Autodesk mostra um pouco do projeto Geppetto

O trabalho com animação de multidões nunca foi uma tarefa fácil para projetos grandiosos em vários personagens virtuais precisam se movimentar ao mesmo tempo na tela. Nesse tipo de situação os animadores recorriam a ferramentas especializadas que eram desenvolvidas especificamente para grandes projetos, como foi o caso do Massive, elaborado e melhorado para criar as animações dos filmes Senhor dos Anéis. A Autodesk possui um projeto muito antigo chamado de Geppetto que poderia ajudar muitos artistas a criar esse tipo de animação com software de custo bem mais baixo que o Massive.

Esse projeto Geppetto foi apresentado inicialmente em um grupo de estudos na Siggraph ainda em 2006, e de lá para cá pouca coisa foi exibida sobre o sistema. Ele ficou em desenvolvimento por um longo período, e muitas pessoas na época cogitavam a hipótese do Geppetto ser o novo sistema de animação do 3ds Max, que viria a substituir o Character Studio e o seu Biped. Mas, de lá para cá, muita coisa aconteceu como a compra da Softimage e a incorporação do CAT no 3ds Max.

Com isso, o Geppetto ficou um pouco de lado e não vimos mais notícias sobre o software. Bem, até a última semana quando o pessoal da Autodesk começou a divulgar nos blogs internos da empresa uma atualização para o projeto. O seu foco agora será a animação de multidões com movimentos síncronos, e para demonstrar em que situação está o desenvolvimento do projeto, um vídeo foi divulgado com uma animação bem interessante.

No vídeo podemos acompanhar um personagem virtual que foi duplicado diversas vezes, e orientado a realizar um movimento em direções perpendiculares. O objetivo do vídeo é realizar o movimento e fazer com que os personagens evitem ao máximo colidir uns com os outros. O resultado é bem satisfatório se considerarmos que o sistema ainda não está finalizado.

Isso não chega perto da inteligência artificial do Massive, mas já é um bom começo.

Segundo relatos de pessoas que acompanharam o desenvolvimento do Massive, os personagens virtuais continham controles inteligentes e automáticos para decidir o que fazer em lutas e batalhas com vários personagens. O objetivo do controle era fazer com que os personagens lutassem pelas suas vidas, tirando o trabalho dos animadores de controlar todos os movimentos. Ao acionar o software pela primeira vez, o resultado é que todos os personagens largaram as suas armas e correram para longe da batalha. Isso ajudou a preservar as suas vidas, mas infelizmente exigiu que a equipe de desenvolvimento mudasse o projeto.

Demonstração de Render por GPU com iRay no 3ds max

O quanto uma renderização pode ser acelerada se usarmos uma placa de vídeo dedicada para jogos em softwares como o iRay no 3ds max? O uso desse tipo de tecnologia está claramente dominando os softwares especializados em renderização, pois é possível se desprender das limitações impostas pela quantidade de núcleos da CPU e jogar o trabalho de render, que não é simples, para as dezenas e as vezes centenas de núcleos da GPU. Esse é o caso da placa GeForce GTX 570 da NVidia que apesar do foco em jogos, pode ajudar bastante quando o assunto é renderização. A placa possui nada mais que 480 núcleos CUDA que podem ser aproveitados para renderização.

O vídeo abaixo é uma demonstração simples do uso dessa tecnologia em softwares como o iRay rodando no 3ds max, que é uma versão do mental ray híbrida que pode aproveitar os núcleos de uma GPU para acelerar consideravelmente o render.

O modelo 3d usado para a demonstração é uma moto Ducati com boa quantidade de detalhes e também texturas e materiais com configurações avançadas, apresentando reflexões e efeitos óticos avançados.

Uma das coisas que podemos perceber com o vídeo é que o processo inicial pode demorar apenas alguns segundos para que uma imagem seja exibida, mas depois que ela aparece o refinamento progressivo consegue exibir a imagem do render em poucos minutos. O processo dá muita carga na placa de video, aumentando consideravelmente a temperatura do dispositivo, fato comum em placas dedicadas a jogos.

Será que vale a pena usar uma placa dedicada para jogos em aplicações profissionais? A única coisa que justifica o uso desse tipo de dispositivo em softwares profissionais é o custo, que é inegavelmente menor que uma placa profissional. Se você ainda não teve a oportunidade, recomendo que leia a entrevista sobre hardware para computação gráfica, em que um especialista em equipamentos para render e 3d, comenta sobre o uso de placas de vídeo para jogos em softwares 3d profissionais.

A tendência desse tipo de aplicação em softwares 3d irá fazer com que todos precisem de placas com múltiplos núcleos no futuro, fazendo com que até equipamentos mais simples demandem de centenas de núcleos para renderizar projetos. E você, já trocou a sua placa de vídeo?

Curso completo e gratuito sobre MAXScript básico para 3ds max

Os meus alunos sempre me fazem diversas perguntas nas minhas aulas de computação gráfica 3d, e entra as que mais escuto está o seguinte questionamento: “como me diferenciar no mercado?”. Essa e uma pergunta difícil de responder, que poderia muito bem ser rebatida com um simples “seja o melhor”. Mas, então eu receberia outra pergunta: “O que estudar para ser o melhor?”. Em uma área dominada por artistas 3d que podem aprender o básico do software em pouco tempo, muitas vezes é preciso se desviar um pouco do caminho para obter destaque.

Uma das coisas que sempre recomendo para meus alunos é o investimento não apenas na parte visual da ferramenta 3d que ele escolhe estudar, mas também na parte de rotinas baseadas em scripts. Esse tipo de conhecimento é muito valorizado em estúdios, pois com ele é que podemos economizar tempo criando rotinas para automatizar processos antes repetitivos.

Por exemplo, para os usuários de 3ds max uma boa solução é aprender um pouco sobre MAXScript que é a linguagem de script disponível para o 3ds max. Com esse tipo de ferramenta podemos trabalhar com projetos de animação de maneira muito rápida, pois será possível elaborar ferramentas personalizadas para trabalhar com qualquer tipo de projeto. Nesse último final de semana encontrei um recurso que pode ajudar a todos que estejam interessados em aprender mais sobre scripts para 3ds max. Um curso básico e gratuito sobre MAXScript para 3ds max está disponível nesse canal do Vimeo. O instrutor dos vídeos é ninguém menos que Jon Wainwright, o criador do MAXScript.

O material está dividido em 26 lições em que o autor do material explica o funcionamento do MAXScript e ajuda a desenvolver algumas ferramentas interessantes. Por exemplo, no vídeo abaixo podemos acompanhar a explicação sobre o funcionamento de um script que distribui árvores nas laterais de uma estrada, ajudando a povoar o cenário com vários modelos 3d.

5.6 TreePlanter – Scene Generation using Mesh Sampling from JohnW on Vimeo.

O único ponto negativo, caso você tenha assistido um dos vídeos, é que o material está todo gravado usando o 3ds max 5. Sim, pode até paracer muito antigo, mesmo sendo um pouco velho o conteúdo apresentado mudou muito pouco em versões mais recentes do 3ds max.

Recomendo assistir e estudar com muito cuidado e atenção ao material para aplicar de maneira correta os conceitos nos seus projetos. Quem sabe assim você já não começa uma nova fase nos seus estudos sobre modelagem 3d e animação?

Projeto Vasari: Revit gratuito para download?

O uso da tecnologia BIM é cada vez mais difundida entre os profissionais que trabalham na área de projetos, principalmente os arquitetos e engenheiros. Com o uso desse tipo de tecnologia em ferramentas como o Revit, fica muito mais simples ter controle sobre as fases do projeto e conseguir fazer orçamentos precisos. A integração de informações é um dos pontos principais desse tipo de tecnologia, em que quando criamos elementos como paredes em projetos, é possível atribuir a esse objeto diversas informações como o material que será usado para criar o mesmo no mundo real. Uma das ferramentas próprias para trabalhar com esse tipo de tecnologia na Autodesk é o Revit, que concorre com outras opções como o ArchiCAD e VectorWorks.

Para as pessoas que não tem oportunidade de trabalhar com o Revit devido a impossibilidade de conseguir adquirir uma licença, a oportunidade para usar a tecnologia de maneira gratuita chegou! O projeto Vasari acabou de ser disponibilizado para o público, diretamente dos laboratórios da Autodesk. Mas, o que é esse software? Em poucas palavras, ele é uma versão “light” do Revit, apresentando muitos dos recursos disponíveis para a modelagem volumétrica e análise de projetos em estágios iniciais.

autodesk-vasari.jpg

O vídeo abaixo mostra o software sendo usado para fazer o estudo de uma edificação, usando vários dos seus recursos:

Caso você tenha ficado curioso para testar o projeto Vasari, o software pode ser copiado de maneira totalmente gratuita no endereço indicado no link.

A ferramenta tem como objetivo claro o desenvolvimento de projetos nas suas fases iniciais de criação, em que os arquitetos ou projetistas estão ainda fazendo estudos sobre posicionamento e tamanho de fachadas, e pensando na parte ambiental da edificação. Como formar de começar o trabalho, essa é uma excelente opção. Mas, acredito que o benefício de ter esse tipo de opção de maneira gratuita será por tempo limitado.

Será que uma opção paga, que funciona muito bem com o Revit, mas que perde para ferramenta gratuitas como o SketchUp faria sucesso entre a comunidade de usuários voltados para arquitetura? Acredito que se a ferramenta for oferecida de maneira gratuita, como forma de complemento ao Revit, o sucesso será garantido.

Segundo o web site do projeto, a ferramenta deve ficar disponível de maneira gratuita até maio de 2011.

AutoCAD para Mac Os X e iOS confirmados

Os profissionais da área de design e construção que acabam decidindo por migrar dos ambientes Windows para o Mac, sempre encontram na alteração das suas principais ferramentas de design e desenho uma dificuldade. O AutoCAD é uma das ferramentas mais usadas na área de desenho técnico assistido por computador, e mesmo já existindo opções mais avançadas e produtivas para acompanhar projetos, muitas pessoas procuram por AutoCAD no Mac assim que fazem a migração. Desde 1992 isso não é mais possível, pois foi o ano em que a Autodesk descontinuou as versões nativas do AutoCAD para o sistema da Apple.

Já faz algumas semanas que publiquei um artigo aqui no blog comentando sobre sinais encontrados em diversos locais, sobre um provável Beta do AutoCAD sendo testado no Mac. Desde aquela data nenhuma nova notícia sobre o desenvolvimento tinha sido divulgada, até que hoje a própria Autodesk acabou confirmando a notícia, inclusive com um site oficial do AutoCAD para Mac.

Junto com o site temos um pequeno comercial preparado para divulgar o AutoCAD para Mac, produzido pela Autodesk:

A versão para Mac deve suprir uma demanda crescente por profissionais que estão migrando para a plataforma da Apple. Mesmo existindo opções igualmente poderosas e até mais indicadas para trabalhar com projetos, principalmente em arquitetura. Estou falando do ArchiCAD e VectorWorks que trabalham com a tecnologia BIM, oferecendo opções avançadas de gestão do projeto já nativamente em ambientes Mac.

Além da versão dedicada ao Mac, a Autodesk planeja também lançar o AutoCAD para plataformas móveis. Isso mesmo, uma versão para o iOS rodando no iPhone e iPad. Essa versão deve permitir apenas visualizar arquivos DWG. A previsão de lançamento é o outono no hemisfério Norte, o que deve levar aproximadamente um mês.

Agora só falta a Autodesk converter o 3dsmax para o Mac, que é o desejo da grande maioria dos usuários do software que conheço. Esses artistas só não migram para o Mac devido a ausência do 3dsmax. Quem sabe com as últimas atualizações no núcleo do 3dsmax esse processo seja mais simples de realizar. O que se sabe é que o software usa tantos recursos do Windows que está praticamente ligado ao sistema, e qualquer tentativa de migrar o mesmo para outras plataformas exigiria reformular o software completamente.

Só nos resta esperar.