Tutorial 3ds Max 2010: Animando e desintegrando tecido com partículas

A simples simulação de física usando computação gráfica é algo complexo e que geralmente exige tanto do hardware como do artista 3d, pois a quantidade de parâmetros e detalhes que precisam ser observados é muito grande, mesmo com o auxílio de plugins e ferramentas extras. Se a mesma animação ainda envolver o uso de partículas, então o nível de complexidade sobe significativamente. Para os usuários do 3ds Max que estejam interessados em aprender o funcionamento de plugins como o Thinking Particles, usado para fazer os efeitos do filme 2012 e promovido de maneira intensiva pela Cebas como uma revolução em termos de gerenciamento de partículas.

O tutorial abaixo mostra o funcionamento da ferramenta mesclado com uma animação usando simulações físicas do 3ds Max, para desintegrar em pequenas partes uma bandeira reagindo com a força do vento. Essa é uma das primeiras animações que os meus alunos produzem ao começar a trabalhar com o Reactor, ou qualquer outro sistema que apresente simulações físicas ou Cloth.

Essa é a animação produzida no tutorial:

Flag Disintegration from Nahuel on Vimeo.

O material está dividido em duas partes, sendo que apenas no segundo vídeo é que podemos acompanhar a criação da animação usando as partículas do Thinking Particles.

Com o primeiro vídeo é possível acompanhar de maneira bem rápida e simples a criação de um plano que será configurado para simular uma bandeira. Nada de especial nessa parte, apenas a configuração e seleção do Final Render stage 1, que é produzido pela mesma Cebas como o render padrão para esse projeto.

Para as pessoas que nunca tiveram a oportunidade de conhecer ou trabalhar com o Thinking Particles, esse tutorial é de extrema utilidade, pois mostra ao mesmo tempo como é possível criar animações complexas, e também permite visualizar o também complexo processo de configuração dessa ferramenta. Assim como acontece com outros sistemas de efeitos dinâmicos, o sistema de partículas é todo configurado e ajustado usando estruturas de nós, que permitem flexibilidade e ajustes diversos nos objetos.

Essa gama de opções nos sistemas baseados em nós sempre é acompanhada pela dificuldade em compor esses tipo de objetos, pois as opções são tantas que os artistas acabam ficando meio que travados no primeiro contato com as ferramentas.

Apostila gratuita de 3ds Max e Mental Ray para arquitetura e render

O Mental Ray é um excelente renderizador para produções que demandem grande quantidade de informações e manipulação de dados, sem falar no excelente nível de realismo alcançado nas suas renderizações. Mas, assim como acontece com a maioria dos softwares envolvidos na produção de imagens 3d, ele é uma das diversas opções existentes para renderizar imagens com o 3ds Max. Quando o assunto descamba para a visualização de projetos arquitetônicos é que a coisa acaba ficando ainda mais confusa para os usuários, pois o V-Ray é a escolha da maioria dos artistas 3d para produzir imagens para arquitetura. Eu mesmo estou considerando adquirir uma licença do V-Ray Standalone para usar junto com o Blender 3D e passar a escrever artigos e material, sobre como usar o V-Ray com o Blender 3D. Todos os relatos que li sobre o uso dele em conjunto com o Blender são positivos, e isso adicionaria o V-Ray ao conjunto de renderizadores que uso nos meus projetos.

Mas, e o Mental Ray? Muitas vezes usar o Mental Ray junto com o 3ds Max é a melhor escolha, mesmo que a escolha seja condicionada por fatores financeiros. Como o software já acompanha o 3ds Max, ao comprar uma licença do software o renderizador já está lá.

Nesse caso, como fazer para conseguir gerar imagens realistas com ele para arquitetura? Para ajudar artistas que estejam interessados em aprender o Mental Ray para esses fins, um artista 3d chamado Pierre-Felix Breton escreveu uma apostila sobre o Mental Ray e 3ds Max para maquetes eletrônicas para a Autodesk. O artista mostra o processo de produção no 3ds Max para arquitetura, com o foco na renderização com o Mental Ray.

apostila-gratuita-3ds-max-mental-ray-arquitetura.jpg

O material está disponível em PDF com um total de 35 páginas muito bem ilustradas e explicadas. O artista começa abordando as configurações gerais do Mental Ray e os materiais próprios do renderizador, assim como lista os diversos efeitos e fenômenos óticos que podem ser gerados com esses materiais.

Agora, o mais interessante dessa apostila é a análise que o artista faz de diversas imagens e pequenos problemas que acontecem na renderização, fazendo a indicação de como resolver e remover os defeitos. Por exemplo, sombras que ficaram com pouca definição ou texturas com defeitos de exibição ou reflexão.

O download é mais que recomendado para os usuários do 3ds Max e Mental Ray, sendo inclusive uma excelente base de estudos para os artistas interessados em aprender como solucionar problemas na criação de imagens em 3D.

Tutorial 3ds Max 2010: Novo painel ajuda nas transformações para modelagem 3D

As transformações em softwares de modelagem 3d são a base para a modelagem poligonal e o primeiro assunto que todo artista 3d precisa aprender, quando está trabalhando com softwares de modelagem novos. Em alguns softwares esse tipo de manipulação é mais simples de realizar, em outros a coisa é mais trabalhosa. As transformações numéricas são muito importantes para a modelagem 3d com precisão, sendo que existem diversas soluções para conseguir trabalhar com transformações numéricas no softwares, desde o uso de scripts até interfaces personalizadas. No 3ds Max existe um painel muito famoso e antigo, chamado Transform Type-In que permite adicionar valores numéricos para transformações do tipo mover, girar e escalonar.

No 3ds Max 2010 foi apresentado um novo painel de transformação chamado de “Transform Toolbox” que apresenta algumas vantagens em relação ao Type-In. O vídeo abaixo foi produzido pela própria Autodesk para mostrar o funcionamento da ferramenta.

O maior problema do Tranform Type-In no 3ds Max 2010 é que as transformações seguem a ordem das coordenadas usadas pelo artista. Por exemplo, caso seja necessário deslocar o modelo 3d trinta unidades para trás de outro objeto, será necessário descobrir o eixo e direção necessários para realizar essa transformação.

Com o Transform Toolbox é possível aplicar transformações em objetos com base na visão que estamos tendo dele no momento da transformação. Isso fica ainda mais útil quando a transformação desejada é de rotação, pois é necessário apenas seguir a orientação das setas presentes no painel, para editar o modelo 3d. Nas opções de escala é possível visualizar o tamanho atual do modelo, aplicar a escala com um Reset Xform e selecionar apenas um eixo para realizar a transformação.

Na parte inferior do painel de transformação, encontramos a parte de manipulação dos pontos Pivot do modelo 3d, que é muito importante em qualquer projeto envolvendo animação. Podemos criar cópias do modelo com o botão QClone, fazendo a cópia aparecer ao lado do modelo 3d original.

Os usuários mais antigos do 3ds Max não devem ficar muito entusiasmados com esse tipo de painel, pois na sua grande maioria já devem estar habituados a usar atalhos de teclado e outros artifícios. Mas, os usuários e artistas iniciantes devem gostar muito desse painel para flexibilizar as transformações em 3d, principalmente na modelagem poligonal.

Como melhorar a integração entre AutoCAD, Revit e 3ds Max com arquivos FBX?

O processo de produção em estúdios de animação ou empresas que trabalhem diretamente com softwares 3d, envolve uma fase extremamente crítica e que requer muito cuidado em qualquer fluxo de trabalho, que é a migração de dados em 3d entre softwares diferentes. Sempre teremos que lidar com objetos e modelos 3d oriundos de ferramentas como AutoCAD, Revit, DoubleCAD ou outras que não tem como foco a modelagem 3d em si, mas que oferecem esse tipo de opção. Entre os softwares que trabalham com CAD, uma das opções para passar informações entre diferentes softwares é usar o formato DXF que é um formato universal de transferência de dados em CAD.

Para os usuários de softwares da Autodesk o uso do formato FBX é a melhor opção nesses casos, pois é uma tecnologia desenvolvida pela própria Autodesk para ajudar no transporte de objetos 3d entre softwares. Por exemplo, modelos 3d criados no Revit podem ser salvos nesse formato e importados no 3ds Max 2010 sem maiores problemas. Na verdade, alguns pequenos problemas podem acontecer, como a criação de faces triangulares nas superfícies da maquete ou modelo 3d.

No 3ds Max 2010 existe um painel que consegue remover esse tipo de face triangular, que foi adicionado nas novas ferramentas de modelagem poligonal. Mas, em algumas situações essa ferramenta não consegue remover ou corrigir todos os problemas de topologia.

Se você já passou por esse tipo de problema e gostaria de solucionar a questão, convertendo as faces triangulares em quadradas, existe um script em MAXScript que resolve de maneira satisfatória esse problema. Ele pode ser copiado nesse endereço. Veja o resultado da aplicação desse script em uma maquete eletrônica:

3ds-max-2010-revit-fbx-MAXScript.jpg

Como é possível perceber pela imagem acima, a organização das faces na imagem fica significativamente melhor com a aplicação do script. Qual o problema de faces triangulares? O uso de faces triangulares atrapalha significativamente o processo de edição e ajuste das imagens, pois impede que edições futuras no modelo 3d seja realizadas com o uso de cortes e alterações na topologia da maquete eletrônica.

A utilidade dessa ferramenta aparece quando é necessário fazer algum tipo de modificação no modelo 3d, como a adição de mais uma parede ou mudança nas dimensões de um objeto que está conectado a diversos elementos.

Manuais gratuitos do AutoCAD 2010 e 3ds Max 2010 para consulta e download

No processo de aprendizagem de softwares como o AutoCAD 2010 e o 3ds Max 2010, um bom manual ou guia para consulta que possa servir de base para tirar dúvidas ou consultar procedimentos sobre ferramentas é essencial. Com o passar dos anos, uma parte até então relegada desses softwares também sofreu melhorias significativas em termos de design e são bem úteis hoje em dia. Estou falando do Help desses softwares que em alguns casos são documentos bem extensos e que documentam muito bem as ferramentas e funcionalidades dos softwares.

Claro que um sistema de Help não é tão didático ou explicado como um livro, pois o seu objetivo é servir de referência rápida para quem já conhece alguma coisa sobre o software. Mas, caso você já tenha algum conhecimento sobre a ferramenta, pode tirar muito proveito desses recursos. Infelizmente o material está disponível apenas em língua inglesa apenas, mas como é material oferecido de maneira gratuita, vale o esforço de tentar traduzir as partes que não conseguimos entender.

autocad-2010-modelagem-3d-mesh

Esses são os links para dois dos arquivos de Help mais úteis no web site da Autodesk, que são os arquivos do AutoCAD 2010 e do 3ds Max 2010. O primeiro é organizado como um web site e apresenta várias vantagens nesse aspecto, como a presença de alguns arquivos de vídeo para ilustrar o funcionamento de algumas ferramentas.

No caso do 3ds Max 2010 os arquivos estão disponíveis em formato parecido com o de um web site e também como um arquivo PDF, com mais de 1000 páginas. Mesmo parecendo inútil para algumas pessoas esse tipo de recurso ajuda muito! Por exemplo, semana passada recebi alguns e-mails de ex-alunos de um curso que ministrei sobre 3ds Max. Naquela época o curso ainda havia sido ministrado na versão 8. Os alunos estavam me perguntando sobre o funcionamento de uma ferramenta no 3ds Max 2010, que sofrei pequenas modificações em relação à versão 8.

Como tenho o arquivo PDF do 3ds Max, em pouco tempo consegui localizar a parte referente ao funcionamento do recurso no 3ds Max 2010 e explicar de maneira exata o seu funcionamento. Tudo isso sem a necessidade de usar ou instalar o software.

Outro exemplo de como esses recursos podem ser úteis, é no aprendizado dos sistemas de modelagem 3d introduzidos junto com o AutoCAD 2010 e que ganharam muito destaque nessa nova documentação.