Transformando uma fotografia em vídeo com parallax no After Effects

O conhecimento relacionado a filmagem e truques de câmera usados para produzir animação 2d tradicional pode ser de grande valia em projetos que usam softwares mais sofisticados, como o Adobe After Effects. Um desses artifícios ou efeitos é o parallax, que deveria ser conhecido por todos que trabalham com animação, seja ela 2D ou 3D. O parallax é aquele efeito ótico que faz com que objetos que estejam se movendo em planos com distâncias diferentes da câmera, tenham velocidades distintas. Por exemplo, objetos que estão se movendo em distâncias maiores se movem de maneira mais lenta e objetos próximos apresentam mais velocidade. Se você não entende bem a essência do efeito, da próxima vez que estiver andando de carro, observe em uma paisagem aberta que os objetos que estão próximos do horizonte se movem de maneira mais lenta, e quanto mais próximos de você, mais rápido é o movimento.

Recomendo que essa observação seja feita no carro, quando você for o passageiro. Prestar atenção no efeito parallax no momento em que você está dirigindo pode ser prejudicial a sua saúde!

Agora voltando a falar sério! Para demonstrar o quanto esse efeito pode ser útil para artistas que conheçam a manipulação de imagens e animação, um ótimo tutorial sobre parallax com After Effects mostra como é possível transformar uma fotografia 2d, em uma animação com movimentos de câmera realista, apenas usando o efeito parallax como base. O tutorial sobre parallax e After Effects pode ser encontrado aqui, totalmente em texto para quem gosta de imprimir ou salvar os tutoriais.

tutorial-after-effects-parallax

O procedimento para transformar a fotografia em animação é relativamente simples, sendo que a maior parte do trabalho é feita na separação da fotografia em várias camadas. Como o efeito é fundamentado no movimento diferente, que acontece a distâncias variadas da câmera, essa separação é fundamental. Nesse caso o autor do tutorial usou o Photoshop para separar a fotografia em vários layers e depois importar os arquivos PSD para a composição do After Effects.

Um dos segredos para conseguir o efeito de uma câmera que se movimenta na cena, com o efeito do parallax é o ajuste da escala das diversas camadas nos objetos. O autor explica no tutorial o posicionamento e ajustes necessários nas camadas, para conseguir um melhor efeito na animação. O uso de outras técnicas visuais é interessante também para maximizar o efeito, como a adição de DOF (Depth of Field) e também Vignette, que é a perda do foco nas bordas da câmera.

Para quem usa o After Effects ou gostaria de conhecer mais sobre essa técnica, que não é tão difícil assim e pode ajudar muito em projetos que manipulem fotografias, o tutorial é mais que recomendado.

Tutorial de Camera Mapping com o 3ds Max 2009

No trabalho com efeitos visuais, algumas vezes os artistas 3d se encontram diante de um enorme desafio, que é pegar uma imagem 2d e transformar essa mesma imagem em uma cena 3d, para interagir com outros objeto ou até mesmo renderizar uma câmera em movimento. No 3ds Max existem uma excelente ferramenta que faz o chamado Camera Mapping de maneira muito fácil e rápida, dependendo da complexidade da câmera pode ser realmente rápido mesmo. Um tutorial simples, mas que mostra a utilidade e poder da técnica, pode ser encontrado no Vimeo. Ele não tem narração, mas o autor providenciou legendas e explicações detalhadas sobre a técnica ao longo do vídeo.


3dstudiomax camera mapping tutorial – Nicolas d'Haussy from Nicolas dHaussy on Vimeo.

A cena escolhia mostra uma pequena casa, sobre uma paisagem bucólica. Agora, imagine que você precisa adicionar uma futura edificação ao lado da casa, ou até mesmo simular o impacto de algum objeto na parede ou arredores da cada, usando uma simulação de Rigid Body no Reactor. Se você não conhecer a técnica do Camera Mapping, a solução seria modelar a casa e o terreno novamente.

Com o uso da ferramenta do 3ds max, o processo fica bem mais simples.

O primeiro passo para começar a trabalhar com o Camera Mapping é adicionar a cena um tipo de Helper do 3ds max chamado de Campoint. Esses objetos são usados como pontos de referência da câmera, delimitando o volume do objeto na cena, nesse caso o melhor ponto de referência é a casa, usada na cena para alinhar a posição da câmera.

Para que tudo saia bem nessa fase, é importante que os pontos sejam posicionados no espaço 3d usando a mesma proporção do modelo real.

Depois que os pontos estão posicionados, é hora de adicionar a fotografia ao ambiente e com o mouse mesmo, alinhar a posição aproximada da fotografia com os pontos. Assim que tudo estiver alinhado, precisamos selecionar cada ponto de referência (campoint) e gravar a posição.

Com isso o 3ds Max cria uma câmera na mesma posição e ângulo da fotografia. Agora, podemos modelar, usando sólidos e superfícies simples os mesmos objetos usados na fotografia.

Qual o motivo de reproduzir a geometria? Isso é necessário, caso seja necessário reproduzir algum tipo de interação com os objetos, ou até mesmo mapear a fotografia sobre os objetos, como se fosse texturas. Sim, essa é a fase final e o grande segredo desse tipo de efeito. O autor usa a câmera e as recém criadas superfícies, para aplicar a fotografia como se fossem texturas sobre os objetos.

No final, ao movimentar a câmera, teremos um ambiente 3d bem realista, construído com pouco trabalho. Tudo baseado em uma fotografia.

Esse tipo de técnica pode economizar horas de trabalho, em modelagem e texturização.

Como funciona a filmagem e criação de conteúdo com estereoscopia (S3D)?

Uma tendência muito forte para os próximos anos na área de criação de conteúdo para cinema é a utilização de técnicas e ferramentas, para produção de vídeos com estereoscopia. O que é isso? Esses são aqueles vídeos que permitem a percepção de profundidade em 3d, com o uso de óculos especiais. Ainda me recordo do primeiro filme que vi, usando essa técnica no início dos anos 90. Foi um filme do Freddy Krueger, para ser mais exato foi o filme em que ele morre. Os últimos 15 minutos do filme era todos filmados usando estereoscopia, e quando recebíamos o ingresso era acompanhado de óculos especiais.

Nos últimos lançamentos do Maya 2009 e Photoshop CS4 Extended, a criação de conteúdo 3d usando estereoscopia de maneira nativa foi um dos destaques dessas ferramentas. Com o tempo, outras ferramentas 3d como o 3ds Max, Softimage, Cinema 4D e o Blender 3D devem ganhar ferramentas para trabalhar com esse tipo de técnica também, e o motivo para isso é simples, a demanda por esse tipo de conteúdo está crescendo.

Para promover a técnica e o lançamento do Maya 2009, a Autodesk elaborou um ótimo documento em PDF, com oito páginas que explicam muito da criação de conteúdo usando estereoscopia. (Procure o link chamado Stereoscopy White paper)

No início do arquivo PDF, existem uma explicação sobre o funcionamento da técnica e como a criação das duas imagens independentes pode enganar o nosso olho, e passar a impressão de profundidade no filme. Isso envolve a percepção de profundidade e uma acentuação do efeito conhecido como Parallax.

Existe um formato específico para esse tipo de conteúdo? Sim, o formato se chama S3D. No texto, todas as vezes que é referenciado algum conteúdo em estereoscopia, o formato S3D é usado.

O documento é muito interessante para quem tem interesse em se aprofundar um pouco mais sobre o assunto, pois ele aborda o uso da técnica para ambientes de produção em cinema e TV. Por exemplo, ele mostra as diversas técnicas de posicionamento de câmera, como o uso de equipamentos com duas lentes, uma para cada olho.

Essa é a base de funcionamento da técnica no Maya. Existe uma câmera especial no Maya, que trabalha com duas câmeras diferentes, que renderizam imagens para ambos os olhos.