Tutorial 135: Usando o Fake user do Blender

Entre as diversas dúvidas e perguntas que sempre recebo aqui no blog e também no EAD – Allan Brito, posso destacar uma pergunta que sempre “atormenta” usuários iniciantes no Blender, que está relacionada a exclusão de informações das cenas. Por exemplo, imagine a situação em que você possui diversos tipos de materiais dentro de uma cena, e gostaria de remover esses mesmos materiais do seu arquivo, pois eles não devem serem associados em nenhum objeto. Como fazer isso? A simples desassociação do material desse objeto não fará com que ele desapareça, pelo menos não de imediato.

Como funciona isso exatamente? Nesse contexto ainda temos uma função muito importante dentro do Blender que é o chamado Fake User. Como funciona esse Fake User?

Blender Fake User

Para explicar exatamente o funcionamento do Fake User e também da exclusão de informações de cenas do Blender, resolvi gravar o tutorial de número 135 do meu canal no Youtube. Sim, já são 135 tutoriais! O tutorial explicando o funcionamento do Fake User pode ser conferido a seguir:

Gostou do vídeo? O que acha de avaliar ou comentar? Ainda não é assinante do meu canal no Youtube? Assine aqui para receber antes que todos as atualizações.

Entendeu?

Um dos princípios básicos que você deve sempre seguir ao usar o Blender, é que as informações adicionadas na cena como materiais, data blocks e outros precisam necessariamente estar associados a um objeto. Caso essa informação não esteja associada a nenhum objeto, assim que o Blender for fechado as informações são excluídas! Sim, o processo conhecido em outros softwares como purge é realizado de maneira automática.

Mas, e se não quisermos que essas informações sejam excluídas? É nesse ponto que aparece o chamado Fake User! Você já deve ter percebido que logo ao lado dos nomes de alguns objetos aparece um pequeno botão com a letra F. Esse botão habilita um usuário “virtual” que foi ilustrado de maneira brilhante no vídeo! Se um objeto possuir o Fake User, então o mesmo não é excluído pelo Blender mesmo que não exista nenhum objeto na cena fazendo uso real das informações.

Essa é a melhor maneira de garantir que grandes listas de materiais, texturas, data blocks e outras informações não sejam excluídas quando você fechar um projeto.

Agora você já conhece a função do Fake User!

Quer aprender mais sobre o Blender? Visite o EAD – Allan Brito e confira os diversos cursos online sobre Blender, sendo um deles totalmente gratuito.

História da composição em vídeo – Documentário gratuito

O trabalho com composição para cinema e vídeo exige de qualquer artista ou profissional envolvido o conhecimento relativo ao uso das famosas telas verdes, usadas para criar composições em inúmeras maneiras com múltiplos elementos de vídeo e fotografia. Já faz muito desde que a técnica estava restrita apenas as grandes produções devido a sofisticação do professo e custo dos equipamentos envolvidos. Hoje em dia é muito fácil trabalhar com composições usando tela verde na maioria dos softwares que trabalham com manipulação de vídeo, e existem até mesmo opções gratuitas como é o caso do Blender que também permite o uso de composição com telas verdes, conhecida “popularmente” como Chroma Key.

História da composição em vídeo (Chroma Key)

História da composição em vídeo (Chroma Key)

Mas, como tudo isso começou? Esse artigo não vai detalhar o processo necessário para criar composições usando Chroma Key ou indicar tutoriais que falem a respeito da técnica. O objetivo é apresentar um pequeno documentário em vídeo que mostra como tudo começou, e que representa uma referência fantástica para estudantes de graduação, interessados em referências sobre como a técnica começou a ser usada no cinema.

Como você pode perceber depois de assistir ao vídeo, o processo começou com técnicas avançadas e revolucionárias para a época em que surgiram, mas com o tempo o processo foi evoluindo até o ponto em que estamos hoje no cinema. A técnica está sofisticada ao ponto de ficarmos achando que o material produzido antigamente chega a beira do amadorismo. É importante lembrar que muito do que era produzido antigamente dependia apenas de truques praticamente manuais, para separação do fundo e material filmado.

Os computadores só entraram no processo vários anos depois, e hoje são parte fundamental de qualquer produção.

Aprendendo a trabalhar com composição

Se você gostou do processo apresentado no vídeo, recomendo uma visita ao EAD – Allan Brito para aprender a trabalhar com softwares próprios para composição. Existem cursos de After Effects, sendo ele uma das ferramentas mais usadas para composição em vídeo com opções avançadas para manipulação de telas verdes.

O outro curso é o de composição e efeitos com Blender, que apresenta técnicas e ferramentas para integrar material 3d em vídeo.

Dica AutoCAD – Restaurando a linha de comando

O AutoCAD é um dos softwares de CAD mais difundidos mundialmente devido principalmente a forte associação que todos fazem ao termo CAD com o seu nome, mas também devido ao histórico do software que já está no mercado de desenho assistido por computador desde os já longínquos anos 80. Outro fator que ajuda muito no uso do AutoCAD é a sua adoção em instituições de ensino, em que até mesmo os professores orientam os alunos a procurar por cursos de AutoCAD para seguir em disciplinas de projetos em graduações de arquitetura, engenharia e outras. Isso se deve muito ao fato do software se antigo, e muitos professores simplesmente não querem ter o trabalho de procurar alternativas ao AutoCAD.

Existem sim muitas alternativas ao AutoCAD disponíveis no mercado, algumas delas disponíveis como softwares gratuitos (freeware) ou então por valores bem mais convidativos do que a ferramenta da Autodesk. Mas, a quantidade de usuários de AutoCAD ainda é relativamente alta.

Sempre que tenho a oportunidade de ministrar algum curso presencial de AutoCAD ou disciplina que faz uso do software, percebo que os usuários acabam tendo problemas com uma parte fundamental da interface do software. A janela com a linha de comando do AutoCAD!

Dica AutoCAD - Restaurando a linha de comando

Quem nunca usou o AutoCAD ou softwares de CAD não deve saber muito bem sobre o que estou falando, pois tirando alguns poucos exemplos como o Rhino 3D, a existência de uma linha de comandos é característica marcante dentro da área.

A dificuldade a que me referia em relação aos usuários, é que muitos deles acabam fechando acidentalmente essa janela e em pânico saem do AutoCAD e tentam até mesmo usar subterfúgios para fazer a janela volta. Você acha exagero? Já vi pessoas até mesmo desinstalar o AutoCAD do computador, pois não fazia idéia de como restaurar a linha de comando.

Dica AutoCAD – Restaurando a linha de comando

É por isso que essa dica pode parecer simples para usuários experientes, mas deve ajudar muitos iniciantes no software. O atalho mais rápido para restaurar a linha de comando é a combinação das teclas CTRL+9! Sim, só isso! Agora você já sabe, se fechar a linha de comando do AutoCAD novamente é só usar CTRL+9.

Download gratuito do AutoCAD

Para fazer o download gratuito e legalizado do AutoCAD, recomendo ler as orientações nesse artigo que publiquei algumas semanas atrás aqui no blog.

Produtora de jogos Indie: História da BetaDwarf

A produção de animações e jogos digitais apresentam pontos em comum e também diferenças bem evidentes no seu processo criativo. Entre as semelhanças existentes entre os dois tipos de projetos, posso destacar que a maioria das pessoas acaba subestimando a quantidade de trabalho e dedicação que esse tipo de produto demanda. Posso dizer isso pelas experiências que já tive na produção tanto de animações e jogos, e também no contato direto com alunos de graduação que planejam criar jogos e animações 3d.

A vontade e desejo de criar esses produtos geralmente acaba sendo maior do que a percepção da quantidade de planejamento necessário para finalizar esse tipo de projeto, é por isso que existem tantos jogos e animações que iniciam como boas idéias, mas que nunca são finalizadas.

Esse semana uma história publicada no blog do Unity 3D chamou a minha atenção por mostrar a perseverança de uma pequena produtora de jogos, que nasceu dentro da universidade de Aalborg na Dinamarca. A produtora é a BetaDwarf que era formada inicialmente apenas por alunos da universidade, que chegaram por um breve período de tempo a dormir dentro das instalações da universidade. O breve período de tempo correspondeu a aproximadamente 7 meses!

A história da produtora é muito interessante e pode muito bem servir como inspiração para pessoas interessadas em começar iniciativas semelhantes. O artigo está em inglês, mas com um pouco de paciência ou ajuda do oráculo, você consegue entender o texto caso seu inglês esteja “enferrujado”.

O vídeo a seguir é uma demonstração do primeiro jogo do estúdio chamado de Forced.

Algumas das recomendações que sempre passo para os meus alunos, mas que muitos acabam não seguindo é que planejamento e preparação são o segredo para evitar surpresas nesse tipo de projeto. A idéia principal do projeto é importante, mas o estágio em que você senta na frente do computador para produzir alguma coisa deve fazer parte apenas do processo final de produção! Se for um jogo o game design deve estar totalmente concluído, e para animações o roteiro deve estar finalizado.

A quantidade de material gerado na pré-produção é inversamente proporcional ao número de problemas e prazo necessários para executar o projeto.

Quer começar um projeto de jogos 3d?

O EAD – Allan Brito tem alguns cursos que podem ajudar você na parte técnica relacionada a produção de jogos digitais. Alguns dos cursos são gratuitos e outros demandam inscrição, mas podem muito bem representar o primeiro passo na formulação do seu sistema arsenal de conhecimentos para produzir jogos.

Download gratuito de blueprints para modelagem 3d

O uso de referências para modelagem 3d é uma das melhores maneiras de conseguir criar objetos complexos e com as proporções corretas usando apenas guias visuais. É muito comum que os artistas 3d procurem imagens que ajudem no processo de modelagem como as famosas blueprints, que são o melhor guia de criação para objetos como veículos ou armas. Sem o uso desse tipo de referência visual, os artistas 3d dependem exclusivamente do seu conhecimento da forma desses objetos, o que podem acabar por gerar modelos 3d que não sejam condizentes com as suas representações físicas.

blueprints-download-gratuito.jpg

Como conseguir esse tipo de referência? Existem várias formas e agregadores de blueprints. Mas, um usuário do Pinterest chamado Péricles Júnior está montando uma incrível biblioteca de referências e com os mais variados blueprints para modelagem 3d totalmente gratuitos! Você encontre de tudo um pouco na coleção:

  • Personagens
  • Veículos
  • Móveis
  • Objetos

Ao visitar a coleção você vai perceber que existem muitas imagens! E como o autor da coleção continua adicionando material, é até complicado mencionar uma quantidade aqui, pois é muito provável que na sua visita à coleção a quantidade de blueprints seja muito maior!

O material pode ser copiado de maneira totalmente gratuita no pinterest, mas você deve tomar cuidado no uso desse material em projetos comerciais. A modelagem de objetos com base nas imagens não gera problemas, mas a distribuição das imagens em projetos comerciais deve ser estudada com cautela.

O suporte para o uso desse tipo de material é praticamente universal em softwares 3d, sendo muito simples configurar a imagem como plano de fundo da viewport ou 3d view dos softwares e aproveitar a imagem como base para modelagem poligonal. Inclusive uso esse princípio no projeto de modelagem do curso sobre modelagem poligonal com Blender do EAD – Allan Brito. No caso uso a imagem de uma AK-47 para modelar em 3d a arma usando as imagens como referência para criar o modelo 3d.

No caso de personagens as imagens são úteis para definir as proporções dos modelos 3d, pois as dimensões de personagens humanóides são difíceis de definir usando apenas a experiência do artista.