Tutorial Cinema 4D: Modelagem poligonal de uma casa em 3D

A chamada modelagem poligonal é um dos tipos mais básicos de modelagem 3d e pode ser o fundamento para a criação de objetos 3d, por artistas iniciantes em praticamente todos os softwares especializados nesse tipo de conteúdo. Os softwares 3d oferecem ferramentas e opções que permitem trabalhar com a modelagem poligonal usando basicamente os mesmos princípios, que são baseados no uso de sólidos geométricos e na aplicação do famoso extrude. Sempre que começo um curso sobre modelagem 3d para pessoas que nunca trabalharam com esse processo de criação, recomendo guardar bem a palavra extrude, pois ela é uma ferramenta usada nas mais diversas aplicações.

Um excelente exemplo de como é possível fazer a modelagem 3d básica de uma casa estilizada usando o Cinema 4D e as suas ferramentas de modelagem poligonal é apresentada nos vídeos abaixo, em que podemos acompanhar a criação e manipulação de um conjunto de elementos como vértices, arestas e faces para a criação do modelo 3d.

Logo no início do vídeo podemos conferir o uso de um recurso controverso para a criação desse tipo de elemento 3d, que é um grande N-Gon que forma a base da casa. Essa base é então transformada em um objeto 3d com o comando extrude para depois receber mais modificações com diversos comandos de modelagem.

Apesar de resultar no modelo de uma casa em 3d extremamente simples, o vídeo é útil para demonstrar os procedimentos necessários para criar objetos em 3d usando técnicas de modelagem poligonal. A criação de elementos como janelas e detalhes da casa são adicionados usando opções e ferramentas de corte, disponíveis na maioria dos softwares 3d. O aprendizado das ferramentas é simples, mas como a pior parte é sempre a aplicação prática de cada uma das ferramentas, o vídeo pode passar dicas valiosas para usuários iniciantes.

Uma dessas ferramentas é a opção conhecida como Bridge, que faz a ligação entre duas arestas ou faces. Sempre que mostro a ferramenta isolada nas aulas de modelagem 3d, os alunos não conseguem contextualizar a sua aplicação prática no modelo. Com o vídeo o conceito é visto na prática e de maneira bem simples. De quebra ainda é possível aprender um pouco sobre o Cinema 4D e as suas ferramentas de modelagem poligonal.

Design de logomarcas em 3d com o Cinema 4D

Os produtos que podem ser criados com os softwares 3d são bem variados e podem abranger desde imagens estáticas até animações para cinema, podemos aproveitar as capacidades de criação dessas ferramentas para criar também logomarcas. Isso se tornou tão comum alguns anos atrás que a maioria dos softwares de ilustração vetorial como o Adobe Illustrator e o Corel Draw já oferecem opções, mesmo que rudimentares para criar elementos 3D. Mas, quando é possível usar os softwares de ilustração em conjunto com ferramentas 3d como o Cinema 4D, as possibilidades de design para essas marcas em 3d aumentam consideravelmente.

Como é que isso funciona? Se você nunca trabalhou com a integração entre ferramentas de ilustração 2d e softwares 3d, o tutorial que mostro nesse artigo é um excelente exemplo de como isso pode ser realizado para o design de logomarcas. Esse tipo de integração é usada também quando é mais fácil criar o perfil de um objeto usando curvas, para que posteriormente essas curvas sejam usadas para a modelagem de algum objeto mais complexo.

No tutorial abaixo, que está dividido em duas partes é possível acompanhar o procedimento necessário para que um arquivo vetorial salvo no formato EPS seja usado no Cinema 4D, para guiar a modelagem de uma logomarca.

O formato EPS é muito usado para desenhos e ilustrações vetoriais, o que faz com que a maioria dos softwares 3d aceite esse formato. Além do formato EPS poderiamos muito bem aproveitar arquivos no formato AI do Adoe Illustrator que são muito usados também.

No caso desses tutoriais é possível acompanhar as edições e alterações realizadas pelo autor do tutorial nas curvas, sendo que a primeira das alterações é a mais óbvia em se tratando da modelagem de por curvas que é o uso de um extrude. Assim que as curvas recebem o extrude temos a logomarca transformada em 3d. Essa é apenas a primeira parte de uma série de pequenos ajustes e transformações que abrangem o uso de modificadores como o Bevel para suavizar as arestas do modelo 3d e também a aplicação de materiais e iluminação na logomarca.

Depois que as curvas são importadas para o software, o trabalho de modelagem fica muito semelhante ao que é realizado com outros elementos 3d. A pior parte é saber fazer os ajustes iniciais, como a união das curvas no início do tutorial.

Tutorial Cinema 4D: Usando operações Booleanas para modelagem 3D

As chamadas operações booleanas forma uma das ferramentas mais simples e comuns em termos de modelagem 3d, pois está presente na maioria dos softwares 3d. O uso das operações booleanas faz parte de qualquer tipo de curso introdutório para ferramentas 3d, pois com essas ferramentas é possível criar formar relativamente complexas usando apenas primitivas geométricas. Caso você nunca tenha usado esse tipo de opção nos softwares 3d, a ferramenta consiste basicamente em três operações básicas que são a união, subtração e interseção. Por exemplo, ao mover dois objetos bem simples como dois cubos de maneira que os seus volumes façam uma interseção, podemos aplicar uma operação como a união para gerar um novo modelo 3d com base nesse posicionamento.

O funcionamento da ferramenta é sempre guiado pelo posicionamento dos objetos. Como exercício para treinar a manipulação dos softwares 3d, a modelagem com booleans acaba ajudando no domínio das transformações também (mover, girar e escalonar). Se você quiser ter uma boa idéia de como as operações booleanas funcionam no Cinema 4D, o tutorial abaixo mostra um exemplo de como esse tipo de modelagem pode gerar de maneira rápida, objetos compostos relativamente complexos.

No vídeo é possível acompanhar a modelagem de uma cabeça de parafuso, usando apenas primitivas geométricas para a modelagem 3d. Nesse caso, foram usados dois cubos e um cilindro.

Para que a modelagem pudesse gerar a forma desejada, o autor do tutorial precisou usar dois Booleans diferentes, em que o primeiro foi aplicado nos cubos para gerar apenas um objeto. Esse foi um Boolean do tipo união e o segundo foi uma subtração no cilindro da forma resultante. A modelagem acaba sendo bem rápida.

O tutorial mostra um aspecto muito importante do Boolean no Cinema 4D, que se repete na maioria dos softwares 3d. O modelo 3d resultante apresenta topologia completamente bagunçada e que não possibilita a edição futura das arestas. Basta visualizar como é que o modelo 3d é representando, quando o vídeo mostra o resultado da operação em forma de arame. Esse é o motivo que faz o uso dos Booleans, apesar de ser uma grande ajuda para modelos 3d simples, ser evitado ao máximo por artistas 3d mais experientes. No momento em que uma operação booleana é usada em modelos 3d, a edição posterior desse modelo fica bem comprometida.

Tutorial de Cinema 4D: Modelando um parafuso

Existem alguns objetos em particular que representam desafios de modelagem para as pessoas sem experiência com ferramentas 3d. Um desses objetos que é presença garantida em praticamente todas as aulas e cursos sobre modelagem 3d, independente do software ou ferramenta utilizada, é o parafuso. Por mais simples e corriqueiro que possa parecer, a morfologia desse objeto o deixa severamente complicado desenvolver uma seqüência de modelagem que represente da melhor maneira possível um objeto circular e inclinado ao mesmo tempo. Se você quiser conhecer o processo de modelagem desse objeto no Cinema 4D, o tutorial abaixo mostra muito bem a maneira, assim como as ferramentas necessárias, para criar um parafuso usando técnicas da modelagem por subdivisão.

O primeiro vídeo mostra o artista modelando a base do parafuso, que em minha opinião poderia ter sido feito de maneira bem mais simples, fazendo a seleção da parte inferior do objeto para depois com a ferramenta extrude, puxar as arestas já criadas em forma de cilindro. Se você assistir ao vídeo, vai perceber que o artista optou por criar os objetos de maneira independente, para depois fazer a união entre os dois. O método não está errado, pois o resultado final é exatamente o mesmo, mas como prática de modelagem essa fase poderia ser melhorada.

No segundo vídeo podemos acompanhar a criação do detalhe em espiral do parafuso que é a parte mais desafiadora, em termos de modelagem pela natureza do objeto. Nesse caso o autor do tutorial aproveitou que o Cinema 4D já apresenta um objeto com morfologia semelhante a uma mola, estruturada de forma helicoidal e adaptou a forma do modelo 3d ao longo do cilindro que forma a base do parafuso.

Para finalizar a parte de modelagem do projeto o autor ainda adiciona o sulco na parte superior do parafuso que serve de encaixe para a chave de fenda.

Mesmo senso um objeto tão simples, o parafuso ainda será por muito tempo um dos itens obrigatórios em qualquer curso ou programa educacional sobre modelagem 3d. É quase como o exemplo de modelagem usando loft no 3ds Max, em que a maioria dos cursos aborda a modelagem de uma chave de fenda como exemplo. Para a modelagem 3d misturando polígonos com curvas, usamos um parafuso. Se você nunca tentou criar um objeto assim, recomendo fazer um teste para descobrir que esse tipo de topologia é mais difícil de modelar do que parece.

Como criar roupas virtuais com o Cinema 4D?

Sempre que um artista 3d precisa elaborar um personagem virtual apresentando peças de vestuário, isso pode significar uma grande dor de cabeça para o projeto. Quando um personagem virtual precisa apresentar roupas ou peças de vestuário específicas, basicamente temos duas opções para desenvolver o modelo 3d que são com texturas aplicadas em partes da geometria, para simular o uso de roupas e modelagem da roupa em si. A primeira opção é mais vantajosa em termos de consumo de recursos, pois o uso de texturas requer muito pouco do computador. Mas, para animações mais sofisticadas e que precisam simular as colisões e comportamento físico da roupa, precisamos modelar mesmo a peça.

A maioria dos softwares 3d já apresenta algum tipo de recurso ou ferramenta capaz de simular roupas e objetos com comportamento semelhante. Alguns deles com mais ou menos recursos, capazes de interagir com outros objetos participando da simulação física. Hoje vou mostrar uma maneira de fazer esse tipo de modelo usando as ferramentas do Cinema 4D, que apresenta uma técnica bastante conhecida para trabalhar com a modelagem de roupas para personagens.

O tutorial pode ser encontrado em vídeo, dividido em duas partes. A primeira parte do vídeo é dedicada a modelagem dos objetos que representam a roupa do personagem e a segunda mostra a configuração da ferramenta Cloth do Cinema 4D.

A técnica consiste na modelagem de um objeto ao redor da parte do personagem em que se deseja adicionar a roupa. Esse objeto é um polígono que apresenta a forma aproximada da roupa. Na primeira parte do tutorial em vídeo, o autor cria um plano e faz pequenas edições, como excluir algumas faces e vértices, para fazer com que o plano adquira a forma da roupa do personagem. Nesse caso a roupa é uma camiseta, por isso ele acaba deixando a morfologia do objeto com essa aparência.

Depois de criar o polígono na parte frontal do personagem virtual, o autor do tutorial faz uma cópia do objeto na parte posterior e depois liga as duas. Isso acaba compondo a geometria completa do objeto em 3D. Antes de continuar com os preparativos para aplicar o Cloth tag, ainda é necessário ajustar as normais dos objetos para evitar problemas de topologia.

Já no segundo vídeo, podemos acompanhar o ajuste do Cloth Tag em que é possível acionar as ferramentas que realmente transformam o modelo 3d em roupa. Você precisa determinar as faces que formam os Seams da roupa e depois no painel Dresser, marcar a opção Dresser Mode e clicar no botão Dress-O-Matic. Isso aciona o modo de ajuste do modelo 3d para simular a roupa. O procedimento é semelhante ao que o modificador ShrinkWrap do Blender 3D faz, mas só que é especificamente direcionado para aplicação em peças de vestuário em 3D.

Caso você queira conferir a mesma técnica aplicada em outro tutorial, mas dessa vez descrita e exemplificada em texto e imagens, visite esse link para acompanhar um tutorial de Cloth tag com o Cinema 4D.