Tutorial Blender: Usando o Add-on ghosting para animação

As ferramentas e processos que ajudam a editar e montar animações são as mais diversas, e dependendo do tipo de edição desejada precisamos partir para ajustes em curvas e mapas de posicionamento de keyframes. Entre essas ferramentas de edição para animação encontramos o processo chamado de ghosting, quem em alguns softwares de animação é conhecido como onion skin (Flash). O ghosting consiste na visualização simultânea das posições dos keyframes de uma animação com o objetivo de fazer ajustes na sua trajetória. O Blender disponibiliza uma ferramenta como o ghosting de maneira nativa, mas ela só funciona com bones em personagens. Se você quiser usar a técnica para visualizar o movimento de objetos de maneira geral, é preciso recorrer a Add-ons.

E um desses add-ons do Blender adiciona exatamente a possibilidade de trabalhar com ghosting para qualquer tipo de objeto em animação. Para mostrar o seu funcionamento, resolvi gravar um tutorial em vídeo demonstrando o ghosting. Antes de continuar, como você pode fazer o download desse Add-on? O download do ghosting pode ser realizado nesse endereço. A instalação é simples, e pode ser feita na própria janela dos Add-ons exibida no vídeo abaixo, basta pressionar o botão “Install Add-on” localizado na parte inferior, e indicar o arquivo do ghosting.

O processo de funcionamento do Add-on é simples, e depois que acionamos a ferramenta no painel de controle dos Add-ons o ghosting fica disponível na barra de ferramentas do Blender, e se selecionarmos um objeto que tenha animação e pressionarmos o botão Create/Update do ghosting, será criada a visualização dos frames de animação para o objeto selecionado.

Os ajustes no ghosting podem ser realizados com dois parâmetros que são:

  • Ghosting Step: Controla quantos frames devem ser exibidos antes e depois do frame atual da animação.
  • Ghosting frame step: Intervalo de exibição entre cada visualização dos frames de uma animação.

Esse tipo de ferramenta ajuda muito a editar e visualizar a trajetória das animações, e pode ser fundamental em alguns tipos de projetos. Portanto, se você gosta de criar animações com o Blender, recomendo o download e instalação do Add-on!

Só um detalhe, o addon ghosting ainda está em desenvolvimento e deve ser usado com cautela.

Curso de animação 3d com Blender

Ainda não sabe trabalhar com animação no Blender? Recomendo uma visita a página do curso de animação 3d com Blender, para conhecer mais sobre o curso e como você pode desenvolver mais as suas habilidades em animação com o Blender.

Atualização para o Add-on Motion Trail no Blender

Um dos add-ons mais interessantes para o Blender que foi lançado nos últimos meses é o chamado Motion Trail. O recurso está ainda em fase experimental em outros softwares 3d, mas no Blender já é possível aproveitar o recurso para trabalhar em animações 3d mais sérias. O autor do Add-on acabou de divulgar uma atualização importante para o script que agora permite trabalhar com as Armatures do Blender (bones), aproveitando toda a flexibilidade de ajustar o tempo e detalhes das animações diretamente na 3D View.

Mas, o que faz mesmo esse Add-on? Com o Motion Trail você pode criar uma linha na 3D View que é usada para guiar uma animação, mas diferente do que já fazemos com linhas funcionando como caminhos para movimento, o Motion Trail é capaz de exibir a representação dos keyframes na sua superfície, permitindo que o artista faça ajustes diretamente sobre a linha. Além disso, as linhas funcionam como caminhos e guiam a trajetória dos objetos.

O vídeo abaixo é uma demonstração do que podemos fazer com o Add-on:

A grande vantagem em usar esse tipo de script para animação com o Blender é exatamente a praticidade de poder adicionar animações diretamente na 3D View. Se você já teve problemas para gerenciar animações no editor de curvas, deve gostar bastante desse Add-on, pois com ele é possível ter feedback visual direto na interface do Blender.

O único problema em direcionar o seu processo de produção de animações em um Add-on é que nada garante que futuras atualizações do Blender não acabem quebrando o suporte ao script, pois ele depende da API do Blender que nessa versão 2.5 sofreu inúmeras modificações ao longo do seu desenvolvimento. Por isso, mesmo aproveitando as facilidades oferecidas pelo plugin, você ainda deve investir seu tempo estudando e aprendendo as técnicas tradicionais de animação, para evitar surpresas no futuro é interessante investir em ambas as técnicas de animação.

Já mencionei que o Motion Trail é um Add-on completamente gratuito para o Blender 2.58? Faça agora mesmo o download e comece a criar animações de maneira mais rápida.

Como importar arquivos do Revit para o Blender?

Entre as diversas perguntas que recebo de usuários interessados em adotar o Blender como ferramenta principal na produção de maquetes eletrônicas e visualização par arquitetura, está relacionada com a compatibilidade com arquivos gerados por softwares da Autodesk. Nesse sentido pode literalmente subentender, compatibilidade com arquivos DWG e DXF. Já foi bem mais complicado de trabalhar com esse tipo de arquivo no Blender, mas hoje é relativamente simples, apesar da importação de arquivos DWG para o Blender ainda demandar um pouco de trabalho. Mas, uma opção muito interessante para quem procura trabalhar com modelos 3d gerados por ferramentas BIM como o Revit, pode ajudar de maneira significativa a colocar o Blender dentro do processo de produção de arquitetos, engenheiros e escritórios de visualização.

Os arquivos com extensão IFC que significam (Industry Foundation Classes) e foram criados pela IAI, instituição que trabalha com intuito de criar padrões de armazenamento de dados, para facilitar o compartilhamento de informações entre softwares como o Revit, ArchiCAD e VectorWorks. O ponto positivo nesse caso é a existência de um script para o Blender chamado de IFCBlender, como parte de uma iniciativa conhecida como IFCOpenShell.

O Add-on é totalmente gratuito e pode ser copiado na página do IFCOpenShell, e depois de instalado no Blender deve permitir a importação de arquivos completos do Revit. A imagem abaixo mostra um exemplo desse Add-on em ação permitindo que um projeto criado no Revit seja usado no Blender.

blender-ifc.jpg

O uso desse tipo de script é de extrema importância para quem precisa trabalhar com softwares como o Revit, e acredite que já tive problemas com o envio de projetos que precisavam ser trabalhados na parte da visualização. O desafio maior é solicitar aos clientes que enviem esse tipo de arquivo, pois a maioria acaba enviando dados que são difíceis de manipular, pois são versões muito recentes do software ou então que não são compatíveis com o Blender.

Use esse Add-on e aproveite a conveniência de manipular os projetos criados no Revit, ArchiCAD e VectorWorks sem grandes problemas de compatibilidade, e utilizando a geometria completa dos objetos 3d para aplicar materiais e usar recursos de render avançado como o YafaRay e LuxRender no Blender.

Blender 2.5 também pode editar timing na 3D View

O controle sobre o timing em animação é de fundamental importância para qualquer projeto que envolva movimento, pois o timing pode ser determinante para passar emoções e definir o escopo de uma animação. Por isso, é que vemos tantas opções de ferramentas e plugins que se propõe a ajudar no planejamento e controle no timing de animação 3d. Já faz alguns dias que publiquei um artigo que mostrava o Maya usando esse tipo de recurso como parte de experimentos realizados pela Autodesk, para implementar controles sobre o posicionamento de keyframes diretamente na viewport do software. O resultado pode ser conferido no vídeo abaixo em que uma animação acaba gerando uma linha que representa o caminho da trajetória na animação.

No vídeo o usuário faz ajustes diretamente na viewport para controlar o espaçamento entre os keyframes e ajustar o timing da animação.

Até essa data não havia nada de parecido em termos de controle para animação, pelo menos que eu tivesse conhecimento. Mas, isso Não deve ficar assim por muito tempo, pois um usuário do Blender chamado Bart Crouch acabou de publicar um vídeo mostrando o seu último experimento em Add-ons para o Blender. O nome do script é Motion Trail e o seu objeto é exatamente o mesmo do que foi mostrado no Maya. Esse é o vídeo:

Motion trail – proof of concept from Bart Crouch on Vimeo.

Essa é a prova de como é rápido implementar ferramentas e opções para animação no Blender, usando nada mais que a imaginação ou uma referência de idéia. Por enquanto, o script só funciona em versões mais recentes do Blender baseados no SVN, e que podem ser copiadas do graphicall.org. Para copiar o arquivo com o script, visite esse thread de discussão no Blenderartists.org e comece a fazer os seus testes com o Motion Trail.

Os recursos para animação nesse estilo tem grandes chances de ganhar lugar cativo em distribuições do Blender, e acabar se tornando recursos nativos do software devido a sua grande utilidade. Agora só precisamos aguardar que a ferramenta fique mais estável e que possamos editar o espaçamento e posicionamento de keyframes diretamente na 3D View, para acelerar o processo de refinamento em animações 3d no Blender.

Blender 2.5: Script adiciona controle total sobre o cursor 3D

Os primeiros contatos com a interface do Blender podem render algumas experiências estranhas, principalmente quando usamos alguns elementos únicos da sua interface como é o caso do cursor 3D. Ainda lembro das primeiras vezes que usei o Blender, e me deparei com esse inusitado alvo no meio da tela que sempre se deslocava quando tentava clicar com o botão esquerdo do mouse. Essa deve ter sido a mesma experiência de outros usuários que migraram de outros softwares, mas depois de um tempo de prática você percebe como esse tipo de recurso é extremamente útil na modelagem e posicionamento de objetos.

Em poucas palavras, o cursor 3D serve como ponto de referência para criar objetos e também um pivô em operações de rotação ou transformações complexas. Por isso, é que quanto mais controle temos sobre a sua localização, menos trabalho teremos na modelagem. Foi pensando nisso que um usuário dos fóruns Blenderartists chamado de Seminumerical, criou e disponibilizou um script chamado de Cursor Control. Essa ferramenta adiciona controles extras ao que já existe na barra de propriedades da 3D View, permitindo fazer muito mais com o cursor.

Blender-2.5-CursorControl.png

Assim que instalamos o script na área de Add-ons do Blender 2.56a, poderemos ter acesso a barra de opções exibida na imagem que ilustra esse artigo. Nessas opções encontramos as seguintes ferramentas para manipular o cursor:

  • Armazenar as coordenadas do cursor
  • Mover o cursor para coordenadas específicas
  • Inverter a posição do cursor para as coordenadas salvas
  • Exibir o local das coordenadas salvas
  • Mover o cursor para o ponto mais próximo de objetos selecionados por vértice, aresta, faces e outros
  • Espelhar a posição do cursor 3D usando vértices, arestas ou faces
  • Mover o cursor para um ponto mediano de uma aresta
  • Mover o curso para a interseção entre duas arestas

Fora essas opções ainda podemos mover o cursor para a origem da cena no Blender, ou de maneira individual para as origens de objetos na cena.

Esse tipo de Add-on adiciona novos níveis de controle a projetos de modelagem desenvolvidos com o Blender, principalmente nos casos em que o tema do projeto é a modelagem com precisão muito comum em visualização para arquitetura, mecânica e topografia.