Projetos do Google Summer of Code 2012 com Blender

Um dos temas mais recorrentes aqui no Blog é o desenvolvimento do Blender como ferramenta principal de produção 3d para artistas dos mais diversos segmentos. E como no mês de Abril acabei precisando viajar e deixei passar alguns assuntos aqui no site, estou retomando o assunto agora para deixar os leitores que acompanham as notícias relacionadas ao Blender por dentro do que está acontecendo. O assunto hoje é o Google Summer of Code 2012 que teve diversos projetos para o Blender aprovados, e muitos deles já estão em andamento! Os projetos estão divididos em várias áreas abrangendo a modelagem 3d, efeitos, animação e usabilidade do Blender como um todo.

Quais foram os projetos aprovados? A lista abaixo mostra os respectivos títulos dos projetos aprovados para o Google Summer of Code 2012:

  1. Tool development
  2. FBX Importer
  3. “Developing of modeling Tools: Bevel Bridge Boolean.”
  4. Mesh smoothing based on curvature flow operator in a diffusion equation.
  5. OpenGL Mobile Compatibility and Android Port
  6. New tesselator + “nice triangles”
  7. Viewport FX
  8. User Interface Tasklist
  9. Precision Modeling Tools
  10. Smoke Simulator Improvements
  11. BGE Converter Improvements
  12. Multitouch Framework
  13. Improve COLLADA constrained animations and Morph animation support.
  14. Adding Subsurface Scattering to Cycles
  15. Bullet Integration
  16. Adapting the Hive system for the Blender Game Engine

Entre os diversos projetos que estão em andamento, podemos destacar o que provavelmente deve adicionar ferramentas para visualizar efeitos diretamente na 3D View, que tem como mentor ninguém menos que Ton Rooseendal. Os outros projetos são todos importantes, mas alguns devem beneficiar uma base maior de usuários como é o caso dos projetos que pretendem adicionar ferramentas melhoradas de modelagem com precisão, e implementar Sub Surface Scattering no Cycles.

Os projetos foram organizados em grupos que fazem referência a nomes de alimentos, seguindo a tradição dos projetos no Blender que utilizam nomes de frutas e leguminosas, agora temos os grupos identificados pelos nomes existentes no gráfico abaixo:

Gsoc2012branches-500.png

Portanto, se você quiser acompanhar o desenvolvimento das ferramentas descritas em cada grupo, basta procurar pelos nomes dos alimentos na identificação dos builds no graphicall.org

Eu particularmente ficarei observando com fome cuidado o build do grupo sushi. As ferramentas de modelagem poligonal devem ajudar bastante no uso do Blender.

Modelagem paramétrica para arquitetura no Blender

Os recursos para modelagem poligonal no Blender receberam uma excelente atualização com o lançamento da versão 2.63 e o B-Mesh. O sistema de representação de polígonos está muito mais poderoso e flexível do que antes, e a tendência agora é visualizarmos cada vez mais ferramentas sendo adicionadas ao Blender já que em teoria o B-Mesh permite também que novas ferramentas sejam incorporadas no sistema de modelagem poligonal do Blender de maneira muito mais fácil. Mas, ainda existe alguma coisa faltando no Blender para modelagem? Dependendo do campo em que você trabalha, podemos listar alguns recursos que fariam a diferença na criação de modelos 3d.

Por exemplo, as pessoas que trabalham com modelagem para arquitetura não iriam ficar chateadas se o Blender tivesse suporte a tecnologia BIM ou mesmo a simples modelagem paramétrica.

O uso de tecnologia BIM no Blender é algo muito difícil de acontecer, mesmo com o uso de Addons devido a complexidade desse tipo de implementação. Mas, a modelagem paramétrica já fica mais fácil de realizar! E um artista conseguiu criar exemplos bem interessantes de modelagem paramétrica para arquitetura usando o Blender.
Ele criou um Addon? Não! É tudo feito usando os Drivers do Blender. Caso você não conheça, os Drivers são ferramentas do Blender que permitem controlar valores numéricas e propriedades de objetos por meio de expressões ou pela simples posição (coordenadas) de outro objeto. O recurso é muito usado em animação para controlar parâmetros e valores de bones.

O vídeo abaixo mostra um exemplo direto da aplicação desse tipo de recurso para controlar a quantidade de degraus em uma escadaria:

E para deixar o exemplo ainda mais interessante, o exemplo apresentado no vídeo está disponível para download de maneira totalmente gratuita, sob uma licença Creative Commons.

Além desse exemplo existem outros que podem ser usados como referência para a criação de controles semelhantes. Mas, para conseguir criar alguma coisa parecida, você precisa conhecer o funcionamento dos drivers. O tutorial abaixo mostra um pouco do funcionamento dos drivers.

Cursos sobre animação 3d e modelagem para arquitetura

Agora, para realmente conhecer o funcionamento dos drivers em animação e a modelagem para arquitetura, você pode conferir os cursos de animação 3d com Blender e modelagem para arquitetura com Blender. Ambos os cursos são totalmente online e ensinam o que você precisa saber para reproduzir esse tipo de efeito no Blender.

Processo de modelagem de personagens: Hatsune Miku

O processo de criação de personagens virtuais que são gerados com base em conceitos derivados de figuras já existentes é relativamente simples de gerenciar, pois o artista acaba conseguindo manipular o processo de acordo com a evolução do design desse personagem. Como o design e morfologia do personagem usa uma referência, mas não necessariamente a cópia exata da estrutura, a coisa fica mais livre. E se o artista precisar reproduzir de maneira exata um personagem já existente? Nesse tipo de situação é necessário trabalhar de maneira mais rígida no processo de criação, pois um passo errado no estágio de planejamento, pode acarretar em problemas no fechamento da morfologia geral do personagem.

Caso você nunca tenha acompanhado esse tipo de projeto, ou está estudando o processo de modelagem de personagens virtuais, encontrei um pequeno “making of” divulgado na comunidade Polycount em que um artista chamado Hazardous mostra como é o seu processo de criação de personagens. O personagem escolhido para a modelagem é chamada de Hatsune Miku, sendo a personagem a acntora virtual de um sintetizador de voz chamado Vocaloid.

A modelagem ainda está acontecendo e o produto final não foi divulgado ainda, mas já podemos tirar várias lições pela demonstração do processo.

Qual o ponto de partida? Assim como acontece em todos os projetos de modelagem que envolvem a reprodução de objetos (personagens) que já existem, é muito importante conseguir o maior número possível de referências! E antes de começar a fazer qualquer coisa relacionada com a modelagem do personagem, o artista selecionou diversas imagens retiradas da internet e até mesmo fotografias de esculturas da personagem, que nesse tipo de projeto são referências de grande valor!

Você vai aprender a criar um modelo 3d semelhante a esse com o material disponível no link? Infelizmente não! Mas, o interessante nesse tipo de material é que o artista descreve vários dos passos usados na escultura, modelagem, configuração dos cabelos e ajustes gerais da personagem. É preciso encarar esse processo como uma fonte de informações para o aprendizado da modelagem 3d. As imagens são iustrativas sobre os procedimentos, mas o ouro mesmo está nas descrições em texto!

Tutorial Blender: Como usar os novos recursos de modelagem

O Blender 2.63 trouxe várias novidades para os usuários do software que trabalham com modelagem 3d, e essas novidades se resumem basicamente em uma palavra: BMesh. O até então “lendário” novo sistema de modelagem do Blender finalmente ganhou uma versão estável e pode ser utilizado em ambientes de produção. Esse sistema estava sendo desenvolvido já faz mais de dois anos, e até então os planos eram de adicionar o sistema ao Blender 2.5, mas isso acabou não acontecendo.
O que mudou com o BMesh? As mudanças proporcionadas pelo novo sistema de modelagem foram significativas e permitem que o Blender utilize na representação de polígonos as chamadas N-Gons. Agora você não vai mais precisar ter preocupações em excesso para evitar a criação de triângulos, pois será possível usar faces com mais de quatro lados de maneira nativa.

Mas, como funciona exatamente esse BMesh? Para ajudar as pessoas que já estão com o Blender 2.63 e não encontraram essas novidades relacionadas ao BMesh, resolvi gravar um tutorial em vídeo demonstrando as novas ferramentas de modelagem do Blender:

Como você pode perceber no vídeo, podemos listar as ferramentas de modelagem do Blender 2.63 da seguinte forma:

  • Ferramenta faca: Acionada pela tecla K, permite segmentar polígonos de várias formas e já com diversas opções avançadas para realizar cortes em polígonos!
  • Opção Dissolve: Com o dissolve é possível unificar diversas faces em uma única entidade. Para acessar o dissove, usamos a tecla X no modo de edição.
  • Inset Faces: A opção que só estava disponível mediante addons agora está incorporada ao Blender, e funciona muito bem para a modelagem. Está no menu specials que é acionado com a tecla W.
  • Bridge Faces: Essa é outra opção que só podia ser usada com o Addon Loop Tools e agora está incorporada ao Blender. Com o Bridge podemos conectar faces paralelas de maneira rápida. Está no menu specials que é acionado com a tecla W.
  • Verter Slide: Podemos mover um vértice sobre qualquer aresta conectada a esse vértice. Basta manter a vítima o vértice selecionado e pressionar a tecla SHIFT+V e escolher a arestas que deve ser usada para o deslocamento.
  • Bevel: O Bevel está novamente no menu specials, mas sem a opção de arrendondar as arestas.

Essas foram as novidades que são descritas no vídeo! Se você gostou do vídeo, lembre de fazer a sua avaliação no Youtube! Isso ajuda na divulgação do tutorial.

Curso de modelagem poligonal

Se você quiser aprender a trabalhar com modelagem poligonal com Blender, recomendo uma visita ao curso de modelagem poligonal com Blender. O curso mostra como trabalhar com modelagem no Blender utilizando as principais ferramentas de modelagem. Quem realizar a inscrição agora, terá vaga garantida no futuro curso de modelagem poligonal com Blender 2.6! Que já aborda o uso das novas ferramentas de modelagem. Esse curso será lançado na próxima semana.

Modelagem 3D para jogos usando 3ds Max

A modelagem 3d para jogos é bem diferente da que estamos acostumados em termos de produção para animações ou renders estáticos, pois em ambientes de jogos é necessário otimizar ao máximo os modelos 3d e manter controle estrito sobre a quantidade de polígonos. Já conheci muitos artistas talentosos que conseguem criar modelos 3d fantásticos quando não existe limitação em relação ao número de polígonos, mas quando estão diante do desafio que é trabalhar com limites e polígonos, a qualidade do trabalho acaba caindo de maneira considerável. Esse é realmente um grande desafio que pode ser vencido apenas por quem sabe como tirar proveito de truques visuais para conseguir criar elementos em 3d sem geometria real, aproveitando texturas para adicionar pequenos detalhes nos objetos.

Modelagem 3d para jogos

Caso você queira acompanhar o processo de criação de um modelo 3d para ambientes de jogos, recomendo os dois vídeos abaixo que são tutoriais demonstrando como elaborar uma espada em 3d, mas voltada para uso em engines 3d. Esse tipo de exercício é conduzido de maneira muito didática pelo autor do vídeo, em que os procedimentos e cuidados na criação dos objetos devem ser a primeira coisa na mente do artista. O segredo para o sucesso em projetos desse tipo é a simplicidade. Quando menos polígonos forem usados para representar um objeto, melhor aproveitado será o seu modelo 3d.

Como fica evidente nos vídeos a parte de pintura dos objetos é fundamental para que seja possível ter sucesso na empreitada de modelar para jogos. A qualidade das texturas e a possibilidade de utilizar artifícios como mapas normais, podem ser a salvação para projetos que tenham quantidades de polígonos bem espartanas. Já tive oportunidade de participar de projetos em que era necessário limitar modelos como personagens humanóides em no máximo 50 faces.

A quantidade de faces era pequena, pois desse personagem base dezenas de outros seriam criados na cena, portanto a redução de um polígono no personagem representaria a redução da carga na engine em dezenas de outras faces. Para sistemas ou engines com poucos recursos em termos de aceleração, e esse era o caso, é necessário muito cuidado com a contagem de polígonos!

Agora que você já assistiu ao tutorial, pode tentar reproduzir o efeito no seu software 3d preferido, pois a modelagem poligonal usada no vídeo é universal!