Cut and Paste: Competição de design usando computação gráfica ao vivo!

A participação em competições e concursos de idéias sempre é interessante para avaliar as suas capacidades e comparar o seu trabalho com outros artistas. Alguns desses concursos promovem a criação de material em tempo recorde, como o Fjorg! que é disputado na Siggraph, em que equipes de animação precisam criar em pouco tempo uma animação completa, na frente dos visitantes da feira. Se você já conhece o Fjorg! ou gostou do conceito de produção ao vivo, deve gostar também do Cut And Paste. Esse é um concurso organizado em várias cidades ao redor do mundo, infelizmente nenhuma delas na América Latina em que designer gráficos competem entre si, ao vivo e diante de uma platéia, criando imagens e peças publicitárias definidas pela organização e um deles é escolhido vencedor.

O grande diferencial do concurso é que os competidores precisam criar tudo na frente de uma platéia, que consegue visualizar os seus monitores projetados em áreas diferentes do ambiente em que o evento acontece. Então, você literalmente consegue visualizar as técnicas e procedimentos usados no processo de criação de cada artista usando o Photoshop, Illustrator ou qualquer outro software usado na produção.

Para ter uma idéia melhor de como funciona o concurso, o vídeo abaixo explica muito bem o conceito da competição e mostra algumas imagens do evento.

A parte interessante é que o Cut and Paste deve receber também instruções de design para material em 3D, o que é muito interessante para os artistas envolvidos com produção de material 3d. As regras para a parte 3D do concurso são bem rígidas! Por exemplo, a produção deve ser desenvolvida no evento partindo do zero e o tempo total que cada artista tem é de 40 minutos divididos em dois turnos de 20 minutos cada.

Caso você queira assistir a competição, mas está com problemas de agenda para viajar até as cidades em que os concursos acontecem, a boa notícia é que tudo será transmitido via webcast. Amanhã mesmo na parte da tarde, o evento que acontece em São Francisco na costa oeste americana será transmitido pela web.

Para saber mais sobre o concurso, regras, datas e cidades em que o evento acontece visite o web site do Cut And Paste. Os prêmios para os vencedores são bem interessantes e variam de licenças de softwares fornecidos por patrocinadores como Adobe, Autodesk e Apple como também hardware fornecido por Apple, Wacom e outros.

E você achava que o pessoal envolvido com design e computação gráfica não sabia se divertir! Isso sim é um ótimo programa para um sábado a tarde. Claro que seria muito melhor ao vivo!

Modelagem 3D no Houdini: Usando nós para aplicar booleans

Um software que tem aparecido de maneira relativamente freqüente em várias análises e comentários, como sendo uma alternativa poderosa aos softwares da Autodesk é o Houdini. Caso você nunca tenha usado o Houdini e quer saber o motivo que faz desse software uma opção tão poderosa para modelagem, animação e trabalhos envolvendo simulações físicas em 3d, encontrei um vídeo que mostra o procedimento para realizar uma operação extremamente simples em modelagem, que é a criação de objetos com base em operações Booleanas. As operações booleanas são aquelas que geram novos modelos com base em interações de união, interseção e subtração de sólidos.

A grande maioria dos softwares 3d tem esse tipo de operação, sendo uma opção rápida para elaborar modelos 3d com partes vazadas ou compostos por formas derivadas de primitivas geométricas. Em softwares como o 3ds Max e Blender 3D, esse tipo de operação é realizado com ferramentas semelhantes a modificadores. O Houdini é baseado em nós, para criar composições de objetos usando estruturas complexas. O vídeo mostra bem o procedimento:

Como você pode perceber, o autor do tutorial realizou uma operação simples usando nós para adicionar uma operação booleana em duas primitivas geométricas. Você pode estar se perguntando; mas o resultado não seria o mesmo que usar um modificador? A principio sim, mas não se esqueça que uma organização em modificadores é linear. A organização em nós permite que o artista possa derivar e adicionar misturas e desvios na modelagem, para criar objetos ainda mais complexos. As possibilidades de combinações nesse caso são praticamente ilimitadas.

Cada um dos nós existentes em uma composição de objetos, permite que as suas propriedades únicas sejam modificadas em um painal separado. No caso dos booleans, repare que o autor escolhe o tipo de operação na parte superior da interface, assim como altera os dados existentes das primitivas geométricas, como tamanho e divisões.

Na maioria dos softwares os sistemas de nós é usado apenas para compor efeitos, materiais e fazer pós-produção. No Houdini a maioria das operações pode ser controlada mediante o uso de nós. Se você quiser testar o Houdini, ele está disponível em uma versão no estilo PLE, em que é possível usar para fins educacionais o Houdini sem nenhum tipo de restrição as suas ferramentas, de maneira totalmente gratuita. Essa versão se chama Houdini Apprentice e pode ser copiada nesse endereço. Um aspecto interessante do software é que ele está disponível para Windows, Mac Os X e Linux.

Adobe Premiere CS4: Transcrição automática de áudio para texto

Devo confessar que pelas minhas experiências com edição de vídeo nos últimos meses tenho a tendência de indicar para todos que conheço o Final Cut da Apple ao invés do Premiere, mas ainda assim me impressiono com algumas das ferramentas disponíveis no software da Adobe. Uma das ferramentas mais interessantes lançadas junto da versão CS4 foi a possibilidade de trabalhar com a transcrição de áudio direto para texto. Essa é uma ferramenta fantástica, que já havia sido comentada aqui quando falei um pouco sobre o lançamento do Premiere CS4.

Com o lançamento do software já consolidado é possível encontrar algumas demonstrações e tutoriais que mostram em maiores detalhes o funcionamento da ferramenta, e ao que parece a sua eficácia é comprovada. O vídeo abaixo mostra a ferramenta de transcrição em ação organizando os vários clips de vídeo, com base nos textos comentados pelas pessoas entrevistadas nos mesmos.

O autor do vídeo mostra o uso da ferramenta para organizar e selecionar partes do vídeo, mas a parte da transcrição em si não é exibida no tutorial. Ainda acredito que são necessárias pequenas correções nos textos, e o áudio do vídeo precisa estar perfeito para que tudo funcione.

A tecnologia usada para conseguir esse tipo de resultado é muito interessante, pena que ao que parece não há suporte a narração em português, apenas em língua inglesa. Assim como é improvável o lançamento de uma versão do Premiere CS4 em nossa língua. Mas, ainda assim é interessante conhecer a ferramenta, pois esse é um tipo de tecnologia que em breve deve fazer parte de outros softwares.

Quem já trabalhou com edição de vídeos e montagem de clipes de áudio, sabe que a procura e pesquisa por trechos específicos de vídeo consome muito tempo, e requer uma quantidade infindável de anotações e softwares para criar marcações. Com o uso desse tipo de ferramenta, o texto convertido do vídeo se converte e metadata e pode ser usado como base para seleção de trechos e partes do vídeo.

Para os curiosos como eu, uma ótima fonte de informação é a documentação oficial do Adobe Premiere CS4 que comenta um pouco sobre a ferramenta. No help é possível encontrar algumas indicações do funcionamento da ferramenta, como a real necessidade do áudio estar limpo e sem interferências. Ainda é possível encontrar um comentário nos arquivos de help, que indica a existência de bibliotecas que reconhecem outras línguas além do inglês como espanhol. Mas, não há menção ao português.

Demonstração do processo de modelagem para paredes no Blender 3D

No próximo mês devo estar finalmente publicando um projeto que é adiado há quase um ano, o curso de renderização usando o Blender 3D e Indigo. Já faz um bom tempo que anunciei esse curso aqui no blog, mas ele nunca se concretizou devido aos diversos problemas técnicos com a hospedagem dos vídeos. O curso é todo baseado em vídeo e texto, sendo que a parte do vídeo estava me gerando muitas dores de cabeça. A hospedagem no servidor próprio não funciona, alguns usuários me reportaram problemas no carregamentos dos mesmos ou a incapacidade do player em começar a executar o vídeo. Fiz alguns testes com um sistema de armazenamento externo que se mostraram promissores, mas no final do ano passado um novo sistema foi lançado com o atrativo de oferecer os vídeos em 720p. Depois de um curto período de testes, avaliei o resultado que foi muito bom!

Agora já estou gravando o material do curso novamente em alta definição, para que a experiência com o material seja a melhor possível! Todos os vídeos existentes no curso devem ter resolução de 1280 por 720 pixels. Esse semana já estou com 60% do material já reconfigurado para a nova resolução.

Para ter uma idéia de como está sendo o desenvolvimento do curso, montei um vídeo no estilo timelapse em que usei o material da aula 03, sobre modelagem usando edge modeling para arquitetura, como forma de demonstrar a nova resolução. O tempo real do vídeo é de aproximadamente 19 minutos, mas aqui ele foi comprimido para aproximadamente 1 minuto e meio.

Essa é a técnica usada para a maior parte da modelagem, em que arestas são escolhidas e com as ferramentas de modelagem do Blender, os planos são organizados de maneira que o resultado final seja o modelo 3d desejado. Um aspecto interessante em relação ao vídeo, repare que o processo não é linear, pois em alguns momentos do vídeo o modelo 3d é desfeito para que a topologia seja reorganizada e os planos são criados usando outra técnica.

Como o vídeo acompanha uma narração em áudio, estou explicando nesses momentos os diversos problemas e caminhos que podem ser tomados na modelagem, assim com as conseqüências de cada decisão. A técnica escolhida para o curso é a mais apropriada, pois permite controle quase que total sobre os detalhes do modelo, muito necessários para um ambiente representando uma sala com detalhes no forro e nas paredes.

A música usada no vídeo foi retirada do ccmixter.org e está licenciada em creative commons, você pode encontrar o arquivo original aqui.

DoubleCAD XT: Alternativa ao AutoCAD gratuita para download

O AutoCAD é um software muito requisitado em qualquer tipo de trabalho que envolva desenho técnico, mas o custo da sua licença é impeditiva para a maioria dos estudantes e profissionais de CAD, que não tem disponibilidade ou recursos para investir uma soma considerável de dinheiro. Na última vez em que tive oportunidade de fazer um orçamento em licenças do AutoCAD a licença estava custando algo em torno de 4000 reais. Com isso, a maioria das pessoas parte para a busca de alternativas gratuitas, e hoje estou indicando mais uma dessas alternativas que foi lançada esse mês. O software se chama DoubleCAD XT e apresenta uma ótima gama de ferramentas, principalmente para as pessoas que já conhecem alguma coisa sobre o AutoCAD.

No web site da empresa responsável é possível encontrar algumas informações sobre o software, como o fato dele se comparar com o AutoCAD LT em termos de recursos. O software é distribuído como um Freeware, em que você pode até mesmo fazer uso comercial dos desenhos criados nele. Uma coisa que chama a atenção é que o software é a cara cuspida do AutoCAD 2008, com as interfaces e ferramentas sendo dispostas e organizadas de maneira muito semelhante ao AutoCAD, até mesmo os nomes são os mesmos.

Para demonstrar melhor o software, gravei um pequeno vídeo que mostra bem a interface e algumas das ferramentas do DoubleCAD XT. O vídeo está disponível em HD, basta visitar esse link para assistir ao vídeo em HD com melhor resolução de imagem.

Uma vantagem do software além da possibilidade de se adaptar a uma interface já conhecida é a possibilidade de abrir e salvar arquivos DWG no formato do AutoCAD 14 até o 2009. Isso mesmo, com o software é possível abrir e editar arquivos DWG do AutoCAD 2009.

Como é que um software como esse pode ser disponibilizado de maneira gratuita? A empresa que cuida do DoubleCAD oferece uma versão gratuita, que é essa indicada no artigo e outra chamada de PRO. A versão profissional, como eles chamam, apresenta algumas ferramentas extras como a possibilidade de usar desenho paramétrico e constraints na edição, assim como uma série de outros recursos de desenho mais avançados.

Caso você queira fazer o download do DoubleCAD XT, visite o endereço indicado e preencha os dados no formulário de download. A IMSI/Design requer que antes dos downloads do software os usuários preencham um formulário, com alguns dados. É necessário indicar um e-mail válido, pois é enviado para ele o número serial e a chave de ativação do software, mesmo ele sendo gratuito é preciso fazer isso. Se você não gosta desse tipo de procedimento, melhor nem tentar.

O software está disponível apenas para Windows, estou usando ele aqui no Mac OS X pelo VM Ware Fusion sem maiores problemas, mas ainda não tive tempo de fazer testes no linux para verificar se o mesmo funciona no Wine.