Tutorial 152 – Blender 2.74: Ambient Occlusion na 3D View

Um dos recursos que podemos usar para melhorar o realismo das nossas cenas criadas no Blender é o Ambient Occlusion, que adiciona um efeito visual interessante nas cenas que simula as sombras de contato em objetos no mundo real. Até pouco tempo atrás o Ambient Occlusion era uma das poucas opções para trabalhar com renderização próxima do realismo no Blender, antes do surgimento do Cycles. Apesar de termos o Cycles a disposição o recurso ainda se mostra importante como ferramenta para gerar realismo em cenas tridimensionais. No Blender 2.74 foi adicionada a possibilidade de simular o Ambient Occlusion direto na 3D View sem a necessidade de renderizar a cena.
Para mostrar o funcionamento desse novo recurso, acabei gravando um pequeno tutorial em vídeo que demonatra como aproveitar esse novo recurso:

O processo necessário para usar o Ambient Occlusion direto na 3D View é extremamente simples e requer apenas que uma opção no campo Shaing que fica na barra de propriedades da 3D View seja acionada. Depois de marcar a opção, você poderá visualizar os seus modelos 3d com as sombras de contato geradas pelo Ambient Occlusion. O recurso é simples de usar, mas pode economizar algum tempo de renderização das cenas pois não é necessário gerar as imagens com frequência para conseguir identificar o efeito.

O Blender é um software gratuito e que pode ajudar você a potencializar a sua produção 3d de diversas maneiras. No EAD – Allan Brito você encontra diversos cursos online sobre o software, que abrangem assuntos relacionados com modelagem 3d, render e produção de jogos digitais.

Dois dos últimos cursos do site podem representar a diferença entre o realismo que você procura nos seus projetos:

Com o conhecimento apresentado nesses dois cursos, você será capaz de aproveitar os recursos do Blender Cycles para ao mesmo tempo gerar renderizações realistas de produtos, e também criar apresentações interativas para arquitetura no Blender, aproveitando os recursos que a Game Engine do software oferece. Ambos os cursos oferecem certificados para os participantes que assistirem a todas as aulas.

Ambient Occlusion no 3dsmax e V-Ray 2.0

A renderização de objetos transparentes que precisam ao mesmo tempo oferecer superfícies translúcidas e também permitir a passagem de energia luminosa é um desafio, em qualquer renderizador. O problema nesse tipo de situação é que geralmente os objetos transparentes permitem observar objetos posicionados através da sua superfície, mas não são preparados para permitir que a luz passe pelo seu material. Quando é preciso gerar efeitos com ambient occlusion na parte posterior dessas superfícies, é necessário recorrer a truques ou artifícios que ajudem na passagem de luz por materiais transparentes. Os recursos necessários para gerar o efeito são os mais diversos, envolvendo o uso de render em “passes” e também a remoção dos materiais transparentes da lista de influência das fontes de luz, fazendo com que os mesmos fiquem invisíveis para a luz.

Ambient Occlusion no 3dsmax e V-Ray 2.0

Tudo isso pode ser realizado sem grandes dificuldades na maioria dos softwares e renderizadores, mas os usuários do V-Ray 2.0 e 3dsmax possuem algumas opções extras para resolver esse tipo de problema, como mostra um tutorial em texto publicado no MintViz. O tutorial mostra como renderizar a cena de um relógio, em que o efeito de ambient occlusion é necessário na parte logo abaixo do vidro do relógio que é totalmente transparente.

Ambient Occlusion no 3dsmax e V-Ray 2.0

O truque apresentado no tutorial consiste no uso de uma textura do tipo VRayDirt em conjunto com um VRayExtraTex, que apesar de prolongar um pouco o tempo de render da cena, pode realizar de maneira satisfatória o efeito de ambient occlusion e gerar sombras e iluminação por objetos transparentes.

O VRayExtraTex é um Render Element do V-Ray que deve ser adicionado no painel correspondente, e o VRayDirt é um tipo especial de material que altera as cores da superfície que possui esse material, gerando uma aparência “suja” por meio de sombras de contato. Como o efeito das sombras de contato é bem semelhante ao que acontece no ambient occlusion, podemos facilmente aproveitar o efeito como um substituto para esse tipo de situação.

O tutorial é bem ilustrado e pode ser seguido por usuários iniciantes sem grandes dificuldade, mas é necessário possuir o 3dsmax e o V-Ray 2.0 para que tudo funcione sem problemas.

Configurando iluminação com Ambient Occlusion no Blender

A configuração da iluminação de cenários em 3d pode representar um dos estágios mais difíceis para qualquer artista 3d que procura realismo, ou no mínimo criar uma cena com qualidade para apresentar um projeto. As competências e conhecimentos técnicos necessários para adicionar iluminação em cenários é bem diferente das que são relacionadas com modelagem, em que precisamos ter mais visão espacial. No caso da renderização e iluminação já se faz mais necessário o uso de conhecimentos de fotografia.

E o uso de renderizadores avançados com algoritmos sofisticados como Path Tracing ou Metropolis, pode parecer bom em um primeiro momento, mas quando a cena fica complexa e cheia de detalhes como vidro, materiais com glossy e outros elementos, você vai querer alguma solução mais rápida, seja de software ou hardware.

Como iluminar com Ambient Occlusion ambientes no Blender?

No Blender existe um efeito que podemos usar na renderização chamado de Ambient Occlusion, que cria um efeito interessante de realismo, adicionando sombras em áreas que estão para ficar ocultas na imagem. O resultado são as chamadas sombras de contato que atribuem realismo a cena.

Caso você queira aprender a usar esse tipo de ferramenta para iluminar cenas internas, o tutorial abaixo é bem simples em termos de aplicação, mas pode ser uma fonte de aprendizado para outros tipos de configurações de iluminação. O autor do tutorial faz a parte de modelagem do ambiente primeiro, para depois passar para a iluminação.

Os ambientes internos são mais difíceis de configurar com o Ambient Occlusion, já que o efeito é no sombreamento. Ainda é preciso trabalhar com pontos de luz no ambiente interno.

A parte final do tutorial mostra o autor adicionando ajustes extras a iluminação com base no node editor para composição, ajudando a criar um efeito mais limpo para a cena. Esse tipo de configuração é excelente para animações, pois o render fica muito mais rápido do que soluções baseadas em iluminação e render contabilizando iluminação global.

Como passar para renderização avançada com Blender?

Se você quiser aprender renderização avançada com Blender, é possível aproveitar o futuro renderizador do Blender chamado de Blender Cycles. As versões de teste do Cycles podem ser copiadas no graphicall.org e para os que gostariam de um tutorial completo, recomendo participar do curso sobre Blender Cycles. O curso faz parte do EAD – Allan Brito.

Revista BlenderArt 27 disponível para download

A revista online e gratuita especializada em computação gráfica e Blender, acabou de ter mais um número publicado no início dessa semana. A BlenderArt é uma publicação especializada em assuntos gerais de computação gráfica, e sempre divide as atenções da parte teórica da computação gráfica com diversos tutoriais e artigos com dicas sobre o uso do Blender. Sempre como acontece com todos os números da revista, existe um tema que direciona os artigos e material publicado. Nesse número o tema escolhido foi “Shadow Showdown”, que podemos entender como experiências e truques usando apenas luz e sombra.

Isso acaba resultando em diversos artigos e tutoriais sobre o uso e configuração de iluminação com o Blender!

blenderart27.jpg

Como é costume com esse tipo de revista, resolvi criar um pequeno sumário com os artigos da revista:

  • Dicas para trabalhar com sombras: Esse primeiro artigo da revista apresenta dicas de como podemos manipular e ter controle sobre a projeção de sombra nos objetos.
  • Ambient Occlusion: Se você nunca entendeu ao certo como funciona e a utilidade do Ambient Occlusion, esse artigo explica em detalhes o funcionamento dessa técnica.
  • Mesh Lights: Como usar objetos que emitem energia luminosa em uma cena? Essa é a pergunta respondida nesse artigo que já usa as opções do Blender 2.50.
  • Studio Pack Shot: Aqui temos uma excelente introdução ao mais usado sistema de iluminação para apresentar produtos e objetos, a chamada iluminação de estúdio.
  • Criando o Robbie the Robot: Esse é o único artigo que não segue o tema principal, pois o objetivo é modelar e criar um robô.
  • Usando luzes com texturas: Como podemos usar luzes associadas com texturas para melhorar e contextualizar uma cena? Aprenda como fazer isso nesse artigo.
  • Iluminando a cena The Vault: Making of de uma cena relativamente difícil de iluminar, pois não apresenta nenhuma abertura para entrada de luz natural.
  • Dicas de como resolver problemas com iluminação: O último e talvez mais importante artigo da revista lista diversas dicas interessantes sobre como resolver problemas de iluminação em projetos. Para quem sente dificuldade nesse tipo de tarefa, o texto tem dicas excelentes.

Para fazer o download da revista BlenderArt 27 visite esse endereço e comece a estudar mais sobre o processo de iluminação e sombras com o Blender. Parece que o web site da revista está offline, mas você ainda pode consultar o material online no issuu.

Tutorial de renderização em camadas no Blender 3D

A renderização em camadas é um recurso extremamente poderoso para evitar a criação de imagens e renders devido a pequenos problemas, sempre relacionados com o ajuste de intensidade em materiais e na iluminação. Apesar do Blender 3D já possuir um poderoso editor de nós que permite trabalhar a composição de imagens renderizadas, usando estruturas em camada, muitos artistas ainda não dominam completamente a técnica. Uma das razões para esse tipo de deficiência no uso da renderização em camadas é o curto período de existência desse recurso, que faz com que muitos artistas simplesmente achem que ele não é necessário.

Caso você nunca tenha usado a renderização em camadas no Blender 3D, mas gostaria de aprender o básico dessa ferramenta para usar nos seus projetos, o vídeo abaixo é de grande ajuda. Nele, um artista cria uma cena simples que é separada em várias camadas, para depois os seus elementos e segmentados sejam compostos no editor do nós do Blender 3D.

Compositing Render Passes in Blender. from adrian2608 on Vimeo.

O vídeo não apresenta narração, portanto é necessário apenas acompanhar as ações realizadas no tutorial para entender melhor o processo. O segredo para que a ferramenta funcione é a separação dos diversos elementos da cena em camadas, procedimento que é feito pelo artista no começo do vídeo. Repare que existe um menu no painel de renderização chamado Render Layers, em que vários botões são acionados. Esses são os botões que habilitam a separação dos elementos da cena em várias camadas.

Assim que os elementos são acionados, a janela com o editor de nós é atualizada automaticamente, mostrando as separações no nó que mostra as camadas da imagem.

Depois que a imagem está renderizada, o processo de composição pode começar. Basicamente o artista usa o nó Mix, que serve para misturar duas camadas da imagem com a opção de escolher um método de mistura, semelhante ao que existe em editores de imagem como o Photoshop. Em algumas situações a opção escolhida é o Add ou Multiply. Isso permite misturar as camadas para gerar uma composição final exibida no nó Viewer.

Mas, para que isso serve? Repare que os nós permitem que elementos como o Ambient Occlusion e as sombras da cena possa ser reguladas com índices de intensidade, sem a necessidade de renderizar a imagem novamente. Para cenas simples isso não tem tanta importância, mas imagine se o tempo de render fosse de 30 ou 60 minutos? Com um simples ajuste nas camadas é possível salvar muito tempo de trabalho.