Nova técnica para simular iluminação global na renderização em tempo real

Entre as diversas engines comerciais existentes no mercado para desenvolvedores de jogos, a que oferece as opções e visual mais realista é sem dúvida a CryEngine, usada no jogo Crysis. Essa engine consegue apresentar visuais que se assemelham em muito a renderizações usando iluminação global de ferramentas como o V-Ray e Mental Ray, sendo que o ambiente é um jogo com interação em tempo real. Para mostrar como essa engine está avançando para deixar esse tipo de aplicativo ainda mais realista, quando comparado com ferramentas de renderização tradicional, um artigo foi apresentado na Siggraph apresentando a técnica chamada de Light Propagation Volumes. Se você é estudante e se interessa pela parte teórica da computação gráfica, o material disponível para apresentar a técnica é um prato cheio!

Ao visitar o endereço indicado, será possível encontrar o artigo científico que explica em detalhes o funcionamento da técnica, a apresentação em formato PPT e vídeos com o uso dessa renderização em jogos.

artigo-computacao-grafica-3d-render-jogos.jpg

A técnica em si é bem engenhosa e se propõe a acelerar a primeira reflexão dos fótons, que acontece em renderizadores como o V-Ray, Mental Ray e outros. Essa reflexão geralmente é pré-computada e demanda muitos recursos do computador, o que torna inviável o seu uso em aplicativos como jogos. A técnica proposta pela Crytek e já implementada na CryEngine 3 resolve esse problema com o uso do Light Propagation Volumes. Se você acha que a técnica envolve apenas a iluminação difusa gerada pela primeira reflexão em superfícies irregulares, está enganado pois no mesmo artigo são apresentados alguns efeitos óticos possíveis de conseguir com a técnica, como reflexões borradas (Glossy reflections).

Os dois vídeos disponíveis para download são um pouco grandes em comparação com o tempo disponível de material em cada um deles, e mostra a aplicação de grandes quantidades fontes de luz em um ambiente e a demonstração da iluminação global no outro vídeo.

Mesmo que você não entenda o material apresentado na apresentação em PPT ou no artigo científico que está em inglês, e aborda muita matemática relacionada com a geração dessas imagens, ainda vale o download ao menos dos vídeos para que possamos ter uma idéia de como será num futuro breve, a renderização em tempo real na maioria dos softwares. Outro ponto interessante é que o artigo científico faz uma breve introdução teórica sobre a renderização em tempo real, que pode ser útil para quem está fazendo pesquisa na área.

Hoje a aplicação direta dessa tecnologia são os jogos, mas é provável que a mesma tecnologia seja usada para apresentar produtos e criar animações interativas também.

Revista RenderOut! 10 disponível para download

No início dessa semana, mais um número da revista eletrônica gratuita sobre computação gráfica e design, chamada de RenderOut! foi disponibilizada para download. Esse é um tipo de diferente de revista eletrônica, com uma abordagem mais generalista em termos de softwares e ferramentas, sendo assim encontramos grande variedade de artigos e tutoriais usando softwares como 3ds Max, Maya, Blender 3D, Cinema 4D e Softimage XSI. É um estilo diferente de revistas como a BlenderArt, que se dedicam exclusivamente ao Blender 3D. Mas, o detalhe que vai chamar a atenção nessa revista é que a mesma é distribuída em inglês e espanhol. Como muita gente ainda torce o nariz para material em inglês, o espanhol nesse caso ajuda no entendimento, mesmo que não seja total.

revista-renderout-10.jpg

Como de costume, resolvi fazer um breve comentário sobre os principais artigos e tutoriais abordados na revista. Essa é a lista, já com tradução para o português:

  • Usando o Softimage XSI para visualização de projetos arquitetônicos: Esse artigo mostra de maneira breve, como é possível configurar uma cena para renderização realista usando o Mental Ray no Softimage XSI. Segundo as palavras do próprio autor do artigo, ele quer mostrar as ferramentas do Softimage para tirar o estigma que apenas com Maxwell Render e FryRender é possível conseguir imagens realistas para arquitetura.
  • Limitações do sistema RGB: Aqui temos um artigo que descreve o funcionamento do sistema de cores RGB para renderização e suas limitações. O artigo é ótimo para os interessados em teoria de computação gráfica.
  • O que é a criatividade?: Será que podemos responder perguntas como essa de maneira exata e precisa? Acho difícil, mas no artigo em questão você vai acompanhar uma série de observações importantes sobre o tema.

Com esses três artigos em destaque, recomendo muito que você faça o download e leia o material atentamente. Claro que além desses artigos mais generalistas, ainda podemos encontrar diversos tutoriais e textos mostrando o processo de criação de muitas cenas diferentes. Com temas como tanques, carros, personagens alienígenas. Mas, todos esses artigos acabam caindo no comum, por repetir muitas das técnicas que já encontramos regularmente em tutoriais na internet.

Outro ponto interessante, são os textos que falam sobre arte egípcia e história da animação. Para fazer o download da RenderOut! visite esse link.

Brazil R/S Rio: versão gratuita do renderizador para 3ds Max

O Brazil R/S da Splutterfish é um dos melhores renderizadores disponíveis para o 3ds Max, ele está no mesmo nível do Mental Ray ou até melhor em alguns tipos de cena. Existe até uma rivalidade antiga, com os desenvolvedores do V-Ray que fez até uma revista fazer um artigo comparativo entre as duas ferramentas. O V-Ray ganhou fama entre os usuários do 3ds Max por ser mais rápido, mas o Brazil R/S sempre foi conhecido entre artistas 3d pela sua qualidade. Claro que isso vinha ao preço de mais hardware e demanda generosa de processamento.

Por esse motivo, o Brazil R/S ficou sendo mais utilizado por empresas que precisam de qualidade máxima e não tem restrições quanto ao hardware. O custo da licença, também exigia grande investimento.

Bem, para entra na onda das versões de teste e aprendizado, a SplutterFish lançou o Brazil R/S Rio, que é nada mais que uma versão do tipo PLE (Personal Learning Edition) do renderizador, com o claro objetivo de popularizar o seu uso. Ele pode ser instalado no 3ds Max, sem restrições de tempo para fins de estudo.

Quem escolher por testar a ferramenta, encontra algumas pequenas restrições descritas na página do Brazil R/S Rio:

  • A imagem renderizada com o Brazil R/S Rio só pode ter no máximo 1024×511
  • Existem várias restrições para edição de cenas criadas com a versão FULL do renderizador
  • O artista não pode usar os recursos de renderização em rede, ficando limitado a apenas uma estação

Você pode estar se perguntando, vale à pena fazer o download? Claro que sim! Com sou usuário do Blender 3D, infelizmente não posso fazer o download para testar, mas devo indicar para as pessoas que conheço e que possuem o 3ds Max.

Espero que junto com o Brazil R/S Rio a SplutterFish lance um conjunto de tutoriais, para ajudar as pessoas interessadas a estudar o renderizador. Esse tipo de material sempre vem acompanhado de alguma explicação teórica, sobre com o funcionam os processos de Ray tracing e iluminação da ferramenta, que podem ser geralmente aproveitados em outras ferramentas e softwares.

Aproveitando os tutoriais, não deixe de fazer o download do manual do Brazil R/S o PDF tem mais de 400 páginas, abordando aspectos muito importantes de iluminação e efeitos! Você precisa se registrar para fazer o download, mas acredite, vale à pena.

Para maiores informações e testes, recomendo uma visita aos fóruns oficiais de usuários do Brazil R/S, existem ótimos exemplos lá de trabalhos renderizados com o Brazil.