Livros gratuitos sobre PBR no Substance Designer

Um termo muito comum em diversas bibliotecas e conteúdo relacionado com texturas é o chamado PBR. O que ele significa? A sigla identifica contéudo relacionado com o termo Physically-Based Rendering que identifica render baseado em física real.

Existem diversos softwares que suportam esse tipo de render não só para gerar imagens, mas até nos ajustes dos seus materiais com a possibilidade de usar mapas de texturas dedicados. Por exemplo, é possível usar mapas para luz visível e outro para reflexões.

Mas, como é que a criação de mapas PBR funciona?

Caso você esteja estudando e pretenda expandir seus conhecimentos na área, um livro gratuito pode ajudar no entemdimento dos materiais PBR.

Um artista técnico da Allegorithmic publicou em 2014 um livro que explica todo o conceito dos materiais PBR.

Ao longo dos últimos anos o material recebeu diversas atualizações e esta nesse momento, sendo vendido em cópias físicas no stand da Allegorithmic na GDC 2018 em São Francisco.

Mas, você sabia que é possível fazer o download do material em formato PDF de maneira gratuita? Isso é possível graças ao projeto Substance Academy da Allegorithmic.

Livro gratuitos PBR

Ambos os títulos estão disponíveis apenas em inglês.

Aqui estão os links para download:

Livro gratuito sobre PBR – Volume 1

Livro gratuito sobre PBR – Volume 2

Apesar de estarem em inglês apenas, é possível aproveitar o conteúdo mesmo que seja usando tradutores na web. Para quem está cursando uma graduação e precisa de material para embasar seus trabalhos acadêmicos, é uma fonte de informação muito valiosa.

No volume 1 você encontra uma descrição detalhada sobre como funcionam os materiais PBR e o processo necessário para criar esse tipo de shader. O segundo volume já aborda o funcionamento dos materiais PBR no Substance Designer, que pode ser uma ótima referência para quem deseja aprender essa ferramenta.

Já mencionei que os livros são gratuitos?

Aprendendo a usar materiais PBR

Quer aprender como funcionam esses materiais PBR na prática? No EAD – Allan Brito você encontra diversos cursos que abordam o uso desse tipo de conteúdo no Blender Cycles:

Curso básico gratuito de Blender 2.7 com apostila

É com muita satisfação que anuncio hoje a terceira atualização do curso mais antigo do EAD – Allan Brito, que é o curso básico gratuito de Blender que foi adaptado e atualizado para a versão 2.72 do software. O conteúdo do curso básico permaneceu o mesmo em relação à quantidade de aulas e o conteúdo principal, foram feitos ajustes na interface do Blender que agora são explicados no curso e também outros pequenos recursos adicionados no curso como um todo. Mas, não tem novidade alguma no curso? Claro que temos novidades, e que são o padrão dos futuros cursos e atualizações no EAD – Allan Brito. Agora os alunos dos cursos têm a disposição material em PDF ou EPUB para download. A opção de EPUB é para quem se interessar em ler o material em leitores digitais compatíveis com livros eletrônicos.

Curso Básico Gratuito de Blender 2.72

É possível dizer que são pequenas apostilas em PDF que acompanham os cursos, mas que servem mais como apoio para quem está assistindo cada aula. Por exemplo, o Blender é famoso por usar muitas teclas de atalho. Na apostila em PDF você encontra em destaque os principais atalhos usados na aula, além de dicas ou recursos extras para usar em cada aula. O arquivo está disponível na primeira aula do curso, e você pode aproveitar e imprimir a apostila para usar em conjunto com os vídeos.

Quer fazer o download da apostila agora mesmo? Os links para download são esses:

Os futuros cursos do EAD – Allan Brito também vão receber esse mesmo tipo de material, o que deve facilitar ainda mais o aprendizado dos participantes. Quer assistir as aulas em vídeo do curso básico de Blender? Basta se inscrever no curso! É gratuito!

A lista de aulas é a seguinte:

  • Aula 01: Interface do Blender
  • Aula 02: Navegação em 3d
  • Aula 03: Criação de objetos
  • Aula 04: Modos de trabalho
  • Aula 05: Materiais e texturas
  • Aula 06: Animação
  • Aula 07: Renderização no Blender

Todas as aulas do curso são oferecidas em vídeo! Caso existam recursos extras para download como modelos 3d, você encontra o material diretamente na descrição de cada aula.

Essa é a primeira atualização do EAD – Allan Brito em muito tempo, e será o início de muitos novos cursos no site. O próximo a receber atualização é o Curso de modelagem poligonal com Blender.

Revista Game Developer: Acervo completo para download

O desenvolvimento de jogos evoluiu de maneira impressionando nos últimos anos, acompanhando o próprio mercado de jogos que oferece mais flexibilidade e opções para os jogadores. Nos primórdios do mercado era muito complicado entrar na área de produção voltada para jogos, pois eram exigidos conhecimentos avançados em programação, lógica e principalmente a parte técnica relacionada ao ambiente em que o jogo seria executado. Hoje esses conhecimentos ainda são importantes, mas já podemos fazer uso de uma infinidade de ferramentas para ajudar ao longo do processo. Se você quiser adquirir um pouco mais de conhecimento na área de desenvolvimento de jogos, recomendo uma visita ao web site da revista Game Developer.

A revista não resistiu as mudanças no mercado editoral que está perdendo cada vez mais espaço, e encerrou as suas atividades em Julho de 2013. Mas, para a alegria póstuma dos desenvolvedores de jogos ou pessoas interessadas no assunto, a editora disponibilizou o acervo completo da revista Game Developer para download em formato eletrônico. Sim! Você pode fazer o download de todas as edições da revista que começou a ser editada em 1994. Esses quase 20 anos de publicações registram ao mesmo tempo a evolução do mercado de jogos, e também como o desenvolvimento desse tipo de mídia sofreu alterações ao longo dos anos.

Game developer

A edição que mais chamou a minha atenção, pelo menos até agora foi a primeira revista publicada em 1994. A revista Game Developer é interessante por apresentar um retrato fiel do mercado naquela época, em que o PlayStation ainda estava se preparando para a sua estréia, e o reinado do SNES estava no seu auge.

Para as pessoas que são um pouco mais jovens, os jogos retratados na revista podem parecer simplórios demais, até mesmo para os padrões usados em celulares de hoje, que já aceitam muito bem jogos em 3d. Naquela época o uso de 3d em jogos ainda era algo experimental, que estava para sofrer mudanças com o lançamento do PlayStation.

Gosta de jogos? Tem interesse em desenvolver jogos? Você precisa fazer o download das edições da revista Game Developer e guardar esse material, pois é ao mesmo tempo referência histórica e também fonte de informação.

Desenvolvendo jogos

Caso você queira se aventurar no mundo do desenvolvimento de jogos, recomendo uma visita ao EAD – Allan Brito para conferir alguns cursos que podem ser úteis no seu pontapé inicial no mercado:

Ferramentas para converter e manipular arquivos DWG, DXF e PLT

Os profissionais que trabalham com desenho técnico precisam de uma boa ferramenta de CAD, aliada a uma gama de opções para manipular e tratar arquivos no formato DWG. Até mesmo os artistas 3d que utilizam softwares como 3ds Max, Blender e outros para criar maquetes eletrônicas precisam ter uma boa base de conhecimentos e manipulação de arquivos desse tipo, pois boa parte dos projetos que recebemos é enviada em DWG ou DXF. É por isso que sempre tenho instalado no meu computador, mesmo que seja para uso esporádico, alguns softwares para edição e conversão de arquivos DWG ou DXF são essenciais!

Screenshot-IMG-DXF.png

Ferramentas para converter e manipular arquivos DWG, DXF e PLT

Certa vez um cliente em enviou os arquivos de um projeto para o qual eu deveria criar os modelos 3d, mas o mesmo só tinha o material no formato PLT. Para quem não sabe, esses arquivos são gerados com o objetivo de gerar a impressão de projetos em CAD. Mas, não são muito úteis caso os mesmos precisem ser usados como base para criar modelos 3d. Na época tive que fazer malabarismo para conseguir converter o arquivo PLT em DXF e importar para o software 3d, e usar o material como referência e acelerar a modelagem.

Se você quiser fazer o download gratuito de ferramentas para editar e manipular arquivos DWG, DXF e PLT e evitar esse tipo de surpresa, recomendo fazer uma visita ao web site da MSC Engenharia. Eles acabaram de lançar uma série de ferramentas que formam o MSConverter que devem interessar a muitos profissionais e estudantes. Os softwares podem ser testados de maneira gratuita por um período de 15 dias, e depois disso é necessário adquirir um serial para usar as ferramentas.

Conversão de arquivos DWG para PDF

A primeira opção permite converter arquivos do tipo DWG para PDF, que é uma excelente opção para enviar projetos de CAD para impressão. Assim você garante que o seu projeto não será acidentalmente alterado na impressão, ou pode enviar os arquivos para avaliação de clientes.

Conversão de arquivos PDF para PDF

O que fazer quando os arquivos de um projeto no formato DWG ou DXF são perdidos? Isso pode acontecer se um backup falhar, ou simplesmente o arquivo acabar se corrompendo. Se você tiver uma cópia em PDF, essa ferramenta consegue fazer o caminho reverso, e transforma um PDF em DWG!

Conversão de arquivos DWG para DXF e DXF para DWG

Essa opção é mais simples, mas ainda assim útil! Alguns softwares de CAD não suportam arquivos do tipo DWG, mas trabalham sem problemas com DXF. Essa outra ferramenta permite fazer a conversão de arquivos entre DWG e DXF ou de DXF para DWG.

Conversão de arquivos PLT para DWG

Esse é o software que eu gostaria de ter na época em que precisei converter um arquivo PLT para DWG, para recuperar um projeto. Com essa opção é possível recuperar os projetos antigos que você só tem em formato PLT, ou mesmo editar arquivos recebidos de outros profissionais!

Conversão de arquivos Imagem para DXF ou DWG

Agora, de todas as opções essa última é a mais interessante! A possibilidade de pegar um arquivo de imagem em JPG, BMP ou TGA e fazer a vetorização automática do conteúdo, para transformar em arquivos DWG é muito legal. Mesmo que você não tenha interesse nos outros softwares, recomendo testar essa ferramenta! As possibilidades são enormes! Já pensou fazer um croqui do seu projeto, e depois da passar por um scanner, converter tudo para um arquivo DWG já em formato vetorial? É o sonho de qualquer estudante de arquitetura ou engenharia!

Vetorização gratuita de arquivos na web

A vetorização de imagens é uma das tarefas mais corriqueiras no cotidiano de designers e artistas 3d também, pois muito do que precisamos modelar é proveniente de imagens em bitmap ou então fruto de brainstroms que resultam em rabiscos e esboços manuscritos. Isso gera muita demanda por vetorização em ferramentas como o Illustrator ou Inkscape, para posterior trabalho com curvas em softwares 3D. O procedimento para fazer isso é bem simples e envolve a digitalização de qualquer material e depois a importação da imagem para o software de ilustração. Algumas pessoas já trabalham direto com a ferramenta 3d, mas ainda acho mais produtivo usar um editor de vetores mais especializado.

Em algumas situações é possível usar softwares que já fazem a vetorização de maneira automatizada, rastreando as linhas nas imagens e convertendo as mesmas para formatos como SVG ou AI. Já pensou poder fazer isso usando um sistema gratuito de conversão na web? Ontem a tarde descobri um serviço chamado de Autotracer que permite o envio de arquivos do tipo Bitmap, com a promessa de conversão automática do material em formatos baseados em vetor como SVG, AI e até mesmo DXF.

toaster svg creation inkscape

Depois de fazer alguns testes aqui consegui sucesso em algumas conversões, mas outras resultaram em arquivos sem os vetores. Os problemas apareceram em arquivos no formato PNG e que não foram 100% convertidos em SVG. O mais interessante é que o SVG não está vazio, mas sem linhas visíveis. De resto, imagens escaneadas foram convertidas até de maneira satisfatória.

O que mais impressiona no serviço é que poder totalmente baseado na web, podemos até mesmo tirar uma foto com câmeras de celulares e enviar o material para o sistema. Em poucos minutos teremos o material já convertido e vetor e pronto para edições mais avançadas. Sim, esse sistema sofre do mesmo problema que a maioria das opções disponíveis para fazer vetorização: a perda da precisão.

O preço a pagar pela facilidade e velocidade, é o tempo necessário para fazer a revisão dos vetores. Se o objetivo for a modelagem 3d, a revisão se torna ainda mais importante. Como a criação de polígonos depende da maneira como as curvas são criadas, qualquer pequeno defeito pode fazer a diferença na criação da topologia.