Guia de ilustração com Adobe Illustrator usando curvas

O mundo não gira em torno apenas de ferramentas e softwares para animação 3d e modelagem, e sempre acaba surgindo a oportunidade de usar ferramentas de ilustração 2d, mesmo que seja para planejar alguma coisa que acontecerá em ferramentas 3d como um cenário. Nas últimas semanas tenho usado bastante o Illustrator nas minhas aulas devido a novos conteúdos que estou abordando nesse semestre, e como gosto de passar links com referências para meus alunos, resolvi compartilhar um pequeno guia sobre ilustração que encontrei já faz alguns dias. O guia descreve em detalhes o funcionamento da ferramenta conhecida como Pen tool do Adobe Illustrator.

Essa ferramenta é uma das mais importantes do Illustrator, pois é com ela que iniciamos a grande maioria das curvas bézier. As chamadas curvas bézier são a base de qualquer software que utilize vetores para ilustração, pois é com essas curvas formadas por pontos e alças de controle que podemos moldar praticamente qualquer forma.

O guia mostra o diversos aspectos do funcionamento dessa ferramenta no Illustrator, desde o significado dos ícones que aparecem quando pressionamos determinadas teclas do teclado até mesmo opções como a parte de seleção e ajustes, quando a curva já está criada.

guia-illustrator-curvas.jpg

Outro ponto interessante é a manipulação e composição de curvas usando linhas já existentes. Por exemplo, podemos acompanhar os procedimentos para aparar as linhas e curvas usando o mouse, e também a finalização de segmentos de curvas usando retas ou arcos.

As dicas são complementadas na parte inferior do artigo por um pequeno exercício que propõe o desenho da palavra VECTOR usando apenas a Pen Tool. O mais interessante, é que você encontra orientações precisas sobre os pontos que devem ser acionados, para conseguir elaborar a tarefa.

No final, uma pequena lista com quatro dicas valiosas que podem ajudar a todos que precisam realizar ilustrações em ferramentas como o Illustrator. Se você precisa trabalhar com ilustração 2d no Illustrator, recomendo ler com cuidado esse guia, pois você pode aprender alguma coisa nova e melhorar o seu processo de criação.

Como disse no início do artigo, o mundo não gira apenas em torno de ferramentas 3d sofisticadas, mas também acaba exigindo conhecimentos em ferramentas 2d como o Illustrator, Corel Draw e outras. Se você não conhece bem o funcionamento da Pen Tool, recomendo ler esse guia que ensina muito bem o seu funcionamento.

Tutorial de modelagem 3d usando Photoshop e 3ds Max com curvas 2d

O uso de ferramentas como o Adobe Illustrator ou o Corel Draw para a criação de guias para a modelagem 3d já foi exemplificada e mostrada várias vezes aqui no blog, inclusive essa semana mesmo publiquei um artigo que comentava sobre a possibilidade de usar arquivos no formato EPS para modelagem de logomarcas no Cinema 4D. Apesar de ser um ótimo exemplo da inerção entre ferramentas 2d e 3d, o exemplo é apenas uma possibilidade entre diversas opções de criação. Hoje vou indicar outro excelente tutorial sobre modelagem 3d com base em curvas 2d, mas os softwares usados agora são o Photoshop  o 3ds Max.

Sim, podemos criar curvas vetoriais no Photoshop alem da tradicional edição e manipulação de fotografias. O tutorial que mostra a modelagem de objetos 3d usando o Photoshop e 3ds Max, pode ser consultado nesse endereço.

modelagem-photoshop-3ds-max

Tudo começa no Photoshop, local em que podemos criar formas e elementos visuais 2d usando diversas opções interessantes de ilustração, como os poderosos filtros e deformadores. O autor do tutorial usa a conversão de elementos visuais em curvas, chamadas no Photoshop de Paths. Depois de cria uma forma qualquer e criar uma cópia dessa forma como um novo canal Alpha no Photoshop. O Autor orienta no tutorial a acessar a aba Paths e com o botão direito do mouse acionar a opção “Make work Path…”.

Isso cria uma nova curva com base no que foi desenhado usando bitmaps no Photoshop. Claro que se você for seguir esse tipo de procedimento é importante usar também apenas ilustrações criadas em tons de preto e brando sólidos, como no que é mostrado nesse tutorial.

Por último, o arquivo é exportado para o formato AI do Adobe Illustrator e posteriormente importado para o 3ds Max, em que as curvas podem receber deformações e transformações próprias da modelagem 3d, como no caso desse tutorial em que o autor aplica um extrude na curva.

A vantagem em usar o Photoshop nesses casos é a possibilidade de usar os filtros do software, capazes de criar formas complexas e muito difíceis de conseguir apenas com a manipulação de curvas bézier.

Design de logomarcas em 3d com o Cinema 4D

Os produtos que podem ser criados com os softwares 3d são bem variados e podem abranger desde imagens estáticas até animações para cinema, podemos aproveitar as capacidades de criação dessas ferramentas para criar também logomarcas. Isso se tornou tão comum alguns anos atrás que a maioria dos softwares de ilustração vetorial como o Adobe Illustrator e o Corel Draw já oferecem opções, mesmo que rudimentares para criar elementos 3D. Mas, quando é possível usar os softwares de ilustração em conjunto com ferramentas 3d como o Cinema 4D, as possibilidades de design para essas marcas em 3d aumentam consideravelmente.

Como é que isso funciona? Se você nunca trabalhou com a integração entre ferramentas de ilustração 2d e softwares 3d, o tutorial que mostro nesse artigo é um excelente exemplo de como isso pode ser realizado para o design de logomarcas. Esse tipo de integração é usada também quando é mais fácil criar o perfil de um objeto usando curvas, para que posteriormente essas curvas sejam usadas para a modelagem de algum objeto mais complexo.

No tutorial abaixo, que está dividido em duas partes é possível acompanhar o procedimento necessário para que um arquivo vetorial salvo no formato EPS seja usado no Cinema 4D, para guiar a modelagem de uma logomarca.

O formato EPS é muito usado para desenhos e ilustrações vetoriais, o que faz com que a maioria dos softwares 3d aceite esse formato. Além do formato EPS poderiamos muito bem aproveitar arquivos no formato AI do Adoe Illustrator que são muito usados também.

No caso desses tutoriais é possível acompanhar as edições e alterações realizadas pelo autor do tutorial nas curvas, sendo que a primeira das alterações é a mais óbvia em se tratando da modelagem de por curvas que é o uso de um extrude. Assim que as curvas recebem o extrude temos a logomarca transformada em 3d. Essa é apenas a primeira parte de uma série de pequenos ajustes e transformações que abrangem o uso de modificadores como o Bevel para suavizar as arestas do modelo 3d e também a aplicação de materiais e iluminação na logomarca.

Depois que as curvas são importadas para o software, o trabalho de modelagem fica muito semelhante ao que é realizado com outros elementos 3d. A pior parte é saber fazer os ajustes iniciais, como a união das curvas no início do tutorial.

Scripts e ferramentas úteis para o Adobe Illustrator CS3

O uso de scripts e ferramentas personalizadas não se restringe apenas aos softwares 3d, sendo possível elaborar alguns scripts e opções úteis até mesmo para softwares que tem como objetivo proporcionar interfaces apenas para desenho vetorial. Esse é o caso do Adobe Illustrator, que assim como todos os softwares que trabalham com computação gráfica, poderiam se aproveitar de pequenos scripts para suprir algumas deficiencias em detalhes do desenho 2d. Se você trabalha com o Illustrator CS3 e gostaria de soluções para alguns pequenos problemas de design em linhas e organização de objetos, um usuário chamado Sato Hiroyuki montou uma lista com os scripts mais úteis para o Adobe Illustrator.

Apesar do nome do responsável pela lista estar em japonês, a lista pode ser consultada em inglês. Mesmo que você tenha dificuldades em entender a função de cada um dos scripts, cada um dos links é acompanhado por uma imagem que ilustra a função da ferramenta.

scripts-adobe-illustrator-download-gratuito.gif

Essa é uma lista com os scripts e uma descrição rápida do funcionamento dos principais scripts da lista:

  • Ajustar tracejado (distribuição): Essa opção é para os usuários que precisam criar formas usando a linha tracejada, e gostariam de mais opções para alinhar e organizar o posicionamento dos traços nos cantos dos objetos.
  • Ajustar tracejado: Algumas vezes as curvas que usam linhas tracejadas deixam transparecer o começo e o fim da forma. Com esse script é possível ajustar o comprimento do tracejado para que isso não fique mais evidente para os usuários.
  • Dividir curvas por comprimento: Com esse script é possível fazer divisões em curvas já existentes com base no comprimento dos segmentos, função muito semelhante ao que existe em softwares de CAD.
  • Criação por metaballs: A união de várias formas pode resultar na criação de um objeto mais complexo, função parecida com as metaballs em softwares 3D.
  • Remover pontos de controle: Esse script consegue remover pontos de controle de curvas, adaptando as formas restantes de maneira automática.
  • Tangentes de uma curva: Com essa ferramenta é possível ligar os pontos tangenciais de qualquer curva a um determinado ponto.
  • Gerador de árvores: O último script da lista consegue gerar a forma 2d de árvores.

Ao visitar o link indicado no início do artigo você vai perceber que a lista de ferramentas disponíveis é bem maior, sendo esses apenas os que julguei serem os mais úteis. As opções para controlar linhas tracejadas são as que considero mais importantes. O download é mais que recomendado para os usuários do Adobe Illustrator, só lembrando que o autor testou os scrips apenas na versão CS3.

Adobe After Effects e Illustrator explicam a crise econômica mundial

O que é possível fazer quando se tem o domínio das técnicas de animação? Bem, com o domínio dos princípios da animação como Easing e Timing, um artista pode explicar ou criar material rico visualmente em qualquer área do conhecimento. Por exemplo, você já pensou em explicar para alguém usando apenas computação gráfica a recente crise econômica? Seria um desafio e tanto para qualquer pessoa, elaborar um roteiro com gráficos e animação que explique algo que é representado basicamente por fatos e números.

Nesses momentos é que o artista pode fazer a diferença, como fez um estudante de produção Multimídia chamado Jonathan Jarvis. Na verdade, quem explica a crise de crédito é ele, e não o Adobe After Effects e Illustrator, como diz o título do artigo. Essas foram às ferramentas que ele usou para criar a seguinte animação:


The Crisis of Credit Visualized from Jonathan Jarvis on Vimeo.

Como você pode ter percebido, o autor usou basicamente vetores e animação no After Effects para elaborar um verdadeiro infográfico animado. Claro que para conseguir chegar nesse resultado, ele precisou trabalhar com um roteiro e outros preparativos, como a criação de storyboards.

O vídeo serve também como exemplo de que não é apenas com softwares 3d que podemos conseguir criar trabalhos de animação, basta conhecer a técnica muito bem aplicada pelo autor, para que imagens estáticas tomem vida.

Quer identificar esses princípios de animação no vídeo?

Recomendo que você assista ao material novamente e perceba como os movimentos dos objetos, sempre são suavizados com easing. No início ou final do movimento, os objetos acabam acelerando ou desacelerando. Outro ponto importantíssimo é o timing, em que os objetos têm movimentos sincronizados para promover reações e interação.

Esses são apenas alguns dos princípios usados na animação.

O vídeo também é um ótimo exemplo de aplicação da computação gráfica para a criação de infográficos. Muitos artistas 3d tem seu foco direcionado apenas para a animação dramática, mas existe um grande mercado para a criação de mídia animada. Quanto mais os meios de comunicação se adaptam a internet, mais será necessário transformar texto em multimídia, por meio de infográficos.

Esse é um mercado com grande potencial, e pouca gente especializada. Quem sabe o seu futuro não é concorrer com a Pixar?