Lagoa Multiphysics promete simulações realistas no Softimage

A animação usando simulações físicas sempre delegada para plugins ou softwares especializados devido a sua complexidade e competência em resolver problemas complexos, que seriam incrivelmente trabalhosos de criar usando apenas técnicas tradicionais de animação. Esse sempre foi o legado dos plugins que a cada dia ficam mais sofisticados. O 3dsmax é uma das ferramentas que apresenta a maior quantidade de plugins para esse tipo de animação com destaque para Fume FX e o Krakatoa que permitem criar animações complexas e com grande apelo visual. Outro sistema que oferece grandes possibilidades para a simulação física em animação é o Softimage com o seu incrível e poderoso sistema ICE.

Um sistema de simulação física para o Softimage que usa o ICE foi apresentado essa semana e deixou muita gente de queixo caído. A qualidade e complexidade das animações, sem mencionar a variedade de simulações, acaba transformando esse software em um dos mais promissores na área de efeitos baseados em física. O seu nome é Lagoa Multiphysics e uma demo em vídeo mostra em imagens o que acabei de descrever com palavras:

Lagoa Multiphysics 1.0 – Teaser from Thiago Costa on Vimeo.

O software ainda não está disponível para download ou sequer foi lançado, mas podemos acompanhar recursos avançados como materiais granulados com diferentes índices de fricção, fluidos com densidades variadas, estruturas elásticas e muito mais.

Mas, afinal o que é esse ICE? Para quem não está acostumado a usar o Softimage a plataforma ICE (Acrônimo para Interactive Creative Environment) é uma plataforma que permite expandir o Softimage usando nada mais que uma estrutura de nós. É a tendência de todos das suítes de computação gráfica 3d oferecer esse tipo de sistema, pois ele permite criar sistemas complexos e escalonáveis para projetos de animação e visualização.

Mesmo sem a popularização do Softimage aqui no Brasil a plataforma ICE é muito bem conceituada entre artistas especializados em efeitos especiais, e principalmente no mercado publicitário pela sua flexibilidade.

O autor do Lagoa Multiphysics se chama Thiago Costa e mesmo sem maiores informações sobre o sistema no seu web site pessoal, lá é possível conferir vários dos seus trabalhos usando o Softimage ICE. É uma excelente fonte de informações para usuários do Softimage e também para quem estuda a produção de animações 3d.

Efeitos avançados com partículas no FumeFX e 3ds Max

O uso de ferramentas especializadas e plugins para trabalhar com partículas e efeitos especiais é quase um padrão na indústria da animação, pois a quantidade de parâmetros e opções unida à complexidade desses efeitos faz deles o pesadelo de qualquer projeto. É graças a esse tipo de complexidade que ferramentas como o FumeFX e o Krakatoa para o 3ds Max, e outros que se integram em softwares 3d variados fazem tanto sucesso. Essas ferramentas aliadas a bons materiais podem resolver da maneira extremamente rápida problemas e animações usando partículas, fluidos e explosões.

Mas, explodir uma coisa é até relativamente simples e rápido de conseguir com poucos parâmetros. Se o objetivo for agregar elementos dispersos pelo cenário, em algo semelhante a um vortex ou redemoinho a coisa já complica. Até mesmo com o poderoso FumeFX a solução para esse tipo de problema reside no uso de um pequeno script em MAXScript que consegue realizar o efeito de maneira até simples.

O script realiza a animação exibida abaixo:

Esse tipo de animação é perfeita para vídeos relacionados com material científico ou mesmo para representar gases sendo sugados. O script para 3ds Max e FumeFX pode ser copiado de maneira gratuita nesse endereço.

O FumeFX é uma das ferramentas mais usadas em termos de efeitos com partículas e fluidos para o 3ds Max, pois a versatilidade e qualidade das suas animações é realmente de impressionar. Para quem nunca trabalhou com a ferramenta ou teve a oportunidade de conhecer o seu funcionamento, o vídeo abaixo demonstra de maneira breve alguns dos possíveis efeitos que podem ser criados com o FumeFX e os principais parâmetros.

Para completar o artigo e aprender um pouco mais ainda sobre animação com o 3ds Max e o FumeFX, o próximo vídeo mostra como é possível criar o efeito de fumaça gerada pelo atrito de um pneu girando em altas rotações. Esse tipo de efeito é bem comum em animações ou produções envolvendo carros, e pode ser reproduzido até com facilidade com o FumeFX.

Além de aprender o processo de integração entre as ferramentas o autor do vídeo ainda demonstra o processo de animação e ajuste na animação de rotação dos objetos.

Concurso promove uso de efeitos especiais em 3D

A participação em eventos como concursos é uma excelente oportunidade de colocar em prática os seus conhecimentos em alguma área, principalmente voltada para a criação como a computação gráfica 3D. Com o advento e popularização dos softwares especializados em efeitos visuais e físicos, a dificuldade e qualidade dos concursos avança significativamente. Nos fóruns do CG Talk é possível encontrar diversos pequenos concursos para diversas áreas, sendo que uma delas é a de efeitos especiais. A idéia é bem simples, e envolve a criação de efeitos especiais seguindo algumas regras simples e modelos 3d disponibilizados pelos artistas do próprio fórum.

Para os que gostariam de aprender um pouco mais sobre esse tipo de produção em 3d, felizmente alguns dos artistas envolvidos publicam um ótimo “making of” com os passos necessários para criar o material em 3d. Veja esse exemplo de um artista 3d que criou uma cena de inundação com fluidos e outros elementos como partículas, resultando em efeitos relativamente complexos de animação. O resultado final pode ser conferido no vídeo abaixo:

FxWars Lighthouse & the wave Challenge from pixelpro on Vimeo.

Todos os modelos 3d existentes nessa cena podem ser copiados de maneira gratuita nesse endereço no CG Talk, mas apesar de serem gratuitos para download, os modelos não podem ser usados em projetos comerciais e devem ter os créditos associados a cada um dos respectivos autores. Os nomes estão na mesma página de downloads. Os modelos em si estão salvos no formato OBJ que pode ser importado por praticamente qualquer software em 3d, para deixar a participação nos desafios de efeitos mais democrática.

Para criar o vídeo acima foi necessário usar um verdadeiro arsenal de softwares especializados em efeitos:

  • 3ds Max
  • Krakatoa
  • FumeFX
  • VRay
  • After Effects

A parte do 3d e render foi feita no 3ds Max integrando todos os elementos expertos, ficando o fechamento do vídeo e a composição de todas as camadas de render com o After Effects.

O artista que produziu essa animação em particular tem bastante experinência com esse tipo de efeito, para comprovar isso é necessário apenas uma visita a sua página de vídeos no Vimeo.

HD glu3D + Reactor Simulation Integration from pixelpro on Vimeo.

Para tentar fazer algo semelhante é só fazer o download dos modelos 3d. Se você quiser acompanhar outros desafios e mini-concursos visite essa página do CG Talk.

Curta-metragem mostra invasão alienígena em Montevideo

O estado atual das tecnologias e equipamentos de informática para computação gráfica, permitem que qualquer artista ou estúdio com habilidade técnica e um pequeno investimento, pelo menos em hardware, possa criar curtas ou vídeo de qualidade cinematográfica. Sempre digo isso aos meus alunos nas aulas sobre animação e efeitos, o que separa os grandes estúdios dos pequenos é a disponibilidade de equipamentos para renderização de efeitos complexos e grandes formatos. Os softwares e técnicas usadas por esses estúdios, tirando alguns sistemas dedicados como o Flame ou Inferno, podem rodar em qualquer computador.

Um grupo de artistas uruguaios mostra muito bem que com habilidade artística e aplicando as técnicas corretas é possível criar efeitos compatíveis com os melhores filmes. Eles produziram um curta-metragem que mescla atores reais e modelos 3d baseados em computação gráfica para mostrar a invasão de Montevideo por robôs gigantes e naves. A qualidade da animação e dos efeitos é excelente e não deve nada na qualidade. Esse é o vídeo:

Agora a pergunta que você deve estar se fazendo agora; quais softwares foram usados para a produção? A base para a produção foi o 3ds Max. Ele foi usado para fazer a modelagem 3d de todos os objetos e configurar as animações. Mas, assim como acontece em projetos mais complexos como esse, principalmente quando é necessário mesclar elementos gravados em vídeo com objetos virtuais.

Os artistas usaram além do 3ds Max o FumeFX, Glu3D e o Boujou.

O Boujou é fundamental nesse tipo de projeto, pois ele é uma ferramenta especializada e sofisticada para fazer câmera match e tracking, fazendo o trabalho de mesclar o material gravado em vídeo com os robôs em 3d fácil e rápido. O software é até mais caro que o 3ds Max, mas o resultado final e a velocidade na pós-produção compensam o investimento. O FumeFX foi o responsável pela criação dos efeitos de fumaça e explosões na animação, já comentei sobre esse plugin para o 3ds Max aqui no blog várias vezes. O Glu3D é um outro plugin para o 3ds Max, mas especializado na simulação de elementos com dinâmica de fluidos.

Apesar de não ser um tutorial, o vídeo é uma excelente demonstração de como é possível criar material de qualidade com o conhecimento certo e investimento em hardware. O estúdio responsável pela animação se chama Aparato, no web site deles é possível encontrar mais material desenvolvido para o mercado publicitário.

Criando nuvens e fumaça no Blender 3D 2.50 para cenários digitais

Um dos recursos que deve ser adicionado no Blender 2.50 é a possibilidade de trabalhar com materiais especializados em criar volumetria. Esse tipo de material associado a elementos como texturas e partículas, pode ajudar muito no design de cenários e efeitos atmosféricos. Essa semana mesmo aqui no blog, comentei sobre o uso de plugins especializados no 3ds Max para fazer esse tipo de simulação de maneira realista, o artigo mencionava o plugin FumeFX. O Blender 3D já deve adicionar a sua já extensa gama de opções a possibilidade de trabalhar nativamente com volumetria.

Se você quiser aprender a criar volumes como nuvens e fogo usando as partículas do Blender 3d, existe um tutorial muito interessante e didático sobre o uso de materiais com a opção volume habilitado para criar efeitos. O vídeo não está com uma qualidade boa, mas é possível acompanhar o processo de configuração. Para tentar reproduzir o efeito, é necessário fazer o download de uma versão experimental do Blender 3d 2.50 no graphicall.org ou compilar a sua própria versão.

Blender 2.5 Point Density Volumetrics Tutorial from Nick Keeline on Vimeo.

A primeira parte do tutorial é destinada a configurar os objetos que devem representar à fumaça, nesse caso um sistema de partículas. O modelo 3d criado pelo autor do tutorial tem como objetivo criar uma grande superfície com bom nível de subdivisão e vértices para emitir partículas.

Repare que existe um cubo ao redor do sistema de partículas, que deve interagir com as partículas. Depois que as partículas estão criadas, o material criado no vídeo é associado ao cubo. No material é preciso acionar a opção Volume e adicionar um conjunto de texturas para que o efeito seja realizado. São várias texturas usadas para atribuir o efeito de volumetria. Aquela última textura que não está muito clara no vídeo se chama “Point Density”, na qual é preciso atribuir um sistema de partículas.

O último passo é criar um plano na parte inferior do cenário que deve possuir um material habilitado a receber sombras baseadas em transparência. O primeiro teste de render feito no vídeo não é muito bom, mas com alguns ajustes e a exclusão dos emissores das partículas do render final o efeito é muito bom.