Importando arquivos DWG no SketchUp gratuito?

No formulário de contato aqui do blog recebo muitas mensagens com dúvidas e perguntas relacionadas aos mais variados assuntos. Mas, algumas dessas perguntas se destacam pela frequência com que recebo! Por exemplo, um dos assuntos mais recorrentes nas mensagens é sobre a impossibilidade de importar arquivos DWG na versão gratuita do SketchUp 8. Por muito tempo os usuários do SketchUp puderam livremente importar projetos do AutoCAD e usar como referência para criar modelos 3d no SketchUp usando as dimensões e linhas do DWG como base para a modelagem. Isso é muito bom para fins de produtividade, mas acabava fazendo com que a versão Pro do SketchUp perdesse um pouco de valor.

Como assim valor?

Por mais incrível que pareça existem usuários do SketchUp que desconhecem a versão paga do software, achando que existe apenas o SketchUp gratuito. Essa versão apresentada na época alguns recursos extras, mas não o suficiente para justificar a compra por muitas pessoas. Ainda na época em que o Google era dono do SketchUp a decisão de retirar o suporte ao formato DWG na versão gratuira do software começou com o SketchUp 7. Mas, ainda existia um plugin gratuito que permitia adicionar novamente o recurso ao software. E na versão 8 finalmente o suporte aos arquivos DWG ficou relegado a versão Pro.

Existe solução para importar arquivos DWG e usar com o SketchUp 8 gratuito? Sim, mais de uma solução até! Como sempre recebo esse tipo de pergunta aqui no blog, resolvi abordar o assunto mais uma vez.

SketchUp Logo DWG

Solução 1 – Instalar o SketchUp 6

A solução mais simples para esse problema é usar duas versões do SketchUp ao mesmo tempo! Como assim? Nesse endereço você pode fazer o download do SketchUp 6 Pro, que depois de um tempo se “transforma” na versão gratuita. E o SketchUp 6 gratuito tem suporte nativo ao formato DWG! É só instalar a versão 6 e a 8 ao mesmo tempo, tomando o cuidado de instalar a 6 antes e a versão 8 depois, em outra pasta!

Solução 2 – Usar texturas

A segunda solução envolvem um pouco de trabalho manual, mas funciona muito bem também. Você pode exportar ou converter o arquivo DWG em imagem e aplicar o arquivo como textura no SketchUp. Caso a textura esteja com as dimensões erradas, será necessário ajustar a escala! Essa é a parte do trabalho manual.

Como aprender mais sobre o SketchUp?

Quer aprender a usar o SketchUp para modelagem 3d em arquitetura? No EAD – Allan Brito você encontra cursos online abordando o uso do SketchUp para criar modelos 3d, plugins e os materiais do softwate. Essa é a lista de cursos disponíveis, fora o curso básico que é totalmente gratuito:

Tutoriais de modelagem low poly para arquitetura

A quantidade de polígonos usada para representa qualquer objeto em 3d pode ser determinante para a qualidade final desse objeto, mesmo que outras áreas da modelagem acabem recebendo grande atenção como é o caso de texturas. Nas minhas aulas sobre modelagem sempre costumo passar temas variados para os alunos desenvolverem, mas o simples fato de trabalhar com um modelo 3d não é suficiente. É necessário ter métricas para avaliar o bom desempenho ou destreza na resolução de problemas de topologia. Por isso, sempre passo para os alunos como forma de exercício um tema que apresenta limite de polígonos para representar formas. Assim o desafio de representar um objeto em 3d fica mais interessante, exigindo do artista muito planejamento para conseguir representar um objeto sem extrapolar o limite de polígonos.

Nos casos em que o objetivo da modelagem é gerar elementos para jogos, esse tipo de limitação não é sequer um requisito, mas uma obrigação do artista para deixar o aplicativo compatível com as mais variadas configurações de computadores.

Para as pessoas que ainda não tiveram a oportunidade de praticar um pouco de modelagem em low poly, que é como chamamos esse tipo de modelagem 3d, encontrei um conjunto de tutoriais sobre modelagem para arquitetura, que faz uso de técnicas em low poly para representar edificações. O autor dos tutoriais faz uso de formar simples e capricha nas texturas para representar detalhes nas superfícies. O material está em inglês, mas é muito bem ilustrado e fácil de seguir.

blender-modelagem-arquitetura.jpg

Os temas dos tutoriais são a arquitetura da idade média que não apresenta muitos detalhes se compararmos com outros estilos mais rebuscados, mas ainda assim é um desafio e tanto de modelagem. Por exemplo, o autor se propõe a ensinar o processo de modelagem de arcos em ogiva que são comuns na arquitetura gótica, e que também apresentam bom nível de dificuldade de modelagem. Esse tipo de exercício pode fazer com que você aprenda um pouco mais sobre o funcionamento do Blender e como organizar melhor a topologia dos seus modelos 3d.

Como estou organizando material sobre desenvolvimento de jogos com o Blender, esse será um dos links que estará na lista de material complementar, sobre modelagem usando poucos polígonos.

Guia básico sobre modelagem para arquitetura com Blender 2.55

A modelagem 3d apresenta diversas particularidades e variações que se mostram presentes quando abordamos objetos com morfologia diferente. Por exemplo, a mesma técnica de modelagem usada para criar um personagem com características orgânicas, pode não ser a mais indicada para elaborar objetos com perfil mais geométrico. A técnica conhecida como modelagem poligonal, pode resolver a maioria dos problemas e morfologias, com a vantagem de dispor de mais controles para gerar formas geométricas. Esse é o caso da modelagem para arquitetura que usa muito a técnica da criação com base em polígonos.

Se você quiser um guia muito bom e completo para modelagem desse tipo de objeto já usando o Blender 2.55, encontrei essa semana um texto interessante que pode ser útil para arquitetos e estudantes. O material foi criado por um artista chamado Rafael, e publicado em um fórum destinado a ferramentas de código aberto para arquitetura em espanhol. Como você pode imaginar, o guia está em espanhol, mas nada que o Google não possa resolver.

guia-arquitetura-modelagem-blender.jpg

Como é esse guia?

O material é bem completo, inclusive apresentando uma introdução ao uso do Blender com os principais atalhos de teclado e opções da interface.

Nesse guia o autor usa como base para explicar o processo de modelagem para arquitetura com uma pequena planta que é importada para o Blender, usando o formato DXF que é comum para esse tipo de ambiente. Depois de importar o arquivo DXF com a base para a modelagem do ambiente, o autor passa para partes mais específicas da criação de uma maquete eletrônica como a modelagem das paredes e até mesmo escadas. No final temos até um pequeno guia de render que resulta na renderização de imagens mostrando o interior do ambiente.

Durante o processo o autor explica o funcionamento de opções simples, mas fundamentais para esse tipo de modelagem, como é o caso do extrude.

Por mais incrível que pareça, o guia mostra que usando as ferramentas mais simples e básicas do Blender como o extrude e opções de snap bem aplicadas, podemos trabalhar a modelagem de elementos que são tidos como complexos para usuários iniciantes, mas que na verdade tem apenas volume. Com um pouco de repetição e modificações bem aplicadas, podemos criar objetos para arquitetura.

Só faltou abordar a renderização avançada. Mas, como ponto de partida, o guia é excelente!