Download gratuito de apartamento mobiliado

Com o preço dos imóveis no Brasil beirando a estratosfera, seria muito interessante poder fazer o download de um apartamento mobiliado e conseguir efetivamente morar nele. Mas, o objetivo desse artigo é indicar o download do modelo 3d produzido por um web site chamado NVus Designs que realizou um concurso entre os seus leitores, e na época esse mesmo modelo 3d foi oferecido como base para realização de alterações na estrutura visual do apartamento. Por exemplo, os usuários podiam adicionar e remover mobiliário livremente e apresentar as suas próprias versões do espaço.

O concurso já foi encerrado e agora os organizadores permitem o download do modelo 3d usado na iniciativa para fins de estudo e até mesmo análise da configuração geral usada no arquivo.

Download gratuito de apartamento mobiliado

Download gratuito de apartamento mobiliado

O arquivo inicialmente foi criado usando o 3dsmax e a iluminação ajustada integralmente com o V-Ray, mas é possível copiar o modelo 3d em vários formatos diferentes. No web site da NVus Design podemos escolher os seguintes formatos para copiar os arquivos:

  • MAX
  • OBJ
  • 3DS
  • FBX

Para fins de compatibilidade a melhor opção é sem dúvida o OBJ que pode ser aberto ou importado em praticamente qualquer software 3d. Os usuários do 3dsmax devem evidentemente preferir usar o seu formato nativo, pois o mesmo já está pré-configurado para o V-Ray. Claro que você precisa ter o V-Ray instalado para aproveitar os recursos completos do arquivo.

Esse tipo de recurso é muito interessante para artistas que desejam praticar suas habilidades em iluminação e render para arquitetura, mas não gostariam de criar modelos 3d próprios para esse tipo de propósito. Então, é perfeitamente possível fazer o download de um desses modelos e no seu software 3d preferido ajustar a iluminação, materiais e renderizar o projeto.

Por exemplo, é perfeitamente possível aproveitar esse arquivo para renderizar a cena no Blender Cycles que é gratuito. É só escolher o formato OBJ para importar o modelo 3d para o Blender.

A renderização não é tudo que podemos aprender com esse recurso, pois você deve analisar também a maneira como o arquivo foi construído para tentar melhorar as suas habilidades relacionadas com modelagem 3d para arquitetura.

Já mencionei que o download é gratuito?

Aprendendo a trabalhar com modelagem para arquitetura

Quer aprender a criar modelos 3d como esses? No EAD – Allan Brito existem diversos cursos relacionados com arquitetura que ajudam no entendimento sobre como você pode trabalhar com esse tipo de modelagem:

Tutorial Blender: Usando o Make links

O Blender é repleto de recursos e ferramentas que algumas vezes passam batidos até mesmo por usuários mais experientes. Na semana passada estava conversando com um usuário do Blender bem experiente e fiquei surpreso quando descobri que ele não conhecia a opção Make links do Blender. Esse é o tipo de recurso que ajuda na cópia de propriedades entre objetos, seja por meio de materiais ou até mesmo dados sobre animação. Para acionar o recurso basta usar a tecla CTRL+L no modo de edição que o painel de opções do Make Links aparece.

Para mostrar o funcionamento do recurso, e demonstrar como você pode literalmente trapacear na construção de uma cena no Blender resolvi montar um pequeno tutorial em vídeo.

O recurso funciona muito bem na versões mais recentes do Blender, e para o vídeo utilizei a versão 2.64a do Blender. Se você gostou do vídeo, o que acha de avaliar o mesmo?

Com essa ferramenta podemos realizar tarefas que até então pareciam impossíveis de serem realizadas como a aplicação do material de um determinado objeto em vários outros. Para isso é só selecionar todos os objetos e manter como último da seleção o objeto que deve ter o material replicado. Em projetos com grandes quantidades de objetos esse tipo de recurso ajuda muito nos ajustes do ambiente e configuração dos materiais.

Mas, os materiais são apenas uma parte do que podemos fazer com o Make Links, pois é possível aproveitar a ferramenta para copiar coisas como:

  • Dados de objetos
  • Animações
  • Modificadores

A cópia de modificadores é algo simplesmente fantástico, pois podemos fazer a cópia de todos os modificadores aplicados em um determinado objeto já com os parâmetros e valores preenchidos. Então, agora você já sabe como fazer para propagar essas propriedades em múltiplos objetos em uma cena no Blender. Isso é praticamente uma trapaça, como menciono no vídeo.

Você só precisa tomar cuidado com a edição das propriedades copiadas, pois ao alterar o objeto base usado para a cópia, todos os outros objetos na cena são alterados também. Isso acontece pelo fato de existirem links entre as propriedades. No vídeo é apresentado o método para isolar as propriedades de um objeto, para que seja possível editar os mesmos de maneira individual depois de realizar o “Make Links”.

Por que o Google vendeu o SketchUp?

Algumas semanas atrás publiquei uma notícia relacionada a venda do SketchUp por parte do Google para a Trimbre. O anúncio pegou várias pessoas de surpresa, e deixou no ar várias dúvidas sobre o futuro do SketchUp e se a Timbre iria seguir a mesma política do Google, mantendo a versão gratuita acessível para a maioria dos usuários, e deixando apenas os recursos mais avançados (úteis) para a versão Pro que é paga. Enquanto a isso, a equipe do SketchUp deixou bem claro que a intenção é permanecer com a mesma política.

Mas, qual o real motivo para que o Google queira se “livrar” do SketchUp? A ferramenta em si nunca deve ter sido encarada como prioridade dentro das divisões de engenharia do Google, pois a sua utilidade era a de alimentar o Google Earth com modelos 3d como forma de viabilizar os recursos e ambiente da plataforma de mapas do Google. O seu foco nunca foi, pelo menos aparentemente, o mercado de visualização para arquitetura ou mesmo o envolvimento com desenvolvimento de projetos. Isso foi herdado do SketchUp quando o mesmo foi comprado pelo Google.

Mas, por que o Google não precisa mais do SketchUp? Na semana passada, durante o evento que mostrou as novidades da divisão de mapas do Google, pudemos conhecer uma amostra da tecnologia que deixou o SketchUp obsoleto para o Google. Nessa palestra a equipe apresentou uma tecnologia que utiliza imagens em diferentes ângulos, tiradas por fotos aéreas para gerar imagens 3d. Sim, a tecnologia é muito interessante do ponto de vista da geração desses mapas em 3d, mas rebaixou a utilidade do SketchUp dentro do ecossistema para o qual ele havia sido selecionado.

SketchUp-mapas.jpg

Isso pode ser encarado como algo negativo para a comunidade de usuários do SketchUp, mas acredito que é exatamente o oposto. A Timbre é especializada em softwares na área de construção civil e BIM, o que deve direcionar o foco no desenvolvimento do SketchUp para esse mercado, e angariar avanços concretos na direção de melhorias para arquitetos, engenheiros, designer e todos que utilizam a ferramenta para gerar modelos 3d.

Agradeço ao leitor Paulo Dom, pela dica para o link do artigo da WorldCAD Access sobre esse assunto.

Placas profissionais para render em computação gráfica

O uso de placas de vídeo profissionais como opção para trabalhar com renderização para 3d sempre gera dúvidas entre usuários e artistas de ferramentas como Blender, 3ds Max, Maya e outros. Será que uma placa dessa realmente faz a diferença? A NVidia tem uma linha de placas profissionais de alto desempenho chamadas Tesla que são incrivelmente caras demandam um investimento significativo por parte do usuário para que possa ser usada em projetos. O preço de mercado dessas placas Tesla gira em torno de 2200 dólares nos EUA, e aqui no Brasil você encontra pelo equivalente a um rim no mercado negro R$ 6.000,00 ou mais. Esse é o preço só da placa de vídeo!

Mas, será que vale a pena? A equipe do Instituto Blender está para responder a esse questionamento, pois a NVidia fez a doação de duas placas Tesla para serem usadas no projeto. Portanto, a equipe poderá utilizar na renderização do projeto Mango o que existe de mais moderno e veloz em termos de GPU. Nesse quesito, é preciso fazer uma observação em relação a velocidade das placas. Pelo que foi apresentado em testes preliminares com o uso das placas, o render foi um pouco mais lento do que o realizado com opções similares e mais baratas.

O vídeo abaixo mostra um pouco dos testes realizados pela equipe usando as placas Tesla.

Eu mesmo já tinha visto isso em diversos testes e comparações realizadas entre placas Quadro e Tesla com opções de render baseadas em GeForces. Qual a vantagem de usar esse tipo de placa então? Uma das diferenças práticas das placas Tesla e Quadro consiste na quantidade de memória disponível para cada uma dessas placas. Essas placas Tesla mesmo possuem cada uma 6GB de memória. E para renderizar uma cena pela GPU, é preciso armazenar toda a cena com as texturas nessa memória. As placas do tipo GeForce não possuem toda essa quantidade de memória, o que limita um pouco o seu uso em grandes projetos.

As placas destinadas a jogos podem até ser mais rápidas em alguma situações, mas quando for necessário trabalhar com esse tipo de hardware para grandes projetos a coisa pode ficar bem limitada. E quando o objetivo é criar animações com cenários elaborados e qualidade, é muito fácil extrapolar os limites de armazenamento desse tipo de placa.

Dica de curta-metragem: The Gift

Depois desse final de semana comemorativo, entramos na última semana do ano! E após uma semana extremamente atribulada com os semestres das Faculdades/Universidades terminando juntos, acabaram me afastando do blog e das comemorações natalinas. Mesmo assim, espero que todos os leitores e amigos tenham tido um excelente natal e que o próximo ano seja muito melhor do que esse que está acabando. Mas, esse artigo não é direcionado as felicitações de final de ano, mas sim a recomendação de um curta metragem produzido como parte de uma campanha comercial da Philips para uma nova linha de TVs.

A recomendação do curta metragem se dá pela excelente qualidade do material produzido, e que só fui conhecer alguns dias atrás. Na verdade o projeto já existe desde 2010.

Essa é a animação:

O material é de excelente qualidade e considerando que o seu orçamento não é igual aos das grandes produções comerciais, a produção com mais de quatro minutos de duração ficou muito boa. Só quem já tentou produzir alguma coisa semelhante as animações do The Gift sabe o quanto é complicado criar esse tipo de material, tanto no que se refere ao tempo de produção e aos recursos de hardware necessários para renderizar e finalizar material realista em 3d.

Se você tem como meta no próximo ano a criação de um curta em animação, ou mesmo pretende se especializar nessa área, recomendo começar com a parte de produção voltada para concepção da história. É muito importante evitar o improsivo e ter tudo planejado nos mínimos detalhes. Em produções para TV, Cinema e animação a palavra improviso está associada diretamente a prejuízo, tanto na parte criativa como na financeira.

Por isso, muito do tempo de produção de uma animação ou filme como esse é gasto em planejamento e na validação da história, antes de passar para a parte de produção real do 3d. Assim é possível antecipar problemas, e até mesmo fazer cortes na história para facilitar a produção e otimizar o orçamento. Quase sempre as histórias só podem ser contadas quando os requisitos técnicos, artísticos e financeiros são equilibrados. Pode parecer uma afronta, podar um trabalho com características artísticas com base em dinheiro, mas se isso não for feito, a produção não será sustentável.

Espero que o curta sirva de inspiração para que você comece a semana, e formule os seus planos para o próximo ano.