Tutorial 147 – Blender 2.72: Usando o layer manager

A organização de projetos dentro de softwares 3d pode assumir proporções impressionantes dependendo da complexidade e quantidade de objetos existentes na cena. Mas, é sempre interessante organizar os seus arquivos e objetos que fazem parte de cenas 3d em pastas e principalmente grupos e camadas, para facilitar ao máximo o filtro e visualização individual desses objetos. Sempre que posso, recomendo para os meus alunos o uso de camadas ou outros recursos softwares usados em projetos, para garantir que todos os objetos de uma cena estão devidamente organizados. Você sabe usar o sistema de camadas do Blender?

Nas últimas versões do software foi adicionado um Add-on de extrema utilidade para o gerenciamento de cenas e camadas no software. Esse Add-on é o Layer Manager que adiciona um painel semelhante ao que encontramos em softwares como o Photoshop, Illustrator, 3dsmax e outros. Para demonstrar o funcionamento do Layer Manager resolvi gravar um pequeno tutorial em vídeo apresentando os recursos do Add-on e explicando como usar ele em projetos dentro do Blender.

Com o Layer Manager é possível fazer algo que não existe em termos de gerenciamento de camadas no Blender, que é a atribuição de nomes aos Layers! Só isso já representa um avanço em termos de organização de cenas, pois assim não é mais necessário ficar “chutando” em qual camada cada objeto está, realizando aquela edição em que ligamos e desligamos as camadas.

Mas, se você está enquadrado no grupo de pessoas que gostam de viver perigosamente e que cito no vídeo, o Layer manager não é para você! A ferramenta só será útil para artistas 3d que precisam organizar e otimizar as suas cenas dentro do Blender. Os Add-ons são uma ferramenta fantástica para qualquer usuário do Blender, e você deve conhecer os principais recursos que acompanham o software. Ainda essa semana publiquei um tutorial apresentando de maneira geral o funcionamento dos Add-ons:

Quer desenvolver inda mais as suas habilidades com o Blender? Inclusive usando Add-ons? Recomendo visitar o EAD – Allan Brito para conferir o curso sobre técnicas de modelagem com Bender, que faz uso extensivo de Add-ons e diversos outros cursos de Blender que usam esporadicamente Add-ons para conseguir realizar as mais variadas tarefas.

Tutorial 141: Blender 2.70 – Modificador laplacian deform

A deformação de objetos é um dos pilares da animação de personagens, sendo um dos principais tópicos abordados em qualquer curso sobre rigging de personagens. O método tradicional é adicionar objetos chamados de bones dentro da malha poligonal e ligar esses objetos de maneira a que os polígonos sigam os movimentos dos bones para gerar deformações. Mas, apesar de ser o meio mais tradicional de realizar essas deformações em objetos, é perfeitamente possível usar outras ferramentas para atingir o mesmo resultado.

O Blender 2.70 apresentou mais uma opção para os seus usuários interessados em técnicas para deformar polígonos com o modificador Laplacian Deform. Esse modificador tem como objetivo manter a integridade morfológica de polígonos, mesmo que pequenas partes deles tenham sido alteradas. A ferramenta permite criar deformações simples, usando como base pequenos agrupamentos de vértices.

Para demonstrar o funcionamento do modificador, gravei mais um tutorial em vídeo que demonstra todo o processo necessário para usar e aplicar o modificador em malhas poligonais.

Gostou do vídeo? O que acha de avaliar ou comentar? Ainda não é assinante do meu canal no Youtube? Assine aqui para receber antes que todos as atualizações.

Uma das maneiras mais simples de usar o modificador, é com os Hooks do Blender que fazem com que os vértices associados a eles acabem seguindo as suas transformações. No vídeo realizo apenas movimentos de translação, mas é possível rotacionar os hooks também para gerar outros tipos de efeitos.

Com os vértices devidamente configurados, precisamos apenas criar um grupo de vértices no Blender para informar no painel de ajustes do modificador. Caso todas essas condições estejam corretas, ao mover os hooks a estrutura do polígono será deformada de maneira muito semelhante ao que acontece com os bones. O modificador apresenta alternativas interessantes para os artistas interessados em criar animações 3d rápidas, sem a necessidade de realizar todo o processo de rigging.

Mais informações sobre o modificador podem ser encontradas na documentação oficial do Blender 2.70.

Aprendendo sobre Rigging e animação com Blender

Quer aprender a trabalhar com Rigging e animação 3d no Blender? No EAD – Allan Brito você encontra três cursos próprios para desenvolver suas habilidades nos dois assuntos!

Os dois cursos são totalmente online abordam aspectos relacionados as animações de maneira geral no Blender e também na configuração de personagens animados.

Modelagem para arquitetura usando Arrays no Blender

As ferramentas que permitem replicar conteúdo em softwares 3d existem para ajudar na execução dos nossos projetos de modelagem, e entre essas opções encontramos o chamado Array. Com a ferramenta é possível copiar objetos de várias formas diferentes, algumas vezes seguindo uma ordenação baseada em círculos ou então matrizes. É possível encontrar o Array dentro de ferramentas como o 3dsmax, Blender e AutoCAD. No caso do Blender encontramos o Array como um modificador que pode se aplicado em praticamente qualquer objeto. Uma das aplicações do modificador é na criação de objetos para cenários voltados para arquitetura ou mesmo jogos, quem apresentam padrões de repetição para geração de ambientes.

O que aconteceria se fosse possível unir as duas aplicações? O usuário do Blender chamado DennisH2010 fez um experimento usando o Array para criar modelos de repetição para blocos com edificações, já levando em consideração que a parte inferior e superior dos blocos deve ser diferente. O resultado ficou muito interessante e pode ser conferido diretamente no arquivo fonte que está disponível para download no BlendSwap.

Além do arquivo fonte no BlendSwap você também encontra um pequeno vídeo que mostra no formato timelapse como o artista conseguiu chegar nesse resultado. O processo é realmente simples e envolve apenas trabalho manual de configuração do Array como modificadores. Apesar de ser voltado para o uso dentro da Game Engine do Blender, podemos aproveitar o conceito apresentado e aplicar diretamente em projetos para arquitetura ou mesmo de urbanismo. Essa é uma maneira muito rápida e eficiente de gerar edificações.

O download do arquivo pode ser realizado de maneira gratuita no BlendSwap, apenas realizando um cadastro simples.

No EAD – Allan Brito você encontra disponíveis cursos para aprender a usar o Blender para fins de modelagem para arquitetura e também na configuração de jogos digitais. Os links diretos para os dois cursos são os seguintes:

Para conseguir descontos nas inscrições dos cursos, você pode conferir os combos!

Tutorial sobre displacement maps no Blender

A criação de detalhes em modelos 3d pode ser algo bem complicado dependendo do tipo e destino do objeto, a adição desses detalhes acaba tendo muito impacto na mídia que utiliza o objeto 3d. Por exemplo, os jogos digitais que fazem uso de objetos 3d com grande quantidade de detalhes acabam necessitando de hardware extremamente poderoso para conseguir executar objetos que tenham muitos polígonos. Nos casos de objetos usados em animações a coisa é mais fácil de lidar, pois após a renderização da cena o modelo 3d será representado apenas com base em imagens.

Quais opções existem para gerar modelos 3d com grande quantidade de detalhes? Basicamente podemos escolher entre duas técnicas que geram esse tipo de detalhamento em objetos 3d com base em texturas:

  • Mapas de displacement
  • Mapas normais (*Bump*)

No caso dos mapas normais a solução é ideal para gerar detalhes em objetos 3d com base em relevos de objetos e mantendo a contagem de polígonos. O efeito é interessante em diversos tipos de situação, principalmente quando o ponto de vista do observador para o objeto ou superfície que recebe o mapa normal, possui distância considerável. Quando essa distância é reduzida, os detalhes acabam ficando distorcidos.

Tutorial sobre texturas com Blender

Nesse tipo de situação é mais indicado utilizar os chamados mapas de displace. Os detalhes gerados pelos mapas de displace são excelentes e resultam em geometria real. Ao mesmo tempo isso é algo positivo em termos de posicionamento da câmera, mas gera grande quantidade de demanda computacional pelo aumento no número de polígonos. Já comentei sobre os mapas de displacement essa semana aqui no blog, recomendando a leitura de um guia sobre utilização dos mapas em escultura.

Esse guia que recomendei não faz menção ao uso desse recurso no Blender, o que acabou decepcionando alguns leitores aqui do blog. Para tentar compensar isso, encontrei um tutorial muito interessante que mostra exatamente como trabalhar com mapas de displacement em múltiplas camadas dentro do Blender. No tutorial você aprende a usar o recurso dentro do Blender para gerar objetos abstratos como rochas, mas que exigem grande quantidade de detalhes para que sejam usados em ambientes realistas.

É fundamental que todos os artistas 3d conheçam esse tipo de técnica para representar superfícies 3d, pois nunca sabemos quando será preciso representar superfícies com grande quantidade de detalhes.

Expandindo conhecimentos sobre modelagem 3d

Nos casos em que você gostaria de expandir um pouco mais os seus conhecimentos relacionados com modelagem 3d no Blender, recomendo visitar e conferir os cursos de modelagem do EAD – Allan Brito. Os cursos são todos online e permitem que você estude a qualquer momento e horário.

 

Modelagem de personagens para jogos

A modelagem de personagens para jogos exige uma série de habilidades e configurações relacionadas a topologia do modelo 3d, que é bem diferente do que a maioria dos artistas está acostumada a produzir para projetos de animação. Isso se aplica a qualquer ferramenta 3d que se proponha a oferecer opções de modelagem poligonal. A quantidade de polígonos deve ser meticulosamente reduzida e alguns detalhes são representados por texturas ao invés de polígonos. No caso da modelagem de personagens com 3dsmax a coisa não muda muito de figura, como mostra um tutorial em dez partes liberado pelo site 3D Total.

Modelagem de personagens para jogos

Modelagem de personagens para jogos

O tutorial não é em vídeo como estamos acostumados a encontrar hoje em dia no Youtube, mas sim dividido em dez partes focadas apenas em textos e imagens. Por um lado isso pode deixar o material menos atraente, mas por outro lado os artistas que não tem tanta familiaridade com a língua inglesa podem usar serviços de tradução para acompanhar as orientações do tutorial.

A divisão do tutorial está organizada da seguinte forma:

  1. Blocking in the proportions – Configurando as proporções do modelo
  2. Sculpting the face – Esculpindo a face
  3. Sculpting the armor – Esculpindo a armadura
  4. Creating the armor meshes – Criando os polígonos da armadura
  5. Finalizing the details – Finalizando os detalhes
  6. Creating the low poly model – Criando o modelo com poucos polígonos
  7. UV unwrapping and texture baking – Mapeamento UV e render das texturas
  8. Texturing the armor – Texturas da armadura
  9. Texturing the face – Textura da face
  10. Model presentation in Marmoset – Apresentando o modelo 3d

Apesar do artista começar a modelagem desse personagem usando escultura que não pode ser aproveitada em ambientes de jogos, a estrutura recebe a sua versão própria para jogos no passo em que é criado o modelo com poucos polígonos (Low Poly). O render das texturas também ajuda a adicionar detalhes no modelo (Baking) e deve receber atenção especial.

O tutorial é uma visão geral do processo de modelagem de personagens para jogos, e deve ser consultado por artistas usando o 3dsmax e qualquer pessoa interessada em aprender como trabalhar em modelagem de personagens para jogos.