BSurfaces agora é gratuito para usuários do Blender

O ecossistema de addons comerciais para o Blender não é tão vasto como o do 3ds Max, mas existem opções de ferramentas que são distribuídas de maneira comercial. Diferente do código fonte do Blender que é licenciado pela GPL, os Addons são escritos em Python e são executados usando estruturas independentes ao Blender. Portanto, é mais fácil distribuir um Addon usando licenças diferentes da GPL no Blender do que tentar criar um “Plugin” nos formatos usados em ferramentas como o 3ds Max.

Um desses exemplos de Addon comercial do Blender é o excelente BSurfaces, que adiciona uma gama de opções muito interessante para a modelagem baseada em polígonos. O Addon é capaz de gerar modelos 3d com base na seleção de diversas seleções usando curvas e outras estruturas complexas. O vídeo abaixo mostra um exemplo de objeto com topologia complexa que é criado com a ajuda do BSurfaces.

Quer saber a melhor notícia sobre o BSurfaces? Até alguns dias atrás ele era comercializado por 39 dólares. Agora o Addon está sendo distribuído de maneira gratuita usando a licença GPL. Portanto, você pode fazer o download do Addon agora mesmo para usar no seu Blender, e segundo os desenvolvedores do Addon a ferramenta funciona sem grandes problemas com o BMesh do Blender 2.63.

Ainda não tive a oportunidade de fazer testes com o BSurfaces usando o BMesh, mas a princípio está tudo funcionando sem grandes problemas.

Depois de instalar o BSurfaces no seu Blender, será possível acessar as opções de modelagem na barra de ferramentas do Blender. Um aspecto interessante sobre o BSurfaces, é que o mesmo trabalha com a coversão de curvas em superfícies baseadas em polígonos, e essas curvas podem ter origem até mesmo no Grease Pencil em que os desenhos das curvas são realizados a mão livre.

Para usar o BSurfaces é necessário criar um objeto poligonal (Mesh) para que depois seja possível adicionar as curvas na sua parte interna. Nos meus testes, sempre crio um plano ou cubo e excluo os vértices do objeto para conseguir um polígono vazio. E depois, dentro do modo de edição, podemos adicionar as curvas para criar os elementos do BSurfaces. A mágica é feita quando acionamos o botão Add Surface.

Tutorial de modelagem com Maya: Criando arcos

A criação de alguns tipos de topologia usando polígonos pode ser um tanto quanto complicada, principalmente quando o elemento envolve o uso de partes em arcos. Em arquitetura um dos tipos mais complicados de forma em que podemos trabalhar são os arcos e elipses, sendo que todas as vezes que esse tipo de forma é usada na organização de espaços, teremos quase na certa problemas de distribuição. Com o uso de ferramentas de CAD a coisa fica um pouco mais fácil, mas ainda assim teremos algum tipo de dificuldade ou espaço sem bom aproveitamento. No caso de modelos 3d a coisa não é muito diferente, sendo que a criação de elementos com arcos plenos ou em ogiva, sempre são complicados.

Se você nunca teve a oportunidade de trabalhar com esse tipo de elemento, encontrei um tutorial muito interessante e detalhado que aborda a criação de arcos usando o Maya. O objetivo do tutorial é conseguir criar uma forma semelhante a que vemos na imagem abaixo:

tutorial-arcos-Maya.jpg

Essa mesma imagem faz parte de uma edificação que usa o esquema dos arcos em diversos níveis. A técnica pode ser usada para recriar os arcos com vários tipos de perfis, sendo útil para artistas que precisam trabalhar com cenários no Maya.

A técnica é simples e com um pouco de conhecimento por parte o artista, pode ser adaptada em praticamente qualquer tipo de software. No caso do Maya, o artista começa o tutorial usando dois perfis e depois fazendo a união dos objetos usando a ferramenta Bridge do Maya. Essa ferramenta em uma opção interessante que é o Smooth Path que permite fazer a ligação entre duas faces, usando não uma trajetória reta, mas um arco. O resultado é que temos algo muito próximo do resultado final do objetivo desse tutorial.

Mas, ainda são necessários ajustes no modelo para que o arco acabe ficando da maneira como o artista deseja, o que o faz trabalhar na deformação do arco de maneira um pouco mais detalhada com o uso de um cilindro como referência.

O processo é simples de seguir se você é usuário do Maya, e pode dar boas idéias para usuários de outros softwares para reproduzir a técnica usando modelagem poligonal. É um excelente guia de estudos.

Modelando uma cadeira Tulip no 3ds max

A criação de alguns elementos para projetos como cadeiras e mobiliário pode oferecer desafios interessantes de modelagem, pois existem determinados tipos de cadeiras que apresentam topologia relativamente complexa e que pode demandar conhecimentos e técnicas avançadas de modelagem, para que o resultado obtido no processo seja satisfatório. Esse é o caso da cadeira chamada de Tulip Chair que é um ícone de design e foi criada pelo arquiteto Eero Saarinen. A cadeira é item bem comum em projetos de visualização para interiores e se você nunca teve que modelar uma, pode ficar tranquilo, pois o seu dia chegará. É a mesma coisa que tentar passar pelo mercado de visualização se ter que criar móveis clássicos como uma cadeira Eames ou Barcelona.

Mas, para a alegria de quem já está pensando em como resolver esse tipo de problema e adiantar a modelagem desses objetos, encontrei dois vídeos que mostram o processo completo de modelagem da cadeira no 3ds max, e com narração em espanhol. A técnica de modelagem usada para criar a cadeira é a baseada em polígonos, o que não é muito condizente com a forma orgânica da cadeira, mas no final o resultado acaba sendo muito bom.

O autor do tutorial utiliza a imagem da cadeira que é alvo do processo de modelagem como referência pare gerar as formas básicas. A escolha da modelagem por subdivisão não é a mais indicada nessa situação, devido a forma extremamente orgânica e curvilínea da cadeira, o que pode demandar muito trabalho de edição por parte do artista para conseguir bons resultados apenas usando polígonos.

Como primeiro passo para a modelagem o artista adiciona um polígono base que é deformado de maneira a adquirir a forma principal da cadeira. Com as ferramentas de modelagem poligonal do 3ds max dentro do modificador Edit Poly, o artista acaba moldando a forma da cadeira Tulip, até conseguir um resultado próximo do que está representado na imagem de referência.

Mesmo que você não tenha pretensões de trabalhar com projetos utilizando a cadeira Tulip, recomendo criar esse tipo de cadeira como forma de ir agregando blocos na sua biblioteca particular, pois no momento certo será fácil resgatar esses modelos para uso em qualquer tipo de projeto.

Guia básico sobre modelagem para arquitetura com Blender 2.55

A modelagem 3d apresenta diversas particularidades e variações que se mostram presentes quando abordamos objetos com morfologia diferente. Por exemplo, a mesma técnica de modelagem usada para criar um personagem com características orgânicas, pode não ser a mais indicada para elaborar objetos com perfil mais geométrico. A técnica conhecida como modelagem poligonal, pode resolver a maioria dos problemas e morfologias, com a vantagem de dispor de mais controles para gerar formas geométricas. Esse é o caso da modelagem para arquitetura que usa muito a técnica da criação com base em polígonos.

Se você quiser um guia muito bom e completo para modelagem desse tipo de objeto já usando o Blender 2.55, encontrei essa semana um texto interessante que pode ser útil para arquitetos e estudantes. O material foi criado por um artista chamado Rafael, e publicado em um fórum destinado a ferramentas de código aberto para arquitetura em espanhol. Como você pode imaginar, o guia está em espanhol, mas nada que o Google não possa resolver.

guia-arquitetura-modelagem-blender.jpg

Como é esse guia?

O material é bem completo, inclusive apresentando uma introdução ao uso do Blender com os principais atalhos de teclado e opções da interface.

Nesse guia o autor usa como base para explicar o processo de modelagem para arquitetura com uma pequena planta que é importada para o Blender, usando o formato DXF que é comum para esse tipo de ambiente. Depois de importar o arquivo DXF com a base para a modelagem do ambiente, o autor passa para partes mais específicas da criação de uma maquete eletrônica como a modelagem das paredes e até mesmo escadas. No final temos até um pequeno guia de render que resulta na renderização de imagens mostrando o interior do ambiente.

Durante o processo o autor explica o funcionamento de opções simples, mas fundamentais para esse tipo de modelagem, como é o caso do extrude.

Por mais incrível que pareça, o guia mostra que usando as ferramentas mais simples e básicas do Blender como o extrude e opções de snap bem aplicadas, podemos trabalhar a modelagem de elementos que são tidos como complexos para usuários iniciantes, mas que na verdade tem apenas volume. Com um pouco de repetição e modificações bem aplicadas, podemos criar objetos para arquitetura.

Só faltou abordar a renderização avançada. Mas, como ponto de partida, o guia é excelente!

Tutorial Blender: Modelagem de travesseiro usando o Cloth

A criação de objetos ou modelos com superfícies irregulares é um desafio para qualquer artistas 3d, pois é muito mais simples criar objetos com superfícies regulares e bem definidas. Quando o escopo da modelagem envolve elementos irregulares, ou mesmo materiais como sujeira, a coisa costuma complicar. Por exemplo, a modelagem de objetos simples como travesseiros e almofadas é geralmente resolvida com a mescla de ferramentas de modelagem poligonal, e um pouco do módulo de escultura para trabalhar as imperfeições do tecido desse tipo de superfície.

Mas, e se houver uma maneira mais rápida e prática de criar esse tipo de modelo 3d? Um artista e usuário do Blender chamado Rémi publicou um vídeo demonstrando como criar esse tipo de objeto usando apenas o Cloth do Blender. Esse é o vídeo:

How to create a pillow in few seconds (Blender 2.49) from Rémi on Vimeo.

A técnica é extremamente simples e envolve a criação de um modelo 3d simples que é transformado usando as simulações físicas do Blender. O processo envolve acionar a simulação para fazer com que o objeto sofra colisão e deformação pelo impacto e se fique com a forma de um travesseiro. Com isso, podemos trabalhar a modelagem e adição de detalhes usando ferramentas de transformação poligonal ou os próprios materiais do Blender, com mapas de Displacement ou Normal.

Como o resultado é uma superfície de tecido lisa e com poucos ou nenhum detalhe, o resultado precisa ser melhorado com as ferramentas de escultura ou texturas do Blender. Caso contrário, todos os travesseiros criados com a técnicas ficariam iguais. Esse tipo de técnica ilustra bem o uso de ferramentas destinadas para animação e simulações físicas na modelagem de objetos, que até então precisavam de diversas intervenções usando Lattices e outros modificadores.

Os artistas que trabalham com design de interiores e outros tipos de modelagem envolvendo a criação desse tipo de objetos, principalmente com tecidos, deve aproveitar bastante esse tipo de técnica. Por exemplo, na criação de almofadas para sofás ou poltronas o procedimento pode ser integralmente aproveitado para gerar as superfícies de tecido.

Agora é só começar a criar diversos designs de travesseiros e almofadas para inserir em cenas ou projetos de design para interiores, e criar ambientes mais realistas e compor mobiliário.