Novos recursos na viewport Nitrous do 3ds Max

Com o lançamento do 3ds Max 2012 a Autodesk apresentou uma tecnologia que proporciona a visualização de efeitos e iluminação de maneira realista na viewport do software, e essa tecnologia foi chamada de Nitrous. Já faz quase um ano que a Autodesk lançou o 3ds Max 2012 e a próxima atualização do 3ds Max vai trazer melhorias na tecnologia usada para apresentar sombras, luzes e texturas na viewport usado o Nitrous.

Como forma de demonstrar o que podemos esperar nas próximas atualizações a Autodesk está publicando diversos vídeos com prévias das ferramentas que podem ser disponibilizadas com o 3ds Max 2013.

Um desses vídeos aborda exatamente a viewport Nitrous e as suas opções avançadas de visualização em tempo real.

Para quem não conhece a viewport Nitrous o vídeo é uma excelente demonstração do poder dessa tecnologia, como forma de acelerar a visualização de determinadas partes de um projeto. Podemos até em algumas situações utilizar a próxima visualização na viewport como render, pois ela é suficiente para simular alguns comportamentos mais simples da luz.

O destaque desse vídeo é a apresentação de um novo modo de visualização na viewport chamado de Realistic.

Podemos perceber pelo vídeo que mesmo utilizando a representação de personagens em movimento, usando deformações de malhas 3d a qualidade da visualização em tempo real é impressionante. As sombras não ficam serrilhadas e existem diversas opções avançadas de visualização e controle das sombras, para usar suavização e até mesmo níveis diferentes de bordas para controlar a maneira com que as sombras são apresentadas.

Toda essa tecnologia e sofisticação na visualização de cenas 3d é interessante, mas só pode ser aproveitada por pessoas com um equipamento preparado para aplicações gráficas pesadas baseadas em GPU. Por isso, aos que quiserem se aventurar no 3ds Max para usar a viewport Nitrous, recomendo investir em placas de vídeo poderosas com múltiplos núcleos.

A linha de produtos 2013 da Autodesk deve ser lançada em meados em Abril, seguindo um calendário quase em sincronia com a Adobe que também deve atualizar a sua linha de produtos da família Creative Suite para a versão 6. Pelo menos nos últimos anos, o mês de Abril é o período escolhido para lançar esses produtos. Assim que mais detalhes sobre o 3ds Max 2013 foram divulgados, publico aqui no blog.

Comparação de performance da viewport do 3ds max 2012

Os projetos que demandam o uso de modelos com grande quantidade de polígonos podem ser o maior pesadelo de artistas 3d, pois o conjunto de software e hardware pode não se suficiente para manipular a complexidade do arquivo. Se você nunca passou por esse tipo de situação, posso garantir que é uma das experiências mais irritantes em termos de trabalho com softwares 3d. Para exemplificar esse tipo de situação, encontrei um vídeo que faz uma comparação no ganho de performance entre o 3ds max 2011 e o 3ds max 2012. O autor do vídeo faz uso de um modelo 3d extremamente pesado que é o War Machine, personagem do universo Marvel.

O modelo apresenta mais de 300 objetos e aproximadamente 3 milhões de polígonos, o que é considerável para esse tipo de personagem. Com essa quantidade de detalhes, a manipulação do personagem fica prejudicada. O início do vídeo usa o 3ds max 2011 e mostra como é difícil manipular o modelo, mesmo depois que o mesmo entra no cache da Viewport, operações como a conversão dos objetos para Editlable Poly demoram aproximadamente 5 minutos! Sim, apenas a conversão do tipo de geometria.

Aproximadamente na metade do vídeo o autor faz a troca do software para o 3ds max 2012, e o ganho de performance com a tecnologia nitrous é assustadora. O mesmo modelo 3d com aquele quantidade absurda de polígonos é carregado e atualizado quase que de maneira instantânea, e para piorar a situação o max adicionar automaticamente oclusão as sombras, gerando um efeito bem legal na Viewport. A conversão para Editable Poly também acontece praticamente de maneira instantânea!

É com esse tipo de comparação que podemos avaliar a evolução de um software.

A manipulação desse tipo de objeto é um dos desafios do trabalho em grandes projetos, pois o software acaba não conseguindo trabalhar com a quantidade de dados apresentada. Já pensou adicionar nessa cena outro personagem, para conseguir trabalhar com animações de luta ou interação entre os dois? Pior ainda seria se o objetivo fosse trabalhar com o personagem usando um cenário também baseado em geometria, por isso é que acabamos recorrendo para composição de imagens para gerar imagens com objetos muito complexos.