Download gratuito de texturas de céu diurno

A criação de qualquer cena em 3d envolve a representação virtual de personagens e elementos que devem fazer parte do cenário desse ambiente. Mas, apenas o uso dos objetos e personagens não é suficiente para conseguir representar todos os elementos necessários para cenas realistas. Por exemplo, se a cena é representada em ambientes abertos e a luz do dia, precisamos mostrar no plano de fundo um céu azul e nuvens que são parte fundamental desse tipo de imagem.

Existem diversas opções para representar esse tipo de plano de fundo, que variam desde a criação das nuvens usando partículas até o posicionamento de texturas aplicadas em planos, posicionados de maneira estratégica no fundo da área em que a câmera da cena está enquadrando os objetos. O uso de texturas é o mais simples e rápido para conseguir o efeito do céu, mas requer cuidados para retirar o plano dos cálculos da iluminação na cena em questão.

Ainda lembro da época em que usava a versão gratuita do Terragen para gerar imagens para usar como plano de fundo em projetos com render pequeno. A vantagem de gerar o plano de fundo em softwares como o Terragen e até mesmo no Vue, é que temos controle total sobre os aspectos gerais do céu, assim como a distribuição das nuvens.

Download gratuito de texturas em alta resolução de céu diurno

Mas, nada se compara em termos de realismo ao uso de texturas baseadas em fotografia como plano de fundo em cenas 3d. E caso você não possua nenhuma dessas imagens, o site cgrecord agrupou diversas texturas de céu diurno gratuitas e disponilizou os arquivos para download. A resolução das texturas é excelente e os arquivos tem largura de aproximadamente 3000 pixels.

download-texturas-gratuitas.jpg

A melhor maneira de aproveitar esse material é com o uso de planos em que as texturas são aplicadas e posicionadas no fundo das cenas. Mas, se isso acabar ficando complicado por limitações do render ou mesmo do software usado, é sempre possível adicionar esse tipo de imagem como fundo do render na pós-produção. É preciso apenas ter cuidado para ajustar a orientação das linhas e pontos de fuga da perspectiva, para que a montagem fique perfeita.

Exemplo de configuração para estúdio no 3ds Max

Já mencionei várias vezes aqui no site que uma das melhores técnicas de iluminação para apresentar objetos é a chamada configuração de estúdio. Esse tipo de ambiente tenta simular o que temos em estúdios fotográficos, com a vantagem de que temos total liberdade para fazer ajustes e modificações na iluminação e composição da cena de maneira rápida, diferente de um estúdio fotográfico real. O ambiente é formado por um plano representando um fundo infinito, que é usado para concentrar toda a atenção no objeto presente na renderização, e ajudar a espalhar a iluminação difusa também.

As luzes são geralmente formadas por planos de luz, usando o mesmo preceito dos estúdios fotográficos. A imagem abaixo mostra um desses estúdios fotográficos reais, em que são usados exatamente esses mesmos elementos.

Inside Studio

Em 3d é preciso saber reproduzir esse tipo de ambiente para aproveitar ao máximo do que a fotografia nos ensina para representar objetos da melhor maneira possível.

No tutorial abaixo, você vai aprender a criar esse tipo de ambiente no 3ds Max para mostrar como é possível apresentar o modelo 3d de um sofá.

O autor do tutorial adiciona na cena em que está o modelo 3d um plano de fundo semelhante ao que vimos no estúdio, mas com uma dobra suave. O plano foi adicionado usando uma curva, que modificada com um Fillet e depois extrudada para gerar o prolongamento do plano, acabou gerando o objeto necessário para compor a cena.

Na iluminação da cena o autor utilizou uma abordagem um pouco diferente, adicionando uma Skylight e depois luzes do tipo Direct do 3ds Max para gerar a iluminação. No meu caso, prefiro trabalhar com planos que emitem luz para conseguir a maior área possível de emissão, mas o resultado final dessa renderização não é ruim. O único ponto negativo em relação a uma iluminação de estúdio tradicional é que não teríamos aquelas sombras fortes marcando o piso do cenário.

Mesmo com essas pequenas diferenças, o tutorial ainda é válido para quem quiser aprender um pouco mais sobre o 3ds Max e a criação de cenas para estúdio.

Lançado o LuxRender 0.8 versão final

O LuxRender é uma das melhores opções para trabalhar com renderização avançada no Blender 2.5, pois o seu script já funciona sem grandes problemas no novo Blender e permite que trabalhemos com render usando métodos unbiased, para gerar imagens incrivelmente realistas. A versão 0.8 do LuxRender estava em desenvolvimento já faz um bom tempo e disponível para uso em versões Release Candidate. Bem, o software agora chegou na sua versão final e a lista total de novidades do LuxRender pode ser conferida nesse endereço, junto com os scripts para instalação do LuxBlend nas versões 2.4 e 2.5 do Blender.

Uma das coisas mais interessantes dessa nova versão, é que muitos usuários estão alegando que o tempo demandado para conseguir imagens sem granulação na versão final é significativamente menor do que nos Release Candidates. Portanto, se você ficou decepcionado com o tempo necessário para renderizar imagens sem granulação no LuxRender 0.8 RC, a nova versão pode trazer a agradável surpresa dos tempos de render mais curtos!

Fora o LuxRender em si, ainda podemos aproveitar o SmallLuxGPU como forma de gerar imagens com aceleração por GPU. O uso de GPU para acelerar o render é a tendência mais forte do momento em termos de desempenho para renderização, e quando ao uso desse tipo de recurso em softwares do tipo open source, o SmallLuxGPU é uma das melhores opções nesse sentido.

O material funciona mais como uma prova de conceito, mostrando o render por meio de GPU usando OpenCL, para a alegria dos usuários com placas da ATI. No vídeo é possível acompanhar o SmallLuxGPU sendo usado para posicionar elementos na 3D View e as atualizações, incluindo na lista de atualizações a troca de materiais e ajustes na iluminação do ambiente.

É interessante notar como em pouco tempo teremos duas opções robustas para render por GPU no Blender, sendo ambas totalmente gratuitas. A primeira é o próprio SmallLuxGPU que deve se tornar o LuxRays quando deixar de ser uma prova de conceito, e a outra é o próprio render interno do Blender com o codinome de Cycles. Os dois ainda estão em desenvolvimento, mas já estão deixando qualquer usuário do Blender animado com as possibilidades de renderizações realistas e extremamente rápidas!

Simulador de câmeras SLR ajuda no estudo de fotografia

Uma das áreas do conhecimento que mais ajudam uma pessoa que trabalha com modelagem 3d e visualização, a melhorar os seus trabalhos e criar imagens mais interessantes é fotografia. Sempre que me perguntam sobre cursos ou material para estudo voltado para artistas 3d, recomendo sem sombra de dúvida um curso de fotografia. Os renderizadores baseados em física real utilizam com freqüência dados e informações oriundas de máquinas fotográficas como ISO, velocidade do obturador e abertura da lente. Caso você tenha conhecimento sobre esse tipo de ajuste, fica fácil e rápido configurar esse tipo de renderizador, mas para os artistas que não tem idéia do que faz cada um desses parâmetros, o processo pode ser ainda mais demorado.

Um web site muito interessante chamado de Camera Sim pode ajudar de maneira significativa a entender o funcionamento e o efeito que cada um desses parâmetros exerce sobre uma imagem fotográfica. O objetivo do sistema é bem simples, e envolve uma área de controle em que o usuário pode dinamicamente fazer alterações nos parâmetros de uma câmera do tipo SLR e visualizar o resultado no web site.

Canon Rebel XS 10.1MP Digital SLR Camera with EF-S 18-55mm f/3.5-5.6 IS Lens (Black)

Esses são alguns dos controles disponíveis no sistema:

  • Ajuste no nível de iluminação da cena
  • Distância para o objeto fotografado
  • Dimensão da lente usada para fotografia
  • Controles dos modos de abertura da lente
  • Tipos de ISO
  • Diafragma
  • Velocidade do obturador

Com o pleno conhecimento desses parâmetros que estão em inglês na interface do sistema, mas que ajudam no processo de adaptação dos conhecimentos para softwares de renderização, pois os mesmos estão em inglês.

Apesar de não existir nenhum tipo de explicação sobre o que faz cada um desses elementos, selecionei alguns links interessantes com artigos em português que descrevem vários dos dispositivos e termos técnicos de fotografia:

Essa lista de materiais deve ajudar de maneira significativa no estudo e entendimento de como funcionam todos esses aspectos da fotografia, e aplicar os mesmos em seus projetos envolvendo renderização. Mas, isso não é tudo! Ainda seria preciso abordar enquadramento, composição, iluminação e vários outros aspectos para que fosse possível realmente dizer que aproveitamos os conhecimentos da área fotográfica em computação gráfica.

Isso é assunto para outro artigo!

Novo sistema de render para o Blender: Codinome Cycles

Os renderizadores que fazem uso de sistemas avançados como apoio de GPU para render são tema corriqueiro aqui no blog, e por qualquer tipo de mídia que faça cobertura de novidades na área de computação gráfica 3d. Esse é o caminho que a maioria dos softwares deve seguir para tentar fugir das limitações impostas pela quantidade de núcleos existentes nos processadores. Já temos casos de placas de de vídeo com mais de 500 núcleos prontos para começar a renderizar imagens com velocidade e qualidade para os mais variados níveis de exigência. O uso de renderizadores externos é a solução para usuários do Blender que procuram usar esse tipo de recurso avançado.

Mas, os usuários do software podem se beneficiar bastante de um novo projeto que está para começar a ser desenvolvido por Brecht, um dos desenvolvedores mais ativos e a pessoa tida como “desatador de nós” entre a comunidade que acompanha o desenvolvimento do Blender. Ele agora está retornando ao Instituto Blender, e um dos seus objetivos será reformular o sistema de render do Blender para algo chamado pelo codinome de Cycles, que já tem um vídeo de demonstração, que por sinal é bem impressionante.

Só para lembrar, isso que você acabou de assistir no vídeo é o renderizador interno do Blender, sem o uso de nenhum recurso adicional ou software. Esse é o tipo de ferramenta que os usuários do Blender estão aguardando já faz um bom tempo, e finalmente poderemos ver o Blender usando nativamente iluminação global real no seu processo de renderização.

Os comentários do Brecht são animadores, e deixam algumas dicas sobre o que esperar desse novo sistema chamado de Cycles:

  • Materiais e luzes baseados em física
  • Sistema com base em nós
  • Nova API de render para integrar o Blender com softwares externos

Ainda é muito cedo para se animar e procurar por versões de teste, mas com esse tipo de anúncio é possível ter esperança de usar no futuro o Blender como solução integrada para render realista, sem a necessidade de recorrer a outros softwares para realizar renderizações simples com iluminação global.

O artigo original com o anuncio pode ser conferido no blog de desenvolvimento do Blender.