Tutorial Blender 2.5: Modelando uma AK-47

Hoje é o dia em que muitas pessoas retornam das festas e comemorações do final do ano, e aqui no blog não foi diferente. Como você deve ter percebido, acabei fazendo uma pausa nos últimos dias para me desligar um pouco da internet. Mas, foi apenas uma pausa breve e já retornei as atividades normais! Que tal retornar já com um tutorial de modelagem 3d com o Blender? Esse vídeo que recomendo nesse artigo já estava marcado para publicação desde a metade de dezembro, mas não tardou por aparecer aqui no blog, pois ele é muito bom!

O vídeo mostra a criação de uma arma do tipo AK-47 usando o Blender 2.5, que pode ajudar muitos artistas em projetos de animação que envolve esse tipo de contexto militar ou que necessite de armas, ou mesmo criadores de jogos digitais. Na parte de jogos o tutorial ajudará a criar modelos da própria arma e também modelos derivados que podem ser adaptados para outros formatos.

AK-47 Tutorial from Greg Zaal on Vimeo.

No vídeo o autor faz uso de uma das técnicas mais simples de modelagem que é a baseada em subdivisão e modificação de polígonos. Esse tipo de processo de modelagem apresenta a vantagem de não demandar conhecimentos avançados sobre a topologia do objeto, pois podemos ir deformando aos poucos as primitivas geométricas do próprio software, que nesse caso é o Blender, até chegar na forma desejada.

A beleza desse tipo de processo para modelagem é que as técnicas podem ser aproveitadas até por usuários de outros softwares 3d. Isso mesmo, seja você usuário do 3dsmax ou Maya, o processo de modelagem pode ser reproduzido sem maiores problemas. Diferente de técnicas mais sofisticadas como o NURBS que depende muito da quantidade e qualidade das opções de modelagem disponíveis no software.

A modelagem é realizada de maneira completa no vídeo, inclusive com a adição de texturas ao modelo da arma já concluído! O vídeo é recomendado para todos os usuários do Blender, especialmente os que estão fazendo a migração para o Blender 2.5, pois o autor do vídeo faz uso de diversas ferramentas ao longo do vídeo. Apesar de ser narrado em inglês, podemos acompanhar muito bem o processo de modelagem visualmente.

Guia de modelagem 3d para criar arestas suavizadas com subdivisão

A modelagem por subdivisão é sem sombra de dúvidas a técnica mais usada para criar modelos 3d na maioria dos softwares, mesmo que seja usada uma das suas derivações como o edge modeling que usa como base a modificação de arestas ao invés das primitivas geométricas. Entre os diversos desafios enfrentados pelos artistas 3d que adotam essa técnica, está a organização correta da topologia e o ajuste da suavidade das arestas. Por exemplo, ao modelar um objeto que precise aparecer no render bem próximo da câmera, o ideal é adicional uma pequena suavização nas arestas para evitar mostrar linhas muito perfeitas. No mundo real esse tipo de aresta perfeita não existe, denunciando a artificialidade do objeto na imagem.

As áreas que mais exigem esse tipo de controle são a modelagem mecânica e também a destinada à visualização de projetos para arquitetura. Mas, todos os projetos envolvendo pequenos detalhes nos modelos 3d inevitavelmente acabam aproveitando esse tipo de técnica.

Caso você nunca tenha feito experiências com esse tipo de modelagem em 3d, pode aproveitar as dicas existentes nessa discussão nos fóruns do web site chamado Polycount, especializado em modelagem 3d para jogos.

modelagem-3d-tecnica-subdivisao-tutorial.jpg

Esse é um tópico do fórum que está aberto desde 2008 e aborda exatamente esse tipo de modelagem 3d, com o controle sobre a suavidade das arestas. Para conseguir controlar a topologia dos modelos 3d nesse nível é preciso organizar o posicionamentos dos edge loops dos modelos de maneira a conseguir o efeito desejado. O que essa discussão no fórum proporciona é uma série de exemplos com a resolução desse tipo de problema.

O funcionamento é bem simples e consiste na apresentação de problemas de topologia por artistas 3d, que recebem dicas de outras pessoas para resolver o problema. Isso é feito de maneira generalista e sem direcionar a discussão para nenhum software em especial, o que faz o link muito útil para todos os artistas 3d, independente do software que você usa.

O material está em inglês, mas como o assunto é bem técnico o uso de tradutores automáticos acaba bagunçando o sentido das explicações. O lado positivo é que os diagramas e explicações ajudam mesmo que seja apenas com a observação dos exemplos apresentados.

Estudo de modelagem 3d: Comparação entre 3ds Max e Silo 3D

As comparações e diferenças entre as diversas ferramentas 3d existentes no mercado são tema freqüente em qualquer curso ou projeto que envolva treinamentos, principalmente com pessoas que ainda estão começando a ter contato com softwares 3d. Essa é uma das perguntas que mais recebo pelo formulário de contato aqui do blog também. Qual a resposta? Na verdade essa é uma pergunta que só pode ser respondida dentro de um contexto bem específico, em que vários aspectos como o escopo do projeto, recursos financeiros e tecnologias usadas devem entrar na fórmula. Em termos de recursos para modelagem, a grande maioria dos softwares está bem nivelada e os resultados não ficam muito diferentes para o usuário final. O que pode acontecer é apenas um ganho de desempenho em algumas ferramentas.

Para avaliar e comparar esse tipo de recurso entre duas ferramentas 3d bem diferentes, um artista 3d está desenvolvendo a modelagem de uma Ferrari Enzo usando o 3ds Max e o Silo 3D. O 3ds Max você já deve conhecer, mas o Silo 3D não é uma ferramenta muito famosa, em comparação com o 3ds Max. Ele é um software de modelagem por subdivisão dedicado apenas a tarefa de modelagem e configuração de texturas e materiais. O Silo 3D não apresenta nenhum tipo de recurso direcionado para animação.

O estudo comparativo entre as duas ferramentas ainda está em andamento, mas já resultou na criação de um vídeo que coloca a modelagem das primeiras partes do carro lado a lado. O vídeo abaixo mostra o Silo 3D na esquerda e o 3ds Max na direita.

A técnica de modelagem usada para criar as primeiras partes do carro é o Edge Modeling, em que os objetos são criados com base na transformação de arestas. Repare que o processo de modelagem em ambas as ferramentas 3d é bem parecido, sendo que a velocidade com que as transformações são aplicadas é um pouco mais eficiente no Silo 3D que no 3ds Max.

Qual a conclusão inicial? A princípio, apenas que ambos os softwares conseguem criar objetos complexos usando processos e ferramentas bem semelhantes. Se fossem adicionadas outras ferramentas 3d ao estudo, muito provavelmente o tempo de modelagem para cada uma das ferramentas seriam bem semelhante. Sem mencionar a seqüência de modelagem que também usaria os mesmos princípios e técnicas para gerar o modelo 3D.

Tutorial de Cinema 4D: Modelando um parafuso

Existem alguns objetos em particular que representam desafios de modelagem para as pessoas sem experiência com ferramentas 3d. Um desses objetos que é presença garantida em praticamente todas as aulas e cursos sobre modelagem 3d, independente do software ou ferramenta utilizada, é o parafuso. Por mais simples e corriqueiro que possa parecer, a morfologia desse objeto o deixa severamente complicado desenvolver uma seqüência de modelagem que represente da melhor maneira possível um objeto circular e inclinado ao mesmo tempo. Se você quiser conhecer o processo de modelagem desse objeto no Cinema 4D, o tutorial abaixo mostra muito bem a maneira, assim como as ferramentas necessárias, para criar um parafuso usando técnicas da modelagem por subdivisão.

O primeiro vídeo mostra o artista modelando a base do parafuso, que em minha opinião poderia ter sido feito de maneira bem mais simples, fazendo a seleção da parte inferior do objeto para depois com a ferramenta extrude, puxar as arestas já criadas em forma de cilindro. Se você assistir ao vídeo, vai perceber que o artista optou por criar os objetos de maneira independente, para depois fazer a união entre os dois. O método não está errado, pois o resultado final é exatamente o mesmo, mas como prática de modelagem essa fase poderia ser melhorada.

No segundo vídeo podemos acompanhar a criação do detalhe em espiral do parafuso que é a parte mais desafiadora, em termos de modelagem pela natureza do objeto. Nesse caso o autor do tutorial aproveitou que o Cinema 4D já apresenta um objeto com morfologia semelhante a uma mola, estruturada de forma helicoidal e adaptou a forma do modelo 3d ao longo do cilindro que forma a base do parafuso.

Para finalizar a parte de modelagem do projeto o autor ainda adiciona o sulco na parte superior do parafuso que serve de encaixe para a chave de fenda.

Mesmo senso um objeto tão simples, o parafuso ainda será por muito tempo um dos itens obrigatórios em qualquer curso ou programa educacional sobre modelagem 3d. É quase como o exemplo de modelagem usando loft no 3ds Max, em que a maioria dos cursos aborda a modelagem de uma chave de fenda como exemplo. Para a modelagem 3d misturando polígonos com curvas, usamos um parafuso. Se você nunca tentou criar um objeto assim, recomendo fazer um teste para descobrir que esse tipo de topologia é mais difícil de modelar do que parece.

Softimage XSI: Modelagem 3d básica com polígonos

Na época em que o Softimage XSI estava sendo lançado foi feita uma grande cobertura por parte da imprensa especializada em computação gráfica, devido a sua interface revolucionária para a época, que não mudou muito desde a sua versão 1.0. Mesmo sendo considerado um software de alto desempenho, o Softimage XSI ainda é indubitavelmente uma ferramenta muito parecida com qualquer software de modelagem, e podemos enquadrar nessa categoria opções como o Maya, 3ds Max, Cinema 4D, Blender 3D e outros. Na parte de modelagem poligonal, as opções e efeitos das diversas ferramentas sobre os elementos 3d são exatamente os mesmos.

Os tutoriais de modelagem 3d produzidos para o Softimage XSI são relativamente pobres em conteúdo e parece que a comunidade de usuários e artistas, não é tão ativa na produção de material educacional. Por isso, qualquer achado relacionado com o Softimage não deve ser ignorado, ainda mais quando o assunto é modelagem 3d básica, que pode ser o pontapé inicial com o software.

No tutorial abaixo, um artista 3d mostra as opções de modelagem 3d básicas com o Softimage, inclusive a parte de modificadores e ajustes para trabalhar com suavização de modelos 3d.

O vídeo é curto e usa a versão 6 do Softimage, mas ainda assim é interessante para conhecer a parte de modelagem do software. O objetivo do tutorial é simplesmente adicionar um cubo a cena, aplicando pequenos modificadores e transformações para elaborar algo mais complexo. Essa é a essência da modelagem por subdivisão, que é exatamente igual no Softimage. Uma coisa que chama a atenção no tutorial, basta prestar atenção na narração do vídeo, o autor usa extensivamente teclar de atalho no teclado para acionar comandos de modelagem. Por exemplo, as teclas com o sinal de mais e menos do teclado servem para adicionar e remover níveis de suavização do modelo 3d respectivamente.

Outro ponto interessante, e que foi questionado em artigos anteriores aqui no blog na área de comentários. Reparem que a princípio o modelo 3d gera uma superfície simétrica e bem arredondada na suavização. Mas, depois o autor questiona sobre a possibilidade de controlar mais o quão arredondadas são as bordas. Isso é controlado com a adição de Edge Loops nas laterais das arestas que precisam ter menos arredondamento. Isso funciona com base no raio dos objetos. Quando maior for a distância entre duas arestas paralelas, mais arredondada será a superfície. Por outro lado, quando menor for a distância entre as arestas, menos arredondada será a superfície.