Loop Tools é atualizado para funcionar com B-Mesh

O Blender 2.63 foi lançado com um conjunto considerável de novidades para modelagem 3d, e o destaque dessa versão fica por conta do B-Mesh que revigorou o sistema de representação e polígonos do Blender, adicionando entre outras coisas o suporte aos chamados N-Gons. E junto com o suporte as faces com mais de quatro lados, podemos agora também utilizar recursos que antes estavam disponíveis apenas por meio de Addons, dentro da interface do Blender de maneira totalmente integrada. Por exemplo, o recurso chamado de Bridge que antes ficava disponível por intermédio do Addon Loop Tools está agora incorporado ao menu Specials (Tecla W).

Esse Addon Loop Tools era um dos mais úteis para modelagem poligonal com Blender, pois adicionava recursos excelentes como o Bridge. Depois que o Blender 2.63 foi lançado, alguns Addons deixaram de funcionar e outros corriam o risco de serem abandonados pelos seus autores, pois o B-Mesh traria a possibilidade de substituir os Addons por ferramentas nativas do Blender.

Se você achava que o Loop Tools corria esse risco de ser descontinuado, você estava enganado! O autor do Addon publicou na semana passada nos fóruns BlenderArtists.org um aviso sobre a atualização da ferramenta para a sua versão 4.0! E as novidades para essa atualização não são poucas. O vídeo abaixo mostra um resumo sobre os recursos dessa nova versão já sendo executados no Blender 2.6 com o B-Mesh.

Entre os recursos que mais me agradaram, o Loft é um dos que considero mais úteis para modelagem poligonal, pois permite trabalhar com perfis para criar modelos 3d poligonais.

Para fazer o download do Loop Tools e começar a usar a ferramenta no seu Blender, basta visitar esse endereço e copiar o Addon de maneira gratuita. Mas, antes que você vá correndo fazer o download, é preciso usar uma versão bem atualizada do Blender para que o Loop Tools funcione. Isso significa que o Blender 2.63a não é suficiente para que o Addon funcione.

Versões do Blender

O Blender 2.63a não é a versão mais recente do Blender? É sim, a versão estável mais recente. E além dessa versão o Blender continua sendo atualizado de maneira constante, e os seus ciclos de desenvolvimento são identificados pela sua revisão (Revision). Por exemplo, ao visitar o graphicall.org para fazer o download de uma versão do Blender, você vai perceber que existe um sufixo chamado rev junto com um número de cinco casas do tipo 38771.

Depois que a versão estável é lançada, o Blender continua recebendo contribuições dos seus desenvolvedores ao redor do mundo, e você pode fazer o download de uma versão mais atualizada do Blender compilando uma versão diretamente do Blender, ou então fazendo o download de uma versão já compilada diretamente do graphicall.org.

Em qual versão funciona o Loop Tools?

Essa explicação sobre as revisões do Blender era necessária para que você possa usar o Addon Loop Tools. O script só funciona com versões do Blender superiores a 46803, o que significa: se você instalar a ferramenta no Blender 2.63a (rev 46461) o mesmo não vai funcionar!

É muito trabalho? Concordo, mas os benefícios para a modelagem poligonal são inquestináveis.

Novidades sobre o lançamento do B-Mesh no Blender 2.6

O projeto que transformou o Blender no software que conhecemos hoje foi oriundo do esforço para migrar a plataforma da versão 2.4 para o 2.5. E junto com essa transformação do software estavam previstos nas ferramentas e atualizações em sistemas internos do Blender como aconteceu com a parte de animação. Hoje podemos adicionar keyframes em praticamente qualquer parâmetro do Blender graças a essa reformulação. Entre essas reformulações existem ainda algumas pendências que não foram finalizadas como é o caso do B-Mesh. Essa é uma evolução do sistema de representação de polígonos do Blender, que adiciona novas ferramentas e suporte aos famigerados N-Gons.

Mas, o que são os N-Gons e o que é o B-Mesh?

Para começar a explicação é bom deixar claro o que são os N-Gons e o motivo deles serem controversos entre artistas 3d. A maioria dos softwares comerciais de modelagem suportam o uso de N-Gons que nada mais são do que faces com mais de quatro lados. Esse polígonos com mais de quatro lados algumas vezes ajudam, e outras vezes atrapalham a criação de modelos 3d.

Quem já tentou modelar alguma coisa com o Blender, deve saber que em certos tipos de operações de modelagem o resultado acaba sendo um conjunto de faces triangulares e quadradas, exatamente pela incapacidade do Blender de representar polígonos com mais de quatro lados.

Isso é uma limitação? Depende do ponto de vista. Como artista 3d e modelador, sempre procuro deixar a topologia dos meus modelos 3d organizada e usando apenas quadrados. Isso é inclusive recomendado no curso de modelagem poligonal, em que comento sobre essa característica relacionada a representação dos polígonos. O motivo para preferir faces quadradas são simples:

  • Deformam melhor em animação
  • Não quebram os loops e impedem atualizações nos modelos

Essa característica do Blender de limitar o uso de polígonos apenas em quadrados e triângulos me forçou a procurar técnicas e métodos mais eficientes de modelagem poligonal, e hoje me sinto mais confiante em organizar a topologia de um modelo 3d, mesmo quando não estou no Blender.

Nas oportunidades em que ministro aulas sobre modelagem no 3ds Max, Maya ou outros softwares que suportam N-Gons, acabo percebendo que os alunos se preocupam menos com a topologia, pois é mais “fácil” não precisar se preocupar com manutenção das faces quadradas na modelagem.

O B-Mesh está prometido para o Blender 2.63 que deve ser lançado no final de Abril ou Maio, dependendo de como a seqüência de desenvolvimento acabar acontecendo. O receio que tenho em relação ao sistema de modelagem do Blender, é que o seu lançamento acabe deixando os artistas iniciantes com a modelagem no Blender mais preguiçosos.

Quer saber como funciona exatamente esse B-Mesh? Já gravei vários tutoriais em vídeo sobre o B-Mesh no passado, e estou listando alguns deles aqui que mostram o funcionamento desse novo sistema.

Como podemos perceber pelos vídeos, o sistema adiciona novas ferramentas, mas não vai fazer com que os seus conhecimentos sobre modelagem com Blender sejam invalidados. Portanto, nada de aprender a modelagem toda do zero, será apenas um processo de adaptação as novas ferramentas.

O tema está recebendo bastante atenção da comunidade de usuários do Blender, inclusive com discussões acaloradas sobre as vantagens e desvantagens do uso de N-Gons. Apesar do receio de que os N-Gons criem artistas 3d preguiçosos, acredito que a atualização é bem vinda.

Usando o B-Mesh no Blender 2.57

O Blender 2.57b é atualmente a versão estável oficial do Blender, mas isso não significa que o software está parado nas atualizações recursos. Um dos recursos que deveria ter sido adicionado ao Blender 2.5 quando o mesmo atingisse a estabilidade é o B-Mesh, que é um novo sistema para representação de polígonos que adiciona opções interessantes a modelagem 3d com o Blender. Entre esses novos recursos está o uso dos famigerados N-Gons. Essas são as faces com mais de quatro lados, usadas para representar topologias demasiadamente complexas sem o uso de triângulos.

Os triângulos são indesejados por apresentar grandes dificuldades para conseguir gerar deformações em animação. Com o uso de ferramentas de corte ou edições simples nos polígonos, o Blender acabava adicionando os triângulos para conseguir resolver a topologia apenas usando quadrados e triângulos.

Com o B-Mesh isso não será mais necessário, e para mostrar o seu funcionamento, gravei um vídeo em que demonstro em que estado está o desenvolvimento do B-Mesh já integrado com o Blender 2.57.

No vídeo demonstro como criar um modelo 3d simples de uma cadeira, que é apenas apresentada de maneira a servir como exemplo para o B-Mesh. Nesse caso a cadeira é criada usando técnicas de modelagem 3d tradicionais do Blender, mas no final começo a usar os recursos do B-Mesh. Por exemplo, a ferramenta chamada de Dissolve consegue unir os planos que selecionamos no modo de edição, sendo uma das opções mais interessantes do B-Mesh. No próprio vídeo é demonstrado como podemos fazer a união de diversos planos, aproveitando as N-Gons para limpar a topologia.

Esse tipo de sistema ajuda bastante na remoção de elementos e topologias com inúmeras faces pequenas.

O uso do B-Mesh no Blender deve ser encarado como uma alternativa ao que já temos para representar polígonos, pois acaba sendo uma maneira de flexibilizar a edição de modelos 3d. Mas, isso pode acarretar uma prática de modelagem mais desleixada por parte dos artistas 3d, e os problemas começam a aparecer quando os objetos precisam receber animação por deformação.

Por enquanto, o uso do B-Mesh é restrito as versões de teste disponíveis no graphicall.org e que devem ser usadas apenas como forma de estudo.

Blender 2.5 já mostra sistema semelhante as ZSpheres

Um dos pontos positivos em relação ao Blender é que o software pela sua natureza aberta é muito suscetível a receber experimentos, ou mesmo, técnicas de modelagem ou render provenientes de pesquisas científicas. Se a pessoa tiver os conhecimentos necessários para implementar um algoritmo que realize tarefas diferentes de modelagem, basta implementar o código e compilar uma versão do software para testes. Já faz alguns dias que mostrei aqui no blog um artigo sobre a técnica de modelagem chamada de B-Mesh que foi elaborada por pesquisadores chineses, e que usa modelo de construção muito parecido com o do ZBrush e a suas ZSpheres.

O processo é semelhante ao que temos nas metaballs do próprio Blender, mas com níveis de controle e resultados infinitamente superiores. Para criar modelos usando esse tipo de técnica, o artista deve começar elaborando esferas que sã posicionadas em pontos estratégicos da estrutura dos objetos, e diversas esferas secundárias aparecem para fazer a ligação entre as esferas maiores.

Um desenvolvedor do Blender e usuário ativo em projetos como o Google Summer of Code, chamado de Nicolas Bishop conseguiu implementar o algoritmo no Blender, e já publicou um vídeo em que mostra o resultado do seu experimento:

Skin Modifier test from Nicholas Bishop on Vimeo.

Na versão do Blender usada para essa demonstração, o autor do vídeo utiliza como base um modificador chamado de Skin, para aplicar o conceito de modelagem usando esferas. Apesar do nome ser igual ao modificador do 3ds max, as funções são bem diferentes. O objetivo do modificador é permitir ajustar a forma dos objetos usando apenas as pontas das estruturas. O processo é um pouco estranho para quem está acostumado a trabalhar apenas com modelagem por subdivisão, mas será de grande ajuda na criação de modelos orgânicos, principalmente quando o objetivo do processo for o uso em ferramentas de escultura. Podemos criar a forma básica com o Skin e depois esculpir os objetos usando o modo de escultura do Blender.

O resultado é muito animador e já permite a criação de modelos abstratos como a estrutura demonstrada no vídeo, mas ainda é cedo para dizer quando a técnica deve ser submetida para inclusão no Blender. Por enquanto, permaneça usando o velho e bom extrude para gerar modelos orgânicos, mas saiba que coisas muito boas estão para aparecer no processo de criação com o Blender.

Modelagem 3d para arquitetura usando o B-Mesh do Blender 3D

O uso dos chamados N-Gons pode muitas vezes não significar avanços para as pessoas que não estão acostumadas a passar por problemas, em projetos que envolvem o uso de topologias complexas e que envolvem diversas formas circulares no Blender 3D. Hoje mesmo estava comentando com um dos meus alunos sobre os benefícios dos N-Gons para modelagem desse tipo de projeto, e a pessoa não conseguiu visualizar a vantagem desse tipo de elemento. Para esclarecer quaisquer dúvidas sobre o uso de N-Gons para modelagem de projetos, resolvi fazer uma comparação de elementos criados usando o sistema de modelagem existente no Blender 2.49b e o B-Mesh.

Entre os elementos que demandam mais trabalho para criar estão as aberturas circulares em projetos para arquitetura, principalmente janelas e portas. Qualquer tipo de arco que esteja conectado com outros elementos do modelo 3d. Veja a imagem abaixo para conferir um exemplo de abertura em paredes que usa arcos.

modelagem-3d-arquitetura-ngons-01.jpg

Esse modelo 3d precisa de uma grande quantidade de arestas e vértices para fazer o fechamento do arco e conseguir elaborar um modelo limpo e com boa topologia. A estrutura é esteticamente bem resolvida, mas para chegar nessa configuração é necessário muito trabalho manual.

Um caminho mais curto para conseguir esse tipo de modelo 3d é usar os famigerados Booleans, para remover o volume do objeto em forma de arco da parede. O resultado será um modelo 3d repleto de faces triangulares.

Com o uso do B-Mesh é possível trabalhar com modelos 3d usando quantidades mínimas de arestas, como mostra a imagem abaixo.

modelagem-3d-arquitetura-ngons-02.jpg

modelagem-3d-arquitetura-ngons-03.jpg

Repare que a conexão entre as arestas para fazer o fechamento do arco são bem reduzidas nesse exemplo usando N-Gons. A parte superior do arco apresenta uma face com grande quantidade de lados. Se usarmos a opção Dissolve do B-Mesh é possível até mesmo recorrer aos Booleans para remover as faces desnecessárias do modelo que são criadas com as operações booleanas. Assim criamos o modelo para arquitetura com aberturas em arco e sem bagunçar as arestas do modelo 3d.

modelagem-3d-arquitetura-ngons-04.jpg

Se você quiser testar o B-Mesh, visite o graphicall.org e faça o download de uma versão de testes do B-Mesh já no Blender 2.50.