Grama procedural para jogos 3d no Blender

A criação de cenários para jogos envolve muito planejamento e principalmente o uso otimizado de recursos, pois dependendo da tecnologia e técnica usada você pode limitar a execução do jogo como aplicativo apenas em um número limitado de equipamentos. Como a variedade de plataformas em que os jogos podem ser executados pode variar muito, precisamos fazer inúmeros testes de performance para verificar se a aplicação está sendo executada de maneira satisfatória até em computadores mais antigos. É por isso que sempre recomendo aos meus alunos, o uso racional de recursos mesmo se a engine suportar elementos como partículas e iluminação baseada em GPU.

Na composição de cenários precisamos ter ainda mais cuidado, pois como a representação de vegetação em 3d consome muitos recursos computacionais, uma pequena floresta acaba baixando a performance do seu jogo. Se você usa o Blender para criar seus jogos, recomendo visitar essa página no fórum Blenderartists para conhecer o sistema de grama procedural, que tem impacto mínimo na performance de jogos. O vídeo a seguir mostra um exemplo da aplicação desse sistema.

Como você pode perceber a representação da grama procedural é extremamente realista, e para usar o recurso você precisa apenas fazer o download do arquivo de exemplo que está disponível no fórum e importar para o seu projeto. O sistema não é perfeito e apresenta alguns pequenos problemas, principalmente em relação as folhas da grama que passam pela superfícies, mas é uma solução muito mais elegante do que simplesmente adicionar texturas de grama na superfície. E como tudo é procedural, a reprodução da grama sobre as superfícies é automática!

Já mencionei que esse é um recurso gratuito?

Criando jogos no Blender

Ainda não tem conhecimento sobre a produção de jogos? Recomendo visitar o EAD – Allan Brito para conferir os cursos relacionados com a criação de jogos:

Todos esses cursos ajudam você a criar jogos, seja no Blender ou Unity! Mas, antes de partir para a criação dos aplicativos, você deve ter atenção especial ao game design, e no curso e oficina de game design você aprende a documentar o seu projeto antes de começar a parte de produção.

Guia sobre expressões no After Effects

A criação de animações para o formato de vídeo envolve o uso de diversos tipos diferentes de gráficos e a capacidade de integrar diversos tipos diferentes de mídia dentro de um projeto dessa natureza. Nesse tipo de situação o After Effects é a opção mais usada para gerar animações e efeitos dentro de ambientes voltados para vídeo. Sempre que tenho a oportunidade de lecionar sobre o After Effects acabo passando um pouco sobre áreas um pouco mais avançadas do software, como é o caso do uso de expressões para gerar animações. Você sabia que é perfeitamente possível usar expressões no After Effects? Sim, pequenos scripts que ajudam a criar determinados tipos de animação.

As expressões são excelentes para criar animações automáticas e aproveitar características e propriedades entre camadas diferentes no After. Caso você nunca tenha usado expressões no software, recomendo a leitura de um pequeno guia que sempre passo para meus alunos em sala de aula, explicando em detalhes o funcionamento das expressões e passando vários exemplos.

A princípio o uso de expressões pode parecer um pouco assustador para pessoas que não tem o hábito de lidar com scripts. Isso é muito perceptivo quando abordo assuntos como o uso de Python com Blender, ou então ActionScript dentro do Flash. Mas, posso garantir que qualquer esforço dedicado a entender o funcionamento desse tipo de opção dentro do After Effects será de grande ajuda para incrementar os seus projetos.

No guia que recomendei é possível encontrar ilustrações e exemplos do uso de trigonometria e matemática aplicada as animações geradas no After Effects. Isso pode até assustar algumas pessoas, mas garanto que não é nada avançado, apenas a aplicação do que aprendemos no ensino médio.

Se você usa o After Effects ou gostaria de aprender como usar a ferramenta, é muito importante conferir o guia e também visitar o EAD – Allan Brito para se inscrever nos cursos sobre After Effects. Já existe um curso gratuito em andamento, e na próxima semana já devo lançar o próximo com assuntos um pouco mais avançados. Quem está só dedicando esforços em softwares 3d, recomendo expandir um pouco o seu leque de ferramentas, principalmente com opções voltadas para motion graphics.

Usando expressões para criar movimento no Adobe After Effects

O trabalho de composição em vídeo é muito complexo, principalmente quando a criação de uma animação envolve a integração entre imagens em movimento, com música e efeitos sonoros. A maioria dos artistas 3d não gosta de trabalhar com arquivos de áudio e até tem aversão aos softwares de edição. Nas minhas aulas de animação, um dos módulos do curso envolvia a edição e ajuste de arquivos de áudio para animação. A carga horária da disciplina era bem pequena, mas envolvia o ajuste de efeitos sonoros para animação.

Se o seu objetivo é trabalhar com motion design, você precisa dominar e adquirir experiência com a manipulação de arquivos de música.

Um tutorial muito interessante, mas um pouco antigo, mostra como deixar o processo de integração entre arquivos de áudio e vídeo, ainda mais automatizada. No After Effets é possível usar expressões, para criar efeitos personalizados na animação, de maneira muito parecida ao ActionScript do Flash. O tutorial está no web site da Adobe, e mostra o procedimento para criar um animação, que sob o controle de uma expressão, produz movimento sincronizados com um arquivo de áudio.

Add the "Offset" effect

Com isso, o artista pode se concentrar em elaborar os elementos visuais da sua cena, para que a integração e sincronia do arquivo de áudio seja totalmente automática.

Apesar de ser um pouco antigo, pois aborda o uso do After Effects 6, o tutorial mostra muito bem a integração das duas mídias e uma utilidade incontestável, para o conhecimento de algum tipo de linguagem de script por parte de artistas. Até na área de vídeo digital esse tipo de artifício pode ajudar na economia do tempo de produção de uma animação.

Caso você tenha se animado mesmo em aprender programação para a área gráfica, me permita fazer uma sugestão. Existe um sistema chamado Processing, que é destinado a artistas que queiram simular ambientes gráficos. Já falei sobre esse software aqui no Blog, em um artigo sobre o algoritmo do Ray Tracing.

Quer ver um exemplo do que é possível fazer com ele? Veja esse vídeo, que foi publicado essa semana no Vimeo:


Metamorphosis from Glenn Marshall on Vimeo.

Isso é tudo animação procedural, ou seja, o autor do vídeo transformou uma série de instruções matemáticas em animação.

Mesmo parecendo difícil, usar o Processing é bem mais fácil que aprender programação em C ou outras linguagens.