mas já existe um trailer disponível.

O vídeo está em HD (720p).

Os efeitos que aparecem no filme são realmente extremamente complexos e com altíssimo nível de dificuldade, envolvendo os mais complicados tipos de animação em computação gráfica 3D:

  • Partículas
  • Partículas interagindo com elementos do cenário
  • Fluidos interagindo com partículas

Se boa parte dos efeitos presentes no filme foram realizados usando ferramentas da Cebas, podemos concluir que será muito benéfico para o produto deles usar o filme como demonstração do que pode ser feito com o Final Render.

Caso você queira conferir o artigo que divulga os planos da Cebas para a Siggraph, fica claro que esse filme será um dos principais chamarizes e vitrines para as atualizações realizadas nos seus softwares. Como o próprio texto menciona, boa parte dos seus softwares com o Final Render e o Thinking Particles, recebeu melhorias e suporte a novas tecnologias, especialmente para suprir a demanda dos efeitos desse filme. O trailer mostra que as animações e efeitos são bem complexos.

Isso significa que devemos ter uma boa quantidade de material divulgada pela Cebas durante a Siggraph, como tutoriais e diversos vídeos com Making of. Só resta esperar! Para saber mais sobre a Siggraph 2009, visite o web site oficial.