Iluminação indireta no Blender 3D com o projeto Lightcuts

Ao que parece, os projetos do Google Summer of Code, devem adicionar funcionalidades extras ao Blender, além das que já estavam previstas em cada um dos respectivos projetos. O autor do modificador Shrink Wrap está trabalhando em um modificador Simple Deform para o Blender, e agora o responsável pelo projeto que adiciona o algoritmo do Lightcuts no Blender, trabalha com a simulação de iluminação indireta no Blender! Esse é um recurso aguardado por artistas há muito tempo no Blender 3D, que parece se concretizar agora. O mais interessante desse processo é acompanhar como o UncleZeiv, está trabalhando no desenvolvimento do recurso, que nada mais é que o uso de múltiplas luzes próximas as superfícies do modelo 3d, para distribuir melhor a iluminação.

Caso você não lembre, o algoritmo do Lightcuts permite ao software manipular e renderizar cenas com algumas centenas ou milhares de pontos de luz, com rapidez e eficiência.

Com isso, o processo de desenvolvimento de algum artifício para fica muito mais fácil. O autor do projeto está usando como base para o desenvolvimento da iluminação indireta uma técnica chamada de Instant Radiosity, que usa exatamente vários pontos de luz, posicionados próximos as superfícies que recebem iluminação direta. Isso dá aquele efeito de sombras de contato, muito famoso no uso de Iluminação Global.

Claro que tudo ainda está em fase de testes, mas no blog do projeto, o UncleZiev mostra algumas renderizações de teste, usando uma versão preliminar do Instant Radiosity no Blender! Nas imagens é possível perceber que existem alguns artefatos nas sombras, mas esse já é possível ter uma boa idéia de como ficará o uso dessa técnica no Blender 3D.

O prazo para o projeto SoC 2008 está chegando ao fim, pena que o Blender 2.47 não conseguirá agregar essas ferramentas recém criadas. Com tanta coisa boa pronta e devidamente testada, pode ter certeza que teremos uma versão 2.48 do Blender até o final do ano, antes do já lendário 2.50. Quer um exemplo? Além do SoC, temos as ferramentas desenvolvidas para o Apricot, Grease Pencil e outros.

Outro projeto muito aguardado está chegando na sua fase final! Parece que a integração do Blender 3d com o Freestyle está chegando nas fases finais também! O desenvolvedor envolvido no projeto, comenta as fases finais nesse artigo do seu Blog. Assim que uma versão de testes estiver disponível, faço os devidos testes e monto um pequeno tutorial mostrando o necessário para usar a ferramenta.

Brazil R/S Rio: versão gratuita do renderizador para 3ds Max

O Brazil R/S da Splutterfish é um dos melhores renderizadores disponíveis para o 3ds Max, ele está no mesmo nível do Mental Ray ou até melhor em alguns tipos de cena. Existe até uma rivalidade antiga, com os desenvolvedores do V-Ray que fez até uma revista fazer um artigo comparativo entre as duas ferramentas. O V-Ray ganhou fama entre os usuários do 3ds Max por ser mais rápido, mas o Brazil R/S sempre foi conhecido entre artistas 3d pela sua qualidade. Claro que isso vinha ao preço de mais hardware e demanda generosa de processamento.

Por esse motivo, o Brazil R/S ficou sendo mais utilizado por empresas que precisam de qualidade máxima e não tem restrições quanto ao hardware. O custo da licença, também exigia grande investimento.

Bem, para entra na onda das versões de teste e aprendizado, a SplutterFish lançou o Brazil R/S Rio, que é nada mais que uma versão do tipo PLE (Personal Learning Edition) do renderizador, com o claro objetivo de popularizar o seu uso. Ele pode ser instalado no 3ds Max, sem restrições de tempo para fins de estudo.

Quem escolher por testar a ferramenta, encontra algumas pequenas restrições descritas na página do Brazil R/S Rio:

  • A imagem renderizada com o Brazil R/S Rio só pode ter no máximo 1024×511
  • Existem várias restrições para edição de cenas criadas com a versão FULL do renderizador
  • O artista não pode usar os recursos de renderização em rede, ficando limitado a apenas uma estação

Você pode estar se perguntando, vale à pena fazer o download? Claro que sim! Com sou usuário do Blender 3D, infelizmente não posso fazer o download para testar, mas devo indicar para as pessoas que conheço e que possuem o 3ds Max.

Espero que junto com o Brazil R/S Rio a SplutterFish lance um conjunto de tutoriais, para ajudar as pessoas interessadas a estudar o renderizador. Esse tipo de material sempre vem acompanhado de alguma explicação teórica, sobre com o funcionam os processos de Ray tracing e iluminação da ferramenta, que podem ser geralmente aproveitados em outras ferramentas e softwares.

Aproveitando os tutoriais, não deixe de fazer o download do manual do Brazil R/S o PDF tem mais de 400 páginas, abordando aspectos muito importantes de iluminação e efeitos! Você precisa se registrar para fazer o download, mas acredite, vale à pena.

Para maiores informações e testes, recomendo uma visita aos fóruns oficiais de usuários do Brazil R/S, existem ótimos exemplos lá de trabalhos renderizados com o Brazil.

Atualização para o Blender 2.46 e YafaRay 0.1.0 (201)

Com o lançamento do Blender 2.46, muita gente está se preocupando com atualizações para as ferramentas que trabalham em “parceria” com o Blender. Uma das mais famosas, claro, é o YafRay. A nova geração do YafRay, chamada de YafaRay ganhou uma atualização, para trabalhar em conjunto com o Blender 2.46. Antes que você se anime, a versão do Blender que trabalha com o YafaRay ainda precisa ser modificada diretamente no código fonte, portanto será necessário usar outro Blender para usar o novo YafRay.

Para as pessoas que estão passando por dificuldades no uso YafRay 0.0.9 com o Blender 2.46, uma ótima notícia foi divulgada nos fóruns de usuários do YafRay. Eles estão preparando uma atualização na versão que apresenta problemas. Pode esperar para os próximos dias, provavelmente na próxima semana.

Agora vamos ao que interessa, para fazer o download das versões atualizadas do YafaRay e Blender, visite essa página nos fóruns oficiais do YafRay. Lá você deve procurar pela mensagem do usuário Xray, responsável pela atualização. Nesse caso, essa versão é apenas para Windows.

Depois de fazer o download de ambos os arquivos, você deve extrair o conteúdo do Blender 2.46 para uma pasta. Já o YafaRay precisa de um cuidado extra, para quem já tem uma versão anterior instalada, como eu. Você deve sobrescrever os arquivos já instalados, na pasta do YafaRay antigo para que essa versão funcione. Caso isso não seja feito, o renderizador não irá funcionar.

Quer saber como usar o YafaRay? Visite esse link e confira um tutorial sobre Blender e YafaRay.

Só para não dizer que você não aproveitou nada, veja o efeito do YafaRay na renderização dessa cena extremamente simples, se eu aplicar as mesmas configurações indicadas no tutorial apontado no parágrafo anterior.

Essa é a cena, apenas uma sala com uma abertura. Temos uma fonte de luz, que nada mais é que uma luz do tipo Lamp.

Depois de aplicar as configurações indicadas no tutorial, temos o seguinte resultado depois de alguns minutos.

Como você pode perceber, a imagem demorou um pouco para renderizar, isso se deve ao fato da renderização ter sido realizada no meu notebook, que ainda é um celeron M. Mas depois eu tento renderizar em um computador de núcleos múltiplos e com bastante memória, para fins de comparação.

Essa qualidade de renderização é o que espera os usuários que apostarem no uso do Blender, como ferramenta de modelagem e renderização, junto com a próxima geração do YafaRay.

As cadeiras usadas nessa cena foram copiadas desse endereço.

Tutorial sobre a integração do Blender 3D com V-Ray

Quanto à notícia sobre uma possível integração do Blender 3D com o V-Ray saiu, algumas pessoas da comunidade de usuários do Blender ficaram muito animadas. Parece que elas esqueceram a natureza proprietária do V-Ray. Trocar o YafRay ou o Indigo pelo V-Ray tem um custo alto, entenda alto como algo em torno de quase dois mil reais! Bem, mas como o nome ainda tem peso, os interesses pelo script ainda em fase de testes é grande. Você quer aprender exatamente como usar o V-Ray com o Blender?

Para ajudar os curiosos, o usuário e produtor de tutoriais sobre RenderMan e Indigo conhecido como afecelis, disponibilizou um vídeotutorial explicando todo o processo.

Tutorial Blender e V-Ray

Só em inglês? Não! Para que mais pessoas possam ter acesso ao tutorial, o afecelis produziu o tutorial em duas línguas, existe uma versão do vídeo em espanhol. Coloque o seu portunhol em dia e escute a versão em espanhol, caso o inglês não seja seu forte.

O vídeo começa com uma breve introdução, explicando os softwares e pequenas tarefas necessárias para instalar e usar corretamente os softwares. O primeiro passo é conseguir uma cópia do V-Ray Demo para o Maya. No vídeo o autor explica o local em que você pode se cadastrar e realizar o download. Para instalar o V-Ray é necessário criar um conjunto específico de pastas, que também é explicado no vídeo.

Depois é necessário o script responsável pela integração entre o Blender 3D e V-Ray. Assim que o script estiver devidamente posicionado na pasta de scripts do Blender, antes de começar a fazer qualquer tipo de renderização é necessário indicar no script, o local em que o V-Ray foi instalado.

Para deixar o processo mais rápido, o autor do tutorial escolheu usar uma das cenas de exemplo, disponíveis para download no web site do script. Ele usou o Cornell Box, que exemplifica bem a integração.

No final ele ainda explica que o script funciona em duas fases:

  • Primeiro é necessário exportar os modelos 3D
  • Depois é que podemos acionar a renderização

Apesar de ser muito interessante e mostrar que o Blender tem potencial para trabalhar com qualquer ferramenta, o script ainda é muito experimental e não pode ser usado em ambientes de produção. Ou seja, se você se interessar será apenas para fins educacionais ou de testes. Primeiro devido à licença do V-Ray ser Demo e pela natureza experimental do Script.

Interessou-se? Para fazer o download, visite esse post no Blender Artists. Lá é possível encontrar links para a versão em inglês e espanhol dos vídeos.

LightRigger: Script para auxiliar na iluminação de cenas com o 3ds Max

Hoje em dia existem várias opções para as pessoas que não tem aptidão alguma para trabalhar com iluminação. Vejo isso constantemente em usuários iniciantes, eles sempre querem resolver a iluminação de uma cena com um clique de mouse! O principal do trabalho para eles ainda é a modelagem, ficando a iluminação para segundo plano ou então a cargo de sistemas como o Mental Ray, V-Ray, YafRay ou Indigo. Mas isso é hoje! Antigamente sistemas como esses tinham acesso mais restrito e custavam muito caro, no caso dos proprietários.

Ainda existem usuários que trabalham a iluminação com a chamada fakeosity, que consiste no posicionamento estratégico de várias luzes com cores e intensidades diferentes, no cenário, para simular um efeito de iluminação global. Pode até parecer trabalhoso, nesse ponto a técnica se mistura com arte, mas os benefícios são evidentes. Por um lado, temos uma demora na configuração do cenário, mas por outro lado a velocidade do render é impressionante. Com esse tipo de técnica evitamos aqueles cálculos, que em algumas situações podem demorar horas para viabilizar o render.

Pois bem, quem usa o 3ds Max pode fazer uso de um Script escrito em MaxScript, que tem como objetivo distribuir fontes de luz em uma cena para simular o efeito gerado por sistemas de iluminação global. A ferramenta se chama LightRigger.

LightRigger

O script é simples, mas com resultados impressionantes. Após alguns cliques de mouse podemos criar verdadeiras estruturas com pontos de luz, para distribuir a energia luminosa ao redor de um objeto. Agora vem a melhor parte desse script, o autor do mesmo que se chama John Swafford, disponibilizou o LightRigger de maneira gratuita para qualquer pessoa utilizar, inclusive para uso comercial. Então se você usa o 3ds Max e quer uma opção para o Mental Ray ou V-Ray, o LightRigger pode ser uma ótima ferramenta.

No web site do LightRigger você encontra exemplos de utilização e um fórum, em que os usuários do Script postam dicas e tutoriais sobre a ferramenta.

Ainda lembro-me da época em que usava o 3ds Max, sempre usava um sistema de distribuição de omnis em forma de anéis, ao redor das maquetes eletrônicas para gerar o efeito de iluminação global. No total eram três anéis, com cores e intensidades diferentes. A luz do sol era simulada por uma Direct Light com intensidade maior e as sombras habilitadas. Infelizmente não tenho como abrir nenhum arquivo mais antigo, para demonstrar como era o processo. Isso até me dá uma idéia, assim que tiver acesso a um computador com 3ds Max, tento abrir um dos meus arquivos mais antigos para escrever um tutorial sobre Fakeosity.

Já tentei usar a mesma técnica no Blender, mas não funcionou. Bem que alguém poderia escrever algo parecido em Python! Com um pouco de tempo, eu poderia até tentar montar. Mas esse seria mais um projeto para o futuro.