BLenses: Script para ajustar cenas virtuais com fotografias no Blender

Uma das tarefas mais complexas ou trabalhosas de se fazer com o Blender, quando estamos trabalhando com cenários reais é o ajuste de câmera, para poder inserir objetos virtuais em cenas reais. Por exemplo, quando temos uma fotografia e queremos inserir uma maquete eletrônica nessa foto, ou então objetos que estejam posicionados exatamente no plano principal da imagem. Esse tipo de tarefa é perfeitamente possível de ser executada, mas demandava certo trabalho para que o ajuste ficasse perfeito. Agora temos um script no Blender, chamado de BLenses que auxilia nessa tarefa!

BLens

Nota: Imagem gentilmente cedida por Chip Nyman

Esse script tenta simular no Blender, valores e propriedades de câmeras reais para que fique mais fácil simular os valores e propriedades das lentes. Assim o processo de ajuste fica muito mais fácil.

Devo confessar que ainda não tive oportunidade de colocar o Script em prática, mas depois de alguns testes á possível perceber que ele ajuda muito. Para instalar e usar o BLenses é necessário seguir algumas regras, que estão publicadas na documentação oficial, nesse mesmo endereço é possível fazer o download do Script.

  • O Script só funciona com uma câmera por vez. Para múltiplas câmeras, será necessário deixar a câmera ativa para que o Script possa fazer a manipulação. Selecione e a câmera e pressione CTRL+0.
  • Os arquivos do script devem ser posicionados nas pastas corretas, para que todas as opções estejam habilitadas.

Vejamos como instalar o Script, primeiro é necessário fazer o download do arquivo do BLenses. Depois, descompactamos os arquivos com extensão “.py” na pasta de scripts do Blender. Além desses dois arquivos, um terceiro arquivo com extensão cfg, deve ser copiado na pasta:

  • \Blender\.blender\scripts\bpydata\config

Esse arquivo armazena várias informações com configurações prontas de câmeras.

Agora vamos ao que interessa, como é que usamos o Script?

Primeiro precisamos abrir o Script que está localizado na janela de Scripts na pasta Wizards.

BLens - Acesso

Depois ajuste os valores para as propriedades da câmera. Se você trabalha com fotografia, os valores devem ser familiares. Assim que os valores forem ajustados, pressione o botão Calculate & Set FOV para que a câmera assuma os valores determinados.

BLens - Interface

Pronto! Agora a sua câmera exibe os valores corretos. Claro o uso do Script é mais complexo que isso, mas já será possível começar a trabalhar com ele, usando essa breve introdução. Sempre digo que é preciso entender um pouco de fotografia, para trabalhar com 3D. Isso ajuda no ajuste das cenas e também na configuração da iluminação, mas isso é outra história.

SU Podium: Renderização fotorealística para SketchUp

Qual a melhor opção para produzir imagens fotorealísticas com o SketchUp? Seria o V-Ray? Com certeza o V-Ray é a opção mais famosa e consolidada no mercado de computação gráfica. Mas para o SketchUp, existe um outro renderizador, exclusivo para a sua plataforma, que também não faz feito, e por um investimento muito menor. Esse renderizador se chama SU Podium, que pelas imagens exibidas na sua galeria, consegue fazer imagens com qualidade muito próxima ao V-Ray! Veja a diferença é gritante no preço também, uma licença do V-Ray custa quase oitocentos dólares, sendo que o SU Podium custa cento e oitenta dólares, produzindo praticamente os mesmos resultados.

SU Podium e SketchUp

Autor da imagem: Christ Haseldonckx

Para nós, usuários brasileiros, o SU Podium se mostra uma opção muito mais interessante que o V-Ray, devido à relação custo x benefício ser infinitamente melhor. Mas como é que ele funciona? Para ajudar aos usuários que tem interesse em aprender a usar essa incrível ferramenta, os desenvolvedores disponibilizaram uma série de tutoriais em vídeo no seu web site, mostrando vários aspectos do SU Podium. O acesso aos tutoriais é gratuito, então visite esse endereço e aproveite.

Essa é a lista com os assuntos abordados nos tutoriais:

  • Vídeo 1: Interface e controles básicos
  • Vídeo 2: Configurando a iluminação de uma cena interna
  • Vídeo 3: Configurando uma cena externa, com a fonte de iluminação sendo o sol
  • Vídeo 4: Opções necessárias para configurar luzes do tipo Omni
  • Vídeo 5: Renderização avançada com luzes do tipo Omni

Preste bastante atenção no primeiro vídeo, ele é que mostra os fundamentos necessários para usar a ferramenta.

Se você quiser testar o SU Podium, existe uma versão de testes disponível para download. Para minha grata surpresa o modelo de distribuição é no formato PLE, mas eles não chamam assim. Essa versão gratuita pode ser usada por tempo indeterminado, mas com algumas restrições.

A principal está no tamanho do render, que no máximo só pode gerar imagens com 500 por 500 pixels. O tamanho não é grande, mas para uma avaliação gratuita e por tempo indeterminado está ótimo!

Projeto Peach: Entrevista com Sacha, sobre a produção do Animatic

O projeto Peach está a todo vapor, mais e mais material está sendo publicado sobre o progresso do projeto, assim como imagens dos storyboards e animações. Além do material de arte, que está sendo publicado, os recursos solicitados pelos artistas, para a conclusão do projeto estão entre os sonhos de consumo dos artistas que usam Blender. Por exemplo, ferramentas para gerar paisagens com céu e nuvens realistas, opções para manipular grandes volumes de vegetação e outros. As opções para gerar pelo e cabelos também estão na lista.

Peach - Rodents

Semana passada foi publicada no blog do projeto Peach, uma entrevista feita por Campbell Barton com Sacha, um dos artistas/diretor envolvidos no projeto. O tema dessa entrevista era a produção dos animatics para o projeto. Assim como a importância dos animatics de maneira geral, eles mostram como estão sendo feitos os animatics para o projeto peach, claro que tudo no Blender, usando o seqüenciador de vídeo.

Assista ao vídeo, depois eu faço alguns comentários sobre o conteúdo:

[fusion_builder_container hundred_percent=”yes” overflow=”visible”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none”][youtube]http://www.youtube.com/watch?v=07FnYUAH9G0

Entrevista – Fazendo os animatics

No começo do vídeo, o Sacha comenta a importância dos animatics e como eles podem ajudar no desenvolvimento de uma animação. Ele comenta que a maior deficiência em relação ao storyboard, é que não podemos avaliar o timing da animação com ele. Assim o animatic acaba sendo uma ótima ferramenta para isso.

Como eles fazem? O processo é simples, logo depois que ele mostra como fazer um animatic com o seqüenciador de vídeo do Blender. Como eles têm uma grande quantidade de ilustrações, produzidas para o animatic, o processo fica simples, ele só importa a seqüência de imagens e monta as trilhas no seqüenciador.

No primeiro exemplo em que ele monta essa trilha, já é possível perceber que o timing da animação não ficou correto. Assim ele usa os comandos de edição do seqüenciador, para editar e ajustar o animatic. Assim os animadores podem se basear nesse tempo, para produzir as animações com maior eficiência e menos tempo de teste.

Assim que ele termina de explicar as vantagens em se usar animatics, uma pequena demonstração dos trechos prontos, do projeto que já somam 20 segundos! Calma, ele só mostra as trilhas no seqüenciador, o vídeo não estraga a surpresa.

Assista ao vídeo! Vale a pena.

[/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

Tutorial Photoshop: Efeitos avançados de Glow

Sempre que falo com professores que precisam ministrar aulas de Photoshop, eles comentam comigo que os alunos são ávidos pelas famosas receitas prontas, para criar aqueles efeitos pirotécnicos com o Photoshop. A quantidade e variedade são enormes, como seqüências de ações para criar efeitos de fogo, gelo, neve, chuva e outros. Alguns deles até perguntam como é possível chegar nesses efeitos? A resposta é simples, na base da tentativa e erro. Isso mesmo! Na maioria dos casos, esses efeitos são o resultado de horas de experimentação em frente ao computador.

Essa semana mais um desses efeitos me chamou a atenção, agora um muito útil já que ele pode ser usado para vários propósitos. Como por exemplo, o plano de fundo de uma apresentação ou vídeo produzido no after effects.

Esse efeito simula um efeito de Glow avançado, que resulta na imagem abaixo:

Tutorial Photoshop Glow

O tutorial está disponível nesse endereço, no total são aproximadamente 15 passos necessários para se conseguir esse efeito. Tudo envolve o uso correto de transparências e misturas de camadas. Veja uma pequena descrição dos principais passos:

  • O primeiro passo é criar um plano de fundo, com um gradiente alaranjado, que serve como base para o fundo.
  • Depois esse mesmo fundo deve ser duplicado, e nele aplicado uma mistura de camada do tipo Color Dodge.
  • Para compor o efeito é necessário um pouco de texturas. Então o tutorial orienta o usuário a criar uma imagem com o filtro de clouds. Configure as cores do efeito para que a texturas seja em escala de cinza. Depois precisamos transformar essa imagem com o filtro Chrome, assim a imagem lembrará algo parecido com um líquido.
  • O fundo da imagem está pronto, agora é necessário criar uma curva que será usada no efeito de glow. O desenho da curva é simples e não envolve nenhuma técnica especial.
  • Na camada da curva o tutorial orienta o artista a aplicar uma série de efeitos de mistura, como sombras, outer glow e color overlay. Esse conjunto de efeito dará o efeito final.

Além desses passos básicos, existem outros ajustes necessários até que se chegue ao resultado final. O importante é entender a seqüência, para quem sabe planejar algumas variações ou adaptações do efeito. Quem sabe algo parecido com o Gimp.

Se você quiser, existe um tutorial muito parecido com esse, voltado para o Gimp, nesse endereço.

Tutorial de introdução ao Maya

O que você acharia em fazer o download do Maya 8.5 PLE, para testar a ferramenta? Seria ótimo, aproveitar uma ferramenta como o Maya de maneira gratuita. O único problema é que ele não vem com um manual de instruções muito claro. Por isso muita gente acaba desistindo de estudar a ferramenta. Mas com um tutorial disponibilizado pelo pessoal do CG Arena, as coisas tendem a ficar mais fáceis. Eles elaboraram um vídeo, explicando as nuances e detalhes da interface do Maya, assim como os principais comandos e controles, para começar a utilizar a ferramenta.

Tutorial Introdução ao Maya

Como o material está em inglês, resolvi fazer um pequeno guia, explicando a seqüência do tutorial:

  • Viewport: O primeiro aspecto que o autor do tutorial aborda é a viewport e como é possível navegar em 3d nela. A tecla mais importante para fazer essa navegação é o ALT. Pressionando o ALT e usando os botões do mouse, podemos controlar a posição da câmera. O botão esquerdo gira a câmera, o do meio move a câmera e o botão direito aciona o zoom. Tudo isso em conjunto com o ALT.
  • Dividindo a tela: Depois que os comandos da Viewport foram explicados, o tutorial mostra como dividir a interface em 4 vistas. Assim como redimensionar as divisões. Um atalho muito importante apresentado nessa parte é a maximização de uma Viewport, que pode ser acionada com a barra de espaço.
  • Ferramentas: O próximo passo é explicar como funcionam as principais ferramentas de transformação do Maya. O autor aborda o uso do Mover, Girar e Escalonar. Os atalhos para as ferramentas são as seguintes (A semântica poderia ser melhor…):
    • Q: Selecionar
    • W: Mover
    • E: Girar
    • R: Escalonar
  • Menus de propriedades: Assim que os objetos de teste são criados, o tutorial aborda uma área na direita. Essa área abriga os menus com as propriedades numéricas. Para acessar o editor de atributos, pressione a tecla CTRL+A, para expandir o menu.
  • Menu de contexto: Clicando com o botão direito do mouse, podemos acionar um menu muito poderoso do Maya, parecido com o Quad menu do 3ds Max. Com esse menu é possível acionar várias opções de edição para o objeto de maneira rápida. Outro atalho útil para acionar esse menu, pressione e segure a barra de espaço.
  • Módulos: O Maya é segmentado em módulos, que dividem o tipo de edição que podemos fazer com a ferramenta. Por exemplo, existem módulos próprios para realizar modelagem e animação. Assim que um módulo é escolhido, as opções na interface se alteram, para que os controles fiquem contextualizados com o módulo escolhido. Para alterar os módulos, existe um menu na parte superior esquerda.

Com isso você já pode ter uma boa idéia, sobre como funciona a interface do Maya e os seus principais atalhos de navegação. Agora é só fazer o download do Maya PLE e começar a testar. Se você quiser fazer o download do vídeo, será necessário realizar um cadastro nos fóruns da CG Arena.