Blender 2.56 Beta disponível para download

O ano está quase chegando ao final, mas o pessoal da fundação Blender acabou de disponibilizar mais uma versão beta do Blender 2.5 para que possamos usar e continuar com o processo de melhoria dessa nova versão. Hoje foi lançado de maneira oficial para o público o Blender 2.56 como parte do processo de desenvolvimento que deve resultar na versão estável do software pronta para fazer parte de qualquer projeto. Existem novidades nessa versão? Na verdade, essas versões beta do Blender 2.5 ainda estão focadas na correção de problemas e estabilidade, o que faz com que apenas correções de bugs sejam realizadas.

blender-2.56.jpg

Segundo o anúncio oficial da fundação Blender, foram aproximadamente 440 problemas corrigidos nessa versão. Se você estava usando algum script em Python que não foi atualizado recentemente, procure por novidades, pois uma das áreas que mais sofreu modificações foi a API do Python. Isso pode levar a problemas na execução de addons, que devem ser sanados quando for lançado o Blender 2.57.

O ano está se encerrando com um pouco de atraso em relação ao desenvolvimento do Blender 2.5, pois pela previsão oficial já deveríamos estar bem próximo de uma versão estável no final do ano. Ao que tudo indica, essa versão só deve ficar pronta com mais três meses de trabalho, pelo menos essa é a previsão da equipe.

Para fazer o download do Blender 2.56, visite a página oficial da fundação Blender.

Se você não está acompanhando o desenvolvimento e evolução dessa nova versão do Blender, podemos dizer que até agora as versões 2.5x foram lançadas para proporcionar aos usuários a possibilidade de testar o procurar problemas que possam ser corrigidos antes que uma versão estável fique pronta. E como não existe equipe definida para fazer esse tipo de teste, nada melhor que deixar o próprio público implementar o software em seus projetos pessoais para que possam encontrar e reportar os problemas.

Já estamos na fase final de testes, que deve culminar com o Blender 2.57 e quem sabe até na mudança para a versão 2.6.

Se você não tinha o que fazer, enquanto aguardava a virada do ano, pode começar a procurar problemas no uso do Blender 2.56.

Tutorial de animação com 3dsmax: Modificador Skin

O trabalho relacionado com a animação de personagens envolve dois estágios em diferentes entre si que são o ajuste do personagem, e a animação com deformações. Em ambas as situações os conhecimentos necessários para trabalhar com cada um deles é bem diferente, e de fato em grandes estúdios as tarefas são divididas entre dois profissionais diferentes. Por exemplo, podemos ter um artista especializado na criação de personagens prontos para receber animação e outro que trabalha apenas na deformação e ajuste dos keyframes. Como funciona essa configuração dos personagens?

Cada software apresenta uma maneira própria de trabalhar com esses tipos de configuração, e hoje vou recomendar artigos sobre o uso do modificador Skin do 3dsmax que é o responsável pela ligação entre a malha 3d do personagem com os bones. O processo de animação envolve a criação de objetos chamados de bones, que são uma analogia ao que temos como ossos nos seres vertebrados que deformam a malha 3d ao de mover. Um dos desafios para configurar personagens para animação é fazer essa ligação.

Nesse artigo você pode aprender um pouco mais sobre o funcionamento do modificador Skin, inclusive fazendo o download de um modelo representando uma perna em formato .MAX.

modificadorSkin-3dsmax.gif

O processo de configuração do modificador pode ser um pouco complexo para quem nunca teve a oportunidade de trabalhar com animação de persoangens, mas com o tempo é possível entender bem o básico do seu funcionamento. Em poucas palavras o que teremos que fazer par unir os bones a uma malha 3d, é simplesmente ajustar os chamados envelopes de cada bone.

Esses envelopes é que determinam os vértices que devem ser deformados quando o bone se mover. É com o ajuste desses envelopes que controlamos a área de influência de cada bone e ajustamos a animação como um todo. O tutorial em si é interessante por ser básico, ter instruções simples e disponibilizar um modelo 3d para testes.

Apesar de existirem opções mais avançadas de animação para versões recentes do 3dsmax, como é o caso do CAT, o conhecimento de ferramentas como o modificador Skin ainda é importante, principalmente se você quer trabalhar com animação baseada em deformações, que é um dos fundamentos da animação de personagens.

Guia sobre renderização e V-Ray

O uso de ferramentas que ajudam ou facilitam a vida de profissionais e artistas para gerar imagens realistas, sempre foi prática comum na computação gráfica. A grande maioria dos profissionais não se importa muito em usar softwares diferentes ou conjuntos de ferramentas, contanto que as opções escolhidas proporcionem o maior grau de qualidade com o mínimo de tempo para o render. Nos casos em que é possível investir largas quantias financeiras em softwares, esse tipo de mentalidade é bastante aceitável. Entre as soluções de render que mais atraem usuários em busca do equilíbrio entre qualidade e render, o V-Ray é um dos mais visados, principalmente no mercado de visualização para arquitetura. Mas, a sua fama se espalha até mesmo em empresas de renome como o estúdio Blur.

Basta conferir essa entrevista com Kevin Margo que foi supervisor de computação gráfica no trailer de Firefall. A animação produzida pelo estúdio Blur fez uso do V-Ray para materiais e diversos outros elementos da produção, que segundo o Kevin Margo, impressionou a todos no estúdio devido a rapidez com que as imagens eram geradas, sem perder a qualidade.

Será que a animação ficou boa? O vídeo abaixo mostra o resultado:

Assim como acontece com todos os projetos em que o estúdio Blur se envolve, o resultado é impressionante em termos visuais e também técnicos.

Esse tipo de resultado se deve ao uso do software ou o talento das pessoas envolvidas no projeto? Claro que o conhecimento técnico e a habilidade artística da equipe são fundamentais, mas o software ajuda com recursos disponíveis para gerar imagens mais rápidas ou com algoritmos avançados.

Se você nunca uso ou teve a oportunidade de testar o V-Ray, encontrei um texto interessante sobre o software que faz referência ao seu uso como opção de render para diversas plataformas. O texto é intitulado de “O que é o V-Ray? Como funciona e sua evolução?“. Claro que tomei a liberdade de traduzir o título, pois o texto original está em inglês. Caso você não goste ou tenha dificuldades de ler em inglês, sempre temos a opção do Google Translator que resulta em algo até compreensível.

int_kitchen

O texto é interessante devido a abordagem do autor que comenta sobre o surgimento do V-Ray como ferramenta auxiliar para o 3dsmax ainda nos anos 90, e a sua posterior expansão. E para explicar a evolução do software de uma abordagem voltada apenas para o uso de CPU e a recente evolução para as GPUs, acaba explicando muitos conceitos relacionados com computação gráfica como Render e geração de imagens. Esse guia sobre renderização com o V-Ray deve ajudar muitas pessoas a conhecer mais sobre o software. Essa é uma realidade para muitos artistas, pois o V-Ray já se desprendeu do 3dsmax faz tempo, estando disponível para Cinema 4D, Maya, Blender e muitos outros softwares.

Contest Blender Brasil: Arquitetura – futurismo dos anos 60

O final do ano está chegando, e para não deixar você desanimado com o período em que a maioria tira umas férias, o pessoal do Blender Brasil resolveu começar um concurso de idéias. O tema dessa vez é a Arquitetura Futurista dos anos 60. Dessa vez a minha participação no concurso será relacionada com a premiação, que vai contar com um exemplar do meu livro sobre visualização de arquitetura com o Blender. Além do livro, o concurso tem um prêmio muito legal que é uma licença completa do Indigo Renderer. Eu tenho essa licença e posso recomendar muito o software, que se usado junto com o Blender ou SketchUp pode proporcionar excelentes resultados no que diz respeito ao realismo.

kubrick

O texto abaixo é o que deve ser publicado no próprio Blender Brasil para anunciar o contest:

O portal Blender Brasil acaba de lançar seu quarto concurso de fim de ano com intuito de desenvolver a comunidade Blender no Brasil e promover o uso do Blender 3D, assim como mostrar bons trabalhos dentro de nosso ecossistema. Dessa vez, o tema é Arquitetura – futurismo dos anos 60. Hoje imagina-se que, no futuro, carros irão voar, prédios serão flutuantes entre outras coisas. E como era antigamente? Foi essa a pergunta que gerou o tema norteador dessa competição. Para mais detalhes, entre nessa parte do fórum do Blender Brasil e leia atentamente todas as regras para que não haja nenhum imprevisto ou problema com a sua inscrição na competição. Qualquer outra pergunta pode ser feita no tópico ou aos administradores do site, que quase sempre estão no IRC oficial do site, #blenderbrasil.

Dessa vez, os prêmios do concurso serão bem mais atrativos e serão para os três melhores escolhidos entre os jurados, que contará com a presença do artista Francês Gabich. Os prêmios serão:

  1. Primeiro Lugar: Uma licença do Indigo Renderer + Um exemplar do livro “Blender 3D Architecture, Buildings, And Scenery” (Allan Brito) + um kit da lojaBB
  2. Segundo Lugar: 5.000 créditos da corefarm.com + Um exemplar do livro “Blender 3D – Guia do usuário,4ª edição” (Allan Brito) + um kit da lojaBB
  3. Terceiro Lugar: Um kit da lojaBB + Um exemplar do livro “The Essential Blender” (Roland Hess)

O kit da lojaBB será uma blusa e uma caneca do site. O livro Blender 3D Architecture, Buildings, and Scenery eu cedi para o concurso. Quer participar? Pense em uma boa ideia ou como você acha que a arquitetura era vista naquela época, crie um tópico com o padrão descrito nas regras da competição (link sobre as regras também a ser divulgado) e pronto, você já está participando. Agora é com você, desenvolva a sua ideia e tenha boas imagens como referência para sua modelagem ou procure boas imagens que representem o tema. O Flickr e o Google Images são uma boa opção. A competição se encerra em 04 de Fevereiro de 2011 e os vencedores serão anunciados provavelmente em 14 de Fevereiro.

Essa competição é patrocinada por mim, Allan Brito; pela Glare Technologies, empresa que desenvolve o renderizador Indigo; pela Corefarm, render farm para o Yaf(a)Ray e LuxRender e pela Editora Novatec, editora especializada em livros sobre tecnologia.

Boa sorte!

Simulação de oceanos no Blender 2.5

A simulação de grandes superfícies representando líquidos é um dos tipos mais complexos de simulação na área de computação gráfica, e pode representar um grande fardo para artistas equipamentos na renderização de uma animação ou mesmo imagem. Esse é um tipo de área em que softwares altamente especializados e sofisticados acabam tendo domínio sobre a preferência de artistas como é o caso do Real Flow. Mas, ainda existem opções promissoras na área do software livre como é o caso do Blender. Já faz um tempo que podemos trabalhar com simulação de fluidos no Blender, usando opções padrão para gerar objetos do tipo Mesh, simulando fluidos dentro de containers. Mas, em um futuro não muito distante talvez tenhamos opções para reproduzir grandes superfícies de fluido como oceanos de maneira bem simples e rápida.

O projeto Ocean Sim tem como objetivo exatamente trazer para o Blender uma interface que permita reproduzir esse tipo de situação. A imagem abaixo mostra um exemplo de como esse tipo de ferramenta pode prover o controle sobre as superfícies com base em diversas opções paramétricas, que muito provavelmente podem receber keyframes segundo a nova arquitetura da versão 2.5, em que tudo é “animável”.

blender-ocean-simulation.jpg

Mas, assim como acontece com projetos de grande complexidade, as pessoas responsáveis pelo projeto estão tentando angariar fundos para manter os trabalhos de desenvolvimento em curso. O modelo usado nesse projeto é semelhante ao que está sendo usado no B-Mesh em que o desenvolvedor condiciona o progresso do trabalho a quantidade de doações que ele recebe. Na verdade não é uma maneira de forçar a comunidade a doar, mas de mostrar que com a devida ajuda financeira, as pessoas podem dedicar mais do seu tempo a esse tipo de projeto com grande nível de complexidade.

Até o presente momento ainda não temos nenhuma versão de testes pública do Oceam Sim, mas diversos vídeos que mostram o progresso na simulação desse tipo de superfície no Blender 2.5.

foam accumulation test from Matt Ebb on Vimeo.

O objetivo da campanha para arrecadar fundos é chegar na marca dos 3000 dólares para conseguir financiar o resto do desenvolvimento do projeto. Para incentivar as doações, o pessoal até organizou uma lista com os colaboradores no blog do projeto.