Download gratuito de cenas iluminadas com V-Ray no 3dsmax

Os softwares responsáveis pela modelagem 3d de projetos para arquitetura são os mais variados possíveis, e existem opções extremamente simples do ponto de vista operacional como é o caso do SketchUp, e também as ferramentas de modelagem que extrapolam em muito as necessidades da maioria dos projeto como é o caso do Blender e 3dsmax. Mas, quando o assunto é renderização de projetos a ferramenta mais conhecida entre arquitetos e artistas 3d é sem dúvida o V-Ray. É por esse motivo que muitas pessoas desejam aprender a trabalhar melhor com o V-Ray para agregar valor ao seu currículo.

Caso você esteja enquadrado dentro desse grupo de pessoas, encontrei um recurso de aprendizado muito interessante para o V-Ray. Um artista chamado Alexander compartilhou diversos arquivos do 3dsmax com configurações prontas do V-Ray para cenas externas. Os arquivos já estão organizados e separados por tipologias de iluminação diferentes. Existe um arquivo próprio para luz diurna com o sol no seu máximo, e outro que simula os primeiros raios de luz da manhã. Só um detalhe importante em relação aos arquivos é que todos foram criados e otimizados para saída de arquivos no formato HDRI. Mas, isso não impede você de gerar imagens em PNG ou JPG.

Para os casos de projetos voltados para arquitetura, você pode aproveitar essa mesma cena no seu 3dsmax e importar o seu projeto para o ambiente e renderizar a cena com o mesmo tipo de luz. Pode ser necessário fazer algum ajuste em relação a escala da cena e principalmente nos materiais, mas o volume principal da iluminação já estará pronto.

O recurso é fantástico para interessados em usar o V-Ray como plataforma de renderização em arquitetura, mas também como fonte de aprendizado. A melhor maneira de utilizar esse recurso como base de aprendizado, é abrir as cenas no seu 3dsmax e fazer uma análise criteriosa sobre como está configurada a cena. No momento em quer você entender o conjunto de configurações usadas nas diferentes cenas, será possível adaptar o material para outras situações.

Mas, mesmo que você esteja apenas procurando uma maneira rápida de renderizar seus projetos com qualidade, recomendo fazer o download das cenas. O acesso aos arquivos é totalmente gratuito e sequer é necessário fazer qualquer tipo de cadastro ou registro para realizar o download. Portanto, corra para garantir a sua cópia enquanto os arquivos ainda estão disponíveis.

Realidade aumentada com projeções 3d em maquetes para arquitetura

O objetivo da maioria dos projeto envolvendo a produção em 3d é fazer uma apresentação dos resultados para potencializar uma venda ou conseguir participar de projetos maiores. O caminho mais simples para realizar esse tipo de apresentação é o uso da famosa seqüência de slides feitos em softwares como o PowerPoint. Apesar de ser perfeitamente possível usar ferramentas como o PowerPoint para conseguir boas apresentações, se o objetivo do projeto for causar impacto ou uma boa impressão na audiência, existem técnicas mais aprimoradas para conseguir apresentações de impacto.

Quando o assunto é apresentar projetos voltados para arquitetura, ainda existem pessoas investindo na criação de maquetes físicas, que por mais “antiquadas” que possam parecer, ainda são bem aceitas no mercado. Algumas pessoas ainda apresentam dificuldades em visualizar imagens 2d e perceber a volumetria e o espaço tridimensional de uma edificação. Por isso, um bom conjunto de apresentação é formado por imagens 3d e maquetes.

Entre essas técnicas que podem realmente chamar a atenção para a apresentação de projetos arquitetônicos está o uso de ferramentas ou dispositivos de realidade aumentada. Essa é uma técnica que já havia sido comentada aqui no blog, mas com o uso de elementos como vídeo e composição de material 3d e vídeo real. Essa semana, descobri um pequeno guia que mostra como é possível trabalhar com realidade aumentada, projetando imagens 3d sobre maquetes reais.

realidade-aumentada-arquitetura-3d-maquetes.jpg

A técnica é bem simples e envolve o uso de dois projetores e um pouco de cuidado para alinhas as superfícies dos modelos 3d com a maquete usada para a apresentação. O processo começa com o posicionamento dos projetores, usando como referência modelos 3d simples com texturas, para conseguir posicionar a projeção de maneira a ter as superfícies necessárias para fazer animações ou projetar texto.

Basta ter um pouco de imaginação, para perceber que esse tipo de apresentação pode realmente transformar uma simples maquete em pequenos displays multimídia. Por exemplo, é possível projetar imagens para simular texturas ou mesmo pequenos trechos de texto, com explicações sobre o projeto e contornos coloridos que destaquem partes da apresentação.

As possibilidades para esse tipo de apresentação são muito interessantes e baratas também, pois a maior parte do trabalho pode ser feita apenas no software 3d. Basta ter a maquete e os projetores alinhados.

Análise do livro Google SketchUp Pro 7 passo a passo

No final do mês de agosto foi lançada uma atualização para o livro do João Gaspar, sobre modelagem 3d para arquitetura com o SketchUp. O livro agora está abordando a versão 7 do software do Google que é a versão mais recente. O autor e a editora gentilmente me enviaram uma cópia do livro para fazer a análise da atualização, e estou lendo e acompanhando o material desde o começo deste mês. Até agora estou muito satisfeito com o que li e posso dizer que é um excelente guia para qualquer pessoa interessada em aprender o SketchUp. Um detalhe interessante em relação ao livro é que ele serve ao mesmo tempo como guia de estudos, mas também como referência para usuários mais experientes.

Por exemplo, na semana passada estava organizando um artigo que deve ser publicado em pouco tempo aqui no blog e que falava sobre a criação de terrenos em 3d no SketchUp. Eu sabia que no SketchUp 6 era possível modelar terrenos usando curvas de nível, e queria verificar o método no SketchUp 7 para comparar. No livro existe um capítulo dedicado apenas a esse tipo de tarefa. Com isso em mente, abri direto o capítulo 6 e tirei as minhas dúvidas sobre a modelagem de terrenos na versão 7 do SketchUp.

A parte interna do livro é representada usando apenas escala de cinza, mas isso não prejudica em nada o aprendizado. Como o SketchUp cria na sua maioria gráficos usando formas estilizadas, isso não atrapalha a didática do material. A didática do livro é muito simples de seguir, pois o autor apresenta o conteúdo do livro usando referências rápidas e diretas, sem mencionar a grande quantidade de ilustrações e exemplos práticos.

Ficou curioso com o livro? Essa é a capa dele:

Livro SketchUp 7 - Capa

Algumas páginas com ilustrações e a parte interna:

Livro SketchUp 7 - Interior

Livro SketchUp 7 - Interior

Os usuários da versão gratuita encontram dicas para usar ferramentas como o LayOut, que é o software especializado em criar pranchas para impressão, baseadas nas vistas do modelo 3d. O LayOut só está disponível para os usuários do SketchUp Pro, o que pode deixar alguns usuários da versão gratuita confusos por nunca ter visto essa ferramenta, mas isso é indicado no capítulo que aborda o uso da ferramenta LayOut e outras só disponíveis no SketchUp Pro. Se você quiser conhecer mais sobre o livro do SketchUp 7, visite esse endereço para consultar mais material e dicas.

O livro como um todo é bem completo e organizado. A compra dele é mais que recomendada para os interessados no SketchUp 7! A única coisa que senti falta foi a orientação sobre como instalar scripts em Ruby, que podem adicionar algumas funcionalidades bem interessantes ao SketchUp. Mas, é perfeitamente possível usar o SketchUp sem o uso desses scripts. Seria apenas algo extra a adicionar no conteúdo, o que de maneira alguma tira a qualidade educacional do material.

Vale a pena estudar o SketchUp?

O SketchUp é um dos softwares mais usados como porta de entrada para o mundo da modelagem 3d, principalmente por estudantes e profissionais envolvidos com modelagem para arquitetura. A sua facilidade de uso e criação atrai muita gente que não se identifica com 3ds Max, LightWave, Maya ou Blender 3D. O sinal desse interesse no SketchUp pode ser mensurado pela grande quantidade de renderizadores especializados em arquitetura, compatíveis com o SketchUp como o V-Ray, Maxwell Render, FryRender e Indigo Renderer.

Com o livro você aprende a parte de modelagem e desenvolvimento de projetos, que é o primeiro passo antes de começar a trabalhar com renderização realista.

Qual o melhor renderizador externo para o Blender 3D?

Os artistas e profissionais que almejam trabalhar com a visualização de projetos arquitetônicos ou produtos usando softwares como o Blender 3D, passam pelo mesmo tipo de dúvida que os artistas do 3ds Max, Maya e outros. A quantidade de renderizadores externos disponíveis para cada ferramenta é grande, sendo muitas vezes motivo de impasse na finalização de um projeto. Na semana passada um artigo na BlenderNation, mencionou um estudo realizado por um artista chamado Gupta, em que diversas opções de renderização para o Blender 3D foram testadas, comparando qualidade e tempo de render.

O artigo em si pode ser copiado e os resultados ajudam um pouco na escolha de opções como o YafaRay e LuxRender. Qual o melhor entre eles? E o Kerkythea? Sunflow? Todos eles são excelentes renderizadores, mas em minha opinião você deveria se restringir ao uso do LuxRender e YafaRay para seus projetos no Blender 3D.

House View 1

Assim como acontece com as comparações entre ferramentas como o V-Ray e Maxwell Render, que tem propósitos e maneiras de manipular a renderização bem diferentes, o mesmo acontece com o YafaRay e LuxRender com a separação entre renderizadores do tipo biased e unbiased. Qual a diferença?

  • YafaRay – Biased: O renderizador YafaRay é conhecido como biased por usar algoritmos que simulam a maneira com que a luz se comporta no mundo real. Esses truques podem em algumas vezes sacrificar a qualidade e realismo das imagens, em prol da velocidade e eficiência do render. O que podem gerar imagens de maneira mais rápida, mas com um nível de realismo um pouco menor.
  • LuxRender – Unbiased: Aqui temos um renderizador do tipo Unbiased que usa algoritmos que simulam o comportamento real da luz no mundo real. O resultado é um render extremamente realista e com representação de materiais e reflexões fiéis ao que acontece no mundo real também. O problema é que esse realismo exige um alto preço que é o tempo de render mais longo.

Nesse caso a melhor opção é integrar ambas as ferramentas no seu processo de produção, escolhendo cada uma das opções de acordo com as necessidades de cada projeto. Por exemplo, um projeto que exija a criação de imagens internas com alto nível de realismo são adequadas para renderização com o LuxRender. Já os projetos de imagens externas são excelentes para render com o YafaRay, pois o balanço entre qualidade e tempo de render é o melhor nesse tipo de projeto.