Ainda precisamos do Blender 2.49b?

Já faz um bom tempo desde que o Blender fez a sua mudança drástica da versão 2.4x para o 2.5x e hoje estamos na série relacionada ao Blender 2.6. As mudanças desse período para cá foram significativas e trouxeram muitas melhorias para todos os usuários do software tanto do ponto de vista das ferramentas usadas como na interface. O Blender era muito conhecido entre usuários de softwares 3d naquela época pela sua interface espartana, que afastava muitos usuários pelo simples fato dela ter pouco apelo visual. Com o Blender 2.5 veio uma nova interface e um software reconstruído do zero para proporcionar melhorias e mais flexibilidade como a possibilidade de adicionar keyframes em praticamente qualquer parâmetro no software, apenas para citar uma das coisas que eram difíceis de fazer nas versões antigas.

Mas, será que mesmo com todas essas melhorias ainda é preciso recorrer ao velho e bom Blender 2.49b? Um dos pontos negativos em relação a mudança, e eles sempre existem, é a perda de compatibilidade em algumas ferramentas e scripts. As versões mais antigas possuíam, por exemplo, opções estáveis para importar arquivos DXF para o Blender, e hoje temos Add-ons para isso que ajudam muito, mas por algum motivo ainda acredito que os scripts do 2.49b se comportam melhor com arquivos mais recentes.

Esse é um recurso muito usado por artistas 3d na área de arquitetura, pois o uso de arquivos DXF permite trazer projetos do AutoCAD para o Blender, ajudando na modelagem de projetos. É apenas um exemplo isolado, mas acredito que o Blender 2.49b ainda é útil sim em situações como essa e outras. Basta analisarmos o caso do script Capiler que apenas algumas semanas atrás foi adaptado para o Blender 2.6.

Se você nunca sentiu falta do Blender 2.49b, pode ficar tranquilo, pois dificilmente o download do software irá ajudar você em alguma tarefa. Mas, os usuários antigos que já se “pegaram” desejando que alguma opção do Blender antigo tivesse sido adaptada para as versões recentes, pode aproveitar essa versão adicional do software como apoio. Só lembrando que ao realizar alguma coisa nas versões antigas, é possível salvar o arquivo no formato .blend e depois abrir sem grandes problemas no Blender 2.6x.

Todas as versões do Blender podem ser copiadas de maneira gratuita nesse endereço. É muito simples copiar as versões em zip que podem ser executadas até mesmo de drives usb. Lá está inclusive a primeira versão do Blender que usei profissionalmente que é a versão 2.35.

Cursos sobre Blender

Se você quiser aprender a usar o Blender, recomendo conferir os cursos existentes no EAD – Allan Brito que abordam diversos aspectos interessantes relacionados com o uso do Blender. Existe um curso gratuito básico de Blender que mostra os primeiros passos no software, e depois existem outros cursos que abordam os seguintes aspectos do Blender:

Inscrições abertas para o curso de animação 3d com Blender

O terceiro curso de Blender disponível no EAD – Allan Brito já está aceitando inscrições para todos os interessados em participar. Esse curso tem como tema a animação em 3d produzida com o Blender, e aborda os aspectos e ferramentas mais importantes relacionados com animação. O modelo de oferta é idêntico ao que já foi aplicado no curso Básico de Blender e o de modelagem poligonal. Para saber mais sobre o curso e realizar a inscrição, você pode acessar a página própria do curso de animação 3d com Blender, e inclusive conferir a lista completa das aulas.

Uma amostra do conteúdo do curso, pode ser conferida no vídeo abaixo, que faz parte da segunda aula, em que mostro como utilizar os Sliders da janela Graph Editor para ajudar a criar animações:

O curso em si é um pouco maior do que o de modelagem poligonal em termos de aulas, contando com três aulas a mais que o de modelagem poligonal. No total são 10 aulas divididas nos seguintes títulos:

  • Aula 01 – Animação por interpolação e keyframes
  • Aula 02 – Manipulando keyframes
  • Aula 03 – Trajetórias de animação com curvas
  • Aula 04 – Hierarquias para animação
  • Aula 05 – Usando constraints para animação
  • Aula 06 – Drivers
  • Aula 07 – Exercício de Animação – Braço robótico
  • Aula 08 – Animação por deformação com Bones
  • Aula 09 – Cinemática direta e inversa
  • Aula 10 – Renderizando animações

Nesse momento as aulas 1, 2 e 3 estão disponíveis no ambientes, e até o próximo domingo as aulas 4 e 5 ficam online. A previsão para que todo o curso esteja online é o dia 5 de Setembro. Para os que se inscreverem com antecedência, o tempo de validade da inscrição só contará do dia em que todas as aulas estiverem disponíveis. Mas, acredito que ainda deva demorar para começar a contar esse tempo de acesso, pois o curso de modelagem poligonal já está completo, e ainda não avisei aos participantes sobre início do prazo de 30 dias.

A inscrição no curso de Animação 3D é realizada mediante pagamento de uma taxa de R$ 39,90. Para os participantes do curso de modelagem poligonal, a inscrição pode ser realizada com desconto por R$ 35,90. Para fazer a inscrição com o desconto, você deve usar o link de inscrição disponível dentro do curso de modelagem poligonal.

Um ponto importante que deve ser esclarecido, é que esse curso não é específico sobre animação de personagens. Como estou recebendo muitos pedidos para um curso nesse sentido, é melhor avisar que no futuro devo produzir um específico sobre Rigging e animação para personagens, que é um assunto bem específico. O foco desse curso agora é a animação de maneira geral, e as ferramentas do Blender. Acho que os cursos até devem se complementar, pois a parte de Rigging é bem específica para personagens virtuais e animação por deformação.

A todos que realizarem a inscrição, já agradeço antecipadamente o interesse e espero que gostem do curso!

Tabela com atalhos de teclado em português para o Blender 2.5

Os usuários mais experientes de qualquer software acabam recorrendo a muitos atalhos de teclado, exatamente por eles funcionarem como meios rápidos de acionar determinadas ferramentas. Uma das características do Blender é o seu foco em atalhos de teclado, que são usados para muitas das tarefas corriqueiras na edição 3D. Isso é ao mesmo tempo uma vantagem para quem precisa trabalhar com agilidade, e também desafio para os usuários iniciantes, que acabam precisando aprender diversos atalhos de teclado para trabalhar de maneira razoável com o software. Isso fica bem evidente quando preciso trabalhar com qualquer tipo de curso presencial com o Blender, pois os alunos precisam aprender diversos atalhos de teclado, eu mesmo escrevo muitos deles no quadro.

Como forma de facilitar o aprendendizado do Blender das pessoas que estão participando do meu Curso Básico de Blender 2.5, que é totalmente gratuito, acabei de adicionar ao espaço do curso uma tabela com os comandos mais utilizados no Blender. A tabela foi formatada com cores básicas e layout otimizado para impressão, para que você possa imprimir e colocar ao seu lado enquanto usa o Blender.

Tabela-Blender-Atalhos.png

Para fazer o download da tabela, visite o EAD – Allan Brito e entre no curso básico de Blender. A tabela com o conteúdo está na parte superior do curso logo no início. O motivo de colocar esse material lá é exatamente para facilitar o acesso ao material, pois tudo que tiver relacionado ao aprendizado do Blender ou outros softwares será colocado nesse ambiente. Isso facilita o acesso, pois aqui no blog, o fato dos artigos serem organizados em ordem cronológica dificulta o acesso ao material para as pessoas que não acompanham as atualizações dos artigos.

Se você já participou do curso, excelente! Basta fazer o login no ambiente e depois de entrar na área do curso, fazer o download do PDF.

Só para lembrar a todos, que além do curso básico de Blender 2.5, também existe o curso de modelagem poligonal com Blender, que aborda a criação de modelos 3d usando polígonos. As informações sobre como fazer a inscrição nesse curso podem ser encontradas nesse endereço, assim como uma amostra em vídeo de como são as aulas. Para realmente conhecer o curso, inclusive a sua interface, você pode conferir o vídeo abaixo que mostra como funciona o ambiente de aprendizado do EAD – Allan Brito.

Na próxima semana começam as inscrições para o próximo curso sobre Blender que estou produzindo, dessa vez sobre Animação 3D. O curso será focado na produção de animações e todas as ferramentas necessárias para trabalhar com esse tipo de arte no Blender. Você vai aprender a trabalhar com o editor de curvas, Drivers, Constraints e outros elementos. Quem estiver inscrito no curso de modelagem poligonal, poderá fazer a inscrição nesse curso com desconto. O curso de animação terá ao todo 10 aulas!

Modelagem 3d para arquitetura com o Blender Cycles

A adição de uma ferramenta de renderização avançada acaba fazendo com que as pessoas mudem seus hábitos de trabalho nos mais variados softwares. No caso do Blender a inclusão do renderizador Cycles deve fazer com que muitas pessoas vejam o render de maneira diferente. No meu caso mesmo o sistema foi ganhando cada vez mais importância no meu modo de trabalho, permitindo que os objetos 3d sendo modelados fossem visualizados em tempo real, enquanto o mesmo estava sendo criado. Dependendo do seu computador, o método não é muito recomendável por exigir bastante do hardware do computador, mas é excelente para ter feedback visual do modelo 3d.

Para mostrar como funciona esse método de trabalho, gravei um pequeno vídeo em formato timelapse, acelerado em duas vezes para mostrar a criação de uma fachada em 3d, que seria parte do projeto de uma edificação. É só um estudo de volumetria que ainda deve sofrer inúmeras modificações.

O Cycles permite determinar que o modo de visualização da 3D View do Blender seja do tipo Rendered, e o modelo 3d como um todo é renderizado pela GPU do seu computador. O resultado pode ser visto no vídeo, que é a atualização rápida das imagens. O modo de modelagem com o Cycles só demanda que o modelo seja constantemente visualizado no modo objeto, pois as alterações no modo de edição não são passadas para o render.

Para conseguir gerar sombras no modelo como um todo, é adicionado um plano que recebe material do tipo Emissor, para emitir energia luminosa.

A criação de objetos e modelos 3d fica muito prática usando esse procedimento, pelo feedback visual que temos dos objetos.

Ficou interessado no Cycles? Para usar essa versão do Blender é necessário visitar o graphicall.org e fazer o download de uma versão experimental do Blender com o Cycles. Como é tudo experimental, recomendo cautela ao abrir projetos importantes nessas versões.

Se você não sabe usar o Blender e quer aprendender, recomendo visitar o EAD – Allan Brito para fazer o curso de Blender 2.5 gratuito totalmente online! E a modelagem mais avançada, como a usada no vídeo pode ser aprendida no curso de modelagem poligonal com o Blender 2.5, que também está disponível no mesmo site.

Estabilização de câmera com o Blender 2.5

O Blender está para receber uma série de novidades como fruto dos investimentos do projeto Google Summer of Code, que fora organizados em grupos identificados por nomes de frutas e verduras, como é costume encontrarmos nos projetos abertos do Instituto Blender. Entre esses projetos está o que é identificado como Salad Tomato, que agrega as iniciativas de criar uma ferramenta de Camera Tracking para o Blender. A ferramenta será de grande utilidade para o pessoal do instituto, pois o próximo Open Movie deve envolver o uso de material criado com o Blender, mesclado com filmagens reais.

Como o interesse do intituto Blender é especial por esse projeto, parece que o desenvolvimento está bem acelerado. Um artista já fez uso das versões preliminares disponíveis no graphicall.org, e compilou uma série de guias e tutoriais que mostram a utilidade desses novos recursos para artistas que trabalham com vídeo.

Entre esses tutorials e guias estão a criação de um pequeno esquema para estabilização de vídeo, sendo essa a alegria dos produtores de vídeo amadores!

Abaixo você pode conferir o tutorial sobre estabilização de vídeo com o Blender 2.5:

O tutorial faz uso de um tipo de vídeo muito comum que é aquele que gravamos enquanto andamos segurando a câmera. O resultado é a perda da estabilidade da câmera, gerando uma tremedeira incômoda e em algumas vezes nauseante. Já existem soluções de estabilização gratuitas até mesmo no editor do Youtube, mas acredito que essa é a primeira solução gratuita, e presente em um software que nem tem como foco principal a edição de vídeo.

Além de aprender como usar a técnica baseada em um script escrito usando Python, podemos conferir a nova janela na interface do Blender, chamada de MovieClip Editor. Ainda não tive a oportunidade de usar a versão experimental do Blender, mas acredito que toda a parte de Tracking deva ser realizada nessa janela.

No processo de tracking já podemos conferir os controles de rastreamento de pixels muito semelhnate ao que existe em outros softwares com o recurso, como é o caso do After Effects. Se você é usuário do Blender e trabalha com edição de vídeo, deve gostar bastante dessa nova versão!

Os outros tutoriais abordam os seguintes assuntos: