Os princípios da animação aplicados na prática

A pratica da animação é muito pautada por uma mistura de prática e sensibilidade para conseguir reproduzir movimentos que passem emoção e contexto, seguindo um roteiro como norte dos movimentos e gerando personagens e movimentos cativantes. Esse tipo de atividade é encarada como arte, mas apresenta algumas pequenas regras que se seguidas, ajudam muito os animadores menos experientes a não cometer erros ou achar logo o ponto em que o posicionamento de keyframes fica mais natural. Sempre que tenho a oportunidade de ensinar animação, comento sobre o uso dos chamados princípios de animação e como eles podem às vezes ajudar, e atrapalhar também os animadores. Já vi casos de animadores que estavam bitolados em seguir os princípios e não conseguiam visualizar nada que ficasse de fora dessas regras, e outros que nunca tinham tido contato com esse tipo de regra e conseguiam gerar animações muito boas.

Será que esses princípios se aplicam em todos os casos? E apenas em um deles? Um animador chamado Francis Jasmin publicou um artigo muito interessante para os que gostam de animação, reunindo informações sobre a aplicação de todos os princípios de animação no movimento mais simples de todos, o da bolinha quicando. Sim, esse é o famigerado exercício pelo qual todos que estudam animação desde ferramentas como o Flash até animação manual estudam e precisam realizar em cursos.

animacao-principios.jpg

O mais interessante desses estudos, é que o autor consegui agregar diversos vídeos e links para outros artigos, complementando as suas próprias explicações. Os princípios que ele aborda são os seguintes:

  • Timing: Estudo do tempo da animação
  • Spacing: Espaçamento do movimento
  • Tangent vs. Arc: Movimento em arco ou tangente a trajetória
  • To be or not to be alive: Como dar aspecto de um ser vivo a bola?
  • Slow in and Slow out: Desaceleração ou aceleração na animação
  • Anticipations: Antecipação de movimento
  • Physique: Respeitando a física do movimento
  • Variation in Timing and Action: Variando o tempo para enfatizar ações
  • Getting Movement with the Movement: Movimentos secundários
  • Squash & Stretch: Esticar e comprimir
  • Thinking as a bouncing ball: Se você fosse uma bola, o que você faria?

Pode até parecer que o artista forçou a aplicação de todos os princípios na tradicional animação da bola quicando, mas as explicações e exemplos são muito bem planejados e explicados.

Se você passou rápido por esse tipo de exercício na aula de animação, recomendo que leia com atenção o artigo e tente reproduzir todos os efeitos e movimentos descritos, para reproduzir a dinâmica dos movimentos da animação. Uma bolinha pode ser a base para que você exercite conceitos bem mais avançados de animação.

Quem diria que você teria outra oportunidade de trabalhar com o famoso exemplo da bolinha quicando!

Publicado por

Allan Brito

Arquiteto que trocou as construções baseadas em tijolos pelas que utilizam pixels! Sim, os pixels também precisam ser devidamente construídos, e quem melhor do que um arquiteto para planejar construções?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *