Primeira imagem do sistema de Tracking de vídeo no Blender

Os projetos que estão em desenvolvimento como parte do Google Summer of Code 2011 para o Blender formam uma verdadeira salada de frutas, e não estou falando no sentido figurado. Todos os projetos foram organizados em grupos identificados por nomes código usando nomes de frutas e vegetais em inglês, e o grupo que concentra todas as novidades é chamado de “Salad”. Para entender melhor o que cada um dos projetos representa, você pode conferir o diagrama abaixo que mostra os projetos que fazem parte de cada um dos grupos. O diagrama foi criado por Sean Olson.

gsoc-large.png

Entre todos esses projetos existe um deles que desperta grande interesse por todas as pessoas que trabalham com animação no Blender, que é o desenvolvimento de um sistema integrado de Camera Tracking para o software. Esse sistema deve fazer parte do próximo “pacote” de atualizações que será adicionado ao Blender pelo próximo Open Movie, planejado para mesclar elementos reais com virtuais. Nesse caso, o uso de um sistema de tracking é mais que fundamental!

Mas, o que faz esse tipo de sistema?

Um software especializado em traking de câmera consegue realizar uma tarefa bem complexa, relacionada com a identificação das superfícies em uma imagem, com base na reprodução de um vídeo. O processo funciona mais ou menos assim:

  1. O software faz uma análise do vídeo identificando pontos e arestas;
  2. Depois esses pontos são calculados e convertidos em planos;
  3. Esses planos identificam superfícies e objetos no vídeo
  4. O movimento da câmera que gravou o vídeo é então convertido em uma câmera virtual, que pode ser usada para gerar elementos para integração com o vídeo.

Com esse princípio em mente, podemos entender como fica fácil colocar objetos sobre uma mesa, ou então criar planos em que atores podem interagir com elementos reais de vídeo.

Como forma de mostrar um pouco do progresso no desenvolvimento do sistema de traking do Blender, já foi divulgada a imagem da interface desse sistema que ainda não está disponível para testes, mas logo deve ganhar algumas versões no grupo “Tomato”. Na barra de ferramentas estão os controles para marcação de pontos e ajuste do tracking. Por enquanto é só a imagem da interface que temos para analisar, e nada mais além de esperar pelos primeiros alphas da ferramenta.

GSoC-CameraTrackingWip.png

Se você trabalha com edição de vídeo e recorre a softwares caros de traking para mesclar vídeo com 3d, o Blender pode ser uma solução viável para os seus projetos no curto prazo!

Tutorial After Effects: Integrando modelos 3D do Photoshop CS4

O Photoshop CS4 trouxe grandes avanços na manipulação de objetos 3d em relação a versão CS3, sendo que muitos desses benefícios se estendem aos profissionais e artistas que usam softwares como o After Effects, que tinham limitações ou precisavam de truques para adicionar modelos 3d as suas composições. Caso o artista escolha usar o Photoshop CS4, a integração dos modelos 3d é feita de maneira direta com os próprios arquivos PSD. A melhor parte é que os modelos 3d podem apresentar animação e texturas!

O tutorial abaixo mostra os procedimentos e passos necessários para manipular um modelo 3d no Photoshop CS4 Extended e depois exportar o arquivo para o After Effecs CS4. Assim que o modelo 3d estiver no After Effects, o artista ainda usa as ferramentas de tracking do After Effects para alinhar a posição do modelo 3d com partes do vídeo.

Como você deve ter visto na introdução do autor do tutorial, o objetivo do vídeo é mostrar como fazer com que o objeto 3d representado pelo modelo da TV, seja adicionado na composição do After Effects e depois que esse mesmo objeto siga os movimentos da mão do apresentador.

A primeira parte é feita no Photoshop, em que vemos de maneira rápida as características de um layer 3d e depois o artista ainda mostra como é possível adicionar texturas em partes específicas do modelo. Nesse caso ele mostrou que também é possível usar arquivos de vídeo como textura, sendo que o modelo 3d da TV recebeu um vídeo como textura da sua tela.

Com todos os ajustes feitos no Photoshop o próximo passo foi levar o material para o After Effects, em que o arquivo PSD foi importado como uma nova composição. Como é perfeitamente possível misturar composições, de maneira semelhante ao que acontece com as seqüências no Adobe Premiere, basta clicar e arrastar o material sobre a timeline para que o mesmo se misture com a qualquer composição.

A parte de composição é simples, mas para completar e finalizar o tutorial, ainda é necessário fazer uso do motion tracking do After Effects. Nesse caso o artista usou uma opção simples de tracking, disponível no próprio After Effects. No menu animation é só escolher a opção Track Motion para que um menu apareça, assim como um pequeno alvo na composição. Esse alvo é usado para marcar os pixels que devem ser rastreados na tela.

Com tudo configurado é só pressionar o botão para iniciar o tracinkg e os keyframes são gerados. Pronto! Agora é só alinhar a TV.

Tutorial de motion tracking com o Adobe After Effects CS4

Aqui no blog o assunto Motion Tracking já foi abordado várias vezes em artigos diferentes, mas nunca é demais falar sobre essa técnica tão importante para todos que trabalham com edição e composição de vídeo. A técnica é simples e consiste na identificação de pixels no vídeo, para que o software possa seguir o movimento do objeto pelo vídeo com o objetivo de fazer composição ou substituir esse objeto no vídeo. O After Effects é apenas um dos softwares que faz esse tipo de tarefa, existem outras opções como o Shake da Apple e o Combustion da Autodesk. No Brasil a maioria das produtoras e empresas trabalha com o After Effects.

O tutorial que indico hoje foi produzido pelo pessoal da creativecow, um dos web sites mais famosos em termos de tutoriais e dicas para edição de vídeo. Nesse vídeo o autor aborda o uso do famoso plugin Mohca, que é um pequeno sistema anexo ao After Effects que ajuda nesse tipo de tarefa. O objetivo do tutorial é remover um item indesejado de um vídeo, que nada mais é que um pedaço do tripé que sustenta as hastes de iluminação do estúdio. Quando esse tipo de coisa é percebida, a equipe e atores já foram dispensados e seria muito caro filmar novamente.

A solução é usar um software para remover esse material do vídeo.

No vídeo o autor usa três softwares diferentes para realizar a tarefa, que são o After Effects, Mocha e o Photoshop. O Photoshop é usado para gerar uma imagem sem o tripé, que será usado para substituir a parte do vídeo em que o objeto aparece. Caso você não conheça, essa é uma ótima oportunidade de conhecer a ferramenta Vanishing Point do Photoshop que consegue editar e aplicar um tipo de clone em perspectiva. Um artista 3d poderia economizar várias horas de render em pequenas correções em imagens 3d.

Depois que a imagem está editada e o tripé foi removido, o próximo passo e delimitar a área que será editada no Mocha para que o Motion Tracking possa marcar a área do vídeo. Com o vídeo marcado e o tracking feito, basta abrir o After Effects e aplicar uma máscara no vídeo com a imagem gerada no Photoshop, para que o vídeo seja substituído e o tripé desapareça.

Explicando apenas com palavras pode parecer simples, mas esse tipo de tarefa exige muito planejamento e em alguns casos, em que objetos parados no vídeo se mesclam com fundos em movimento, o artista de composição pode ter muitos problemas. O importante é treinar e aprender o máximo de técnicas e soluções, para que quando esse tipo de projeto apareça, o melhor caminho possa ser encontrado de maneira mais rápida.

Tutorial After Effects CS4: Motion tracking com o plugin Moca

O trabalho de composição e edição para vídeo pode ser extremamente complicado se o artista não dispuser das ferramentas corretas, para um determinado tipo de projeto. Uma dessas tarefas que exige softwares especializados é o chamado Motion Tracking, em que é necessário identificar um objeto no vídeo e fazer com que o software identifique os deslocamentos do mesmo no vídeo, para que a criação dos mais diversos efeitos fique mais simplificado. A maioria dos softwares que realizam Motion Tracking são baseados na identificação de pontos no vídeo, formados por grupos de pixels.

Junto com o After Effects CS4, um plugin chamado Moca ajuda na elaboração desse tipo de rastreamento no vídeo, com o uso de uma técnica inovadora em relação ao que o próprio After Effects faz. Ele faz o tracking com base em planos no vídeo e não mais em grupos de pixels.

Se você quiser aprender o funcionamento dessa ferramenta, com um ótimo exemplo que mescla o uso de material elaborado no Photoshop com After Effects, o Creative Suite podcast lançou na semana passada um tutorial que mostra os procedimentos para usar a ferramenta no After Effects CS4.

tutorial-after-effects-cs4

O vídeo é bem curto, com apenas 16 MB, mas mostra um tipo de edição que pode até mesmo ajudar na edição de projetos envolvendo material em 3d.

Imagine a seguinte situação, depois de gravar um vídeo com atores contratados e cenários preparados, você percebe que faltou adicionar um pequeno detalhe importante na cena, ou um novo patrocinador surgiu, querendo que a sua logomarca apareça em algum lugar nas paredes de um cenário. Com o material todo pronto, a solução é passar a tarefa para a pós-produção.

No tutorial o autor mostra o processo necessário, para acionar um pôster em um plano no cenário. O detalhe desafiador do projeto é que a câmera está se movendo, inclusive com aquela famosa “tremida” do operador.

Com o uso do Moca no After Effects CS4, que é um software externo ao After Effects mas que se integra perfeitamente as composições, o artista pode delimitar planos para realizar o Tracking. O processo é bem simples, basta desenhar o plano e deformar os cantos do plano, para que o software possa identificar o movimento dos pixels pertencentes àquela superfície.Quando isso está pronto, o autor do vídeo alinha o pôster criado no Photoshop com o plano identificado.

Depois, basta exportar o resultado para a composição do After Effects com o objeto e terminar o projeto.