Modelagem básica de paredes no Blender 3D para arquitetura

A quantidade de usuários que pretende migrar para soluções baseadas apenas no Blender 3D para modelagem e visualização de projetos arquitetônicos é cada vez maior. Os pedidos para criar tutoriais e guias para iniciantes nessa área não param de chegar pelo formulário de contato e outros meios, como nas palestras em que tenho oportunidade de mostrar as aplicações do Blender 3D para arquitetura e visualização de produtos. Essa é uma área que sempre enfatizo muito no Blender, pois é uma das mais rápidas em termos de retorno profissional. Para conseguir retorno financeiro sobre projetos envolvendo animação 3d ou desenvolvimento de jogos, a coisa é bem mais complicada.

Qual o primeiro passo para conseguir trabalhar com visualização de projetos no Blender 3D? A lista de requisitos não é pequena, mas em termos de criação de objetos em 3d a primeira tarefa é aprender o processo de modelagem para paredes. Esse é o elemento fundamental para qualquer projeto.

Para ajudar esses usuários a trabalhar com modelagem de paredes no Blender 3D, que pode ser um desafio e tanto, principalmente se você está acostumado com ferramentas como AutoCAD, resolvi fazer um pequeno guia. As dicas para modelagem com Blender 3D estão organizadas na lista abaixo:

  • Trabalhe apenas com o modo de seleção configurado para arestas (“edges“);
  • Como escala para seus projetos escolha metros. Isso equivale dizer que cada unidade de medida no Blender 3D é equivalente a 1 metro. (1 BU = 1,00 M);
  • O uso da escala em metros é especialmente importante se o objetivo for renderizar o projeto no LuxRender ou Indigo Renderer. Ambos usam essa escala.
  • Use os extrudes restritos em apenas um eixo para criar grandes segmentos de paredes;
  • Para fazer ligações entre arestas, use a opção Connect do Blender que liga duas arestas paralelas ao pressionar e tecla F;
  • Planeje a modelagem de maneira a criar as aberturas para janelas e portas no extrude;
  • Aproveite as ferramentas de Snap do Blender 3D, pressionando a tecla CTRL ao deslocar objetos pela 3D View ou então o Vertex Snap (SHIFT+TAB);
  • Para fazer subdivisões nos planos das paredes, use o Face Loop Cut (CTRL+R);
  • Sempre tente criar arestas que tenham continuidade entre diferentes planos, para ajudar na organização da topologia do modelo 3d.

Como aplicar essas dicas?

Se você nunca teve oportunidade de modelar paredes ou projetos arquitetônicos no Blender 3D, resolvi produzir um pequeno vídeo mostrando o processo e criação desse tipo de material. O vídeo está um pouco acelerado, mas é a aplicação direta dessas dicas listadas acima.

Basta seguir os procedimentos realizados no vídeo e as dicas apresentadas no início do artigo para começar a criar os seus próprios modelos 3d para arquitetura, com estruturas prontas para representar paredes.

Tutorial SketchUp: Usando componentes para modelar cenários de jogos 3D

O SketchUp é uma das ferramentas mais intuitivas para modelagem 3d voltada para arquitetura, sendo que profissionais de segmentos que não tem relação direta com visualização arquitetônica pode aproveitar em muito essas facilidades. Sempre que tive oportunidade de visitar empresas especializadas no desenvolvimento de jogos 3d, encontrei alguém usando o SketchUp para fazer modelagem de cenários. Como as ferramentas de edição e modelagem são muito simples e rápidas de usar, para alguns tipos de cenário 3d a produtividade com o SketchUp é muito alta. Um desses tipos de cenários que se encaixa perfeitamente no modo de trabalho do SketchUp é o ambiente dos jogos de carro, com as suas paisagens virtuais e as pistas extremamente geométricas que podem ser criadas de maneira muito rápida.

Para exemplificar o uso do SketchUp no desenvolvimento de jogos 3d, encontrei nos últimos dias um tutorial muito interessante que demonstra exatemente essa aplicação do software, com a modelagem de um cenário 3d, representando uma pista de corrida.

No vídeo podemos acompanhar o processo de criação dos cenários, usando muitas das vantagens produtivas do SketchUp como as poderosas opções de snapping. Se você já usou o SketchUp, sabe que para conseguir atrair os seus usuários e principalmente profissionais do setor de visualização especializados em arquitetura, ferramentas de snap são fundamentais e nisso o software não peca.

A base da criação desse cenário é o uso de componentes, que são os elementos que podem receber instâncias no SketchUp. A vantagem de criar componentes é que podemos fazer alterações nos objetos, e as mudanças são passadas para todas as cópias de maneira automática.

Com os componentes criados de maneira a encaixar um no outro, a criação do cenário fica bem simplificada, pois é necessário apenas fazer cópias dos elementos para criar as ruas do cenário. Esse tipo de facilidade e praticidade é que faz do SketchUp um software tão usado, mesmo por pessoas ligadas ao desenvolvimento de jogos, que teóricamente possuem interesse em usar ferramentas mais sofisticadas como o Blender 3D, 3ds Max e outros. Esse é apenas o primeiro passo do processo de modelagem 3d, pois ainda é necessário exportar o material para algum formato de arquivo suportado por engines 3d, para que o mesmo modelo seja usado em ambientes de jogos.

Para quem está usando o SketchUp 7 gratuito, ao exportar o arquivo no formato KMZ do Google Earth, a dica é alterar a extensão do arquivo de KMZ para ZIP e abrir o mesmo em algum editor. Dentro do arquivo ZIP é possível encontrar um outro arquivo com extensão DAE, que é o modelo 3d no formato COLLADA.