Clicky

YafaRay funcionando direto no Blender 2.47?

Você está lembrado do YafaRay? A nova geração do YafRay, o renderizador que melhor se integra com o Blender 3D? Até hoje, a única maneira de usar essa ferramenta, era com uma versão especial do Blender 3D, modificada no código fonte para poder exportar cenas para o novo YafRay. Isso era necessário, pois a única maneira de fazer uma integração real seria com a Render API, do Blender 2.50.

Como o Blender 2.50 não está sequer perto de ver a luz do dia, muitos usuários ficam frustrados e com receio de aproveitar as fantásticas opções de renderização do YafaRay, em ambientes de produção. O motivo é simples, a versão do Blender que permite fazer a exportação do modelo é ajustada no código fonte, e pode ser instável. Portanto, usar esse tipo de ferramenta em ambientes de produção é muito arriscado, especialmente quando isso significa colocar em risco um trabalho que envolva recursos financeiros.

Para os que gostariam de usar imediatamente o YafaRay, em ambientes de produção, a espera pode estar próxima do fim.

YafaRay e Blender 3D

Pois é, parece que a nova versão do YafRay pode começar a funcionar mais cedo do que esperávamos no Blender 2.47 e versões posteriores, antes mesmo da tão esperada Render API do Blender 2.50 seja disponibilizada. Nos fóruns do YafRay, foi anunciado que a ferramenta que exporta para o YafaRay foi portada com sucesso, para um Script em Python, permitindo que seja possível usar o YafaRay, antes mesmo do Blender 2.50. Será que era por isso que ninguém estava trabalhando na resolução dos problemas de compatibilidade, entre o Blender 2.47 e o YafRay 0.0.9? A única certeza que é que há sim a possibilidade de que isso seja uma realidade para a maioria dos usuários.

Como fazer para usar isso? Ainda não é tão simples, como mostram as instruções nessa mensagem publicada nos fóruns do YafRay. Você precisa compilar o YafaRay, com o Scons e depois colocar o script em Python do YafRay, dentro da pasta de Scripts do Blender 3d.

Ainda existem algumas limitações com esse método, que são a impossibilidade de visualizar o andamento do Render e o cancelamento do mesmo, quando você quiser desistir da imagem e começar novamente.

Mesmo assim, esse recurso promete!

2017-04-11T10:33:56+00:00 By |Blender 3D|7 Comentários

Sobre o Autor:

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

7 Comentários

  1. Alan Queiros 07/09/2008 em 2:49 am

    Ótimo você tocar nesse assunto Allan!

    Hoje mesmo acabei de compilar o último Yafaray usando o Script que tem no fórum para facilitar a compilação no Linux (http://www.yafray.org/forum/viewtopic.php?t=1524), eu compilei ele otimizado para a minha máquina e posso dizer que realmente, este é um senhor renderizador!

    Para Ubuntu já tem até o pacote pronto, quem quiser vale a pena dar uma visitada no fórum oficial.

    Ele é bom pois é muito simples e funciona excelentemente bem, e é realmente muito rápido.

    Fora que apesar da integração ao Blender não ser tão boa quanto o seu antecessor, sem dúvida ela é bem melhor que qualquer outro renderizador externo que tem por aí!

    Lógico que ele é fácil para quem já está acostumado com os parâmetros de um renderizador, mas temos alguns renderizadores como o Mental Ray, que mesmo para quem está acostumado com tudo ainda é difícil, sendo praticamente impossível para um leigo fazer algo bom com ele em pouco tempo.

    Para arquitetura ele é simplesmente perfeito eu diria, eu obtive imagens idênticas a renderizadores unbiased (Indigo no caso) a diferença fica por conta de alguns dias a mais para o Indigo.

    Ainda não temos um renderizador tão amplo e poderoso como o Mental Ray, e eu não posso afirmar com certeza, pois não conheço o Vray, mas acho que o Yafaray está muito semelhante a ele pelo o que eu tenho ouvido falar.

    Obrigado.

  2. Rodrigo Santiago 09/09/2008 em 10:50 am

    @Alan Queiros: E aí cara tudo bem?
    Bom que o Yaf(a)ray é um excelente renderizador, é verdade, mas daí a dizer que é “melhor que qualquer outro”, é muita pretensão não acha? 🙂

    Já fui usuário do Yafray antigo e apanhei muito com as sombras borradas dele, diferente do Indigo. Mas esse novo não tive oportunidade de testar direito ainda, e já que você disse que tem pra Ubuntu, onde foi que você achou?! tem como me mandar o link? Minha versão é Ubuntu 8.04 32 bits… e procurei, proicurei lá e não achei. Isso é o chato do Yafaray, custa atualizar, custa ter um build pra GNU/Linux, tem que compilar (coisa que é complicada pra mim), etc. Mas em questão de velocidade, realmente você tem razão. Por isso gostaria de testa-lo.

    Abraço.

  3. Alan Queiros 11/09/2008 em 11:48 am

    Eu não falei que é melhor que qualquer outro renderizador, eu disse que apesar de a integração com o Blender não ser tão boa quanto a do yafray, ela (a integração) é melhor que de qualquer outro renderizador externo que se tem por aí, como Indigo, Luxrender, Sunflow, etc.

    Depois lendo eu ví que realmente ficou estranha essa parte.

    o link tá aí:

    http://www.yafray.org/forum/viewtopic.php?t=1681
    (do tópico no fórum yafray)

    http://www.mediafire.com/?bmqjaygxmex
    http://mihd.net/r9z1i7x
    (dos mirrors para download direto)

    Espero que ajude, aqui funcionou perfeito, só que com uma pequena perda de desempenho em comparação a minha versão compilada (de 10 a 15%).

    Parece pouco mas na verdade não é tão insignificante assim, e depois com o tempo, conforme o código vai ficando mais robusto essa diferença geramente vai se acentuando, por se tratar de opensource, por falar nisso, no Luxrender há uma diferença grande se você compilar na plataforma Intel de núcleo Conroe. Eu imagino como que renderizadores como o Indigo ou Maxwell poderiam ser mais rápidos se houvesse a possibilidade de compilá-los para a sua máquina, ou se eles lançassem versões compiladas especificamente para pelo menos as plataformas mais comuns do mercado.

    Aliás, essa é uma grande vantagem do opensource, as compilações genéricas sempre perde muito em desempenho dependendo do caso (em se tratando de renderizadores sempre há uma perda significante) e os fabricantes de processadores não vão entrar em um acordo em pouco tempo, o mais fácil mesmo seria lançarem versões para processadores específicos, e não o fazem pois eles não tem como lançar versõs para processadores que ainda vao ser lançados, ou seja, eles iriam perder clientes se o cliente souber que se ele fizer um upgrade no processador aquilo já não vai funcionar tão bem, parece uma coisa que se pode resolver simplesmente com suporte online, que atualiza a vesão para o seu processador recente, mais é muito mais complexo do que se pensa, por isso que uma boa parte do orçamento de programação dos renderizadores comerciais de hoje em dia vai para que código rode satisfatóriamente em várias plataformas, uma espécie de eqüilíbrio entre compatibilidade de performance e performance bruta, é realmente muito complicado, não dá para falar só nesse post. 😀

    Abraços

  4. Rodrigo Santiago 11/09/2008 em 12:21 pm

    Obrigado Alan. Consegui fazer rodar e dando umas vasculhada, percebi algumas coisas chatas:

    – Tem que recriar todos os materiais que vc já tinha feito no Blender, um saco pois ele não converte como no indigo.
    – Tem que ficar selecionando o material o tempo todo… ele não ativa quando se leva o mouse na janela do script.
    – O preview é muito doido não dá pra se basear nele, sem contar que tem que ficar apertando o botãozinho de atualizar toda hora.
    – Não consigo um render decente… minha frustração com ele ta aumentando :\. O pior que não tem documentação pra esse script ainda então fica complicado, quem tiver algum link ou tutorial, por favor, poste aqui pra nós.

    O que eu gostei, é que ele é bem rápido realmente. Mesmo rodando sem estar compilado, aliás “compilação” é uma coisa que me deixa brabo no GNU/Linux, cada programa é de um jeito… alguns são iguais na forma de compilar mas um você consegue e outro não. Poderia ter uma forma mais fácil de fazer isso… Vocês conhecem algum tutorial, apostila que ensine a compilar de forma fácil e didática?!

    Abraço.

  5. Alan Queiros 11/09/2008 em 9:46 pm

    Rodrigo,

    -Se você criar os materiais no Blender e depois abrir o script eles serão convertidos(genericamente como no indigo mas vão).

    -Realmente ele não ativa automaticamente o material do objeto selecionado. Mas isso certamente será implementado em breve.

    -O preview nada mais nada menos que é uma esfera com o seu material aplicado, é lógico que as condições de iluminação mudam muito, então tem que ter bastante noção de como o material ficará em outro modelo e com outra iluminação. Não tive nenhum problema com isso, achei muito útil o preview, mas também não gostei de ter que apertar o refresh.

    -O que você instalou já não veio com uma cena de exemplo?
    Dê uma testada nas combinações dos parâmetros do render, o Photon Mapping é recomendado para 90% dos casos, utilizando juntamente o Final Gather.

    A compilação não tem jeito mesmo, é só saber os comandos certos para se compilar e prestar bastante atenção na saída dos erros caso aconteça algum.

    Abraço

  6. Rodrigo Santiago 12/09/2008 em 1:33 pm

    Obrigado Alan. Essa questão do preview é chata mas não atrapalha tanto, pois consegui uma cena pra testes de materiais que facilita bastante.
    Estou fazendo uns testes mais avançados, e fiquei impressionado com a velocidade do Photon Mapping, estou começando a me habituar com os shaders agora, pois na questão da qualidade do render, obtive resultados excelentes em uma cena interna, coisa de 35min (1024×960 px).
    Uma das vantagens do Yaf(a)ray é a possibilidade de renderizar partículas, aceitar displace e textura procedural. Estou mais animado dessa vez. 🙂

  7. Rodrigo Santiago 12/09/2008 em 1:37 pm

    Esqueci de perguntar: 🙂
    Vocês sabem a melhor forma de importar um material do Yaf(a)ray da minha cena de teste para cena que estou trabalhando?! Tem como a gente criar um banco de materiais em um arquivo e carrega-lo no menu de materiais dele?

    Abraço.

Deixar Um Comentário